As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sob o Império da pulsão de morte

Clara Figueiredo, a cúpula econômica do governo segue a passos firmes, fotomontagem digital, 2020.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANA LAURA PRATES; ANTONIO QUINET; IDA FREITAS; RODRIGO PACHECO; ROSANE MELO; VERA POLLO

Carta da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano

Ao responder a Einstein por que a guerra, Freud apontou que a guerra desvela como o homem é capaz de fazer do outro o objeto de sua pulsão de destruição, a qual faz parte de cada um de nós. Pois a guerra suspende as barreiras civilizatórias que se opõem à pulsão de morte. No Brasil atual, os pilares civilizatórios e democráticos estão sendo destruídos sistemática e programaticamente pela barbárie do governo de ultradireita. Estamos sob o Império da pulsão de morte. Um governo de “ustra-direita” traz diariamente à lembrança a tenebrosa homenagem do então deputado federal Jair Bolsonaro ao torturador sádico Brilhante Ustra, quando do pronunciamento de seu voto em favor do impeachment da Presidente Dilma Roussef, em 2016. Era o prenúncio do que viria.

Hoje, estamos numa guerra. Não que potências exteriores nos estejam atacando, mas o próprio governo, com sua necropolítica, está promovendo o genocídio de nossa população. A pandemia do COVID-19 trouxe a morte para o quadro de nossa vida cotidiana. E o governo atual, longe de ser incompetente para administrar a pandemia e a vacinação em massa, tem demonstrado seu objetivo deliberado de extermínio de uma parte significativa da população. E isto com requintes de cinismo e com o gozo da tirania.

A situação da pandemia e o alto índice de letalidade da COVID-19 instalaram, no Brasil, uma guerra biológica. Esta, de forma cruel e pérfida, ataca em vários fronts: ignora a prevenção do contágio, vai contra o isolamento social, ridiculariza o uso de máscaras, banaliza a doença, faz propaganda de falsos remédios e estimula aglomerações. E mais: não provê uma ajuda assistencial mínima e digna para que as pessoas se mantenham em casa, não fornece subsídios para o aumento da capacidade de assistência médica; ao contrário, incentiva movimentos antivacina, impede governadores de comprarem vacinas, e outros despautérios. Promove, assim, o Estado de Terror, submetendo-nos não apenas ao desamparo, mas também a uma tortura a céu aberto, que nos enche de medo e pânico, melancolia e desespero. A falta de oxigênio proposital, a asfixia programada e a morte banalizada são táticas da necropolítica, que tem como estratégia o ódio, a ignorância e a destruição. O ignoródio mortífero é instilado gota a gota nos interstícios da sociedade democrática, para que haja o ataque ao saber e a promoção das Fake News, além da ode à violência. Essa modalidade de guerra de hoje em que o coronavírus é usado como arma, associada à liberação de armas de fogo para a população, prepara a guerra civil de amanhã.

Este governo ataca a Coisa pública e seus servidores. Programa a destruição das políticas públicas conquistadas com tanta luta, que asseguravam minimamente algum direito e dignidade ao cidadão brasileiro. Mais ainda: ataca a ciência, relega a educação e a cultura a seu degrau mais inferior, esgota a força de trabalho dos profissionais de saúde, destrói nossas riquezas naturais, nossos povos originários, tudo em nome do capital. E em benefício de uma minoria dominante, que, sem pudor algum, usa seus privilégios de classe para abarcar o projeto de governo genocida, supremacista e eugenista. Pois, a população que será mais dizimada é a que tem menos chance de se defender dos tiros, dos vírus e dos venenos dos discursos mentirosos.

Psicanalistas, sabemos que o sujeito individual é o mesmo da lógica coletiva, e estamos advertidos da guerra biológica e mortífera que nos assola. Para que haja perspectiva de reconstrução dos laços, a vida (Bios) deve prevalecer, vinculada ao amor (Eros) e à Razão (Logos). Para tanto, precisamos recuperar o debate argumentativo e elucidativo, bem como a promoção do respeito à diferença e à singularidade dentro de um projeto verdadeiramente democrático, em que o “um-a-um” possa se conjugar com a lógica coletiva.

Que o luto que vivemos pela gravidade do momento não se transforme em melancolia, previsto pela programação da tenebrosa instrumentalização de Tanatos. Que o trabalho de luto possa ser realizado a partir da experiência histórica daqueles que nos antecederam, para respondermos com o desejo decidido de reconstrução e com a esperança ativa que nos orienta. Que o iluminismo ao qual o homem chegou, dividido pelo Inconsciente freudiano, possa fazer jus, com o verbo e com o ato, à dignidade do ser humano que tentamos alcançar. Que estejamos à altura da tarefa que a época nos impôs.

*Comissão Urgências da época da EPFCL-Brasil – Ana Laura Prates, Antonio Quinet, Ida Freitas, Rodrigo Pacheco, Rosane Melo, Vera Pollo

 

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer José Geraldo Couto Marcelo Guimarães Lima Ronald León Núñez Celso Favaretto Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Ricardo Abramovay Paulo Martins Thomas Piketty Michael Löwy Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Loebens Vinício Carrilho Martinez Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Ricardo Musse Jean Pierre Chauvin Marcus Ianoni Berenice Bento João Carlos Salles Milton Pinheiro Luiz Roberto Alves Lincoln Secco Eugênio Bucci Anderson Alves Esteves Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira Tales Ab'Sáber Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Maringoni Marcos Silva João Feres Júnior Ari Marcelo Solon Ronald Rocha Vladimir Safatle Bernardo Ricupero Carlos Tautz Chico Alencar Lucas Fiaschetti Estevez Salem Nasser Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Gabriel Cohn José Micaelson Lacerda Morais Luciano Nascimento Tadeu Valadares Kátia Gerab Baggio Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira Atilio A. Boron Antonino Infranca Marilia Pacheco Fiorillo Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Tarso Genro Valerio Arcary Annateresa Fabris Luiz Marques Ricardo Antunes Walnice Nogueira Galvão José Dirceu Lorenzo Vitral Roberto Bueno Sandra Bitencourt Osvaldo Coggiola Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Luiz Werneck Vianna Remy José Fontana Jean Marc Von Der Weid Otaviano Helene Celso Frederico Roberto Noritomi José Raimundo Trindade Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Fábio Konder Comparato Caio Bugiato Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Gerson Almeida Renato Dagnino Bento Prado Jr. Henry Burnett Marilena Chauí Benicio Viero Schmidt Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Fabbrini Daniel Costa Alexandre de Freitas Barbosa Afrânio Catani Dennis Oliveira Michael Roberts Dênis de Moraes Eliziário Andrade José Luís Fiori Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Vanderlei Tenório Heraldo Campos Luís Fernando Vitagliano Flávio R. Kothe Alexandre de Lima Castro Tranjan Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Samuel Kilsztajn Priscila Figueiredo Ladislau Dowbor Eleonora Albano Julian Rodrigues Érico Andrade Airton Paschoa André Singer Henri Acselrad Valério Arcary Daniel Afonso da Silva Daniel Brazil Paulo Capel Narvai Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Rafael R. Ioris Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Carla Teixeira José Costa Júnior Marcelo Módolo Marcos Aurélio da Silva Rodrigo de Faria Luiz Eduardo Soares Francisco Fernandes Ladeira Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro Antonio Martins Leonardo Sacramento Manuel Domingos Neto Luiz Costa Lima Igor Felippe Santos Liszt Vieira Rubens Pinto Lyra Luiz Renato Martins Flávio Aguiar Armando Boito José Machado Moita Neto Bruno Machado Gilberto Lopes Chico Whitaker Elias Jabbour André Márcio Neves Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Juarez Guimarães João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira João Adolfo Hansen Francisco Pereira de Farias

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada