Petrobras – depois do fim do PPI

Imagem: Loïc Manegarium
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANTONIO MARTINS*

Algo se moveu, num governo que, apesar de suas ótimas intenções, parece ter tanta dificuldade de enfrentar o rentismo

O governo Lula livrará a Petrobras das garras dos rentistas? O imenso poder da empresa – cujos lucros, em 2022, foram iguais ao dobro do obtido pelos cinco maiores bancos brasileiros juntos – poderá impulsionar a reconstrução nacional em novas bases? Um fio de esperança reapareceu. Na terça-feira (16/05) acabou enfim o PPI, a política de preços que, imposta desde o governo Michel Temer, obrigava a estatal a vender seus combustíveis pelo mesmo preço dos importados.

Um dia depois, anunciou-se uma redução expressiva nas cotações da gasolina (-12,5%), no óleo diesel (-12,5%) e no gás de cozinha (-21,42%). Foi um alívio. O preço dos combustíveis tem enorme impacto sobre a inflação dos mais pobres. A política anterior gerava enorme imprevisibilidade econômica, chegando a resultar, em determinados períodos, em quase um preço novo a cada dia.

A equiparação obrigatória às cotações internacionais – quando a Petrobras pode produzir por muito menos – abria espaço para uma concorrência indesejável. Empresas privadas importavam derivados que o Brasil aprendeu a produzir há décadas, estimulando a ociosidade das refinarias nacionais. Por tudo isso, o fim do PPI foi saudado inclusive por críticos ácidos da política de petróleo, como o engenheiro Ildo Sauer, ex-diretor de Negócios em Gás e Energia da estatal. Ele equiparou o mecanismo anterior a um “delírio fundamentalista dos rentistas, interessados em extrair até o último centavo do petróleo brasileiro”.

Mas bastará reduzir os preços dos combustíveis para colocar a Petrobras a serviço das maiorias? A jornalista Maria Cristina Fernandes notou que a mudança de orientação foi vista com tranquilidade pelos acionistas privados da empresa. Os papéis subiram. Como o príncipe de Salina, imortalizado no romance O Leopardo, os rentistas parecem esperar que “algo mude, para que tudo permaneça como está”.

Ildo Sauer explica o porquê. A ligeira baixa nos preços desta semana não será suficiente para a farta renda proporcionada pelo petróleo brasileiro. A riqueza natural do país e as tecnologias desenvolvidas pela Petrobras permitem extrair por ano 1 bilhão de barris – 75% dos quais pela estatal. Como o óleo brasileiro é abundante, o custo total de extração não passa de 8 a 10 dólares por barril em média o que resulta num ganho hoje próximo a 70 dólares. Mesmo após o pagamento de impostos, royalties e despesas financeiras, resta à estatal um lucro que chegou em 2022 a R$ 188 bilhões. O xis da questão está em o quê se faz com ele.

Uma semana antes de anunciar o fim do PPI, a Petrobras divulgou seu balanço relativo ao primeiro trimestre do ano – já sob o governo Lula, portanto. Os números foram analisados pelo Ineep – Instituto de Estudos Estratégicos em Petróleo — e revelam que as políticas introduzidas por Michel Temer e Jair Bolsonaro persistem, inclusive por servirem a interesses muito poderosos.

Em apenas três meses, a estatal lucrou R$ 38,1 bilhões. A lei das Sociedades Anônimas obriga-a a distribuir 25% deste valor aos acionistas. Porém, a exemplo do que tem feito há pelo menos três anos, a Petrobras ultrapassou de longe este piso, distribuindo 64% de seus lucros, ou R$ 24,7 bilhões. Segundo os cálculos de Ildo Sauer, o valor equivale a dois terços do necessário para construir uma refinaria com capacidade de processar 1 milhão de barris por dia, gerar milhares de empregos e tornar o Brasil, de novo, autossuficiente na produção de combustíveis. Em vez disso, a quem estes lucros beneficiaram?

O Estado brasileiro detém, por lei, a maioria das ações com direito a voto na Petrobras, mas não é o maior acionista. Somados todos os tipos de papéis, os acionistas privados controlam 63,31% do capital. Deste total, 70% estão nas mãos de estrangeiros, em geral megafundos de pensão como o BlackRock. São eles que abocanharam a parte do leão dos lucros sob Michel Temer e Jair Bolsonaro, e continuaram a fazê-lo nos três primeiros meses de Lula.

Em contrapartida, persistiu também, neste período, a redução dramática dos investimentos da Petrobras. Eles limitaram-se a R$ 2,48 bilhões. A Associação dos Engenheiros da Petrobras adverte que este valor não é suficiente sequer para repor as reservas de petróleo da empresa. Ou seja: para encher os bolsos de seus acionistas privados, a estatal brasileira compromete seu próprio futuro. A tabela abaixo, também elaborada pela Associação dos Engenheiros da Petrobras com base em dados da companhia, escancara este absurdo. Entre 2005 e 2014, o que ela transferia aos acionistas girava em torno de um quinto do que investia em si mesma. A partir de 2021, porém paga-se aos rentistas entre sete e oito vezes mais do que se investe. Um passo indispensável para que a Petrobras possa se ligar a um novo projeto nacional, portanto, é alterar radicalmente a política de distribuição de lucros, preterindo os especuladores em favor de ações ligadas a um novo ciclo de desenvolvimento do país.

E quais são elas? Uma das primeiras ações é reverter o movimento de fatiamento da Petrobras, que, conforme declararam Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, visava claramente criar condições para a privatização total da empresa. O desinvestimento tinha um propósito: transferir ativos estratégicos para grandes corporações privadas. Nesta toada, a estatal perdeu três de suas grandes refinarias (Bahia, Amazonas e Salvador). Abriu mão de sua distribuidora de combustíveis (a BR Distribuidora). Abandonou suas fábricas de fertilizantes. Envolveu-se numa operação que poderá privá-la da Brasken, seu braço petroquímico (construído em sociedade com a Odebrecht). Tudo isso pode ser revisto e revertido, desde que haja recursos e vontade política.

Recuperada da política de desmonte, a Petrobras terá fôlego para ajudar a reverter a reprimarização produtiva do Brasil. Poderá fazê-lo restaurando a “política de conteúdo nacional”, que a levava a priorizar fornecedores brasileiros, em suas compras vultosíssimas. Ela foi essencial para reanimar, nos governos anteriores de Lula, a indústria naval. Mas, anulada por Michel Temer e Jair Bolsonaro, ainda não foi reinstituída.

Hoje, haveria caminhos para expandi-la. Como propõe o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, a Petrobras precisa deixar de ser uma companhia petroleira, para converter-se numa empresa integral de geração de energia – de preferência, em parceria com uma Eletrobrás renacionalizada. Significa mergulhar, por exemplo em grandes projetos de geração de energia solar em placas móveis, instaladas sobre os reservatórios das hidrelétricas. Implica, também, estimular tecnologicamente o desenvolvimento de um setor industrial e de serviços em que pequenas empresas, empregando milhares de trabalhadores, voltam-se à instalação de painéis solares em áreas menores – de assentamentos da reforma agrária e pequenas propriedades agrícolas a residências urbanas.

Ildo Sauer espera um futuro ainda mais ambicioso. A sociedade brasileira precisa encontrar caminhos para se apropriar da maior parte de sua riqueza petroleira. Isso significa, por exemplo, rever a concessão de áreas petroleiras relevantes, entregues em leilões a concorrentes internacionais da Petrobras. Mas deveria levar a outro regime de exploração do petróleo brasileiro. Nele, o Estado assumiria diretamente a responsabilidade pela prospecção e extração do óleo. Contrataria, para tanto, os serviços da Petrobras, remunerando-a adequadamente. Canalizaria os ganhos, porém, para o desenvolvimento social e tecnológico do país – em especial, a saúde, educação e previdência pública e a pesquisa científica.

Visto o cenário em perspectiva, o fim do PPI, decretado esta semana, é um tímido começo. Ainda assim, algo se moveu, num governo que, apesar de suas ótimas intenções, parece ter tanta dificuldade de enfrentar o rentismo. Toda grande marcha começa com um primeiro passo, disse alguém. Resta esperar se virão os próximos — e lutar por eles.

*Antonio Martins é jornalista e editor do site Outras Palavras.

Publicado originalmente no site Outras palavras.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Julian Rodrigues Gerson Almeida Milton Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Antunes Jean Marc Von Der Weid Flávio R. Kothe Eduardo Borges Alexandre de Freitas Barbosa Érico Andrade Ari Marcelo Solon Caio Bugiato Tadeu Valadares Marcos Aurélio da Silva Heraldo Campos Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Marques Rafael R. Ioris Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Bernardo Pericás Armando Boito Everaldo de Oliveira Andrade Salem Nasser Leda Maria Paulani Slavoj Žižek José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Andrés del Río Luís Fernando Vitagliano Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Michael Roberts Osvaldo Coggiola Daniel Costa Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão Luis Felipe Miguel João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Salles Marjorie C. Marona Manuel Domingos Neto Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Andrew Korybko Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Paulo Martins Eugênio Trivinho Marcelo Módolo Jorge Branco João Feres Júnior Michel Goulart da Silva Vladimir Safatle Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Sergio Amadeu da Silveira Eleonora Albano Chico Alencar Chico Whitaker Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins Leonardo Avritzer Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Lorenzo Vitral Leonardo Boff Thomas Piketty Vanderlei Tenório João Carlos Loebens Dênis de Moraes Samuel Kilsztajn Daniel Afonso da Silva Antônio Sales Rios Neto Dennis Oliveira José Geraldo Couto Eliziário Andrade Gilberto Lopes André Singer Atilio A. Boron Antonio Martins Berenice Bento Ronald León Núñez Bento Prado Jr. Claudio Katz Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento Fernão Pessoa Ramos Francisco Fernandes Ladeira Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Annateresa Fabris Airton Paschoa Luciano Nascimento José Dirceu Igor Felippe Santos Kátia Gerab Baggio Benicio Viero Schmidt João Lanari Bo Luiz Roberto Alves Ronald Rocha Liszt Vieira Lincoln Secco Ricardo Abramovay Antonino Infranca Mariarosaria Fabris Anselm Jappe Otaviano Helene Mário Maestri Gilberto Maringoni Michael Löwy Ricardo Musse Sandra Bitencourt Daniel Brazil Bruno Machado Henry Burnett Valerio Arcary Bernardo Ricupero Manchetômetro Maria Rita Kehl José Costa Júnior João Adolfo Hansen Marcos Silva Ronaldo Tadeu de Souza Carlos Tautz Matheus Silveira de Souza Celso Favaretto Henri Acselrad Renato Dagnino Marcelo Guimarães Lima Juarez Guimarães Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Rubens Pinto Lyra Paulo Nogueira Batista Jr Elias Jabbour Luiz Eduardo Soares Valerio Arcary Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Remy José Fontana Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo Afrânio Catani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ladislau Dowbor Carla Teixeira Celso Frederico André Márcio Neves Soares Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez Alysson Leandro Mascaro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada