As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Para além da arte

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CELSO FAVARETTO*

Hélio Oiticica e Lygia Clark tinham em comum um projeto, cultural e político, de “desestetização” da arte

Desde o final dos anos 1950, e mais incisivamente no início dos 60, o projeto comum de Lygia Clark e Hélio Oiticica visava “transformar os processos de arte em sensações de vida”. Levando ao limite a crise da pintura, a desestetização lançava os artistas na busca de um “além-da-arte” que respondesse aos “novos rumos da sensibilidade contemporânea”. As soluções encontradas por eles – na linha dos desenvolvimentos que vinham fazendo sobre as possibilidades abertas pela vertente construtiva da arte moderna – encaminhou-os na realização das complexas relações entre arte e vida. A articulação de construtividade e vivências tinha na ideia de “participação” o centro nevrálgico das transformações que propunham: mais do que estética, a proposição era cultural e política.

Neste trabalho comum de superação da pintura e destruição de todas as circunscrições artísticas, descobriram suas afinidades. Inicialmente, as proposições são paralelas, mas a partir do “Parangolé”, de Oiticica, e do “Caminhando”, de Lygia, cada um se singulariza nos modos da participação. Em carta a Lygia, Oiticica diz que a “grande inovação” deles estava “exatamente na forma da participação, ou melhor, no sentido dela”. Sublinha que isto os distingue do que se fazia na Europa e nos EUA, talvez porque no Brasil havia uma “barra mais pesada”, “talvez porque os problemas tenham sido checados de modo mais violento”. Alusão, certamente, tanto à repressão e censura do regime militar quanto às reações do sistema de arte do público às suas propostas.

As cartas que trocaram explicitam tais problemas. A distância, o exílio e a imersão em outros circuitos artístico-vivenciais aguçam a lucidez. No Brasil, a repressão do regime é paralela às “pragas da vanguarda” e mediocridade do meio artístico: competitividade, esteticismo, convi-conivência, denunciados por Oiticica em textos (como “Brasil Diarreia”) e declarações. Estas cartas valem como crônica e levantamento de sintomas da diarreia brasileira: diluição. Valem também como manifestação dos signos irredutíveis de diferença, de radicalidade crítica, de originalidade artística.

Contrariamente às críticas, que confundiam a marginalidade implícita aos seus programas com uma marginalidade meramente circunstancial, Lygia e Oiticica afirmavam um comportamento – de que as cartas expõem as vísceras e as pulsões – que enfrentava o fechamento institucional, a desestetização e os desafios das propostas vivenciais por meio de ações que desfaziam as contradições entre inconformismo estético e inconformismo social. Não viviam a expensas do tema da morte da arte, para eles já caso vencido; viviam da transmutação da arte em “outra coisa”.

Certa vez Oiticica disse que, ao instalar o “Eden” na Witechapel Gallery de Londres em 1969, tinha chegado “ao limite de tudo”, pois o programa-parangolé teria levado às últimas consequências a sua proposição-vivencial. O “Eden” materializava a abertura estrutural, as manifestações ambientais, o “Supra-sensorial” e o “Crelazer”, realizando a articulação do “conceitual” e do “fenômeno vivo”.

Em outro registro, em Paris, Lygia desenvolvia as proposições sensoriais que a levariam aos “Objetos Relacionais”. Em ambos, o além-da-arte apresentava-se como transmutação da arte e da vida, despregando-se dos domínios da arte. Como denominar aquilo a que tendiam? Para Lygia, já não era arte aquilo que fazia; como se viu depois, chegou a um modo singular de terapia, embora os “Objetos Relacionais” estivessem engatados nas proposições construtivas-sensoriais.

Em Oiticica, a permanência do “sentido de construção” nas proposições-vivências é mais evidente e proposital. O além-ambiente dos “Ninhos”, por exemplo, a idéia-projeto “Barracão”, os “Contrabólides” são células germinativas de vivências participativas em que se surpreendem os princípios dos desenvolvimentos construtivos, patentes dos “Metaesquemas” às “Manifestações Ambientais”‘. O que era arte é vida, e vice-versa.

Saudade, disse Oiticica em 1978, só sente quem não comeu o fruto todo, quem só deu uma dentada. Tendo chegado ao limite de tudo, no Rio, em Londres, em Nova York, ao voltar ao Brasil constata que a diluição permanece e que, novamente, na arte e na cultura recrudesce o interesse pelas “raízes”. A desculturação, que grassara em toda parte no pós-68, aqui não se fixara. A proximidade da redemocratização acenava para o que ficara estancado no 1968 brasileiro. Não para ele, entretanto, pois o desenraizamento propunha não a “remitização” mas a “desmitificação”. Tratava-se de relançar os fios soltos do experimental; explorá-los – como já dizia em “Experimentar o Experimental”- num campo aberto de possibilidades.

Esta trajetória de Oiticica é exemplar para se entender o rumo e o destino da experimentação que tensionou os limites da modernidade. Abriu possibilidades que só após a sua morte puderam ser devidamente avaliadas e valorizadas. Neste sentido, uma referência indispensável é o catálogo produzido pelo “Projeto Hélio Oiticica”, para uma grande mostra itinerante do artista que passou por Amsterdã, Paris, Barcelona, Lisboa, Minneapolis e Rio de Janeiro. Constitui uma amostra eloquente da força do trabalho de Oiticica e de suas possíveis repercussões na arte contemporânea.

Ressalte-se, na organização do catálogo, o procedimento conceitual. Em vez de acompanhar os desenvolvimentos de Oiticica segundo a cronologia, privilegiou-se uma ordenação das proposições que destacasse, além da coerência, as sínteses. Assim, com propriedade, inicia-se com o “Eden”, seguido do fundamental “Brasil Diarreia”. Assim, se formulam simultaneamente a posição experimental de Oiticica e a posição crítico-cultural. Teria sido muito interessante que também aparecesse neste bloco o “Experimentar o Experimental”, pois não só reitera a radicalidade de “Brasil Diarreia”, como mostra algumas inflexões do pensamento de Oiticica diante de questões colocadas pelo consumo e as recodificações do início dos 70.

O bloco seguinte retraça a formação das proposições de Oiticica a partir dos “Metaesquemas”; textos já coletados em “Aspiro ao Grande Labirinto” pelo “Projeto HO” (e que está precisando de uma nova edição, mais cuidada e mais completa), notas inéditas, estudos etc. Finalmente, o importantíssimo bloco de textos, anotações, esquemas e projetos, posteriores a 69, pouco conhecidos porque alguns apareceram em revistas de efêmera duração ou em catálogos de exposições póstumas de Oiticica, e outros ficaram dispersos em jornais e vários inéditos, que faziam parte dos diários do artista. Aliás, o conhecimento mais completo do pensamento e dos projetos de Oiticica, de 1970 a 1980, só será possível quando se tiver acesso a estes diários. Principalmente porque só então poderemos entender melhor o alcance do que dizia pouco antes de morrer: “tudo o que fiz antes considero um prólogo. O importante está começando agora”.

Voltando ao Brasil com os muitos projetos delineados em Nova York, relança os fios soltos do experimental segundo o seu “processo de desmitificação” que comandava o “program in progress“: “Tudo o que veio antes (…) não passa de um prelúdio àquilo que há de vir e que começa a surgir a partir desse ano na minha ‘obra’: ao que antes chamei de ‘ovo’ há de seguir ‘o novo’. O ovo e o novo da experimentação de Oiticica estão agora à nossa disposição. Trata-se de saber, nas apropriações em curso, como ultrapassar a lenda e salvar a honra do nome.

*Celso Favaretto é crítico de arte, professor aposentado da Faculdade de Educação da USP e autor, entre outros livros, de A invenção de Helio Oiticica (Edusp).

Referências


Luciano Figueiredo (org.). Lygia Clark/Hélio Oiticica: Cartas, 1964-74. Editora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 262 págs.

Luciano Figueiredo (org.). Hélio Oiticica – Catálogo da Exposição. Projeto Hélio Oiticica, 279 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Otaviano Helene Bernardo Ricupero Luiz Roberto Alves Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Musse Remy José Fontana Osvaldo Coggiola Jean Marc Von Der Weid Antônio Sales Rios Neto Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Daniel Brazil Lucas Fiaschetti Estevez Carlos Tautz Tadeu Valadares José Luís Fiori Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Ricardo Abramovay Luis Felipe Miguel Daniel Afonso da Silva Bruno Machado Luiz Marques Manchetômetro Mário Maestri José Machado Moita Neto Dennis Oliveira Luiz Renato Martins Thomas Piketty Ari Marcelo Solon Leonardo Avritzer Marcos Aurélio da Silva Roberto Noritomi Alexandre Aragão de Albuquerque Érico Andrade João Adolfo Hansen Berenice Bento José Geraldo Couto Francisco de Oliveira Barros Júnior Valério Arcary Lorenzo Vitral Marcelo Módolo Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira Samuel Kilsztajn Ronald León Núñez João Feres Júnior Heraldo Campos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leda Maria Paulani Gilberto Lopes Jorge Branco Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Anselm Jappe Slavoj Žižek Antonino Infranca Rubens Pinto Lyra Gilberto Maringoni Juarez Guimarães Paulo Martins Sergio Amadeu da Silveira Dênis de Moraes Gerson Almeida Leonardo Sacramento Luiz Carlos Bresser-Pereira André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle Francisco Fernandes Ladeira Roberto Bueno Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro Marilia Pacheco Fiorillo Chico Alencar Marjorie C. Marona José Costa Júnior Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber Anderson Alves Esteves Luciano Nascimento Henri Acselrad Lincoln Secco José Dirceu Maria Rita Kehl Paulo Nogueira Batista Jr João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Antunes Eduardo Borges Luís Fernando Vitagliano João Carlos Loebens Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Marcelo Guimarães Lima Andrew Korybko Fernando Nogueira da Costa Claudio Katz Alexandre de Lima Castro Tranjan Vanderlei Tenório Paulo Fernandes Silveira Chico Whitaker Armando Boito Eugênio Bucci Flávio R. Kothe Annateresa Fabris Airton Paschoa Daniel Costa Igor Felippe Santos André Singer Salem Nasser Fernão Pessoa Ramos João Lanari Bo Milton Pinheiro Caio Bugiato Jorge Luiz Souto Maior Renato Dagnino Luiz Eduardo Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valerio Arcary Antonio Martins Celso Favaretto João Carlos Salles Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Gabriel Cohn Luiz Werneck Vianna Sandra Bitencourt João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Trivinho Eleonora Albano Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Silva Michael Löwy Elias Jabbour Priscila Figueiredo José Raimundo Trindade Tarso Genro Flávio Aguiar Michael Roberts Atilio A. Boron Liszt Vieira Leonardo Boff Mariarosaria Fabris Alysson Leandro Mascaro Eleutério F. S. Prado Manuel Domingos Neto Luiz Costa Lima Francisco Pereira de Farias Marcus Ianoni Celso Frederico Marilena Chauí

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada