Rosdolski e os Grundrisse

Imagem: Hamilton Grimaldi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CESAR SANSON*

Há ideias de Marx que, embora escritas há mais de um século, tiram o fôlego, ao serem lidas hoje

Os Grundrisse se constituem num conjunto de anotações, de rascunhos, acerca das pesquisas de Marx, sobretudo da economia política, que serão mais tarde utilizados na produção de O Capital. Trata-se de registros para auto-esclarecimento de dúvidas que Marx vai compilando, desenvolvendo, rabiscando, corrigindo, reelaborando, reescrevendo. Essas anotações, que nunca foram objeto de muita importância para os estudiosos do marxismo, ganharam relevância através do autor polonês Roman Rosdolsky (1898-1967), escritor, pesquisador e ativista político polonês. Foi ele, através de sua monumental obra Zur Entstehungsgeschichte des Marxschen ‘Kapital’. Der Rohentwurfdes ‘Kapital’ 1857–58 (1968), traduzida para o português como Gênese e estrutura de O Capital de Karl Marx (2011), que chamou a atenção para a importância desses escritos para a precedência de O Capital.

A contribuição de Rosdolsky é particularmente importante, porque, a partir desse manuscrito desvenda, de forma detalhada, como se deu o processo de construção da obra maior de Marx, O Capital. E não se trata de mera curiosidade, mas se revela importante, porque auxilia na reconstrução e nas depurações que Marx fez ao longo de suas anotações acerca de determinados temas e na reconstituição daquilo que considerava essencial. O que Rosdolsky observa é que nos Grundrisse há uma enormidade de variantes de análise sobre diferentes temas que enriquecem as “conclusões” presentes n’O Capital. Ainda mais: há conteúdos nos Grundrisse que não foram posteriormente abordados ou retrabalhados por Marx, ou conteúdos abandonados e inconclusos que revelam as tramas do pensamento do pensador alemão.

Um desses conteúdos destacado por Rosdolsky ao qual Marx não retornará em O capital trata-se do “cérebro social” ou “intelecto geral”. Essa categoria comumente denominada de intelect generall na literatura marxista relaciona-se aos estudos de Marx sobre a maquinaria. Lembremos que Marx foi um profundo estudioso das máquinas-ferramentas existentes em seu tempo. Parte considerável do tempo em que Marx ficou encerrado na biblioteca do Museu Britânico, em seu exílio em Londres, foi dedicado aos estudos sobre o funcionamento das máquinas. O seu interesse em estudar a tecnologia e a sua função no processo produtivo tinha como horizonte compreender a mudança de base material do capitalismo.

É para esses estudos da maquinaria de Marx que Rosdolky chama a atenção: “há nos Grundrisse ideias sobre a maquinaria que estão ausentes de O Capital; ideias que, embora escritas há mais de um século, tiram o fôlego, ao serem lidas hoje, pois apresentam uma das visões mais audaciosas produzidas pelo espírito humano”[1]. As ideias de “tirar o fôlego ao serem lidas hoje”, destacada por Rosdolsky, se referem a utopia de que um dia as máquinas poderão substituir o trabalho humano e liberar as pessoas para outras atividades. A ideia de que a produtividade alavancada pelas máquinas poderia distribuir ganhos para todos e eliminar o mais-valor.

Nos Grundrisse Marx sugere, embora não desenvolva o seu raciocínio, que o desenvolvimento da técnica, da ciência, das forças produtivas é resultante do “cérebro social”, do “intelecto geral”, do “saber social geral”; ou seja, tudo o que se inventa, as máquinas que se criam, são resultantes da engenhosidade humana coletiva e não criações individuais. Essa intuição encontra-se em um fragmento nos Grundrisse em que Marx afirma:

“(…) a natureza não constrói máquinas nem locomotivas, ferrovias, telégrafos elétricos, máquinas de fiar automáticas etc. Elas são produtos da indústria humana; material natural transformado em órgãos da vontade humana sobre a natureza ou de sua atividade na natureza. Elas são órgãos do cérebro humano criados pela mão humana; força do saber objetivada. O desenvolvimento do capital fixo indica até que ponto o saber social geral, conhecimento, deveio da força produtiva imediata e, em consequência, até que ponto as próprias condições do processo vital da sociedade ficaram sob o controle do intelecto geral e foram reorganizadas em conformidade com ele. Até que ponto as forças produtivas da sociedade são produzidas, não só na forma do saber, mas como órgãos imediatos da práxis social; do processo real da vida”[2].

Essa passagem, para muitos, antevê a possibilidade do caráter emancipatório do trabalho. A ideia de que o progresso da técnica objetivado nas máquinas, resultante do conhecimento em geral seja colocado em perspectiva do comum permitindo com a produção do excedente, a produtividade, reorganizar a distribuição de renda e o tempo de trabalho tempo. Essa é umas das intuições de Marx que, segundo Rosdolsky, são de “tirar o fôlego ao serem lidas hoje”: a utopia de que um dia as máquinas poderão substituir o trabalho humano e liberar as pessoas para outras atividades. Não se trata do desaparecimento do trabalho, mas da ideia de que a produtividade alavancada pelas máquinas poderia distribuir ganhos para todos e eliminar o mais-valor. Evidentemente que essa possibilidade em Marx está condicionada à superação do capitalismo e a entrada em outra sociedade, a sociedade do comum, do comunismo. Sobre isso escreve Rosdolsky;

“Hoje diante de uma nova revolução industrial em curso, não é necessário destacar a transcendência profética dessa concepção imensamente dinâmica e radicalmente otimista. O que o revolucionário alemão sonhava solitariamente em 1858, em seu exílio em Londres, ingressou hoje em dia – mas só hoje em dia – no âmbito do que é imediatamente possível. Graças ao desenvolvimento da técnica moderna, estão finalmente dadas – pela primeira vez – as condições para suprimir totalmente e definitivamente o ‘roubo do tempo de trabalho alheio’; agora – pela primeira vez – podem ser impulsionadas tão poderosamente as forças produtivas da sociedade que, de fato, e em um futuro não muito longínquo, a medida da riqueza social não será mais o tempo de trabalho, mas sim o tempo disponível”[3].

Note-se que Rosdolsky escreveu isso nos anos 1960, época do amadurecimento do fordismo, bem distante, portanto, das outras duas revoluções produtivas que se processaram na sequência: a terceira Revolução Industrial, de caráter informacional e, agora, a quarta Revolução Industrial, ancorada sobretudo na Inteligência artificial. É exatamente em função dessas revoluções que debate tem sido retomado por alguns teóricos[4] na qual o conhecimento – o trabalho imaterial – carrega em si a potência da ideia do “intelecto geral”, de Marx. De acordo com esses autores, o caráter da exploração mudou, porque é, sobretudo, o intelecto, o saber operário, que se tornou a fonte do excedente, do mais-valor, apropriado pelo capital; ou seja, a expropriação não se dá mais pelo roubo do tempo de trabalho individual ou coletivo, e sim pela captura do valor que é produzido pelos recursos imateriais, o conhecimento, a cooperação e a comunicação. Aqui se encaixa a intuição do ‘intelecto geral’ de Marx para um projeto emancipatório, pois da mesma forma em que o capital procura apropriar-se do excedente produzido pelo trabalho imaterial – o mais-valor de hoje – este pode ser a base da resistência dos sujeitos do trabalho. Da mesma forma que os recursos imateriais que cada trabalhador possui são ativados pelo capital para o plus produtivo, o mesmo também pode ser o reverso de um projeto coletivo de resistência e luta social.

*Cesar Sanson, professor na área da Sociologia do Trabalho na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

 

Notas


1 – ROSDOLSKI, Roman. Gênese e estrutura de O capital de Karl Marx. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011, p. 354.

2 – MARX, Karl. Grundrisse. Manuscritos econômicos de 1857-1858. Esboços da crítica da economia política. São Paulo: Editora Boitempo, 2011, p. 589

3 – ROSDOLSKI, Roman. Gênese e estrutura de O capital de Karl Marx. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011, p. 356.

4 – Destacamos, sobretudo, Paolo Virno e sua obra Grammaire de lamultitude (Quebéc: Conjectures &l’éclat, 2002); Antonio Negri, em parceria com Michael Hardt, nas obras Império e Multidão (Rio de Janeiro – São Paulo: Record, 2001 e 2005) e Maurizio Lazzarato, em parceria com Negri, e a obra Trabalho imaterial (Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2001).

 

 

 

 

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Juarez Guimarães Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Ricardo Musse Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valerio Arcary Carla Teixeira Antonio Martins Tarso Genro Vinício Carrilho Martinez Rafael R. Ioris Paulo Martins Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Mariarosaria Fabris José Geraldo Couto Luciano Nascimento Daniel Costa Michael Roberts João Carlos Loebens Marilena Chauí Liszt Vieira Ronald León Núñez Remy José Fontana Armando Boito Jorge Branco Vladimir Safatle Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Slavoj Žižek Michael Löwy Chico Whitaker Lorenzo Vitral Valerio Arcary Airton Paschoa Maria Rita Kehl João Sette Whitaker Ferreira Francisco de Oliveira Barros Júnior Otaviano Helene Bento Prado Jr. Dennis Oliveira Milton Pinheiro Chico Alencar Carlos Tautz Flávio R. Kothe José Luís Fiori Lincoln Secco Ladislau Dowbor José Machado Moita Neto Fernando Nogueira da Costa Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais Eduardo Borges Mário Maestri Michel Goulart da Silva João Paulo Ayub Fonseca Renato Dagnino Antônio Sales Rios Neto Jean Marc Von Der Weid Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko Érico Andrade Henry Burnett Eleutério F. S. Prado Denilson Cordeiro Atilio A. Boron Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes André Márcio Neves Soares Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves João Adolfo Hansen Leonardo Sacramento Gilberto Lopes Samuel Kilsztajn Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Módolo Luiz Marques Gerson Almeida Anselm Jappe Andrés del Río Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Renato Martins Celso Frederico Luiz Bernardo Pericás Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jean Pierre Chauvin Alexandre Aragão de Albuquerque Salem Nasser Claudio Katz Bruno Machado Sandra Bitencourt Elias Jabbour Gilberto Maringoni Jorge Luiz Souto Maior Eleonora Albano Thomas Piketty Ronald Rocha Marcus Ianoni José Costa Júnior Eugênio Bucci Ricardo Fabbrini João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves João Feres Júnior Alysson Leandro Mascaro Tales Ab'Sáber Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano Ricardo Antunes Fábio Konder Comparato Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Salles Alexandre de Lima Castro Tranjan Priscila Figueiredo André Singer Leda Maria Paulani Leonardo Boff Caio Bugiato Berenice Bento Leonardo Avritzer Marcos Silva Vanderlei Tenório Rubens Pinto Lyra Gabriel Cohn Ricardo Abramovay Heraldo Campos Matheus Silveira de Souza Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu Celso Favaretto Benicio Viero Schmidt Daniel Afonso da Silva Afrânio Catani Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna Paulo Capel Narvai Flávio Aguiar Dênis de Moraes Manchetômetro Igor Felippe Santos Bernardo Ricupero José Raimundo Trindade Paulo Nogueira Batista Jr Henri Acselrad Eugênio Trivinho Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Fernandes Silveira Daniel Brazil Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada