Em destaque – II

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes

Destaco cinco questões:

(1) A primeira, por ordem de grandeza, de vida útil, de impacto, são as passeatas que aconteceram no último domingo, dia 07 de junho, nas principais capitais do Brasil. A passeata antifascista e antirracial (mas também as passeatas em defesa do governo de Jair Bolsonaro). Como em 2013, esse conjunto de passeatas indica um posicionamento – especialmente por parte da juventude – contra a retórica bolsonarista, caracterizada por preconceitos fartamente reiterados.

Julgo importante destacar que se trata de um fenômeno que tem pouco a ver com a marcha pelas Diretas dos anos 1980. Por quê? Ainda não há compromissos de parlamentares com esse movimento. O que se têm ao contrário é a ausência completa, nestes eventos, de partidos políticos. Ou seja, temos aí um movimento heterônomo, disperso, com bandeiras gerais, generalizantes. Isso não significa que não tenham valor e uma força daqui para o futuro. São, antes de mais nada, uma sinalização de que estamos aqui defendendo certas causas e vamos tentar conseguir o apoio de todas as forças políticas de oposição ao governo.

(2) Outro ponto importante na conjuntura é a reação do PT, e especialmente de Lula, aos manifestos em andamento no Brasil contra a ordem estabelecida, pedindo disciplina e eventual impeachment do governo Bolsonaro. Ora, não é a primeira vez que o Partido dos Trabalhadores decide que é melhor ficar sozinho do que bem acompanhado. Isso vem de muito longe, desde a eleição de Tancredo Neves. E o que há de se fazer? Resta esperar que a realidade conforme novas posições.

(3) Um terceiro ponto é a tentativa de reconstrução da posição internacional do Brasil na questão da floresta amazônica. Agora sob a liderança do General Mourão, e no âmbito do Plano Amazônia, busca-se as bases de uma política com maior controle regional, visando cativar os fundos internacionais que sempre foram usadas para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, ainda que de modo muito precário.

(4) O quarto item é essa briga quase infantil entre o Ministério da Saúde e as demais autoridades sobre o número de vítimas e o número de hospitalizados do Covid-19. Por conta disso até já estão acontecendo manifestações na Holanda, na Austrália, na Áustria e na Organização Mundial da Saúde contra esta tentativa de obscurecer os dados relativos à pandemia do coronavírus no Brasil.

(5) Por último, resta lembrar e destacar aqui a posição armamentista do governo Jair Bolsonaro. Em Águas Lindas, em Goiás, no fim do mês passado, o presidente, ao inaugurar um hospital de campanha falou muito pouco do coronavírus, discorreu mais sobre a política armamentista que pretende instaurar no Brasil. Salientou, inclusive, que tentará de todas as formas zerar as tarifas de importação de armamentos.

Cabe lembrar que já foram tomadas duas outras medidas: uma atinente ao rastreamento de armamentos, mais antiga, e a outra, mais recente, decretando a liberação de armas de uso exclusivo das Forças Armadas – produzidas pela Imbel – para o cidadão comum. Um grave aceno do presidente ao armamentismo.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

Artigo estabelecido a partir de debate produzido pela consultoria Empower

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES