As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Golpista brasileiro em palanque alemão

Imagem: Paulo Fávero
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

O fascismo vai tomando conta de todos os espaços

Apologia à truculência política é proibida na Alemanha, mas a embaixada alemã em Brasília promoveu debate virtual entre um militar defensor da tortura e dois professores, um alemão e um brasileiro. O evento está disponível na página eletrônica da Embaixada.

O oficial começou exibindo legitimidade hereditária, atributo incompatível com o Estado democrático: teria “nascido” no Exército. O recrutamento endógeno é anti-republicano e fere a “meritocracia” castrense. A Corporação proclamou a República sem admitir seus pressupostos. O general revelou ainda a separação nebulosa entre militares da ativa e da reserva. Em traje civil, disse continuar “vivendo no Exército”.

Assumindo ares de porta-voz do “pensamento das Forças Armadas” afirmou não admitir que civis “tenham que mandar nos militares”.  Com isso resumiu a longeva crise de identidade dos enfileirados: vestem-se como militares, pensam como políticos e não abandonam a vocação policial. Comunicou que seus camaradas defendem a ideologia liberal: ao Estado, caberia o papel de “facilitador”, não de “gestor do progresso nacional”. E proclamou a isenção ideológica das corporações!

Disse que a nação é credora do Exército, mas logo desdisse: a corporação salvou a sociedade! O golpe de 1964 teria sido patriótico. (Não mencionou o conluio dos golpistas com Washington). Justificou e minimizou a bestialidade da ditadura. Os ditadores teriam permitido eleições livres e liberdade de expressão. A redemocratização teria sido concedida pelo quartel. Mas a democracia fracassou: “após 35 anos da chamada redemocratização ainda não somos uma democracia de fato”. A ditadura teria afastado a política dos quartéis e interrompido a rotina de crises político-militares.

Para o general, as instituições públicas, em particular o Judiciário, são corrompidas, carentes de “responsabilidade política e cívica”. Os líderes do país interpretam e manipulam as leis “segundo interesses pessoais e grupais”. Para não perder o poder e suas “injustas regalias”, atuam unidos contra “as atuais forças da mudança”. Há “um notório movimento” de juízes e políticos para barrar a apuração de crimes.

Vaticinou iminente anomia e a necessidade de as Forças Armadas atuarem como poder moderador nos moldes da monarquia brasileira do século XIX. Interpretando o artigo 142 da Constituição, disse que uma “intervenção militar” poderia não ser legal, mas seria necessária e legítima diante da “falência dos poderes da República”. Só um golpe garantiria “a estabilidade impedindo que o país mergulhasse no estado de anomia”.

Tal um carbonário convicto de que chegou a hora da revolução, falou em nome do povo: “É triste, mas a sociedade perdeu a esperança na transformação moral e ética política por vias legais”.

Os professores ficaram desconcertados. Como contrapor a chuva de disparates?

O acadêmico alemão, desajeitado, disse que em seu país os militares não exprimem posicionamentos políticos e são proibidos de agir no âmbito doméstico, excetuados os casos de catástrofes naturais ou atentados terroristas. Isso ocorrendo, auxiliariam as instituições da Lei e da Ordem. Militares alemães respeitariam a Constituição e as leis internacionais.

O professor brasileiro contraditou o general citando literalmente outros militares. Registrou surpresa com a atuação das Forças Armadas na conformação do quadro político brasileiro. Revelou que um colega do general conclamara a tropa para o engajamento na eleição de Bolsonaro. Ironizou a propensão dos oficiais para interpretar a Constituição. Lembrou suas pesquisas sobre as contendas nos quartéis. Registrou o confronto entre Geisel e Silvio Frota. Poupando maior vexame ao general, não declinou a luxuriante produção de jornalistas e acadêmicos que o desmentia. Assinalou ainda a identidade ideológica entre o alto comando e o governo.

O general se ateve a passagens secundárias de seus interlocutores. Disse que o professor alemão desconhecia os méritos do almirante que comanda o ministério de Minas e Energia. Ao brasileiro, falou que Carlos Prestes estava a um passo do poder em 1964.

Do rol de aleivosias, uma se destaca por ser assacada em ambiente virtual da embaixada germânica: as Forças Armadas “rechaçam ideologias radicais e utópicas de qualquer matiz” que comprometam a paz interna e dividam a “nação”. “Somos patriotas e nacionalistas”. Ignorou que entre seus anfitriões as palavras “nação” e “nacionalismo” evocam o esmagamento dos mais frágeis e o massacre de vizinhos. Na última vez em que germanos se mobilizaram pela pátria o planeta foi encharcado de sangue. Muitos alemães pronunciam com cuidado as palavras “pátria” e “nação”. Repudiando utopias desagregadoras, o general exaltou a utopia que mais desagregou na história!

Este evento ocorreu no dia 15 de setembro. Os protagonistas foram o general Luis Eduardo Rocha Paiva e os professores Carlo Masala (University of the German Armed Forces – Munique) e João Roberto Martins Filho (Universidade Federal de São Carlos).

O general não foi preso nem o embaixador alemão recebeu pedido de explicações.

O fascismo é assim, vai tomando conta de todos os espaços. A Embaixada pode não ter agido com más intenções, mas em muito contribuiria evitando armar palanques para inimigos jurados da civilização.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC. Foi presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e vice-presidente do CNPq.

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henri Acselrad Fernando Nogueira da Costa Ricardo Antunes Eliziário Andrade Gilberto Lopes Michael Roberts Remy José Fontana Michael Löwy Julian Rodrigues João Lanari Bo Carla Teixeira Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai Anselm Jappe Rafael R. Ioris Paulo Martins Roberto Noritomi Fábio Konder Comparato Salem Nasser Eugênio Bucci Chico Alencar Caio Bugiato João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Leonardo Avritzer José Dirceu Bento Prado Jr. Luiz Costa Lima Daniel Brazil Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Gabriel Cohn Érico Andrade Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges José Costa Júnior Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Maria Rita Kehl Anderson Alves Esteves Ricardo Abramovay Antonino Infranca Marcos Aurélio da Silva Luiz Bernardo Pericás Vinício Carrilho Martinez Bruno Machado Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni Fernão Pessoa Ramos Rodrigo de Faria Luiz Renato Martins Celso Favaretto Lincoln Secco André Márcio Neves Soares Sandra Bitencourt Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos Marilena Chauí Sergio Amadeu da Silveira Carlos Tautz Ronald Rocha Jean Marc Von Der Weid Samuel Kilsztajn Manchetômetro Denilson Cordeiro Milton Pinheiro Antonio Martins Luis Felipe Miguel Afrânio Catani Luís Fernando Vitagliano Ladislau Dowbor Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Luiz Carlos Bresser-Pereira Roberto Bueno Marcelo Módolo Renato Dagnino Slavoj Žižek Mário Maestri Igor Felippe Santos Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Musse Luiz Roberto Alves José Geraldo Couto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca Luciano Nascimento João Carlos Salles Paulo Nogueira Batista Jr João Feres Júnior Tarso Genro José Luís Fiori Otaviano Helene Vanderlei Tenório Thomas Piketty Celso Frederico Yuri Martins-Fontes Henry Burnett Annateresa Fabris Paulo Sérgio Pinheiro João Carlos Loebens José Micaelson Lacerda Morais Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Valerio Arcary Chico Whitaker Elias Jabbour Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Lima Castro Tranjan José Machado Moita Neto Juarez Guimarães Atilio A. Boron Osvaldo Coggiola Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa André Singer Francisco Pereira de Farias Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Branco Gerson Almeida Tales Ab'Sáber Priscila Figueiredo Marjorie C. Marona Valério Arcary Heraldo Campos Luiz Marques Marcos Silva Alysson Leandro Mascaro Walnice Nogueira Galvão Berenice Bento Eugênio Trivinho Bernardo Ricupero Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Armando Boito Francisco Fernandes Ladeira Ronaldo Tadeu de Souza Tadeu Valadares Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Dênis de Moraes Ricardo Fabbrini Ari Marcelo Solon Antônio Sales Rios Neto Eleonora Albano Liszt Vieira Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Afonso da Silva Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada