As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Surpresas desagradáveis

Imagem: Pok Rie
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Chegamos a um ponto de que se não trocarmos o modo devastador dos ecossistemas, podemos ir ao encontro de nosso extermínio como espécie humana

Desde a mais alta antiguidade a Terra sempre foi tida com Mãe, que junto com outras energias cósmicas, nos fornece tudo o que a vida sobre o planeta precisa. Os gregos chamaram-na de Gaia ou Demeter, os romanos Magna Mater, os orientais Nana, os andinos de Pachamama. Todas as culturas a consideravam-na com um super ente vivo que, por ser vivo, produz e reproduz vida.

Somente na modernidade europeia, a partir do século XVII, a Terra foi considerada com uma “mera coisa extensa”, sem propósito. A natureza que a cobre, não possui valor em si, somente quando for útil ao ser humano. Este não se considera parte da natureza, mas seu “seu senhor e dono”. Fizeram de tudo com ela, sem qualquer respeito, umas boas e outras letais. Essa modernidade arrojada criou o princípio de sua própria autodestruição com armas de podem destruir totalmente a si mesmo e a vida.

Deixemos de lado este modo fúnebre de habitar a Terra ecocida e geocida, por mais ameaçador que possa ser em qualquer momento. Deixemo-nos desafiar (sem a pretensão de explicar) os últimos eventos extremos ocorridos: grandes enchentes no sul do país e na Líbia, terremoto arrasador no Marrocos, fogos indomáveis no Canadá, nas Filipinas e alhures.

Em grande parte, se está criando um consenso entre a comunidade científica (menos na política e nos grandes oligopólios econômicos dominantes) de que a causa principal, não única, se deve à mudança do regime climático da Terra e os limites de insustentabilidade do planeta. É a famosa Sobrecarga da Terra (Earth Overshoot Day): consumimos mais do que ele nos pode oferecer. E ele já não aguenta mais.

Como é um super ente vivo, reage, enviando-nos aquecimento global, ondas de eventos extremos, terremotos, furacões, vírus letais etc. Chegamos a um ponto de que se não trocarmos o modo devastador dos ecossistemas, podemos ir ao encontro de nosso extermínio como espécie humana. Os últimos fatos são prenúncios.

De tudo deve-se tirar lições. Hoje conhecemos, o que era negado às gerações anteriores, como funcionam as placas tectônicas que compõem o solo da Terra. Conhecemos suas fendas perigosas, quais placas podem estar se movendo. A consequência é se construirmos nossas cidades e casas sobre estas fendas, poderá chegar um dia em que ocorre um deslocamento ou entrechoque de fendas, produzindo um terremoto com sacrifícios humanos e culturais incalculáveis. Lá se vão obras da genialidade humana. A consequência que hoje devemos tirar: não podemos construir nossas habitações e cidades sobre estes lugares. Ou devemos desenvolver tecnologias, como os japoneses o fizeram, que edifícios tendo por base metais que equilibram todo o prédio a ponto de suportar os movimentos de terremotos.

Algo semelhante vale para as grandes enchentes de magnitude avassaladora. Sabemos que todo o rio tem seu leito por onde correm as águas. Mas a natureza previu que deve haver espaços suficientemente grandes em suas bordas que suportem alagamentos. Estes espaços são parte de se leito alargado. Neles em vão se edificam prédios e inteiras cidades. Ao chegar a enchente, as águas reclamam o seu espaço por onde elas escorrem. Então ocorrem as grandes calamidades. Cientes destes dados, impõem-se medidas de contenção ou simplesmente não permitir que nesses lugares se construam casas, fábricas e bairros. Em termos mais radicais, estas partes da cidade devem encontrar um outro lugar seguro para não sofrerem sua danificação ou sua destruição.

Estes são conhecimentos que os governantes e operadores do poder público devem tomar em conta. Caso contrário, por falta de conhecimento que beira à irresponsabilidade, deverão, de tempos em tempos, enfrentar catástrofes que matam pessoas, destroem casas e tornam certa região inabitável.

Estas catástrofes pertencem à história da Terra. Chegamos a conhecer 15 grandes extinções em massa. Uma das mais importantes ocorreu há 245 milhões de anos por ocasião da formação dos continentes (a partir do único Pangeia). Nela desapareceram 90% das espécies da vida animal, marinha e terrestre. A Terra precisou de alguns milhões de anos para refazer sua biodiversidade. A segunda maior extinção em massa ocorreu há 65 milhões de anos quando um asteroide de quase 10 km de extensão caiu em Yucatan, no sul do México. Isso provocou um imenso maremoto, com grande volume de gás venenoso e uma treva imensa que obscureceu o sol e assim impediu a fotossíntese e 50% de todas as espécies pereceram. Os dinossauros que por 130 milhões de anos vagavam por parte da Terra foram as principais vítimas.

Curiosamente, depois de cada extinção em massa, a Terra conheceu uma floração fantástica de novas espécies. Depois da última, apareceram especialmente os mamíferos, dos quais nós mesmos descendemos. Mas, misteriosamente, começou também uma terceira extinção em massa. A atual não é como as duas anteriores que ocorreram de golpe. Ela se faz lentamente, por diversas fases, começando na era glacial há 2,5 milhões de anos. Constata-se nos últimos tempos uma aceleração desta extinção. O regime climático está aumentando dia a dia e eventos extremos se multiplicam como temos descrito. Entramos num alarme ecológico, pois, como disse severamente o Papa na Fratelli Tutti: “Estamos no mesmo barco, ou nos salvamos todos ou ninguém se salva”.

Como diz Peter Ward, em seu livro O fim da evolução (Campus): “Há 100 mil anos atrás, outro grande asteroide atingiu a Terra, dessa vez na África. Este asteroide chama-se homo sapiens”. Quer dizer, é o ser humano moderno que inaugurou o antropoceno, o necroceno e o piroceno. Se grande é o risco, dizia um poeta alemão, grande também é a chance de salvação. É nessa que espero e confio, não obstante as calamidades descritas acima.

*Leonardo Boff é eco-teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Habitar a Terra (Vozes). [https://amzn.to/45TOT1c]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonino Infranca Antonio Martins Bernardo Ricupero João Lanari Bo Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco de Oliveira Barros Júnior José Micaelson Lacerda Morais Leda Maria Paulani Chico Alencar Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Mário Maestri Leonardo Sacramento Carla Teixeira Vanderlei Tenório Paulo Nogueira Batista Jr Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Maria Rita Kehl Valério Arcary Luis Felipe Miguel Airton Paschoa Gilberto Lopes Ricardo Abramovay Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Bruno Machado Eliziário Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Raimundo Trindade Thomas Piketty Ronald Rocha Anderson Alves Esteves Ronaldo Tadeu de Souza Elias Jabbour Juarez Guimarães Denilson Cordeiro Berenice Bento Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Anselm Jappe João Adolfo Hansen Luiz Costa Lima Rodrigo de Faria Gilberto Maringoni Ronald León Núñez João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Liszt Vieira Atilio A. Boron Luciano Nascimento Celso Frederico Annateresa Fabris Daniel Brazil José Dirceu Gabriel Cohn Paulo Sérgio Pinheiro Otaviano Helene Roberto Noritomi Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon Fernão Pessoa Ramos André Márcio Neves Soares Tadeu Valadares Andrew Korybko Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Érico Andrade Jean Marc Von Der Weid José Geraldo Couto Marcelo Módolo Boaventura de Sousa Santos Leonardo Avritzer João Carlos Loebens Valerio Arcary Manchetômetro João Feres Júnior André Singer Antônio Sales Rios Neto Luiz Werneck Vianna Slavoj Žižek Paulo Fernandes Silveira Marcelo Guimarães Lima Tarso Genro Jean Pierre Chauvin Henry Burnett Dênis de Moraes Caio Bugiato Roberto Bueno Daniel Costa Marcos Aurélio da Silva Walnice Nogueira Galvão Luiz Marques Manuel Domingos Neto Eleonora Albano Flávio Aguiar Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Freitas Barbosa Salem Nasser Remy José Fontana Eugênio Bucci Tales Ab'Sáber Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Gerson Almeida Priscila Figueiredo Marjorie C. Marona Carlos Tautz Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Fernando Nogueira da Costa Kátia Gerab Baggio Lorenzo Vitral José Luís Fiori Michael Roberts Marcus Ianoni Marcos Silva Armando Boito Ricardo Musse Benicio Viero Schmidt Luís Fernando Vitagliano João Paulo Ayub Fonseca Luiz Eduardo Soares Ladislau Dowbor Renato Dagnino Heraldo Campos Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Dennis Oliveira Igor Felippe Santos Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Luiz Roberto Alves Paulo Martins Claudio Katz Afrânio Catani Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Leonardo Boff Marilena Chauí Eduardo Borges Chico Whitaker Celso Favaretto José Machado Moita Neto Jorge Branco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada