Uma anedota de classe

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

A grosseria da classe média e o embrutecimento das pessoas

“Dans la langue, donc, servilité et pouvoir se confondent inéluctablement” (Roland Barthes, Leçon)

Sábado desses, meio da tarde. Um professor decide tomar o segundo café do dia. Bota a roupa mais confortável, calça os tênis e segue até uma das poucas livrarias que restam na cidade. Chegando lá, repara que o plano inicial está frustrado: a seção reservada ao café foi tomada por uma pocket palestra.

Nada a fazer, senão aproveitar a ida ao recinto para olhar livros. As vozes prosseguem, intercalando o relato da expositora e as réplicas do auditório. Felizmente, o passeio não fora em vão: numa das prateleiras, terceiro ou quarto nicho da loja, encontra o livro de Andrea Cavalletti, Classe, traduzido em 2022: “Talvez esteja em promoção”.

O sujeito se dirige ao caixa para confirmar o valor. A meio caminho, percebendo que há uma pessoa no estreito balcão, decide inspecionar outra vez a estante de literatura brasileira. Feliz decisão, que evita testemunhar de mais perto o modo escandaloso e violento com que a cliente se dirige à jovem que está em pé, há tantas horas, na função de escutar, informar e receber.

A certa altura, a consumidora eleva ainda mais o tom de voz: “Eu vi na internet que esta loja tinha o livro!”. Na função de caixa, a atendente tenta argumentar que o site poderia ser da livraria sede… É inútil. A pessoa parece ter saído de casa apenas para exercitar o superpoder de consumo. “Isso é um absurdo!”.

O professor decide ir ao caixa, assim mesmo. “Paciência. Quem sabe, apresso a saída dessa pessoa inconveniente…”. Como esperado, a cliente havia saído num rompante, como chegara. Chegando a sua vez, o sujeito observa que deve ser difícil lidar com “gente tão nervosa”. A moça e seu colega dão a entender que sim, mas contêm o eventual protesto.

O sujeito imagina que os funcionários da loja estejam habituados a “lidar” com a grosseria da classe média paulistana: sintoma de histeria? desejo de mando? modo perverso de se distinguir socialmente?

Como de costume, o professor trata a jovem com a cordialidade que merece; ela o avisa que faz jus ao desconto. Ele segue para outro caixa, onde o rapaz debita o valor devido. Ambos continuam silentes, o que o induz a cogitar quanto custa conter a reposta que incertos clientes merecem.

Desiste do café. Talvez seja o caso de retornar para casa.

Em meia quadra, cede passagem a uma pessoa, que não agradece a cortesia; vinte metros à frente, é quase atropelado por uma transeunte em roupas de ginástica, que poderia figurar no décimo episódio da franquia Velozes e Furiosos.

Retornando ao castelo de cinquenta metros quadrados, o cronista indagará, ainda uma vez, o que explica o embrutecimento das gentes.

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete Falas: ensaios sobre tipologias discursivas.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES