As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Uma desigualdade sem igual

Imagem: Martins Krastins
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ MACHADO MOITA NETO*

A história e intensidade da desigualdade brasileira demonstra o colapso de premissas e de pressupostos naturalizados e nunca validados no Brasil

A música Quanta, de Gilberto Gil, tem duas particularidades para mim. A primeira é que a qualifico como a pior criação artística do autor. Não tenho o que temer sobre o patrulhamento ideológico dos seus fãs porque quem tem uma vasta obra, em algum momento, pisa na bola. Também, sugiro que não leiam Clarabóia de Saramago e nem Como escrever uma tese de Umberto Eco, pois são obras que não representam a grandeza de seus autores.

A segunda particularidade é trazer ao público o significado etimológico de teoria (θεωρία). Toda teoria é uma contemplação, uma visão particular de mundo. Isto não é diferente para teorias científicas, teorias econômicas ou teorias políticas, apenas para citar algumas. A ponte que você trafega ou o edifício (arranha céus) que você admira são obras materiais que se assentam sobre um grande conjunto de teorias.

Economistas ortodoxos e heterodoxos têm algo em comum. O mesmo pode ser dito de partidos de esquerda e de direita. Todos se fundamentam em teorias. As teorias têm pressupostos explícitos, implícitos e até desconhecidos. Numa construção de uma ponte ou nas grandes obras de engenharia pressupostos explícitos e implícitos são checados em sua validade e até se adiciona um coeficiente de segurança para os aspectos desconhecidos. Menos rigor é observado nas teorias econômicas ou nas teorias políticas que inspiram os atuais políticos e economistas.

Os pressupostos, de qualquer tipo, são admitidos ideologicamente como fatos dados, pertencentes ao mundo real, independente das condições e contextos em que se anunciam. Assim, aquilo que deveria ser pressuposto de uma visão de mundo, construída para interpretar a realidade e nela intervir, torna-se dogmático e enrijece a própria concepção teórica, mantendo-a substituta da realidade em qualquer confronto com a mesma. Obviamente, esse comportamento dogmático é um afastamento das ciências econômicas e das ciências políticas e adentra ao campo da militância, afastando-se da racionalidade científica.

Os estudantes de economia, desde cedo, aprendem que a lei da oferta e da demanda, por exemplo, é uma regra com muitas exceções e limites superiores e inferiores para a sua eficaz aplicação. Premissas e pressupostos anunciam e denunciam o campo de validade de qualquer teoria. É claro que a expansão do alcance de qualquer construção teórica para domínios espaço-temporais ainda não explorados é perfeitamente legítima cientificamente, restando, contudo, a corroboração dessa ampliação pela realidade. Muitas teorias fracassam, embora não percam a importância histórica que tiveram para determinar novos rumos do conhecimento. Porém, deveriam ficar confinadas na história e não ser apresentadas como dogmas supraconstitucionais.

As teorias econômicas, sociais e políticas enxergam diferenças individuais e não constroem mais utopias de igualdade em todos os aspectos da vida. O homem não é um parafuso de dimensões normalizadas pela ABNT. Mesmo a mensagem de Jesus e as primeiras comunidades cristãs assinalavam a possibilidade de algum grau de desigualdade. Portanto, a existência de desigualdade, do ponto de vista qualitativo, não contamina os pressupostos de nenhuma teoria. Da mesma maneira que o atrito, do ponto de vista qualitativo, não impede o movimento. Contudo, o Brasil experimenta hoje um grau de desigualdade que impede o movimento e declara, por si só, o colapso de todos os pressupostos teóricos de convivência em sociedade no qual se baseiam as teorias econômicas, políticas e sociais. A desigualdade gritante e crescente na sociedade brasileira não é mera visão subjetiva. Aparece no índice GINI, na comparação com outras nações, em diversos indicadores sociais do Brasil e em trabalhos acadêmicos que mapeiam a crescente quantidade de marginalizados.

A história e intensidade da desigualdade brasileira demonstra o colapso de premissas e de pressupostos naturalizados e nunca validados no Brasil. Tal situação coloca qualquer pressuposto teórico em nocaute e inválida teorias tradicionais à esquerda ou à direita, teorias econômicas ortodoxas ou heterodoxas. É necessário pensar o Brasil com menor desigualdade e desenvolver uma teoria própria de superação. O consenso imediato de bolhas que priorizam outros temas derrubará pontes e edifícios, por uma teoria superada ou por má-fé. O Ensaio sobre a cegueira e o Ensaio sobre a lucidez são os horizontes literários de um pessimista (Saramago) sobre o discernimento político, econômico e social dos indivíduos. Precisamos fazer mais e fazer diferente. Saindo das bolhas da casa grande, há muitas senzalas a serem visitadas.

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pesquisador da UFDPar.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manchetômetro Eleutério F. S. Prado Celso Favaretto Renato Dagnino Maria Rita Kehl Gilberto Maringoni Ladislau Dowbor Manuel Domingos Neto Antônio Sales Rios Neto Ronald Rocha Henry Burnett Osvaldo Coggiola Elias Jabbour José Geraldo Couto Eugênio Bucci Marcelo Módolo Gilberto Lopes Flávio R. Kothe Sandra Bitencourt Marilena Chauí Otaviano Helene Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald León Núñez Remy José Fontana Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima Dennis Oliveira Fernão Pessoa Ramos Carlos Tautz Rodrigo de Faria Marcos Silva Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Liszt Vieira Annateresa Fabris Daniel Brazil Benicio Viero Schmidt Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Afonso da Silva João Feres Júnior Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Luiz Marques Ricardo Antunes Vinício Carrilho Martinez Paulo Martins Flávio Aguiar Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Ricardo Abramovay Ari Marcelo Solon André Márcio Neves Soares Antonio Martins Berenice Bento Leda Maria Paulani Luís Fernando Vitagliano Afrânio Catani Alysson Leandro Mascaro Ricardo Fabbrini Armando Boito Jean Marc Von Der Weid Leonardo Boff José Machado Moita Neto Valério Arcary Slavoj Žižek José Costa Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcus Ianoni Lincoln Secco Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Fernandes Ladeira Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves Julian Rodrigues Eliziário Andrade Paulo Capel Narvai José Micaelson Lacerda Morais Valerio Arcary Igor Felippe Santos Carla Teixeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Mário Maestri Lorenzo Vitral Luciano Nascimento José Raimundo Trindade Airton Paschoa Alexandre de Freitas Barbosa Andrew Korybko Eleonora Albano Leonardo Sacramento Bruno Machado Michael Roberts Eugênio Trivinho Salem Nasser Bento Prado Jr. Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Heraldo Campos Rubens Pinto Lyra Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Atilio A. Boron Caio Bugiato André Singer Jorge Branco Denilson Cordeiro Kátia Gerab Baggio Anselm Jappe Luiz Bernardo Pericás Luiz Renato Martins Chico Whitaker João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro José Luís Fiori Mariarosaria Fabris Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Antonino Infranca Érico Andrade Chico Alencar Jean Pierre Chauvin Gerson Almeida João Carlos Loebens Boaventura de Sousa Santos João Paulo Ayub Fonseca Gabriel Cohn Alexandre de Lima Castro Tranjan Daniel Costa João Carlos Salles Luis Felipe Miguel Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Ricardo Musse Henri Acselrad Michael Löwy Yuri Martins-Fontes Fernando Nogueira da Costa Vladimir Safatle Roberto Noritomi Walnice Nogueira Galvão João Lanari Bo João Adolfo Hansen Celso Frederico Jorge Luiz Souto Maior Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade José Dirceu Thomas Piketty Leonardo Avritzer Bernardo Ricupero Luiz Costa Lima Tales Ab'Sáber Roberto Bueno Vanderlei Tenório Anderson Alves Esteves Priscila Figueiredo Juarez Guimarães Luiz Eduardo Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada