Terra plana

Imagem: Axel Vandenhirtz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VINÍCIO CARRILHO MARTINEZ*

O novo normal é a pura anormalidade

Na Terra Plana – que está longe de ser um critério de fabricação ou de identificação brasileira –, muitas situações ensandecidas são imortalizadas em forma de memes. Há muitas correlações nisso tudo: casos de psiquiatria; teorias refinadas de manipulação de consciências; técnicas afinadas de comunicação e de domínio de psicologia de massas.

Além de outras tantas configurações na seara política: recrudescimento do pavor e do pânico social (o “medo à morte violenta”, como diria Thomas Hobbes), com anomias planejadas que acompanham a enorme miserabilidade social; muitas tipicidades do fascismo, especialmente criminosas, que proliferam nos tempos de redes sociais digitais; implosão dos laços sociais que recebem em quase moto-contínuo os efeitos mais cruéis, disruptivos e de barbárie provindos por esta fase de eterna crise do capitalismo rentista.

A tudo isso ainda se junte o fato de que, no Brasil e em muitos outros países, o próprio poder político abandonou sua premissa de Estado social constitucional para se converter em capitalismo monopolista de Estado rentista. Isto é, o próprio Estado rentista retira parcela significativa dos seus recursos por meio de aplicações, especulações, no mercado financeiro. Exemplificação concreta vem da massa de dividendos recolhida (em butim estatal) das próprias empresas públicas brasileiras – como Petrobrás, Banco do Brasil, BB Seguridade, Caixa Econômica Federal, para citar as maiores – e, assim, converter os rendimentos, dividendos, em fundo eleitoral aplicado à compra de votos a partir do chamado auxílio financeiro (“Auxílio Brasil”).

As consequências são infinitas, individuais e sistêmicas, pois sofrem, adoecem, agudizam ou morrem os indivíduos, suas famílias e a sociedade – salvo as exceções que confirmam a regra de dominus imposta ao menos desde 2016, com o Golpe de Estado. Do golpe de 2016 em diante, exemplificando, surgem duas questões/consequências que se interligam juridicamente, politicamente, sistemicamente – vejamos uma síntese, disposta logicamente:

(i) A Premissa maior assinala o Golpe de Estado de 2016. Pois bem, como podemos avaliar, salvaguardar, o Estado Democrático de Direito, se, precisamente, sofremos um Golpe de Estado regressivo, repressivo e reativo à Justiça Social?

Como reconhecer o “pleno funcionamento das instituições” se ainda estamos subjugados pelas forças disruptivas, destrutivas da Democracia, da Constituição, da República, da sociabilidade básica – por meio da cultura do ódio social (“medo à morte violenta”?

Se não há um quadro de “normalidade”, uma vez que o Golpe de Estado contra as forças políticas legitimamente empossadas ainda está em curso, o que é que vige?

(ii) Sob a premissa menor, vemos que vigem condições estatais, políticas, jurídicas, atuantes e opostas (contraditórias, antagônicas) em dois sentidos – e igualmente excepcionais.

Ou seja, há uma patente imposição do Estado de Exceção Permanente (sem a urgência e a necessidade prescritas nos artigos 136 e 137 da Constituição Federal de 1988), porém, isso se dá numa condição invertida, como na aposta golpista de uma “intervenção militar”, dentro do Estado e das instituições públicas.

Acompanhamos a dissolução de todas as Políticas Públicas, o negacionismo resiliente, diante da COVID-19 e da fome que atinge 30 milhões de pessoas, em grave ilustração do aparelhamento fascista do Estado.

(iii) Do Lado de cá, porém, igualmente atuando por meio de recursos de exceção (extrapolando-se a Constituição), estão o STF e, mais visível no processo eleitoral, o próprio TSE. Resumidamente, ambos atuaram (atuam) sob a invocação de um instituto constitucional muito recente, chamado de “estado de coisas inconstitucional”. Em suma, implica em agir fora da CF88 a fim de que os marcos humanitários, a sociabilidade e a dignidade humana, sejam (mesmo que residualmente) salvaguardados e cumpridos.

Certamente, este fenômeno – agir em conformidade a uma exceção (exceptio), combatendo-se outra excepcionalidade de poder, para garantir o exercício de uma regra lapidar – é em si um tipo de aberração institucional, societal; por outro lado, é obrigatório agir (institucionalmente) sob as condições dessa lógica, aliás, segue sendo a mesma lógica empregada por aqueles que investem contra, por exemplo, o princípio do não-retrocesso social. Em outras palavras, implica em buscar equiparação de armas, em defesa da sociedade. Quando se faz da Constituição uma hipérbole para a decomposição social há duas alternativas: (1) ou se acomoda no silêncio de Weimar, que custou mais de 50 milhões de vidas, na 2ª Guerra Mundial, ou (2) empregam-se forças adicionais a fim de se combater o fascismo institucional do pós-2016, entre nós.

De modo específico, o “estado de coisas inconstitucional” tem início na avaliação de que o poder público age propositalmente, insistentemente – visando-se o desmonte dos aparatos de contenção do uso/abusivo, arbitrário, ilegítimo, violento, virulento –, para que os meios apropriados a uma tomada de poder por forças autocráticas, autoritárias, desumanizadas, venham a objetivar o pleno controle do aparato legislativo e repressivo do Estado. O “estado de coisas inconstitucional” é, desse modo, um “agente moralizador” das mínimas condições democráticas e republicanas, mediante o emprego de meios, instrumentos e recursos de exceção: como se manejássemos a técnica do “fogo contra fogo”, a fim de combater incêndios “sufocando-se o oxigênio” do ambiente. Ou, ainda: são agentes políticos com capacidade decisional agindo por meio de exceptio, exatamente, para combater a exceção estatal sistemática.

Nosso estágio, por assim dizer, é de um novo normal. Entretanto, assim como a celebrada “cordialidade” não vem de “cordis”, nas raízes e rincões da cultura nacional, o “nosso” novo normal advém da anormalidade. A normalidade foi quebrada em 2016, convulsionada em negações (desde 2013), em sucessivas quebras institucionais, e golpeada até o presente momento. A anormalidade daí surgida – fascismo x “estado de coisas inconstitucionais” – salta aos olhos, em qualquer janela aberta que permita a visão da luta política, no bojo da luta de classes, da luta pelo direito (perdido).

Convulsionado, o novo normal trouxe capítulos muito recentes: do aparelhamento da PRF, congestionando rodovias, impedindo o direito de voto de milhares de pessoas – seguindo-se o denominado golpe eleitoral –, aos bloqueios das mesmas rodovias por mercenários pagos pelo capital reacionário e golpista. O que perdura até hoje é uma inusitada ironia, pois, numa espécie de circo, após o cerco planejado, amotinados da democracia, nas rodovias, afugentaram a tiros a mesma PRF (engajada no golpe eleitoral) que pretendia removê-los dali.

Façamos um teste simples: esses episódios, para falar de dois, são normais?

Outras dúvidas decorrem do “como fazer”, da longevidade e da força restante aos dois lados contendores, presentes no domínio institucional: a partir de 1º.1.2023 o “estado de coisas inconstitucional” irá arrefecer, tal qual frutifique o objetivo de cerceamento do golpismo e do fascismo nacional? O fascismo institucionalizado (militarização do Estado, na outra ou na mesma ponta) voltará para a caserna e, assim, poderá haver aprisionamento dos patrocinadores de crimes contra a humanidade, a democracia, o Estado de Direito?

A “nova República“ que advier, no pós-2023, conseguirá no tempo hábil recompor aquela mínima normalidade constitucional (sistêmica, organizacional, societal) do pré-2016? Ou a “nova República” – sem forças ou sem vontade política explícita – pertencerá ao bojo da antiga Nova República?

Obviamente que essas questões já se colocam, bem como as eleições municipais, de 2024, e também as eleições presidenciais de 2026. Esses blocos já estão na rua, em desfile político – tanto quanto o fascismo mercenário não abandonará as estradas e as cidades tão facilmente.

Enfim, qual será o novo normal de 2023 em diante?

Esse é outro capítulo…ficará para outro dia. Como se diz, popularmente, sabiamente, “a cada dia o seu próprio mal”. Por agora, o mal prospera e muito: a única certeza que temos, além do binômio fascismo x “estado de coisas inconstitucional”, é que muita luta será necessária para recompormos os traços do processo civilizatório (art. 215 da CF88[1]), minimamente desenhados e decompostos em 2016.

*Vinício Carrilho Martinez é professor do Departamento de Educação da UFSCar.

Nota


[1] “§ 1º O Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional” (in verbis”).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ladislau Dowbor José Machado Moita Neto Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares Rubens Pinto Lyra Luiz Renato Martins Chico Alencar Antonino Infranca Eduardo Borges José Costa Júnior João Lanari Bo Michael Löwy Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro Fernando Nogueira da Costa João Adolfo Hansen Liszt Vieira Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Francisco Fernandes Ladeira Jorge Luiz Souto Maior Bernardo Ricupero Priscila Figueiredo Francisco Pereira de Farias Flávio R. Kothe Samuel Kilsztajn Thomas Piketty Ricardo Musse Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Armando Boito Antonio Martins Mariarosaria Fabris Luiz Bernardo Pericás José Micaelson Lacerda Morais Luiz Carlos Bresser-Pereira Vanderlei Tenório Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Mário Maestri Vladimir Safatle Andrew Korybko José Dirceu Carlos Tautz Francisco de Oliveira Barros Júnior Matheus Silveira de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. Celso Frederico Chico Whitaker Ricardo Antunes Rodrigo de Faria Fábio Konder Comparato André Márcio Neves Soares Marilena Chauí Andrés del Río Luiz Werneck Vianna Heraldo Campos Tarso Genro José Luís Fiori Luiz Roberto Alves Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Yuri Martins-Fontes Otaviano Helene Flávio Aguiar Julian Rodrigues Marilia Pacheco Fiorillo Tales Ab'Sáber Érico Andrade Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira Michael Roberts Afrânio Catani Igor Felippe Santos José Geraldo Couto Boaventura de Sousa Santos Eliziário Andrade Manuel Domingos Neto Manchetômetro Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio Walnice Nogueira Galvão Dennis Oliveira Sandra Bitencourt Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Luciano Nascimento Lincoln Secco José Raimundo Trindade Claudio Katz Jean Pierre Chauvin Eugênio Trivinho Daniel Brazil Tadeu Valadares Leda Maria Paulani Milton Pinheiro Eleonora Albano Denilson Cordeiro Salem Nasser Marjorie C. Marona Alysson Leandro Mascaro Anselm Jappe Paulo Capel Narvai Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Aurélio da Silva Daniel Costa Celso Favaretto Michel Goulart da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Gabriel Cohn João Carlos Loebens Luís Fernando Vitagliano Gerson Almeida Bento Prado Jr. João Sette Whitaker Ferreira Jorge Branco João Paulo Ayub Fonseca Luiz Marques Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Atilio A. Boron Marcelo Módolo André Singer Paulo Fernandes Silveira Leonardo Avritzer Ari Marcelo Solon Annateresa Fabris Henry Burnett Henri Acselrad Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Gilberto Lopes Marcus Ianoni Lorenzo Vitral Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez Slavoj Žižek Marcelo Guimarães Lima Marcos Silva Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Maria Rita Kehl Remy José Fontana Everaldo de Oliveira Andrade Juarez Guimarães Carla Teixeira Paulo Martins João Carlos Salles Airton Paschoa Bruno Machado Ronald Rocha Leonardo Boff Dênis de Moraes Elias Jabbour

NOVAS PUBLICAÇÕES