Silvio Almeida no carnaval brasileiro

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Gostar ou não de carnaval não é o elemento definidor da brasilidade de ninguém

Não tenho ouvido falar muito do ministro Silvio Almeida. Parece que ele adotou uma postura meio ambígua no combate ao sionismo, o que é lamentável para alguém que está no Ministério dos Direitos Humanos, mas são informações esparsas que vejo na imprensa.

Ele esteve numa escola de samba paulista no sábado e desfilou na noite passada na Portela, no Rio de Janeiro. Entrevistado, falou as platitudes de praxe nessas ocasiões e soltou: “Gostar do carnaval é gostar do Brasil”.

Quer dizer que eu não gosto do Brasil, ministro?

De que carnaval, afinal, Silvio Almeida está falando?

Das escolas de samba vinculadas à contravenção? Dos camarotes milionários? Dos abadás superfaturados, do cercamento das ruas para que só os pagantes possam pular?

Ou será o carnaval dos “blocos do TikTok” – sim, porque agora os naming rights invadiram tudo?

Talvez o carnaval da importunação sexual, da falta de banheiros, da cerveja quente e cara?

Em tudo isso nós devemos ver um reflexo do “gostar do Brasil”?

Os políticos pilantras que fazem seu populismo nas escolas de samba e os capitalistas destrutivos que se embebedam nos camarotes – eles são exemplos de amor à pátria?

O pesquisador Luiz Antonio Simas descreveu hiperbolicamente o carnaval como “celebração coletiva que afronta o individualismo e a decadência da vida em grupo; conjunto de ritos que reavivam laços contrários à diluição comunitária, fortalecem pertencimentos e sociabilidades e criam redes de proteção social nas frestas do desencanto”.

É sonoro, ainda que exagerado, unilateral, romantizado e tingido de um comunitarismo talvez problemático. Mas quanto do espetáculo turístico-comercial do Rio de Janeiro, São Paulo ou Salvador corresponde a essa definição?

Tem afronta ao individualismo nas estrelas que negociam cachês milionários para cantar nos blocos? Tem reação contra a decadência da vida em grupo nas subcelebridades disputando um espaço na televisão ou na revista Caras? Tem reavivamento de laços comunitários nas empresas elaborando suas estratégias de marketing momesco? Os pertencimentos são fortalecidos pelos banqueiros do jogo de bicho e sua promiscuidade com o poder público? A rede de proteção social é mais bem sinalizada pelo celular roubado ou pelo beijo forçado?

Dá para gostar da festa e do espetáculo por gostar, sem adotar todo esse palavreado.

Como alguém que constrói sua persona pública como intelectual sofisticado, como o ministro Silvio Almeida, promove tão alegremente a equivalência entre o carnaval abstrato (a festa popular) e o evento comercial concreto?

O fato de que eu não gosto de carnaval diminui meu amor pelo Brasil?

Não gosto de carnaval. Tenho aproveitado o feriado para ler literatura (estrangeira, que horror!) e assistir a óperas em vídeo. Também não gosto de futebol. Nem de praia. Deviam revogar minha nacionalidade? Ou tenho direito a sursis por gostar de feijoada?

A seu modo, a fala de Silvio Almeida é tão discriminatória quanto a do nazistinha que foi secretário de Cultura de Jair Bolsonaro, que achava que o Brasil precisava se “civilizar” e passar a ouvir só Wagner.

Um bom carnaval pra todo mundo – para quem quer pular, para quem quer descansar e também para os muitos que são obrigados a trabalhar nesses dias.

Isso simplesmente não define nossa brasilidade.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil. (Autêntica) [https://amzn.to/45NRwS2]

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES