As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Razões para uma reforma militar

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Superar o distúrbio de personalidade funcional que o Estado impinge ao militar

Ainda menino, ouvi falar em reforma agrária. Na juventude, debati reforma universitária. Leio sobre reforma política, reforma do Estado, reforma do Judiciário, reforma tributária, mas desconheço propostas de reforma militar. Nas últimas décadas, a política, a estratégia e o Livro Branco de Defesa foram revisadas sem alterações de relevo nas Forças Armadas.

Quando D. Pedro I foi embora, o Exército foi reorganizado, a Guarda Nacional foi criada. As mudanças foram tão significativas que Adriana Barreto afirma que o Exército nasceu em 1831. Ao longo do XIX, registraram-se alterações no ensino militar. Depois do banho de sangue no Paraguai, circularam propostas reformistas. No início da República, Benjamim Constant, quis transformar oficiais em pregadores da religião da humanidade.

A última grande reforma militar começou antes da Primeira Guerra Mundial, quando o barão do Rio Branco e o marechal Hermes da Fonseca enviaram oficiais do Exército para estagiar na Alemanha. Voltaram deslumbrados, reclamando-se “apóstolos do patriotismo e do civismo”.

As mudanças se aceleraram a partir de 1919, sob orientação francesa. O Exército foi transfigurado. A aviação militar impactou. Os orientandos dos franceses chegaram ao topo da hierarquia em 1928. Desconheço a cronologia da modernização da Marinha. O fato é que, depois de gastar muito, o Brasil não se preparara para enfrentar Hitler.

Alguns creem que, depois da Segunda Guerra, com a influência estadunidense, a novidade foi a adoção da doutrina de segurança nacional, que priorizou o “inimigo interno”. Mas desde a Independência, esse “inimigo” esteve na mira. A Constituição de D. Pedro I reconhecia sua existência e Caxias firmou nome silenciando brasileiros “facinorosos”.

Hoje, as mudanças no jeito de guerrear, a dinâmica social e o cuidado com a democracia impõem uma reforma militar. Neste mundo conturbado, o Brasil precisa ter como se defender.

A reforma militar é necessária porque há generais e soldados em demasia e mal distribuídos no território. A concentração de tropas no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul é perdulária e sem sentido. Brasília está repleta de generais.

A reforma é premente porque a supremacia da força terrestre não bate com uma Defesa nacional que dissuada estrangeiro hostil. Proteção de imenso território, vasto mar e espaço cibernético não é para rambos.

A reforma é indispensável porque academias militares concedem diplomas a quem não merece. O povo custeia a formação de quem não lhe respeita. A reforma precisa ocorrer para que crianças não sejam submetidas à formação militar. Estamos no Brasil do século XXI, não na Macedônia ou na Esparta de priscas eras. Em que contribui para a defesa do Brasil, crianças aprenderem posturas e valores do castro?

A reforma é necessária para que as fileiras não defendam o legado colonial em pleno século XXI. A Constituição determina: “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações”. Por que não há mulheres no topo da hierarquia?

A reforma tem que ocorrer para que a esposa do oficial possa ter profissão estável e inserção social. A intensa rotatividade nos postos radicaliza a dicotomia civil-militar.

A reforma é imperiosa para ensejar a ascensão hierárquica dos negros. Com negros em comandos, queria ver Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão desqualificarem afrodescendentes! Com indígenas nas cúpulas, o estrago na Amazônia poderia ser melhor contido. Nenhum bajulador de quartel reclamaria do cheiro dos índios.

A reforma é indispensável para acabar com a endogenia. A honrosa condição de guerreiro deve ser estendida a todos e todas, sem primazia para a descendência de oficiais. Jovens pobres precisam ter direito de chegar ao topo.

A reforma é fundamental para suprimir a anacrônica obrigatoriedade do serviço militar.

A reforma é necessária para que o quartel respeite a esquerda. O pluralismo político fundamenta a República. Diz a Carta: “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. O militar pisa na Carta e empobrece a troca de ideias quando repele a esquerda. Como é possível alijar peremptoriamente boa parte da sociedade por prevenção descabida?

A reforma é indispensável para que a coesão dos brasileiros seja a viga mestra da defesa nacional. A Carta determina “a dignidade da pessoa humana”. Não há homossexuais assumidos nas Forças Armadas, onde manifestações homofóbicas são comezinhas. A reforma deve permitir que homossexuais saiam do armário sem medo. Quando o militar denuncia a “crise moral” e o “esgarçamento do tecido social”, defende de soslaio valores retrógrados. A Carta não faz do militar guardião da moralidade. A reforma deve eliminar o medo das mudanças comportamentais.

A reforma é necessária para incluir as corporações nos esforços de desenvolvimento socioeconômico. A experiência universal indica ser impossível o desenvolvimento à revelia de soldados e policiais. A reforma ajudará a industrialização. As corporações têm que parar de dar lucro aos complexos industriais de potências que não querem o bem dos brasileiros. Os escritórios das Forças Armadas nos Estados Unidos e na Europa precisam ser fechados.

Há mais razões. Mas encerro dizendo que a reforma permitirá, quem sabe, a superação do distúrbio de personalidade funcional que o Estado impinge ao militar. Este servidor público poderá, talvez, mirar no estrangeiro cobiçoso e livrar-se de tarefas que não deveriam lhe caber. Poderá perceber, enfim, que o Brasil não é uma dádiva do quartel.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Denilson Cordeiro Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira Valerio Arcary Caio Bugiato Bruno Machado Fábio Konder Comparato Eugênio Trivinho Érico Andrade Carlos Tautz Milton Pinheiro Tarso Genro Ari Marcelo Solon Leonardo Sacramento Priscila Figueiredo Francisco de Oliveira Barros Júnior Afrânio Catani André Singer Tales Ab'Sáber Marjorie C. Marona João Lanari Bo Daniel Afonso da Silva Kátia Gerab Baggio Luis Felipe Miguel Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Chico Alencar Manuel Domingos Neto Luiz Bernardo Pericás Marcelo Módolo Slavoj Žižek Celso Favaretto José Machado Moita Neto Valério Arcary Boaventura de Sousa Santos Dennis Oliveira José Micaelson Lacerda Morais Paulo Martins Salem Nasser Ricardo Musse Vinício Carrilho Martinez Lincoln Secco Lorenzo Vitral Eleonora Albano João Adolfo Hansen João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Paulo Sérgio Pinheiro Eliziário Andrade Ladislau Dowbor Ricardo Antunes João Feres Júnior José Costa Júnior João Carlos Salles Paulo Nogueira Batista Jr Flávio R. Kothe Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Abramovay André Márcio Neves Soares Roberto Noritomi Antonio Martins Samuel Kilsztajn Elias Jabbour Atilio A. Boron Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino Julian Rodrigues Michael Löwy Gabriel Cohn Tadeu Valadares Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Vladimir Safatle Ricardo Fabbrini Luiz Roberto Alves Henri Acselrad Antonino Infranca Eduardo Borges Vanderlei Tenório Fernão Pessoa Ramos Dênis de Moraes Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Ronald León Núñez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Thomas Piketty Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Remy José Fontana Alysson Leandro Mascaro Henry Burnett Jean Marc Von Der Weid Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Fernandes Silveira Otaviano Helene Luiz Werneck Vianna Maria Rita Kehl José Dirceu Heraldo Campos Ronald Rocha Daniel Brazil Berenice Bento Jorge Branco José Luís Fiori Marcelo Guimarães Lima Bento Prado Jr. Igor Felippe Santos Carla Teixeira Marcos Silva Roberto Bueno Flávio Aguiar Rodrigo de Faria Celso Frederico Michael Roberts Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Rubens Pinto Lyra Jean Pierre Chauvin Daniel Costa José Raimundo Trindade Leda Maria Paulani Luiz Costa Lima Sandra Bitencourt Leonardo Avritzer Gilberto Lopes Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Gerson Almeida Marilia Pacheco Fiorillo Chico Whitaker Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero Armando Boito Alexandre de Lima Castro Tranjan Rafael R. Ioris Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Fernando Nogueira da Costa Alexandre Aragão de Albuquerque José Geraldo Couto Juarez Guimarães Annateresa Fabris Manchetômetro João Sette Whitaker Ferreira Luiz Marques Andrew Korybko Jorge Luiz Souto Maior Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Paulo Capel Narvai Mário Maestri Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada