As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A tarefa de fiscalização

Imagem: Evgeny Tchebotarev
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCO ANTONIO CHICARONI*

O papel desempenhado pelos auditores fiscais para uma tributação justa e eficiente como instrumento para o financiamento do Estado

O Estado é agente de desenvolvimento. Não existe, na história, exemplo de desenvolvimento sem Estado. Tampouco, desde a Roma Antiga, de um Estado sem auditores fiscais, então chamados de “publicanos” ou “coletores de impostos”. Se o Estado é o garantidor dos direitos sociais e o promotor da competitividade em uma democracia, podemos dizer que os auditores fiscais são os verdadeiros guardiões desses direitos. As formiguinhas – por vezes incompreendidas, negligenciadas, quando não pisoteadas –  que juntam pacientemente os recursos para o inverno prolongado e a sobrevivência da comunidade. Os servidores públicos que pavimentam as bases para que os direitos e a cidadania se efetivem.

A atuação do Estado se mostrou ainda mais vital em tempos de pandemia e de recessão econômica e se torna mais premente num país continental como o Brasil, com uma das mais vergonhosas taxas de desigualdade social do mundo. Para mudar esse cenário e propiciar o desenvolvimento regional e nacional, ações do Estado devem englobar o oferecimento dos serviços sociais de justiça, segurança, saúde e educação de qualidade até a coordenação e incentivo da economia.

Tais objetivos dependem necessariamente de recursos financeiros. A tributação justa e eficiente revela-se o melhor instrumento para o financiamento do Estado. Outras formas de receita, como o endividamento público e a emissão de moeda, têm seus limites, desafios e riscos, que vão de inflação a juros altos para o tesouro e para a sociedade. É de grande importância o equilíbrio das contas públicas para a estabilidade econômica e social do país. Isso não se dá apenas do lado dos gastos, envolve também o ingresso de receitas tributárias de forma eficiente e equitativa – tarefa à qual se dedicam os auditores fiscais.

Embora a fiscalização possa ser a face mais conhecida dos auditores fiscais pelos cidadãos, são diversas as suas atribuições para que se garanta a arrecadação tributária necessária ao tesouro do Estado. Cabem aos auditores fiscais a elaboração de normas tributárias, a orientação e cobrança de contribuintes, assim como o estudo, planejamento e desenvolvimento de todos os meios necessários para o atendimento desses serviços.

Outra tarefa fundamental desempenhada pelos auditores diz respeito à identificação de crimes fiscais e tributários. O combate à sonegação deve ser de interesse da sociedade e da economia. Isso deve ocorrer não apenas pela restituição dos recursos públicos desviados, e pela aplicação da lei a todos, como em razão do combate à concorrência desleal praticada por aqueles que distorcem, degradam o mercado e buscam vantagem competitiva por meio de fraudes e evasão de tributos.

Para tanto, a administração tributária demanda profissionais bem qualificados para lidar com o ambiente jurídico, econômico e político complexo e em constante mutação, exigindo-se constantes investimentos e condições competitivas, não apenas materiais como institucionais, para cumprimento pleno de todas as suas atribuições.

Não é sem razão, portanto, que foi conferida aos fiscos a rara priorização constitucional em termos de alocação dos recursos públicos para o desempenho de suas funções. O artigo 37, inc. XXII, da Constituição Federal, preconiza que as administrações tributárias são atividades essenciais ao funcionamento do Estado e devem ser exercidas por servidores de carreiras específicas, dispondo de recursos prioritários para a realização de suas atividades e atuando de forma integrada.

Os desafios sociais e econômicos do Brasil, inclusive de São Paulo, são imensos. Para superá-los, o papel da receita tributária e do auditor fiscal é fundamental na promoção de um Estado e de uma sociedade em que os cidadãos possam ter assegurados os direitos essenciais a uma vida digna e a oportunidades de pleno desenvolvimento, em todos os sentidos. É vital, portanto, a garantia das condições necessárias ao fisco para o desempenho robusto de sua missão institucional.

*Marco Antonio Chicaroni é presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de São Paulo (Sinafresp).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Ari Marcelo Solon Bento Prado Jr. Jorge Luiz Souto Maior Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Remy José Fontana Antonio Martins Annateresa Fabris Maria Rita Kehl Gabriel Cohn Paulo Nogueira Batista Jr Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Gilberto Lopes Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Eleutério F. S. Prado Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Bruno Machado Lucas Fiaschetti Estevez Milton Pinheiro Atilio A. Boron Luís Fernando Vitagliano Rodrigo de Faria Luiz Renato Martins Luiz Bernardo Pericás Osvaldo Coggiola Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronaldo Tadeu de Souza Roberto Bueno Eduardo Borges Lorenzo Vitral Ricardo Abramovay Ricardo Antunes José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona Denilson Cordeiro Tarso Genro Andrew Korybko Valério Arcary Luciano Nascimento Michael Roberts Paulo Fernandes Silveira Boaventura de Sousa Santos José Raimundo Trindade João Carlos Loebens Tales Ab'Sáber Carla Teixeira Jorge Branco Walnice Nogueira Galvão Ronald León Núñez Renato Dagnino Ronald Rocha Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Pereira de Farias Jean Marc Von Der Weid Heraldo Campos João Adolfo Hansen André Márcio Neves Soares Julian Rodrigues Rubens Pinto Lyra José Geraldo Couto André Singer Yuri Martins-Fontes Everaldo de Oliveira Andrade Elias Jabbour Leonardo Avritzer Afrânio Catani Leonardo Boff Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Mário Maestri Liszt Vieira José Costa Júnior Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Fabbrini João Carlos Salles Luiz Costa Lima Fernão Pessoa Ramos Sergio Amadeu da Silveira Jean Pierre Chauvin Luis Felipe Miguel Anselm Jappe Caio Bugiato Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonino Infranca Priscila Figueiredo Daniel Brazil Claudio Katz Luiz Roberto Alves Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Eleonora Albano Marcos Silva Luiz Marques Thomas Piketty José Luís Fiori Leonardo Sacramento João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Dirceu Érico Andrade Bernardo Ricupero Alexandre Aragão de Albuquerque Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo João Feres Júnior Marilena Chauí Armando Boito Roberto Noritomi Henri Acselrad Marcelo Módolo Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida Francisco de Oliveira Barros Júnior Carlos Tautz Eliziário Andrade Tadeu Valadares Eugênio Bucci Igor Felippe Santos Vladimir Safatle Flávio Aguiar Fábio Konder Comparato Michael Löwy Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro Rafael R. Ioris Sandra Bitencourt Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Marcus Ianoni Salem Nasser Ladislau Dowbor Antônio Sales Rios Neto João Paulo Ayub Fonseca Daniel Costa João Lanari Bo Marcos Aurélio da Silva Slavoj Žižek Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Daniel Afonso da Silva Alysson Leandro Mascaro Celso Frederico Vanderlei Tenório Paulo Martins Otaviano Helene Manchetômetro Lincoln Secco Celso Favaretto Francisco Fernandes Ladeira Henry Burnett

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada