As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A disputa eleitoral no Senado

Imagem: Murillo Molissani
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS RANULFO MELO*

O crescimento da direita pode fazer, pela primeira vez desde 1986, a maior bancada no Senado

A eleição de 2018 renovou mais de 80% das 54 vagas disputadas no Senado, alterando o perfil da casa ao trocar políticos experientes por uma leva de novos representantes. Em 2022 a renovação, ainda que deva ser expressiva, terá menor impacto devido ao menor número de vagas em disputa. A novidade para 2023 vai estar na correlação de forças entre os partidos.

A tabela 1 mostra como a composição partidária do Senado foi fortemente modificada ainda no curso da atual legislatura. Enquanto o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) manteve sua bancada, o Partido Social Democrático (PSD) e, em especial, o Partido Liberal (PL) cresceram de forma expressiva. Tal como ocorreu na Câmara dos Deputados, rendeu frutos a opção de Bolsonaro pelo partido de Valdemar da Costa Neto – um dos demônios que, segundo recente declaração da primeira-dama, andaram circulando pelo Planalto.

Tabela 1
Bancadas no Senado – 2019 e 2022

Rede e Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) tiveram reduções expressivas em suas bancadas. O União Brasil não se materializou como a soma das bancadas do Democratas e do Partido Social Liberal (PSL) graças, novamente, ao peso do atual presidente da República. Solidariedade, Partido Trabalhista Cristão (PTC), Partido Republicano Progressista (PRP) e Partido Humanista da Solidariedade (PHS) perderam representação.

A troca de legendas entre os senadores favoreceu os partidos alinhados à direita, que passaram a controlar 60,5% dos mandatos ao invés dos 48,1% de 2019. O forte crescimento do PL fez com que o Centrão – aí incluídos também o Progressista (PP), Republicanos, Partido Social Cristão (PSC) e Trabalhista Brasileiro (PTB) – passasse a responder por 40,8% desse total (20 senadores em 49). Os partidos situados a esquerda – Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Democrático Trabalhista (PDT), Socialista Brasileiro (PSB) e Rede – recuaram de 21% para 16%. Ao centro – MDB, PSDB, Cidadania e SD – observou-se recuo semelhante, de 29,6% para 23,5%.

A essa altura do campeonato, o cenário eleitoral para o Senado ainda traz muitas incertezas. São escassas as pesquisas disponíveis e em diversos estados o quadro das candidaturas sofreu alterações de última hora, com nomes de peso entrando ou saindo da disputa. Não obstante, é possível falar em tendências gerais com base no que se sabe até o momento.

O MDB tem quatro vagas em disputa – nos estados da Paraíba, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo. Nos dois primeiros não lançou candidato e no terceiro o nome apresentado não tem chance contra a ex-ministra Teresa Cristina (PP). No último, a senadora Rose de Freitas enfrentará acirrada disputa com candidatos do PL e Republicanos. Apenas em Alagoas o partido é favorito. A menos que algum azarão desponte por aí, a tendência é de diminuição da bancada.

Ainda ao centro do espectro partidário, o quadro tampouco é animador para a federação PSDB/Cidadania. Os tucanos perderão José Serra e Tasso Jereissati. Seu candidato é pouco competitivo em São Paulo e no Ceará o partido não lançou ninguém. As perdas poderão ser parcialmente compensadas em Goiás, onde Marconi Perillo é forte concorrente, e no Amazonas, estado em que a disputa com o PSD, do senador Omar Aziz será dura. O Cidadania deve apenas manter a senadora Eliziane Gama, cujo mandato vai até 2027.

A esquerda tem chances de crescer, mas não haverá um grande salto. O PSB deve perder a cadeira em Santa Catarina, onde a direita domina o jogo. A perda tende a ser compensada por Flávio Dino, favorito no Maranhão. A vitória também é possível com Márcio França, que pode ser beneficiado pela divisão da direita paulista, entre Janaína Pascoal (PRTB) e Marcos Pontes (PL). Mas no Rio de Janeiro, a candidatura de Alessandro Molon (PSB) será prejudicada pela divisão na esquerda. O partido tem ainda boas chances em Sergipe e na Paraíba.

Pelo PDT o senador Acir Gurgacz concorrerá à reeleição em Rondônia, numa disputa ainda em aberto contra candidatos do PP e do Republicanos. O partido tem boa chance no Rio Grande do Norte, onde disputa a cadeira na chapa da governadora petista – o que, por sua vez, levou o PT a desistir de tentar a reeleição do senador Jean Paul Prates.

Os petistas são favoritos no Piauí e no Ceará, com Wellington Dias e Camilo Santana. Em Pernambuco, Tereza Leitão lidera em empate técnico com nomes do PL e PSD. No Pará, com a desistência do senador Paulo Rocha, o candidato do partido concorre em desvantagem com nomes de maior projeção do PL e do PP. No Acre, a substituição de Jorge Viana, lançado a governador, por Nazareth Araújo diminuiu as chances da legenda. No Rio Grande do Sul, Olívio Dutra terá a difícil tarefa de superar os favoritos Ana Amélia (PSD) e Hamilton Mourão (Republicanos).

A direita deve crescer. A começar pelo Centrão, o PL encontra-se a frente no Mato Grosso e no Rio de Janeiro, estados onde tem vagas em disputa. Sua bancada pode aumentar em função do forte investimento feito pelo bolsonarismo. No Distrito Federal, Flávia Arruda lidera. No Rio Grande do Norte, Rogério Marinho persegue o candidato do PDT. O partido tem ainda candidatos competitivos no Acre, Pernambuco, Pará, Espírito Santo, São Paulo e Santa Catarina.

Nos quatro estados onde suas vagas estão em disputa, o PP não concorre no Acre, tem nome pouco competitivo em Sergipe e enfrenta situação muito difícil no Piauí. Tem boas chances apenas no Tocantins, com a senadora Katia Abreu. É favorito no Mato Grosso do Sul. Tem ainda candidatos competitivos no Pará, Rondônia e Roraima, estados onde o quadro está indefinido.

No Republicanos, Hamilton Mourão é quem tem mais chances. Damares Alves pode crescer no Distrito Federal. No Espírito Santo o candidato é competitivo e em Rondônia está no bolo. Ainda no Centrão, o PTB deve perder sua bancada e o PSC tem chance em Minas.

Na direita não necessariamente vinculada ao bolsonarismo, o PSD pode manter os três estados em que seus mandatos estão em disputa, com destaque para Otto Alencar na Bahia. No Amazonas e em Minas Gerais seus candidatos dividem o primeiro lugar com nomes do PSDB e PSC. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina o partido está na frente, isolado ou em empate técnico.

O União Brasil perderá a cadeira no DF, mas deverá manter no Amapá. Disputa o primeiro lugar no Tocantins e no Paraná. Tem nomes competitivos na Paraíba e no Acre. O Podemos perderá a vaga no Rio Grande do Sul e no Paraná Álvaro Dias enfrenta Sergio Moro. O PRTB só tem chance em São Paulo.

Feito esse balanço, cabe destacar que o crescimento da direita deverá fazer com que, pela primeira vez desde 1986, um partido situado nesse lado do espectro ideológico conquiste a maior bancada no Senado, desbancando o MDB. PL e PSD são os candidatos ao posto. Por fim, é pouco provável que o Centrão cresça muito além do que já tem devido às mudanças de partido ocorridas ao longo da legislatura. E isso porque os partidos do bloco não conseguiram coordenar suas estratégias eleitorais. Desse modo, em pelo menos seis estados – DF, SP, ES, PA, RO e MT – seus candidatos estão em disputa direta pela vaga, o que, é evidente, abre espaço para outros partidos.

*Carlos Ranulfo Melo é professor titular aposentado do Departamento de Ciência Política da UFMG Autor, entre outros livros, de Retirando as cadeiras do lugar: migração partidária na Câmara dos Deputados (ed. UFMG).

Publicado originalmente no site Observatório das Eleições.

  

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Osvaldo Coggiola Boaventura de Sousa Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Caio Bugiato Eugênio Bucci Juarez Guimarães João Carlos Loebens Andrew Korybko Luiz Bernardo Pericás Thomas Piketty Luiz Costa Lima Marilia Pacheco Fiorillo Walnice Nogueira Galvão José Dirceu Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Aurélio da Silva Afrânio Catani Marcelo Guimarães Lima Daniel Costa Vinício Carrilho Martinez Eliziário Andrade Rodrigo de Faria Ricardo Abramovay Lincoln Secco João Carlos Salles Anselm Jappe José Geraldo Couto Paulo Martins Airton Paschoa Eduardo Borges Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento Francisco Pereira de Farias Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior André Singer Carlos Tautz Henry Burnett Lorenzo Vitral Gerson Almeida Michael Roberts Sergio Amadeu da Silveira Ronald Rocha Jean Marc Von Der Weid Luiz Roberto Alves José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Renato Dagnino Francisco Fernandes Ladeira Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Gabriel Cohn Heraldo Campos Antonino Infranca Daniel Brazil Bruno Machado Gilberto Lopes Tarso Genro Tales Ab'Sáber Ricardo Musse Eleutério F. S. Prado Rubens Pinto Lyra Marjorie C. Marona Luís Fernando Vitagliano Valério Arcary Claudio Katz Ricardo Antunes Valerio Arcary Fernando Nogueira da Costa Marilena Chauí Henri Acselrad Paulo Nogueira Batista Jr José Micaelson Lacerda Morais Jorge Luiz Souto Maior Armando Boito Liszt Vieira Roberto Noritomi Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Roberto Bueno Michael Löwy Daniel Afonso da Silva Paulo Capel Narvai Leonardo Boff Celso Frederico Annateresa Fabris Berenice Bento Priscila Figueiredo Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Chico Whitaker Alexandre de Freitas Barbosa João Feres Júnior Antônio Sales Rios Neto Denilson Cordeiro Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Ronald León Núñez Ladislau Dowbor José Machado Moita Neto Mariarosaria Fabris Maria Rita Kehl Antonio Martins Tadeu Valadares Ari Marcelo Solon Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Celso Favaretto Luiz Marques Everaldo de Oliveira Andrade Mário Maestri Igor Felippe Santos Marcelo Módolo Elias Jabbour Marcos Silva João Sette Whitaker Ferreira Sandra Bitencourt Luis Felipe Miguel Dennis Oliveira Julian Rodrigues Salem Nasser Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Érico Andrade João Adolfo Hansen Milton Pinheiro André Márcio Neves Soares Samuel Kilsztajn Bernardo Ricupero Jorge Branco Gilberto Maringoni Luciano Nascimento Eugênio Trivinho Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Atilio A. Boron Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Werneck Vianna Slavoj Žižek João Paulo Ayub Fonseca Rafael R. Ioris Leda Maria Paulani João Lanari Bo Eleonora Albano Chico Alencar Manchetômetro Yuri Martins-Fontes Benicio Viero Schmidt Leonardo Avritzer Otaviano Helene José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Bruno Fabricio Alcebino da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada