Portugal – um novo ciclo

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO LOUÇÃ*

Análise da eleição portuguesa e da maioria absoluta conquistada nas urnas pelo PS

As eleições do dia 30 de janeiro de 2022 em Portugal deram a maioria absoluta dos deputados ao Partido Socialista. A esquerda sofreu uma derrota importante, arrastada pelo espectro de uma bipolarização anunciada nas sondagens e que veio a revelar-se falsa. A direita tradicional teve mais uma derrota, falhando a concentração dos votos e abrindo caminho à nova e à velha extrema-direita, o Chega e a Iniciativa Liberal.

Perante as sondagens dos últimos dias, com o PS e o PSD em empate técnico, e perante com o PSD a namorar o Chega (extrema-direita populista e racista) e a Iniciativa Liberal (direita liberal radical), a proclamar o fim do salário mínimo nacional e outras barbaridades, o povo de esquerda correu a votar no Partido Socialista. Pessoas que descobriram no domingo, assustadas, que afinal a diferença era de 13 pontos e que se fizeram parteiras de uma maioria absoluta, resultado que o PS só conseguira em 2005, ainda com José Sócrates. O resultado fica marcado por deslocações eleitorais de última hora e pela polarização do eleitorado do centro atrás de António Costa.

Apesar de ainda estarmos a viver os últimos dias da pandemia, com 10% da população sob isolamento, houve um aumento da participação eleitoral (58% de votos no total nacional, uma participação ainda maior em alguns casos, como em Lisboa com 62%). O PS subiu 350 mil votos, a esquerda baixou de cerca de 900 mil para um pouco menos de 500 mil. Nessa disputa, o voto útil foi fatal: o Bloco de Esquerda perdeu metade da sua base eleitoral e passou de 19 para 5 deputados; o Partido Comunista Português teve o seu pior resultado em votos e mandatos (perdeu metade dos deputados, alguns eram referências importantes). Os ecologistas do Partido Ecologista “Os Verdes” (satélite da coligação comunista) e o CDS-Partido Popular (direita conservadora tradicional) desapareceram do parlamento. O PAN [Pessoas Animais Natureza] (partido animalista e da ecologia liberal) ficou reduzido a uma deputada (tinha 4) e o Livre (verdes federalistas) manteve um mandato.

O parlamento fica com menos esquerda e com menos partidos. Assim, para o Bloco, o novo ciclo será de mobilização das lutas sociais que respondem à fratura do país, na saúde, no precariado, na igualdade, na transição climática. Lutar pelo protagonismo de uma oposição parlamentar sólida é tão fundamental como sempre, mas o confronto social ganha novos contornos, pois nestes quatro anos terá de mobilizar mais base social e militante. Essa será a forma de enfrentar a maioria absoluta que, em Portugal, tem dado sempre origem a governos autoritários com a sociedade e mais vulneráveis aos potentados econômicos.

Haverá quem se apresse a ver nestes resultados uma falência retroativa do “modelo português” (que, sendo português, nunca quis ser modelo), que consistia num acordo parlamentar entre a esquerda e o PS, mas sem participação no governo, dadas as diferenças programáticas e de projeto.

Para que o debate seja rigoroso, é preciso notar que esse acordo parlamentar foi celebrado em 2015 e terminou em 2019. Nas eleições daquele ano, o Bloco manteve os 19 deputados. Mas, no dia seguinte, o Partido Socialista recusou um contrato para mais quatro anos, que o Bloco de Esquerda propôs, e assim acabou com a “geringonça”. É neste quadro, depois de dois anos de oposição, em que o Bloco votou contra dois orçamentos do Estado (o PCP só votou contra o último), dado não permitirem respostas adequadas à emergência social, em particular nos serviços de saúde, que se verifica este confronto e esta derrota eleitoral.

Assim, estas eleições ocorrem depois de dois anos em que o Partido Socialista recusou acordos parlamentares em nome de avanços na saúde, na lei trabalhista ou na resposta à crise, procurando subjugar a esquerda. A intransigência que levou ao chumbo do Orçamento de Estado, e à crise política artificial que originou, foi uma bem-sucedida estratégia para a bipolarização e o “voto útil” contra a direita. A Agência Fitch apressou-se a saudar a vitória do PS e a proclamar que, assim, este partido não cederá à pressão da esquerda para alterar a lei trabalhista ou para ampliar o serviço público de saúde.

À direita, o mapa mudou. É confortável para o Chega e para a IL usarem este impulso na oposição, sem que as suas políticas sejam testadas: a mistura de propaganda e agressividade tem assim um campo aberto. A mudança de orientação e de liderança do PSD será influenciada por este novo mapa, o que torna mais provável uma aproximação a estas extremas-direitas, a velha e a nova. A direita segue para a direita, é a Lei de Trump.

O ciclo da maioria absoluta para os próximos quatro anos é um perigo, sobretudo em duas áreas: nos serviços públicos, considerando o antagonismo entre o Partido Socialista e a escola pública ou o seu empenho em proteger o sistema privado de saúde; e na economia, considerando que o PS blinda os negócios de grandes empresas e usa o sistema fiscal para transferir recursos para o capital, como o poderá voltar a fazer, por exemplo, para compensar o aumento do salário mínimo.

A inflação, mesmo que ainda curta, já corrói os rendimentos do trabalho, em muitos casos também punidos pelo aumento do custo da habitação. Por isso, será mais uma vez na vida social que se jogará a supremacia ou o desgaste desta maioria absoluta. Chegado ao píncaro do seu poder, António Costa tem agora pela frente todas as dificuldades que criou, que ignorou, ou que agigantou. Pelo nosso lado, a esquerda construirá a sua força na energia da sua mobilização, enfrentando a maioria absoluta.

Francisco Louçã foi coordenador do Bloco de esquerda (2005-2012). Autor, entre outros livros, de A maldição de Midas – A cultura do capitalismo tardio (Cotovia).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Atilio A. Boron Marcos Silva Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Armando Boito Marjorie C. Marona Gilberto Lopes José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt Michael Roberts João Paulo Ayub Fonseca Fábio Konder Comparato Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Mário Maestri Celso Favaretto Daniel Afonso da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Marques Manuel Domingos Neto Fernão Pessoa Ramos Jorge Luiz Souto Maior Leda Maria Paulani Gilberto Maringoni Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Fernandes Ladeira Paulo Fernandes Silveira João Lanari Bo Luiz Renato Martins Anselm Jappe Valerio Arcary Marcos Aurélio da Silva Luís Fernando Vitagliano Dênis de Moraes Antônio Sales Rios Neto Dennis Oliveira Liszt Vieira Tadeu Valadares Daniel Costa Henry Burnett Chico Alencar Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez Heraldo Campos Ricardo Fabbrini Mariarosaria Fabris Luiz Eduardo Soares Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Manchetômetro Vladimir Safatle Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Maria Rita Kehl Jorge Branco Milton Pinheiro Celso Frederico José Geraldo Couto Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Eugênio Trivinho Marcus Ianoni Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Ricardo Musse Paulo Martins José Raimundo Trindade Francisco de Oliveira Barros Júnior José Dirceu Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Chico Whitaker Eduardo Borges Afrânio Catani Osvaldo Coggiola Thomas Piketty Juarez Guimarães Everaldo de Oliveira Andrade Carla Teixeira Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Carlos Tautz Sandra Bitencourt Antonino Infranca José Luís Fiori Marcelo Guimarães Lima Renato Dagnino Ricardo Abramovay Matheus Silveira de Souza Bernardo Ricupero Andrés del Río Igor Felippe Santos Ari Marcelo Solon José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Rafael R. Ioris Antonio Martins Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo Marilena Chauí André Márcio Neves Soares Gabriel Cohn Vanderlei Tenório Eleonora Albano Remy José Fontana Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff João Carlos Loebens João Carlos Salles Berenice Bento Gerson Almeida João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko José Costa Júnior Érico Andrade Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento Leonardo Avritzer Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Jean Marc Von Der Weid Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Sergio Amadeu da Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Priscila Figueiredo Paulo Capel Narvai Bruno Machado Lincoln Secco Slavoj Žižek Francisco Pereira de Farias Daniel Brazil Michel Goulart da Silva Denilson Cordeiro Flávio Aguiar Luiz Werneck Vianna Claudio Katz Rodrigo de Faria Kátia Gerab Baggio Otaviano Helene Lorenzo Vitral Anderson Alves Esteves Tarso Genro Luiz Roberto Alves Julian Rodrigues Airton Paschoa Michael Löwy Caio Bugiato João Adolfo Hansen André Singer Ronald Rocha Ronald León Núñez Flávio R. Kothe Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada