Jornalismo-de-retratinho

Imagem: Ciro Saurius

Por DANIEL BRAZIL*

Cada vez mais vemos jovens entrando numa faculdade de jornalismo não para enfrentar governos, revelar esquemas de poder ou investigar crimes, mas para ter… um retratinho nos jornais

O que levou o jornalismo a níveis tão baixos quanto os que vemos hoje nos jornalões, rádios e emissoras de TV? Como pode o avanço tecnológico ter aberto a porteira para tanta mediocridade, mau-caratismo e bajulação? Em que momento histórico foi que as escolas de jornalismo – policiadas em tempos de ditadura por serem “antros de esquerda” – formaram tantos direitistas, conservadores e reacionários?

A profissão de jornalista surgiu como uma necessidade social, e não demorou muito pra ser reconhecida. Claro que antes disso havia os arautos, os narradores, os cantadores de feira, os fofoqueiros, os emissários do rei, os pichadores de muros (sim, são mais antigos que o jornalismo!).

Com a invenção de Gutemberg, passaram a existir como profissão. Relatores de notícias, no início. Com o tempo, alguns se tornaram colunistas, outros até editorialistas. Mas, até o final do século XX, constituíam um grupo quase secreto, desconhecido do grande público. O anonimato lhes garantia a possibilidade de se misturar ao povo, ouvir conversas em bares, clubes e reuniões sociais, partidos políticos e sindicatos. Muitos usavam pseudônimos. Quem conhecia algum jornalista pessoalmente já detinha certo poder, positivo ou negativo. Poderia delatá-lo ou abrir portas. O prestígio do jornalismo cresceu tanto que, ainda no século passado, passou a ser chamado de Quarto Poder.

Com o advento da televisão, o jornalista passou a ter um rosto, e virou estrela. Aquele sujeito ou sujeita que aparece todo dia no horário nobre passou a ser tietado em aeroportos, restaurantes e hotéis, fotografado, idolatrado, virou assunto de revistas de fofocas, pedem autógrafos quando ele é visto em praça pública. Aliás, pediam, no século XX. Hoje fazem selfies.

A explosão da internet, como sabemos, revolucionou completamente o trânsito de informações no planeta. A tiragem dos jornalões e revistas semanais desabou, e rapidamente os empresários de comunicação criaram sites para recuperar o prejuízo. Cresce aí o jornalismo-de-retratinho, imitando a TV, onde cada colunista ganha forma, sorriso ou carranca. A mídia impressa adotou o conceito, e cada vez mais se vê o jornalismo-de-retratinho estampado nas colunas, matérias e comentários. Na rede, nas revistas, nos jornais, na mídia em geral.

E o jornalista se tornou uma celebridade. Qual o artista que não quer ter seu retrato publicado no jornal diariamente? Músicos, atores, artistas plásticos, bailarinos e escritores tentam, poucos conseguem. Jornalista, sim. A receita de abobrinha assada, a fofoca do meio artístico, a intriga palaciana ou a análise econômica é encimada pelo retratinho. São tietados em aeroportos, restaurantes e hotéis, etc.

Esse personagem não pode mais investigar uma notícia. Não pode entrar numa assembleia sindical, num café, numa passeata, num congresso, num estádio de futebol, e fazer seu trabalho de observador-analista. É um simulacro de jornalista, um mero apresentador de notícias, um talking-head. O mais trágico: virou notícia. O povo quer saber o que ele faz nas horas de lazer, o que come, por que casou, por que descasou. Um jornalista nunca deveria ser notícia, já dizia um dos pioneiros da profissão.

Isso explica o ocaso do jornalismo investigativo na grande imprensa. Para fazer uma investigação decente, aprofundada e imparcial o jornalista (ou o detetive) tem como uma de suas principais ferramentas o anonimato. Seu rosto não pode ser reconhecido, sua vida privada não deve estar exposta. Mas a vaidade é um dos sete pecados capitais, como sabemos. E cada vez mais vemos jovens entrando numa faculdade de jornalismo não para enfrentar governos, revelar esquemas de poder ou investigar crimes, mas para ter… um retratinho nos jornais! Essa vaidade é naturalmente explorada pelos donos de empresas de comunicação, cujos interesses são bem outros. Informação é negócio, é jogo de interesses, é mercadoria. E o(a) jovem que quer ter o retratinho no jornal vai aprender rapidinho o jogo do poder para alcançar seu objetivo. Abanar o rabo para os patrões e latir para os inimigos dos patrões.

O tempora! O mores!”, como diria Cícero, político e orador romano que não tem nenhum retrato na galeria de precursores do jornalismo. “Vanitas vanitatum, et omnia vanitas”, complementaria Santo Agostinho…

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.