As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sobre o espólio da pandemia

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Érico Andrade*

O governo Bolsonaro tem mostrado um desdém não apenas pela pobreza, mas por tudo que não for o seu espelho

Se há uma coisa que tem se mostrado ambidestra na pandemia do Corona Vírus é o modo como lidamos com os nossos mortos. A disputa política não é apenas sobre quem pagará a conta das mortes. Sobre quem será responsabilizado pelas mortes que já começam se avolumar pelo Brasil, a despeito da flagrante subnotificação. A disputa é ainda mais grave.

Se, por um lado, é com escarnio que o presidente e seu séquito tratam as pessoas mortas pela COVID-19, retirando do Estado qualquer possibilidade de decretar um luto oficial e conferir, porquanto, institucionalidade ao sofrimento, por outro lado, parte da esquerda converte imagens de covas coletivas ou de cemitérios feitos à pressa em instrumento moral de punição dos eleitores de Bolsonaro.

Sem dúvida, são atitudes assimétricas porque o governo cumpre a função institucional de comandar o país e não pode se outorgar o direito de ridicularizar as mortes das quais ele é também responsável; no mínimo por sua omissão. Contudo, o uso das imagens das covas coletivas e do sofrimento estampado no rosto das famílias, cujo entes queridos partiram em decorrência do COVID-19, é feito livremente por certa esquerda numa lógica de merecimento. Como se cidades como Manaus, em que Bolsonaro teve uma vitória expressiva, tivessem que passar pelo sofrimento diante da pandemia.

É preciso dizer que ninguém merece morrer. Não há merecimento para a morte. O punitivismo que reina soberano na extrema direita brasileira contamina a tal ponto parte importante da esquerda que a impede de se compadecer das mortes. É quando a política não deixa espaço para o luto. Mas isso só acontece quando perdemos respeito pelos vivos.

E o governo Bolsonaro tem mostrado um desdém não apenas pela pobreza, mas por tudo que não for o seu espelho. Com isso ele sedimenta o seu eleitorado pelo ódio e pelo desprezo explícito pela vida; por conseguinte, pelos mortos.

Com efeito, a sua grande vitória é contaminar a esquerda pelo mesmo ódio que veda qualquer chance de uma política criativa e que não seja meramente uma resistência, neste caso com as mesmas armas. Quando passa a repetir o comportamento daquilo que critica a esquerda não está apenas sendo incoerente, afinal a incoerência nos atravessa como humanos. Está enterrando a possibilidade de mudar uma estrutura punitivista por se afundar num revanchismo sem fim.

*Érico Andrade é professor de filosofia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Caio Bugiato Bento Prado Jr. Sergio Amadeu da Silveira Slavoj Žižek Luiz Costa Lima Yuri Martins-Fontes Marilena Chauí Paulo Nogueira Batista Jr Ari Marcelo Solon Alysson Leandro Mascaro Paulo Martins Vanderlei Tenório José Dirceu Marcos Aurélio da Silva Michael Roberts José Micaelson Lacerda Morais Flávio R. Kothe Luiz Roberto Alves Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima Roberto Noritomi Osvaldo Coggiola Ronald Rocha Armando Boito João Paulo Ayub Fonseca Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Jorge Luiz Souto Maior Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Gilberto Maringoni Jorge Branco Daniel Costa Antonino Infranca Juarez Guimarães Priscila Figueiredo Rodrigo de Faria Daniel Brazil Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Alexandre Aragão de Albuquerque Benicio Viero Schmidt Luiz Carlos Bresser-Pereira Valerio Arcary Igor Felippe Santos João Carlos Loebens Remy José Fontana Francisco de Oliveira Barros Júnior Érico Andrade Celso Favaretto Rafael R. Ioris Ricardo Antunes Gilberto Lopes Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Eugênio Bucci Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini Luiz Eduardo Soares Celso Frederico Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Mário Maestri Carla Teixeira Lorenzo Vitral João Lanari Bo Roberto Bueno Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Leonardo Avritzer Henry Burnett Francisco Fernandes Ladeira Renato Dagnino Luiz Marques Eduardo Borges Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Eleonora Albano Francisco Pereira de Farias Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Bruno Fabricio Alcebino da Silva Julian Rodrigues Paulo Fernandes Silveira Dennis Oliveira Luis Felipe Miguel Antonio Martins Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Lincoln Secco Claudio Katz Denilson Cordeiro Marjorie C. Marona Bruno Machado Berenice Bento Manchetômetro José Costa Júnior Annateresa Fabris Luiz Werneck Vianna Kátia Gerab Baggio Dênis de Moraes Andrew Korybko Vladimir Safatle Leda Maria Paulani Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Maria Rita Kehl Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Flávio Aguiar João Feres Júnior José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Chico Alencar Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro João Carlos Salles Gerson Almeida Chico Whitaker Carlos Tautz Airton Paschoa Mariarosaria Fabris Fernando Nogueira da Costa Anderson Alves Esteves João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Salem Nasser Lucas Fiaschetti Estevez André Singer Leonardo Boff Valério Arcary Ricardo Musse Michael Löwy Marilia Pacheco Fiorillo Otaviano Helene Atilio A. Boron Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Ricardo Abramovay José Geraldo Couto André Márcio Neves Soares Elias Jabbour José Machado Moita Neto Jean Marc Von Der Weid Heraldo Campos Gabriel Cohn Tadeu Valadares Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro José Luís Fiori Marcus Ianoni João Adolfo Hansen Manuel Domingos Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada