As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Big Brother Brasil

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DENNIS DE OLIVEIRA*

Neoliberalismo e cenário da destruição da esfera política

Apesar do Brasil estar vivenciando uma das maiores crises sociais da sua história, com episódios trágicos como a falta de oxigênio para portadores de Covid-19 no Amazonas, desemprego e miserabilidade crescentes, mais de mil mortes por dia por coronavírus e um governo que está mais preocupado em liberar armas, atender as demandas do mercado especulativo do que enfrentar a pandemia – que, ao contrário do que muitos afirmam, não atinge todos de forma igualitária, pretos e pobres são os mais vitimados – o debate racial imposto pela atual edição do programa global Big Brother Brasil 21 ganhou repercussão.

Comentei em minha rede social que se há um aspecto positivo neste episódio é o fato de desmascarar de vez a ideia de que visibilidade midiática é representatividade e o “emponderamento” (conceito que ganhou força com a sua apropriação pelos estrategistas da corrente chamada de “neoliberalismo progressista” no final dos anos 1980) individual são os caminhos para enfrentar a dinâmica das opressões e explorações (de raça, classe, gênero).

Não vou repetir os bons argumentos da minha colega Rosane Borges de que o espaço midiático não é o lugar adequado para se pensar a representatividade (confira aqui). Mas quero aqui propor uma reflexão sobre como este fenômeno – que tende a se repetir em outros momentos – é produto da apropriação de determinadas cepas do pós-estruturalismo dos anos 1960 (que teve um papel importante particularmente nos movimentos contraculturais daquele período) por parte do capitalismo da acumulação flexível gerando isto que alguns autores chamam de “pós-modernidade”.

É fato que quando se fala em “cultura do cancelamento”, ela não é um fenômeno que surgiu agora. Na constituição do Estado brasileiro, negros, pobres, mulheres, indígenas sempre foram “cancelados”, suas vozes desconsideradas no debate público seja por meio do racismo e machismo estruturais, seja pela democracia parcial, na qual a ideia de cidadania universal sempre foi uma ficção. Basta ver que um país com mais da metade de negros e mais da metade de mulheres, teve apenas uma mulher na presidência da República, a participação negra e feminina nos espaços de poder é ínfima e só recentemente adotou ações afirmativas para negras e negros nas universidades.

Esta voz calada historicamente encontrou uma possibilidade de se expressar por meio de uma sociedade mediada pelas tecnologias da informação e comunicação. O capitalismo na sua forma da acumulação flexível que estabelece um controle nos processos distributivos e tecnológicos, joga no terreno da competitividade as possibilidades que os excluídos deste poder possam ter uma janela aberta para a visibilidade – desde que, evidentemente, não se contraponham ao sistema.

Assim, ao lado dessas possibilidades de expressão de vozes historicamente caladas, há uma lógica da competitividade extrema e é justamente aí que a ideia de empoderamento individual cumpre o papel ideológico de interditar a discussão do enfrentamento das opressões por meio de ações coletivas e também de construir uma visão crítica do que são estas estruturas gerenciadoras deste espaço. Não se trata de ficar ao lado de Karol Conká ou de Lucas, mas de ter uma postura do que é a Rede Globo – a emissora que tem o seu departamento de jornalismo dirigido por uma pessoa que escreveu um livro Não somos racistas, cujo programa de reality show no qual deu esta polêmica é mediado por um dos seus profissionais mais despolitizados e que expressa este perfil de uma pequena burguesia alheia a tudo a sua volta (“as pessoas da Sala de Jantar” como diz a letra da música Panis et Circenses, dos Mutantes) cuja lógica não é definir quem vai vencer, mas quem vai ser “excluído”.

Paul Valéry fala das chamadas “profissões delirantes”, aquelas atividades que dependem da opinião dos outros. Delirante porque o exercício desta atividade está diretamente ligada à capacidade de construir personagens que confortem os sofrimentos psíquicos de grupos sociais submetidos a uma sociedade da insegurança. O problema é que o capitalismo da acumulação flexível impõe uma total desregulação dos processos de sociabilização do trabalho e, por tabela, da própria vida. Como resultado disso estes sofrimentos psíquicos são flutuantes, deslocam constantemente como animais perdidos.

É o que Lacan fala quando define o sofrimento psíquico não como a ausência de um objeto de desejo, mas a falta de uma estrutura que constitui este Outro – em outras palavras, o desejo sequer pode ser nominado. Os delirantes então atuam em comportamentos-flashes, de gerar impacto, a tal “lacração” que substitui o algo desejado mas distante (ou o que podemos chamar de utopia).

De tudo isto, a estrutura de poder político-econômico sai intacta. A polêmica fica entre defensores de Karol Conká, Nego Di ou Lucas. A Rede Globo sai impune e, inclusive, tem espaço para tomar a atitude demagógica de propor uma “ajuda” ao Lucas. Da mesma forma que a Globo critica asperamente a figura de Jair Bolsonaro, mas defende a autonomia do Banco Central e a política de ajuste fiscal que é a principal responsável pela ausência de políticas públicas eficazes para enfrentar a pandemia e a crise social.

Não se trata de mera estratégia discursiva para esconder a essência, mas fruto do que Zygmunt Bauman chama de divórcio entre poder e política. O poder está nos territórios invisíveis, distantes, dos centros gerenciadores das corporações transnacionais que podem num apertar de botão retirar recursos milionários de um país e mandar para outro. É este poder que está sendo preservado com a “autonomia” do Banco Central. A política, ou o que resta dela, fica restrita as disputas performáticas de personagens (alguns canastrões) construídos a partir dos padrões de referência midiáticos – como as “lives” do presidente da República andando de jet-sky ou as polêmicas do BBB-21. Este é o resultado da plena midiatização da sociedade.

*Dennis de Oliveira é professor do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da USP e pesquisador do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Machado Luiz Costa Lima Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Salem Nasser Luiz Renato Martins Jean Pierre Chauvin Marcelo Guimarães Lima Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Jean Marc Von Der Weid Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Elias Jabbour Vinício Carrilho Martinez Gabriel Cohn Carlos Tautz João Sette Whitaker Ferreira Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Ari Marcelo Solon Alysson Leandro Mascaro André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Manchetômetro Yuri Martins-Fontes Boaventura de Sousa Santos Thomas Piketty Dennis Oliveira Marilena Chauí Afrânio Catani Alexandre de Freitas Barbosa Anderson Alves Esteves Leda Maria Paulani Sandra Bitencourt Ricardo Musse Julian Rodrigues Marcos Silva Slavoj Žižek Antonio Martins Jorge Luiz Souto Maior Everaldo de Oliveira Andrade Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Mário Maestri Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Paulo Sérgio Pinheiro Fábio Konder Comparato Michael Roberts Renato Dagnino Ricardo Abramovay Lorenzo Vitral José Luís Fiori Tarso Genro Daniel Brazil Remy José Fontana Luiz Eduardo Soares Caio Bugiato Bento Prado Jr. Chico Whitaker Ronald León Núñez Atilio A. Boron Benicio Viero Schmidt Michael Löwy Eleonora Albano Chico Alencar Valerio Arcary Liszt Vieira Leonardo Avritzer José Dirceu Gerson Almeida José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Gilberto Lopes Rodrigo de Faria Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Trivinho Osvaldo Coggiola Celso Favaretto Luiz Carlos Bresser-Pereira João Lanari Bo Berenice Bento Juarez Guimarães Ronaldo Tadeu de Souza Flávio Aguiar Henri Acselrad Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni José Raimundo Trindade Érico Andrade Bernardo Ricupero Eugênio Bucci Marcus Ianoni Eliziário Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Paulo Nogueira Batista Jr André Singer Luiz Bernardo Pericás Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Eduardo Borges Andrew Korybko Claudio Katz José Machado Moita Neto Otaviano Helene Daniel Costa Milton Pinheiro Leonardo Boff João Feres Júnior Roberto Bueno Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Valério Arcary Paulo Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Jorge Branco Priscila Figueiredo Marcelo Módolo Rafael R. Ioris Francisco Fernandes Ladeira Vladimir Safatle João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Armando Boito Ricardo Antunes João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Fernando Nogueira da Costa Denilson Cordeiro José Micaelson Lacerda Morais Manuel Domingos Neto Francisco Pereira de Farias Flávio R. Kothe José Costa Júnior Anselm Jappe Luís Fernando Vitagliano João Carlos Loebens Walnice Nogueira Galvão Tadeu Valadares Luiz Marques Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Salles Lincoln Secco Luis Felipe Miguel Ladislau Dowbor Ronald Rocha Celso Frederico Roberto Noritomi Samuel Kilsztajn Marcos Aurélio da Silva Eleutério F. S. Prado Heraldo Campos Antônio Sales Rios Neto Daniel Afonso da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada