As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Retorno a Reims

Imagem_Adir Sodré
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SÍRIO POSSENTI, LUZMARA CURCINO E CARLOS PIOVEZANI*

Comentário sobre a recém-lançada autobiografia de Didier Eribon

Em 2003, o intelectual francês Didier Eribon recebeu um prestigioso prêmio da Universidade de Yale, nos EUA. O caminho que o conduziu até lá compreendeu a saída da casa de seus pais ainda muito jovem, a mudança de sua cidade natal Reims para Paris, o gesto de assumir publicamente sua homossexualidade, o trabalho como jornalista em reconhecidos veículos da mídia francesa, até a frequentação e a amizade com notáveis da intelectualidade francesa, tais como Claude Levi-Strauss, Michel Foucault e Pierre Bourdieu, e a assunção à condição de professor da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Amiens e professor visitante nas Universidades de Berkeley, de Cambridge e no King’s College.

Já gozando de grande reconhecimento intelectual, Eribon acrescenta mais uma obra muito bem-sucedida entre suas já célebres publicações, como Michel Foucault. 1926-1984 (Flammarion, 1989); Foucault e seus contemporâneos (Fayard, 1994); Reflexões sobre a causa gay (Fayard, 1999), Uma moral do minoritário (Fayard, 2001) e Dicionário das culturas gays et lésbicas (Larousse, 2003), entre outras. Trata-se de Retorno a Reims é uma consistente e emocionante autobiografia sociológica.

Depois da morte de seu pai, Didier Eribon retorna a sua cidade natal e reencontra sua família e seu meio social de origem, dos quais havia se afastado trinta anos antes. Decide então mergulhar em seu passado e retraçar a história de sua família, que será narrada em articulação com a própria história da sociedade contemporânea. Os estigmas de classe que sempre recaíram sobre sua família de operários se mostram decisivos na determinação dos destinos de seus familiares e, particularmente, no próprio distanciamento de Eribon de suas origens populares.

Tendo acreditado por muito tempo que a homofobia de seu meio era causa exclusiva que o afastara dos seus, ele constata em seu retorno que, na verdade, esse distanciamento resultou igualmente de uma vergonha social, da vergonha de sua origem proletária e de sua condição de filho de operário. Eribon evoca o mundo operário de sua infância, reconstruindo o processo de sua ascensão social, e articula a cada etapa de bela e perturbadora narrativa pessoal os elementos de uma reflexão histórica, sociológica e política sobre as classes populares, sobre os bairros pobres e seu sistema escolar, sobre os processos de fabricação das identidades de classe e de distinção social, sobre a sexualidade e suas interconexões com as tendências políticas, com o voto em certos partidos, com a democracia…

Reescrevendo assim trajetórias individuais atravessadas pelas coerções dos meios sociais e dos grupos coletivos, por veredictos da reprodução social anteriores ao nascimento, Didier Eribon analisa a multiplicidade de formas de dominação e de resistência e examina os modos pelos quais os membros das classes populares, ou seja, de sua mesma origem social experimentaram na própria carne o que é pertencer a essas classes pauperizadas e vulneráveis. O autor concilia uma densa reflexão histórica e sociológica com uma narrativa em linguagem clara, simples e envolvente sobre as identidades sociais e seus mecanismos de reprodução, sobre as trajetórias de pertença e de identificação de classe, tanto de seus membros que foram impedidos de conquistar bens materiais e simbólicos das classes médias e dominantes quanto daqueles que como ele romperam socialmente com o mundo que lhes havia sido destinado.

Trata-se de uma sensível e comovente autobiografia e, ao mesmo tempo, de uma densa obra intelectual, um grande livro de sociologia, de teoria crítica e de história contemporânea. A obra pode ainda ser concebida, conforme o próprio autor a considera, como uma manifestação de revolta contra a violência social que toma formas muito variadas e que é vivida cotidianamente por uma maioria sofrida e silenciada. Sua reflexão incide, então, sobre essa violência que produz a distinção entre aqueles que cursarão o ensino superior, apreciarão a literatura de prestígio, as artes plásticas e a ópera, e aqueles que ansiarão pelo emprego na fábrica, assim como ela ansiará por eles. Estes últimos, que trazem já em seus nomes e sobrenomes as marcas de seu pertencimento de classe, acreditarão escolher, quando na verdade são escolhidos.

Em razão de seu grande êxito editorial na França, a partir de seu lançamento em 2009, a obra ganhou rapidamente traduções para o inglês e para o espanhol. Logo depois, também para o italiano e o alemão. Deu igualmente origem a uma peça de teatro de grande sucesso de público e de crítica. Essa sua grande e bem-sucedida repercussão certamente se deve ao fato de que o livro mostra a diversidade e a amplitude das formas de dominação e indica a necessidade de meios não menos diversos e amplos para que indigentes, marginais e estigmatizados de toda ordem possam resistir.

Em função de seu estilo de narrativa autobiográfica, o texto não conta com um sumário, com títulos que nomeiem suas partes e capítulos. O autor opta, portanto, por conduzir a narrativa em fluxo contínuo, interrompido somente por certas divisões temáticas marcadas por números: o livro dispõe, então, de 5 partes, indicadas por algarismos romanos, cujas subdivisões em capítulos são assinaladas por algarismos arábicos, e ainda um epílogo.

A primeira parte apresenta particularmente a figura do pai, sua infância e morte, sua vida como operário, sua vida como marido e pai, sua inscrição política junto ao partido Comunista e as durezas de sua vida que moldaram a dureza de seus gestos e formas de ser.

Na segunda parte, Eribon se dedica a descrever principalmente a vida privada e social de sua mãe: filha de mãe solteira, abandonada ainda jovem por essa mãe, impedida de seguir seus estudos, assediada no trabalho e infeliz no casamento.

A terceira examina a relação do próprio autor com a política que caracteriza sua juventude, sobretudo sua adesão às ideias comunistas, e as razões pelas quais ocorreu junto a seus familiares a migração dos votos nos partidos de esquerda para um partido de extrema direita. O que marca dolorosamente essa passagem é a avaliação de Eribon de que houve um tempo em que o OUTRO dos operários franceses eram os capitalistas, e agora são os imigrantes, e por isso eles passaram a votar na direita

Já a quarta é dedicada ao percurso escolar do autor, ao modo como por seu intermédio ele escapou a seu destino desde sempre determinado e à deterioração dessa escola, que, até então poderia emancipar alguns membros das classes populares, já não goza do mesmo valor que antes.

A quinta parte, por sua vez, reflete sobre sua história como garoto gay nascido em uma cidade do interior e sua relação com a vergonha sexual e o processo por meio do qual assumiu essa sua condição, os sofrimentos e os desafios desse processo.

No epílogo, enfim, com a mesma sensibilidade que atravessa todo o livro, Eribon apresenta uma bela reflexão sobre sua trajetória como filho de operários que se torna jornalista, autor conhecido e reconhecido e professor de filosofia, mediante uma constante evocação e interpretação de questões fundamentais da sociologia, da filosofia e história contemporâneas sobre os gêneros e a sexualidade, sobre as classes e as lutas sociais e sobre as lógicas da reprodução e da distinção que constituem e regulam nossas vidas em sociedade.

Eis aí um livro que nos ensina que há mais muitas mais relações entre lutas sociais e conflitos em torno da sexualidade do que poderia supor algumas de nossas vãs filosofias. Pela emoção que sentimos ao lê-la, em razão de nossa origem social em comum com a de Eribon e dos tabus em torno da sexualidade que também pesavam sobre nossas famílias, confessamos que se trata de uma obra que gostaríamos de ter traduzido.

*Sírio Possenti é professor da Unicamp e autor, entre outros, de Discurso, estilo e subjetividade (Martins Fontes).

*Luzmara Curcino é professora da UFSCar e organizadora de (In)subordinações contemporâneas:consensos e resistências nos discursos (EdUFSCar).

*Carlos Piovezani é professor da UFSCar e autor de A voz do povo: uma longa história de discriminações (Vozes).

 

Referência


Didier Eribon. Retorno a Reims. Belo Horizonte, Âyiné, 2020.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Mariarosaria Fabris Dennis Oliveira Airton Paschoa Gabriel Cohn Michael Roberts Marjorie C. Marona Fábio Konder Comparato Carla Teixeira Luciano Nascimento Andrew Korybko João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Loebens Marilena Chauí Ladislau Dowbor Leonardo Sacramento Ricardo Musse Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Ricardo Abramovay Renato Dagnino Eleonora Albano Caio Bugiato Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Lucas Fiaschetti Estevez Armando Boito Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto Rubens Pinto Lyra Sergio Amadeu da Silveira Eliziário Andrade Rodrigo de Faria Antonino Infranca Gilberto Lopes Chico Whitaker Vladimir Safatle Ronald Rocha Rafael R. Ioris Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Módolo Ronaldo Tadeu de Souza José Micaelson Lacerda Morais Gerson Almeida Leonardo Avritzer Tadeu Valadares Berenice Bento Roberto Bueno Jean Marc Von Der Weid Everaldo de Oliveira Andrade Slavoj Žižek Marcos Aurélio da Silva Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Bruno Machado Antonio Martins Ari Marcelo Solon João Paulo Ayub Fonseca Atilio A. Boron Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo Alexandre de Lima Castro Tranjan Valério Arcary Otaviano Helene Bento Prado Jr. Juarez Guimarães Maria Rita Kehl Salem Nasser Michael Löwy Julian Rodrigues Leda Maria Paulani Carlos Tautz Afrânio Catani Eugênio Bucci Henri Acselrad Marcelo Guimarães Lima Manchetômetro Francisco Pereira de Farias Luiz Costa Lima Flávio Aguiar Jorge Branco Fernão Pessoa Ramos Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa Celso Favaretto Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Paulo Capel Narvai Roberto Noritomi Thomas Piketty Daniel Brazil Eduardo Borges Valerio Arcary Anderson Alves Esteves André Singer Dênis de Moraes Henry Burnett Benicio Viero Schmidt Liszt Vieira Vanderlei Tenório Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Luiz Marques Luiz Eduardo Soares Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Claudio Katz Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Tarso Genro Osvaldo Coggiola Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Celso Frederico Yuri Martins-Fontes Gilberto Maringoni Daniel Afonso da Silva Tales Ab'Sáber José Geraldo Couto Ronald León Núñez João Carlos Salles Mário Maestri Eugênio Trivinho Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro José Luís Fiori Daniel Costa José Costa Júnior Elias Jabbour Paulo Martins Denilson Cordeiro Leonardo Boff Samuel Kilsztajn Sandra Bitencourt Walnice Nogueira Galvão Luiz Werneck Vianna Anselm Jappe Priscila Figueiredo Kátia Gerab Baggio Ricardo Fabbrini José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Érico Andrade Luiz Renato Martins Jean Pierre Chauvin João Feres Júnior Marcus Ianoni Ricardo Antunes Remy José Fontana Jorge Luiz Souto Maior Alysson Leandro Mascaro Luiz Roberto Alves André Márcio Neves Soares Lorenzo Vitral

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada