As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Rita Lee (1947 -2023)

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Homenagem à cantora recém-felecida

Pagu

Mexo, remexo na inquisição
Só quem já morreu na fogueira
Sabe o que é ser carvão
Eu sou pau pra toda obra
Deus dá asas a minha cobra
Minha força não é bruta
Não sou freira, nem sou puta
Porque nem toda feiticeira é corcunda
Nem toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone
Sou mais macho que muito homem
Sou rainha do meu tanque
Sou Pagu indignada no palanque
Fama de porra louca, tudo bem
Minha mãe é Maria ninguém
Não sou atriz, modelo, dançarina
Meu buraco é mais em cima

Nessa canção de Rita Lee e Zélia Duncan, que também é uma declaração de princípios, vai a demolição clichê por clichê do machismo a par com o conformismo.

A compositora e cantora não tinha papas na língua e dizia as coisas mais ultrajantes com um ar cândido. Doce garota de olhos miosótis, era um furacão. Feminista sempre alerta e avessa ao proselitismo, dava o exemplo e caprichava nos gestos cheios de verve. Quem mais ousaria chamar o câncer que a estava matando de “Jair”?

Antes de mais nada, uma libertária. Era a favor das experiências e nunca negou sua atração pelas drogas, pelo álcool e pelo sexo. Grande trabalhadora, passou a vida apostando em Eros, na alegria, na festa. A Rainha do Rock era uma dionisíaca sem remorsos.

Tente ouvir uma gravação dela sem ficar tomado: o corpo começa a vibrar e a se embalar, em uníssono com a pulsação das cordas e o ribombar da percussão.

Ela sabia que tinha uma voz pequena e às vezes precisava gravar por cima da primeira gravação. Mas seu forte não era a voz, era o balanço inimitável, a graça, a capacidade de fazer-se palhaça. Uma certa inocência – numa mulher tão vivida – transparecia no cunho infantil que sobrenadava de muitas de suas composições. Campeã absoluta em vendagem de discos, nisso sobrepujou todas as cantoras do país. E como performer era ímpar: fazia imitações e criava personagens bufos.

Pagou o preço da independência e da irreverência, e muitas vezes. Foi presa pela ditadura militar, por porte de maconha. Ficou meses na cadeia e recebeu a visita de Elis Regina, que lutou por sua libertação. Elis lhe daria a filha Maria Rita por afilhada e xará, enquanto Rita dedicaria a ela a canção “Doce de pimenta”, alusiva ao apelido de Elis, a Pimentinha. Na missa de sétimo dia desta, na Igreja do Perpétuo Socorro em São Paulo, apenas Rita Lee e o irmão da gaúcha leram os textos litúrgicos.

Além de jogá-la na masmorra, a ditadura encarniçou-se contra ela, mutilando e censurando suas canções. Um exemplo é o verso que consta do laudo oficial do negregado órgão que tanto dano causou às artes por 20 anos. “Me deixa de quatro no ato” acarretou a proibição de Lança-perfume, cujo título é clara metáfora substituindo o erótico pelo entorpecente. O laudo do censor justifica a proibição, acusando o verso, tão gráfico, de “ambiguidade”. Que ambiguidade? Pura denotação, de sentido unívoco.

Uma delícia sua autobiografia, franca e de coração aberto, onde faz as confissões mais descabeladas – e consegue cativar duplamente o fã, tal o jeito singelo com que enuncia as piores revelações. Já era escritora de livros infantis, mas agora se anuncia o segundo volume da autobiografia, aguardado com ansiedade.

Seu interesse por Pagu decorre de tudo o que fazia dela uma libertária, uma feminista, uma pessoa alegre, cheia de vitalidade e senso de humor.

Seria de esperar que o empenho político militante e o trânsito nas esferas rarefeitas dos artistas modernistas, próprios de Pagu, a tornariam avessa a Rita Lee, com quem aparentemente nada tinha em comum. Ledo engano. Rita assumiu a similaridade e a expressou nessa bela canção, uma homenagem compreensiva, mostrando que entendeu perfeitamente a trajetória de Pagu.

Quando indagada sobre ser o ambiente do rock brasileiro uma selva em que para sobreviver é preciso ter culhões, ela declarou que isso não bastava, mais que isso é preciso ter ovários.

Mulher sábia, mulher plena, transgressora e grande artista, de rara inteligência e originalidade única. Vai aqui para ela um poema, um haicai da autoria de Ilka Brunilde Laurito, à guisa de epitáfio:

Vitória da Samotrácia

Que mulher sensata
Perdeu a cabeça
Mas ficou com as asas

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Osvaldo Coggiola Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Julian Rodrigues Airton Paschoa Antonino Infranca José Costa Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro Paulo Fernandes Silveira Marcos Silva Antônio Sales Rios Neto Jorge Luiz Souto Maior Gerson Almeida Marcus Ianoni Bernardo Ricupero Luiz Carlos Bresser-Pereira Henri Acselrad Bruno Machado Luis Felipe Miguel Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Fabbrini Ladislau Dowbor Ronald Rocha Gilberto Lopes Elias Jabbour Marcelo Módolo Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Abramovay Francisco de Oliveira Barros Júnior Mário Maestri Thomas Piketty Atilio A. Boron Chico Whitaker João Lanari Bo Caio Bugiato Érico Andrade Manchetômetro José Raimundo Trindade Denilson Cordeiro Daniel Costa Celso Favaretto Renato Dagnino Tarso Genro Manuel Domingos Neto Salem Nasser Luiz Renato Martins Luiz Marques Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Eduardo Borges Rodrigo de Faria Fernão Pessoa Ramos Maria Rita Kehl Otaviano Helene Gilberto Maringoni Priscila Figueiredo João Feres Júnior Annateresa Fabris Milton Pinheiro Liszt Vieira Celso Frederico Valério Arcary Vinício Carrilho Martinez Daniel Afonso da Silva Michael Löwy Carla Teixeira Walnice Nogueira Galvão Marilia Pacheco Fiorillo João Carlos Loebens Vanderlei Tenório Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Carlos Tautz Mariarosaria Fabris Vladimir Safatle Dennis Oliveira Fernando Nogueira da Costa Paulo Capel Narvai Paulo Martins Juarez Guimarães Flávio Aguiar Marilena Chauí Rafael R. Ioris André Márcio Neves Soares Andrew Korybko João Sette Whitaker Ferreira Chico Alencar Remy José Fontana Antonio Martins Leonardo Sacramento Luiz Eduardo Soares Eleonora Albano Leda Maria Paulani Luciano Nascimento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Kátia Gerab Baggio Berenice Bento Armando Boito José Micaelson Lacerda Morais Valerio Arcary João Adolfo Hansen Luís Fernando Vitagliano Afrânio Catani Ricardo Antunes Ronald León Núñez Paulo Nogueira Batista Jr Tales Ab'Sáber Slavoj Žižek Gabriel Cohn Rubens Pinto Lyra José Dirceu Lincoln Secco Samuel Kilsztajn Eugênio Bucci Lucas Fiaschetti Estevez Marjorie C. Marona Francisco Pereira de Farias Jorge Branco Luiz Costa Lima Yuri Martins-Fontes José Geraldo Couto Sandra Bitencourt Dênis de Moraes Eugênio Trivinho Roberto Bueno André Singer Marcelo Guimarães Lima Ricardo Musse Daniel Brazil Eleutério F. S. Prado Everaldo de Oliveira Andrade Benicio Viero Schmidt Francisco Fernandes Ladeira José Luís Fiori Eliziário Andrade Henry Burnett Ari Marcelo Solon Marcos Aurélio da Silva Sergio Amadeu da Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Michael Roberts Lorenzo Vitral Claudio Katz Leonardo Boff Luiz Roberto Alves Boaventura de Sousa Santos Anderson Alves Esteves Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer João Paulo Ayub Fonseca Jean Pierre Chauvin José Machado Moita Neto Roberto Noritomi João Carlos Salles Heraldo Campos Alexandre Aragão de Albuquerque

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada