As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Solano Trindade, passado e presente

João José Rescala, Água, 1943.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ZENIR CAMPOS REIS*

Apresentação do livro “Poemas antológicos de Solano Trindade”

(Para João Victor)

Viver é lutar

Em “Poesia doméstica”, Solano Trindade nos apresenta liricamente o lugar ameno, a casa, o espaço seguro, da harmonia, dos afetos, da nutrição, do prazer, contrapondo do território do trabalho, popularmente chamado “luta”:

“A minha estante
É um caixão de cebola
E são poucos os livros
Que eu possuo.
Mas eu tenho um jardim
Que dá flores coloridas
E o cachorro do vizinho
Dá guarda à minha casa
E me festeja
Quando eu chego da luta.”

Luta foi o que não faltou na vida de Solano Trindade, nascido pobre e negro no Recife, em 1918. A memória comovida revive, em “Reencarnação”, a origem humilde:

“D. Micaela
Foi a parteira que me pegou
E anunciou o meu sexo
Homem!

A minha mãe
Foi operária cigarreira
Da Fábrica Caxias
Nascida de índio
E africano

Meu pai
Foi sapateiro
Especialista em Luís XV
Nasceu de branco e africano
Sabia falar em Nagô”

Todos os sentidos da palavra “luta” foram experimentados e exercitados: o trabalho para garantir a subsistência e os bens indispensáveis, o estudo, para o acesso à cultura, isto é, as letras e as artes, e muita luta contra os preconceitos, mais imediatamente o de cor, espraiando-se em dimensões variadas, alcançando mesmo o espaço do sagrado, das religiões africanas, perseguidas e anatematizadas, ontem e hoje. Mesmo legalizadas, mas apenas depois de 1976, continua a campanha de demonização, movida por algumas confissões religiosas, sobretudo evangélicas.

Estas lutas foram comuns aos intelectuais negros, no Brasil e no mundo. Luiz Gama (1830-82), poeta e militante da emancipação do negro escravo do século XIX, registra em verso:

“Na terra que rege o branco,
Nos privam té de pensar.”

Lança o desafio:

“Quero que o mundo me encarando veja,
Um retumbante Orfeu de carapinha,
Que a Lira desprezando por mesquinha.
Ao som decanta de Marimba augusta”

O exercício da poesia lírica muitas vezes se vê forçado a ceder lugar à exigência momentânea da militância política:

“ia falar do seu corpo
de suas mãos
amada
quando soube que a polícia espancou um companheiro
e o poema não saiu”

Respiramos o mesmo ar da poesia de Brecht:

“Que tempos são esses, quando
falar sobre flores é quase um crime.
Pois significa silenciar sobre tanta injustiça?”

Causas individuais se mesclaram inevitavelmente a causas coletivas. Não existe emancipação solitária, quando estão em jogo pobreza, opressão, preconceito. Inevitável a transição do “eu” para o “nós” comunitário, como podemos ler em “Meu canto de guerra”: o “meu poema” torna-se “poema da multidão”.

Muitas vozes

A poesia de Solano Trindade tem uma vocação pública, que se realizou no palco, integrado à música e à dança, nos espetáculos, primeiro do Teatro Folclórico Brasileiro, que criou com a primeira esposa, Margarida Trindade, e com Édison Carneiro (1950).

Percorreu terras, no Brasil e no exterior, levando sua voz e seu gesto, sua mensagem viva. E incorporando aos versos essas andanças, a memória dos espaços, humanizados pelas vivências de criança e de adulto. Mesmo as enumerações colorem-se de um conteúdo emocional. Leia-se no poema “Tem gente com fome” a ladainha das estações da Estrada de Ferro Central do Brasil, que percorre os subúrbios do Rio de Janeiro. Leia-se o desfile de nomes dos bairros populares do Recife, em “Meu canto ao mar”.

O tributo aos folguedos populares e aos pregões de rua recupera essa primeira fonte da cultura oral das camadas populares brasileiras, a rigor formas de comunicação correntes entre crianças e adultos, iletrados e letrados, em todos os povos e em quase todos os momentos históricos.

Nos dias atuais, assistimos a um novo momento desse desdobramento estético, nos poemas musicados pelo neto, Victor da Trindade, que percebeu a afinidade da poesia do avô com o Samba e com o Hip-Hop, por exemplo. Habituados a ler silenciosamente a poesia, não podemos perder de vista essa dimensão daqueles versos.

Graciliano Ramos escreve, em Memórias do cárcere:

“Não supunha os homens bons nem maus: julgava-os sofríveis, pouco mais ou menos razoáveis, naturalmente escravos dos seus interesses. Sem dúvida: uma razão miúda, variável com as circunstâncias, e o egoísmo natural: dormir, comer, amar, reproduzir-se; um pouco acima disto, avaliar quadros e livros, inspirar respeito, mandar”.

No lugar de “interesses”, podemos ler “necessidades”. A poesia de Solano veicula essas necessidades, belamente. A necessidade de amar figura em lugar privilegiado. Esta necessidade sintetiza duas dimensões, a individual e a coletiva da vida humana, por ser o amor e o sexo veículos da reprodução, continuidade da pessoa, mas também da humanidade. Encontramos em Solano o amor másculo, macho-fêmea, e o companheirismo, comunhão de corpo e sentimento, bússola da existência, aqui traduzido na terminologia musical: “canto”, “música”, “ritmo”.

(O amor) “Foi o canto da minha adolescência
Foi a música da minha felicidade
É o ritmo da minha velhice”

*Zenir Campos Reis (1944-2019) foi crítico literário e professor de Literatura Brasileira na FFLCH-USP. Autor, entre outros livros, de Augusto dos Anjos: poesia e prosa (Ática).

 

Referência


Poemas antológicos de Solano Trindade. Seleção e introdução: Zenir Campos Reis. São Paulo: Nova Alexandria, 2007.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonino Infranca Eugênio Trivinho Benicio Viero Schmidt Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Flávio Aguiar Marcus Ianoni Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Juarez Guimarães Celso Favaretto Jorge Branco Rubens Pinto Lyra Jean Marc Von Der Weid Rafael R. Ioris Fernão Pessoa Ramos João Feres Júnior Igor Felippe Santos João Paulo Ayub Fonseca Manchetômetro Francisco Fernandes Ladeira Denilson Cordeiro Priscila Figueiredo Jorge Luiz Souto Maior Celso Frederico Paulo Sérgio Pinheiro Atilio A. Boron Osvaldo Coggiola Ricardo Antunes Paulo Capel Narvai Marcos Aurélio da Silva Chico Alencar Anselm Jappe Michael Roberts Tales Ab'Sáber Thomas Piketty Armando Boito Manuel Domingos Neto José Dirceu Paulo Fernandes Silveira Eleutério F. S. Prado Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos José Micaelson Lacerda Morais Luiz Renato Martins Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Renato Dagnino Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Machado Bento Prado Jr. Luiz Marques André Singer Ronald Rocha Dennis Oliveira Caio Bugiato Luiz Eduardo Soares Luiz Costa Lima João Lanari Bo Paulo Nogueira Batista Jr João Carlos Salles Maria Rita Kehl Francisco Pereira de Farias Luiz Bernardo Pericás Ari Marcelo Solon Fábio Konder Comparato Ladislau Dowbor Henri Acselrad Luiz Carlos Bresser-Pereira Sandra Bitencourt Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilia Pacheco Fiorillo Yuri Martins-Fontes Leonardo Sacramento Francisco de Oliveira Barros Júnior Carlos Tautz Mariarosaria Fabris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vanderlei Tenório Vladimir Safatle Anderson Alves Esteves Lincoln Secco Remy José Fontana Dênis de Moraes José Geraldo Couto Liszt Vieira Gilberto Maringoni Flávio R. Kothe Michael Löwy Daniel Brazil Carla Teixeira Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Eliziário Andrade Gabriel Cohn José Costa Júnior Milton Pinheiro Alysson Leandro Mascaro Marjorie C. Marona Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Musse Salem Nasser Leonardo Boff Paulo Martins Elias Jabbour Alexandre Aragão de Albuquerque Walnice Nogueira Galvão Everaldo de Oliveira Andrade Afrânio Catani Marcos Silva José Machado Moita Neto José Raimundo Trindade Heraldo Campos Berenice Bento Marilena Chauí Airton Paschoa Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay José Luís Fiori Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Roberto Noritomi Chico Whitaker Fernando Nogueira da Costa Gilberto Lopes Daniel Afonso da Silva Vinício Carrilho Martinez Andrew Korybko Antonio Martins Ricardo Fabbrini Leda Maria Paulani André Márcio Neves Soares Antônio Sales Rios Neto Luiz Werneck Vianna Eugênio Bucci João Carlos Loebens Samuel Kilsztajn Daniel Costa Gerson Almeida Ronald León Núñez Leonardo Avritzer Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Roberto Alves Tarso Genro João Adolfo Hansen Mário Maestri Valério Arcary Annateresa Fabris Claudio Katz Kátia Gerab Baggio Luciano Nascimento Otaviano Helene Luís Fernando Vitagliano Tadeu Valadares Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada