A dimensão moral da luta de classes

Sir David Wilkie, Interior de uma casa de campo, estudo para The Irish Whiskey Still, 1835
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

O desemprego, a informalização, a precarização, as terceirizações, o achatamento da renda potencializam a fragmentação da identidade dos trabalhadores

Na emissora de rádio, a jornalista de economia expõe procedimentos para enfrentar a inflação de dois dígitos. Aconselha os ouvintes a se defenderem da alta de preços: (a) anotando em uma caderneta o valor gasto com cada produto comprado para efeitos de comparação e; (b) riscando do consumo as marcas que tiveram aumento exorbitante, para resguardar o teto do orçamento doméstico. O quadro apresentado se proclama de “utilidade pública”. O sistema econômico e moral em vigor, que organiza a conduta sociomidiática aceita dos indivíduos, transfere ao consumidor a responsabilidade no corte contínuo de despesas com a carestia. Para conter o empobrecimento, tome “educação financeira” (sic).

Sobre a pedagogia aplicada pelas regras do Consenso de Washington, a famosa bíblia do neoliberalismo, silêncio obsequioso. A dinâmica das finanças empurra o povo para o rio fundo da miséria, da fome e dos óbitos evitáveis do negacionismo. Depois, candidamente, pretexta que os afogados “foram avisados a manter a cabeça fora d’água”. O establishment oculta a imoralidade convertida em política, goza com a necropolítica – e lava as mãos sujas.

 

A perversidade da política econômica

Não à toa, Lula da Silva ao intervir no 9° Congresso da Força Sindical recriminou a “perversidade” da política econômica em curso. Não era figura de retórica. O diagnóstico do ex-presidente – feito com uma arguta “intuição programática” para evocar a expressão de Gramsci – une em um conceito de nítida conotação moral a degradação da sociabilidade graças à perda da qualidade de vida em amplos setores sociais. O convidado de honra do evento não pretendia dar lições sobre como aguentar calado a crescente pauperização, com a água batendo no nariz. Ao contrário, escancarou as razões e nomeou os responsáveis pelo rápido naufrágio da economia que afunda na ameaçadora recessão. Demonstrou uma sincera indignação, aplaudiu a mobilização democrática e pediu que os bravos sindicalistas se candidatem a uma vaga às Assembleias Legislativas e à Câmara de Deputados – para que a representação política no próximo quadriênio seja condizente com a diversidade do país.

O Brasil tem em torno de 14% da população economicamente ativa sem emprego formal, o que equivale a quase 15 milhões de pessoas. É o saldo da “impolítica” de Bolsonaro / Guedes. O fracasso explica a multidão de placas pedintes hasteadas nos semáforos. Mas o relato não acaba na impactante revelação estatística. Privados de proteção trabalhista, para sobreviver os desempregados mergulham na informalidade. Muitos tornam-se vendedores ambulantes de produtos industrializados, tipo carregadores de bateria e lanternas para as quedas de luz.

Entre os que batalham o suado ganha-pão com grilhões pré-modernos presos ao tornozelo, um contingente significativo engrossa as enormes fileiras dos motoristas de aplicativos e dos motociclistas para entregas a domicílio, em meio ao trânsito em fúria. Em ambos os casos, sem carteira assinada. A indústria, e isso não se restringe às bugigangas que chegam ilegalmente ao mercado, conta com a mão de obra de uma nova classe de escravizados.

Os batalhadores vitimados pela superexploração são desprovidos do “reconhecimento social” que, desde a Reforma Protestante no século XVI, advém em especial da valorização proporcionada pelo trabalho. Modernamente o reconhecimento decorre da formalização do labor pelo enquadramento legal, com salário acordado para a garantia do “princípio da dignidade”. Na falta dos requisitos elencados, injeta-se a insegurança nos subalternizados num jogo de perversão. Dado o contexto, o mal-estar moldado na realidade pela hegemonia anticivilizacional exprime-se nos índices de solidão. Acrescente-se que a ajuda oficial para as famílias empobrecidas é irrisória. “A cesta básica mais barata nas capitais custa o dobro da parcela média do Auxílio Brasil”, segundo o levantamento feito pela revista Piauí.

O capitalismo convive com engrenagens econômicas imorais travestidas como amorais porque, conforme o discurso ideológico legitimador, estariam vinculadas a relações laborais e processos econômicos entendidos na condição de elementos com uma objetividade infensa à vontade geral. Por detrás do falso objetivismo atribuído às misteriosas forças vivas que movimentam a economia, com uma pseudo independência da esfera político-social, subjaz a cínica dissimulação que cobre a indignidade das lides informais na sociedade. Naturaliza-se o status quo com o mantra da meritocracia para apagar o rastilho de rebeldia com a situação.

 

Participação ativa e engajamento ético

Marx desvendou os mecanismos que impulsionam o acúmulo da riqueza no capitalismo. Trouxe à tona a extração da mais-valia do proletariado após a Primeira Revolução Industrial, com a substituição da manufatura pela maquinofatura, a inserção nas fábricas têxteis das máquinas de fiar, o tear mecânico, a máquina de vapor, e as locomotivas. Em paralelo, lançou uma condenação moral ao sistema com pilar na dialética do capital e do trabalho. A burguesia, explicou, se apropria do fruto laboral coletivo em proveito próprio. “A grande indústria moderna suplantou a manufatura; a média burguesia manufatureira cedeu lugar aos chefes de verdadeiros exércitos industriais”, lê-se no Manifesto de 1848.

Alegoricamente a riqueza era o baú do tesouro que se encontrava nas solenes promessas da industrialização e da urbanização, a modernização contra o arcaísmo na produção e nos costumes. Hoje, porém, fortunas se erguem pela especulação, juros, dividendos, formação de oligopólios e monopólios. Sob o capital financeiro, o cassino especulativo “rendeu de 7% a 9% nas últimas décadas”, enquanto “o PIB mundial cresceu por volta de 2% a 2,5% ao ano”. Um contra-senso que não beneficia a coletividade. “E a ética tem muito a ver com os desafios”, resume Ladislau Dowbor no artigo “O Sucesso que Gera Desgraça”, postado no Portal Carta Maior.

Baseado em estudos econômicos e históricos, o velho Mouro apontou a constituição de uma “humanidade social” (Tese X sobre Feuerbach), a partir de uma participação ativa e de um engajamento ético para resolver um “problema prático” (Tese II). “A coincidência da modificação de circunstâncias e da atividade humana só pode ser apreendida e racionalmente compreendida como prática transformadora” (Tese III). As onze teses sobre o materialismo feuerbachiano possuem um enredo ético-político orientado por uma ética da ação, ao invés da ética da contemplação passiva. A “ética socialista” que se depreende do legado marxiano opõe-se à resignação e à apatia impingidas pelo aparato da alienação sob o fetichismo da mercadoria: em uma democracia civil ou em uma ditadura militar. A propósito, ver a cinebiografia de Mariguella dirigida com sensibilidade por Wagner Moura.

A ética da ação é a chave para que as classes trabalhadoras alcancem a auto-emancipação, com uma aliança “entre a humanidade sofredora que pensa e a humanidade pensante que é oprimida” (Carta de Marx a A. Ruge), o que não se confunde com uma futura indesejável divisão do trabalho. Apenas quer dizer que o socialismo não é um dogma religioso ou uma verdade axiomática, senão uma possibilidade alternativa à barbárie. E que não será resultado de uma conspiração ou de um cesarismo. Sendo, antes, o movimento emancipatório sempre pautado pelo “interesse geral dos trabalhadores”. Fundamento teórico, en passant, para a convergência da esquerda e da centro-esquerda numa Federação Partidária. Passo inicial para a consolidação de uma Frente Popular, para além do sectarismo e da bazófia de partido.

Juntar esforços é construir um ímã de atração para o conjunto de segmentos na sociedade que têm contradições com o paradigma capitalista. Não se muda o que está aí somente com acusações por verdadeiras que sejam, mas organizando o multifacetado universo do trabalho em torno de um programa democrático de transição que imprima os valores de outra ordem social. “Não Basta Dizer Não” (Bertrand Brasil), sublinha Naomi Klein. É necessário experimentar os valores que presentificam o futuro para virar a página do colonialismo (racismo) e do patriarcado (sexismo), que são os guardiões por excelência do capitalismo.

 

Os temas morais motivam as revoltas

No quadro de perversidade que ronda a humanidade e o planeta, se desenvolvem as lutas políticas, econômicas, ecológicas, ideológicas e culturais pela igualdade de direitos em trincheiras que vão da equanimidade de gênero à racial e, ainda, à livre opção sexual. Aqui, o importante é destacar alto e bom som a dimensão moral incrustada na luta de classes, com um olhar atento. Vários autores, a exemplo de E. P. Thompson, já alertaram para o fato de que a motivação para revoltas costuma estar associada ao sentimento de que noções morais (a dignidade, o respeito, a honra, o reconhecimento) foram violadas pelos poderosos.

“As investigações de Florestan Fernandes e as minhas próprias relativas aos negros marginalizados e à ‘ralé brasileira’ mostraram que o sentimento cotidiano de ausência de dignidade e a sensação de não ser tratado como ‘gente’ têm papel central na compreensão da experiência subjetiva da humilhação social entre os marginalizados e excluídos”, afirma Jessé Souza, em Como o Racismo Criou o Brasil (Estação Brasil). “Não existe nada neste mundo social a que se possa referir como econômico de modo puro. Só podemos nos referir a algo como econômico como uma instância autônoma quando esquecemos o conjunto de avaliações morais que estão por trás desse rótulo em primeiro lugar”, arremata o sociólogo.

As classes dominantes fazem da moral no campo político um apêndice da corrupção sistêmica, de acordo com a estratégia do Departamento de Justiça dos Estados Unidos e da Foreign Corrupt Practices Act / FCPA (Lei sobre Práticas de Corrupção no Exterior), para enfraquecer as empresas estrangeiras que concorrem com as empresas estadunidenses. A gigante francesa da área energética, Alstom, também não resistiu ao ataque quando virou alvo dos interesses da General Electric / GE (EUA), que a comprou ao término de uma dura campanha de desqualificação pública. Nas disputas geopolíticas e econômicas, a temática moral negativa é explicitada para criar consensos de ocasião. A Lava Jato que o diga. Já para salvaguardar das críticas a ganância do grande capital, a discussão sobre os ingredientes morais envolvidos na concentração da riqueza e do poder é jogada para baixo do tapete.

Os governos progressistas (2003-2016) formataram instrumentos para barrar as imoralidades embutidas nos crimes de corrupção, como a Controladoria-Geral da União, aumentando a transparência e dando acesso público às informações. Tendência antípoda ao que se desenrola na atualidade no Congresso Nacional e no Executivo Federal, com o surrealista “orçamento secreto” que institucionaliza o assalto ao Erário em bilhões de reais, por intermédio das “emendas de relator”. Sem controle de nenhuma espécie. Na obscuridade absoluta, o famigerado “Centrão” fisiológico age qual dono da nação subtraída distribuindo recursos vultosos. Não se sabe para quem ou para quê. Nossa vergonhosa imagem de pária internacional é mera consequência. Os que denunciam a bilionária sacanagem são os mesmos que postulam justiça social e aportes materiais para amenizar a dor da maioria.

A metamorfose do trabalho com as inovações tecnológicas e as dificuldades que atingem o precariado e, agora, a classe média devem passar pelo crivo moral para que a ousadia (sem medo de ser feliz) consiga interpelar a cidadania. Interpelação em uma linguagem acessível, coloquial, com capacidade para elucidar e decodificar o papel do rentismo, dos investidores e dos acionistas de empresas como a Petrobrás, na disparada da gasolina, do diesel e do gás. Tarefa prioritária e indispensável. Idem, no concernente aos títulos da dívida pública do Estado adquiridos pelos bancos. Há que avançar nessa agenda-tabu. Repolitizar a política. Elevar o nível de conhecimento da população, com uma autêntica “educação financeira”. Mobilizando-a na luta contra o neoliberalismo e o antifascismo. Libertas quae sera tamen.

 

Do jargão tecnicista ao apelo moral

O desemprego, a informalização, a precarização, as terceirizações, o achatamento da renda e a incúria estatal agravada no caótico desgoverno desmodernizador da extrema-direita potencializam a fragmentação da identidade dos trabalhadores. Estes, mal repõem energias para enfrentar o dia seguinte. Na periferia das metrópoles, o abatimento do corpo e do espírito é fagocitado pelo neopentecostalismo, a esperança oferecida aos desesperançados. A chaga econômico-social que se alastra sem parar é uma dolorosa ferida moral. Aquele cara reconheceu-a ao chamá-la pelo nome proibido, que não é austeridade, mas perversidade.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tadeu Valadares Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Rodrigo de Faria Thomas Piketty Leonardo Sacramento Mário Maestri Jean Marc Von Der Weid Antônio Sales Rios Neto Marilia Pacheco Fiorillo Chico Whitaker Samuel Kilsztajn Luiz Werneck Vianna Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Avritzer Ronald Rocha Eliziário Andrade Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Kátia Gerab Baggio Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Loebens Berenice Bento Fábio Konder Comparato Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anderson Alves Esteves Vinício Carrilho Martinez Luciano Nascimento Celso Favaretto Walnice Nogueira Galvão Eleonora Albano Bruno Machado Henri Acselrad Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin José Geraldo Couto Marcos Silva André Singer Afrânio Catani Julian Rodrigues Carla Teixeira Daniel Brazil José Luís Fiori Eugênio Bucci Manchetômetro Érico Andrade José Micaelson Lacerda Morais José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Luiz Eduardo Soares Paulo Martins Michel Goulart da Silva Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Ricardo Musse Annateresa Fabris Michael Roberts Juarez Guimarães Atilio A. Boron Daniel Costa Francisco Pereira de Farias Alysson Leandro Mascaro Fernão Pessoa Ramos Henry Burnett Eugênio Trivinho Sandra Bitencourt Fernando Nogueira da Costa Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel Bento Prado Jr. João Sette Whitaker Ferreira João Feres Júnior Ladislau Dowbor Francisco Fernandes Ladeira Andrew Korybko Ricardo Antunes Rafael R. Ioris Gerson Almeida Vanderlei Tenório Osvaldo Coggiola Luiz Bernardo Pericás Mariarosaria Fabris João Paulo Ayub Fonseca Eleutério F. S. Prado Antonino Infranca Remy José Fontana Priscila Figueiredo Andrés del Río Antonio Martins Gilberto Maringoni Chico Alencar João Lanari Bo Jorge Branco Airton Paschoa Lucas Fiaschetti Estevez Flávio R. Kothe Caio Bugiato Dennis Oliveira Daniel Afonso da Silva Milton Pinheiro Ari Marcelo Solon Liszt Vieira Otaviano Helene José Raimundo Trindade Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay Eduardo Borges Luiz Renato Martins Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira Gabriel Cohn Heraldo Campos Valerio Arcary Marilena Chauí José Costa Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Lincoln Secco Lorenzo Vitral João Adolfo Hansen Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Luiz Souto Maior Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito Celso Frederico Carlos Tautz Gilberto Lopes Igor Felippe Santos Slavoj Žižek Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares João Carlos Salles Paulo Capel Narvai Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tarso Genro Yuri Martins-Fontes Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Roberto Alves Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour José Dirceu Salem Nasser Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra Manuel Domingos Neto Leonardo Boff Claudio Katz Paulo Nogueira Batista Jr Vladimir Safatle Leda Maria Paulani Marjorie C. Marona Dênis de Moraes Marcelo Módolo Luís Fernando Vitagliano Matheus Silveira de Souza Sergio Amadeu da Silveira Anselm Jappe

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada