O destino de Bolsonaro

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS*

A agenda principal das eleições de 2022 não será mais a “luta contra a corrupção” e sim o desemprego

O segundo turno das eleições municipais confirmou as principais tendências do primeiro turno: o fortalecimento do conservadorismo tradicional (Centrão e DEM) e o enfraquecimento nas grandes cidades das duas forças que polarizaram o segundo turno da eleição presidencial em 2018, o Bolsonarismo e o Lulismo. Já o péssimo desempenho da centro-direita (PSDB e MDB) e da centro-esquerda (PSB e PDT) no primeiro turno foi mitigado no segundo pela vitória de Bruno Covas (São Paulo), João Campos (Recife) e José Sarto (Fortaleza) nas principais fortalezas regionais do PSDB, PSB e PDT, e do MDB em Porto Alegre e outras capitais. O que esses resultados ensinam sobre 2018 e insinuam sobre 2022?

Primeiro e mais importante, Bolsonaro simplesmente perdeu a hegemonia sobre a agenda política do país. A “antipolítica” deixou de ser o critério mais seguro de vitória eleitoral e, assim, Bolsonaro não tem o imenso recurso político de indicar aliados vitoriosos da “nova política” como fizera com Wilson Witzel e Romeu Zema.

Este é um acontecimento que não pode ser subestimado, pois indica que a agenda principal das eleições de 2022 não será mais a “luta contra a corrupção” e sim, como defenderei, o desemprego. Isto torna Bolsonaro especialmente vulnerável em 2022.

Não é a primeira vez na história. Para ficar na história do Brasil, Jânio Quadros e Fernando Collor também foram “novidades” eleitas com a promessa “antipolítica” de varrer a corrupção que não duraram muito tempo em parte por se agarrarem à agenda da austeridade e, no segundo caso, também se envolver nas transações que jurara limpar.

A ruptura com o lava-jatismo de Sérgio Moro e a rachadinha de Flávio Bolsonaro e Queiroz esfumaçaram a aura de santo de Jair e o levaram a buscar proteção no menos “antipolítico” dos blocos no Congresso. As investigações no Ministério Público e no Supremo Tribunal Federal, e a própria aliança “protetora” com o Centrão devem continuar minando a aura de justiceiro de Bolsonaro até 2022. O controle da agenda “antipolítica” foi perdido sem volta.

Assim, a “luta contra a corrupção” não parece mais ser capaz de resolver eleições junto com a pauta moral conservadora, ainda que continuem muito influentes para limitar o crescimento do PT em eleições majoritárias. A derrota do ex-prefeito e petista João Coser (PT) contra o Delegado Pazolini (Republicanos) em Vitória parece indicar esse limite. Já o Delegado Federal Eguchi (Patriotas em Belém) e o Capitão Wagner (Pros em Fortaleza) não conseguiram repetir a mística moralista de 2018.

O auxílio-emergencial e o Centrão

A segunda lição de 2020 é que o gasto do governo federal é um enorme recurso político dada a vulnerabilidade da população mais pobre, particularmente em conjuntura de forte desemprego. Durante o período mais crítico da pandemia, a renda de 67,2 milhões de pessoas, muitas ganhando R$1200, foi sustentada por um programa cujo custo até o primeiro turno chegou a cerca de R$300 bilhões, ou quase 4,2% do PIB estimado para 2020. Cerca de 15 milhões de pessoas saíram da pobreza, ou 23% do total de pobres, um recorde histórico.
Parece-me evidente que partidos da base de Bolsonaro aproveitaram o prestígio do auxílio-emergencial nas campanhas. Em troca da proteção contra o impeachment, o Centrão capitalizou eleitoralmente esse recurso ainda melhor do que os partidos bolsonaristas, que também cresceram em votos, prefeituras e vereadores nas cidades menores e zonas rurais do país.

Isso pode ajudar a explicar a nova derrota do PT em número de prefeituras (-29%), ainda que a votação total do partido tenha aumentado ligeiramente (1,88%) e, o que é ainda mais significativo, tenha sido a maior entre todos os partidos nas cidades com mais de 500 mil habitantes. Já nos ditos “grotões”, o Lulismo e a bolsa-família parecem ter sido ser circunstancialmente substituídos no imaginário popular pelo suposto pai do auxílio-emergencial e seus aliados.

O Centrão também usou a nova aliança com o governo federal para movimentar a mais tradicional das máquinas de produção de votos: recursos federais via ministérios e emendas parlamentares intermediados por prefeitos e suas redes de mediadores para financiar obras e serviços públicos. É esta máquina que o Centrão mobiliza para tomar prefeituras do MDB e do PSDB, explorando a lógica de fazer deputados para fazer prefeitos para fazer deputados… Consequentemente, o aumento do número de prefeitos e vereadores em 2021, portanto dos cabos eleitorais qualificados em 2022, deve elevar o tamanho do bloco parlamentar em 2023.

Bolsonaro sabe disso. Ele é agora refém do Centrão para se proteger do impeachment e para compensar a perda de prestígio nas grandes cidades com a capilaridade política no interior do país. Como escrevi há duas semanas, se a aliança tensa construída em 2020 entre Bolsonarismo e Centrão se consolidar, Bolsonaro terá em 2022 o que não teve em 2018: capilaridade política nos municípios, uma máquina poderosa de produção de votos que complementa a influência contínua de suas redes sociais de desinformação de massas.

Não se deve descartar a possibilidade de que Bolsonaro abandone a intenção de criar e liderar um partido, a Aliança para o Brasil, e resolva se filiar a um partido do Centrão. Isto depende, é claro, de que ele e seus filhos se convençam de sua própria incompetência organizacional e transfiram a articulação política para os profissionais.

O ingresso de Bolsonaro no Centrão é facilitado pela proximidade ideológica. Não se deve esquecer que sua origem histórica é o bloco formado para mitigar as cláusulas sociais e nacionalistas da Constituinte em 1987, e que foi central depois para “reformar” a Constituição de 1988 para cortar direitos sociais e blindar interesses empresariais.

O Centrão não deve ser entendido como um bloco de profissionais do clientelismo político que vendem votos por recursos federais independentemente da agenda do executivo. Não consigo imaginar o Centrão votando em massa para elevar radicalmente a tributação do patrimônio dos mais ricos, tão facilmente quanto poderia votar na reforma administrativa e em um aprofundamento da trabalhista, ou seja, nas reformas que prejudicam trabalhadores nos setores público e privado. Dinastias políticas também têm interesses empresariais e simpatia ideológica com aspectos da pauta neoliberal. Não é um grupo de “centro” e sim uma linha auxiliar do neoliberalismo.

A Lei do Teto do Gasto e o destino de Bolsonaro

Dito isto, termino com uma insinuação sobre 2022: a vitória de Bolsonaro depende do abandono da Lei do Teto do Gasto ou, pelo menos, de uma nova “flexibilização”. Para simplificar uma conta complexa, basta lembrar que, segundo o Ministério da Economia, as ações federais contra os efeitos da pandemia alcançarão a marca de R$ 605 bilhões em 2020, sendo apenas R$ 20,6 bilhões em redução de receitas, ou nada menos que 8,4% do PIB estimado para 2020.

Se uma economia com crescimento acelerado não aguentaria o enorme baque de um ajuste fiscal de 8% do PIB em 2021, imagine a economia brasileira convalescendo da pandemia, na qual já entrou pouco antes de voltar à UTI, ao contrário do que dizia Paulo Guedes.

O embate interno ao governo Bolsonaro é e continua duro, pois Guedes tem o apoio do “Mercado”, portanto de Rodrigo Maia, e da maior parte dos representantes do capital estrangeiro e da grande mídia. É provável que Rogério Marinho, o dito “fura-teto”, tenha o apoio da maior parte do Centrão, assim como do varejo, da construção civil, e da indústria para pelo menos flexibilizar o teto.

A incerteza quanto à conjuntura brasileira até 2022 é enorme, em vista da evolução imprevisível da pandemia, da vacinação e da recuperação econômica mundial e local. Supondo o cenário externo mais favorável, ou seja, que a recuperação mundial ao longo do segundo semestre de 2021 até o final de 2022 seja forte, desde que a vacinação tenha sucesso e a promessas de gasto público feitas na China, na Europa e na administração Joe Biden se realizem, quais os cenários prováveis no Brasil? Facilita entender o dilema se pensarmos em dois cenários extremos.

Primeiro cenário: o Teto do Gasto retorna em 2021 e, assim, a pressão vitoriosa do “mercado” leva ao corte do gasto social, do investimento público e até a uma redução de jornada e salários do funcionalismo público. Neste caso, o Brasil fica de fora da recuperação mundial, o desemprego alarmante aumenta ou cai lentamente, a pressão popular se acentua contra o governo. Antes mesmo de perder a reeleição, Bolsonaro seria abandonado pelo Centrão.

Quem acha que Guedes não tentaria tamanha insanidade deve lembrar que sua primeira proposta frente à pandemia foi a de salvar as empresas matando os trabalhadores, ou seja, a suspensão de salários por 4 meses sem qualquer compensação. Veremos se Bolsonaro demonstrará a temeridade de colocar seu destino político nas mãos de Guedes.

Segundo cenário: eliminação ou flexibilização do Teto do Gasto até 2022. Depois de um período de instabilidade financeira, com queda do valor dos ativos na bolsa, dos títulos de longo prazo e do Real, o Brasil gradualmente participaria da recuperação mundial, primeiramente puxado pelas exportações e depois pela retomada da renda e do emprego. O Centrão casaria com Bolsonaro de vez, e ele se tornaria quase invencível em 2022.

Façam suas apostas.

*Pedro Paulo Zahluth Bastos é professor do Instituto de Economia da Unicamp.

Publicado originalmente no portal Carta Maior.

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Andrés del Río Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Henri Acselrad Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan José Dirceu Carla Teixeira Boaventura de Sousa Santos Dennis Oliveira Kátia Gerab Baggio Luciano Nascimento Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares Airton Paschoa Antonio Martins Dênis de Moraes Vladimir Safatle Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa Eliziário Andrade Celso Frederico Berenice Bento Eleonora Albano Yuri Martins-Fontes André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Lorenzo Vitral Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Julian Rodrigues Matheus Silveira de Souza Anselm Jappe Jean Marc Von Der Weid Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Michael Roberts Ladislau Dowbor Bruno Fabricio Alcebino da Silva Fábio Konder Comparato Walnice Nogueira Galvão Priscila Figueiredo Eleutério F. S. Prado Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini Marcos Silva Mário Maestri Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Otaviano Helene Afrânio Catani Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Pereira de Farias Francisco de Oliveira Barros Júnior João Lanari Bo Rafael R. Ioris Thomas Piketty Michael Löwy Francisco Fernandes Ladeira Liszt Vieira Ari Marcelo Solon Samuel Kilsztajn Osvaldo Coggiola Bruno Machado Érico Andrade José Costa Júnior Eugênio Trivinho André Márcio Neves Soares Eugênio Bucci Vanderlei Tenório Paulo Martins Tarso Genro Lincoln Secco Jorge Branco Bento Prado Jr. João Feres Júnior Remy José Fontana Leonardo Avritzer José Raimundo Trindade Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Sacramento Valerio Arcary Ronald León Núñez Salem Nasser Eduardo Borges Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira Gerson Almeida Marcos Aurélio da Silva Armando Boito Mariarosaria Fabris Elias Jabbour João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Ricardo Musse Daniel Afonso da Silva Valerio Arcary José Machado Moita Neto Flávio R. Kothe Alysson Leandro Mascaro Maria Rita Kehl Juarez Guimarães Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino Heraldo Campos Tadeu Valadares Milton Pinheiro Annateresa Fabris José Geraldo Couto Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Celso Favaretto Leonardo Boff Bernardo Ricupero José Luís Fiori Marcus Ianoni Chico Whitaker Paulo Capel Narvai Marilena Chauí Marcelo Guimarães Lima Caio Bugiato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jean Pierre Chauvin João Carlos Salles Benicio Viero Schmidt Anderson Alves Esteves Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Renato Martins Manuel Domingos Neto Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca Leda Maria Paulani Luiz Marques Gilberto Maringoni Denilson Cordeiro Antonino Infranca Marjorie C. Marona Marcelo Módolo Manchetômetro Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Claudio Katz Rubens Pinto Lyra José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Loebens Carlos Tautz Sandra Bitencourt Chico Alencar Luís Fernando Vitagliano Rodrigo de Faria Michel Goulart da Silva Flávio Aguiar Henry Burnett Alexandre de Freitas Barbosa Luis Felipe Miguel

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada