As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

“Lute como quem sonha!”

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO ALENCAR*

Cartaz estampado na varanda da casa de Boulos, no anoitecer deste domingo

O Brasil que sai das urnas municipais, em análise preliminar dessas inéditas eleições da pandemia, é um país:

1 – com uma população ainda fortemente desencantada com a política (nos dois turnos, abstenção recorde e muito grande percentual de nulos e em branco) e à margem das decisões políticas, embora a antipolítica (que elegeu Bolsonaro) perca força;

2 – com claro declínio da extrema-direita bolsonarista, a grande derrotada em praticamente todas as grandes cidades e capitais (as exceções são Rio Branco e Vitória);

3 – com preponderância da geleia geral partidária, do “centro” fisiológico, de viés social-liberal e conservador e continuísmo burocrático privatista nas administrações;

4 – com uma ânsia de mudança – vide a vitória para Câmaras de candidaturas coletivas e de corte identitário. Vontade emergente combinada, contraditoriamente, com o sentimento de apego à política tradicional, sem “riscos”;

5 – desiludido com o que se vendeu, em 2018, como “novo” – que foi, na prática, a velha política disfarçada;

6 – com um campo progressista, à esquerda, não hegemônico, debilitado mesmo, mas ainda significativo (PSOL, PT, PC do B, PSB, PDT, Rede, PSTU, PCB, que engloba de reformistas capitalistas a revolucionários idealistas, sem base popular organizada). Campo (ainda não consolidado) com forças emergentes em seu interior, como o PSOL.

A conhecida manipulação da direita, nas disputas mais acirradas, apareceu com a enxurrada de fake news das campanhas de Crivella, na compra de votos tucana (com cestas básicas, na cidade de São Paulo), nos ataques machistas e caluniadores do MDB em Porto Alegre, praticados também em Recife (!). Houve pesado uso da máquina pelos prefeitos candidatos à reeleição.

Nesse quadro geral, que carece de exame mais profundo, a dispersão partidária é enorme: as 26 capitais terão prefeitos de 11 partidos diferentes! A maravilhosa vitória de Edmílson/Edílson (Belém) – em frente de esquerda, com nitidez programática – e a grande votação de Boulos/Erundina (SP) e de Manuela/Rosseto (P. Alegre) têm notável importância. Parcela animadora da juventude energizou essas campanhas!

Nossos adversários veem seus cães ferozes enxotados, mas os mantém em suas mansões, e compõem com eles nos Palácios de Brasília. A direita com “punhos de renda” (DEM, PSDB, MDB) recuperou espaço e se articula para 2022. Provou ainda ter capacidade de “sedução” junto a grandes parcelas da população.

Nosso caminho é longo, e pede unidade na luta e construção de plataforma comum para as próximas disputas. Comecemos já, reconhecendo onde temos falhado e as promissoras avenidas que se abrem à mobilização popular.

*Chico Alencar, ex-deputado federal, é vereador recém eleito pelo Psol no Rio de Janeiro.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Luís Fiori Tales Ab'Sáber Carla Teixeira Henri Acselrad Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leda Maria Paulani Gilberto Lopes Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernão Pessoa Ramos Fernando Nogueira da Costa Luiz Marques José Geraldo Couto Annateresa Fabris José Dirceu Osvaldo Coggiola Milton Pinheiro Henry Burnett Samuel Kilsztajn Jorge Luiz Souto Maior Francisco Pereira de Farias Leonardo Sacramento Ronald León Núñez Alexandre de Lima Castro Tranjan Kátia Gerab Baggio Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Daniel Brazil Lorenzo Vitral Caio Bugiato Liszt Vieira Gabriel Cohn Eugênio Bucci Luiz Bernardo Pericás Manchetômetro Armando Boito Michael Roberts Celso Favaretto Rodrigo de Faria João Carlos Salles Lincoln Secco Luciano Nascimento Marcos Silva Renato Dagnino Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Airton Paschoa Sandra Bitencourt Roberto Bueno Flávio Aguiar Tadeu Valadares Eduardo Borges Eugênio Trivinho Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Michael Löwy Chico Alencar André Márcio Neves Soares Luiz Werneck Vianna Eleutério F. S. Prado Marcelo Guimarães Lima Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Loebens Ricardo Musse Remy José Fontana Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes Manuel Domingos Neto Luis Felipe Miguel Claudio Katz Luiz Carlos Bresser-Pereira Anderson Alves Esteves Luiz Roberto Alves Juarez Guimarães Antonino Infranca Alysson Leandro Mascaro Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek Luiz Costa Lima Otaviano Helene Daniel Costa Julian Rodrigues Leonardo Boff Eleonora Albano Marcus Ianoni Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Marilena Chauí José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Leonardo Avritzer Eliziário Andrade Maria Rita Kehl João Feres Júnior Roberto Noritomi Vladimir Safatle Jorge Branco Dênis de Moraes André Singer Marjorie C. Marona Paulo Nogueira Batista Jr Valério Arcary Gerson Almeida Heraldo Campos Daniel Afonso da Silva Bernardo Ricupero Dennis Oliveira Salem Nasser Bento Prado Jr. Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Vanderlei Tenório Francisco Fernandes Ladeira Anselm Jappe João Lanari Bo Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares José Micaelson Lacerda Morais João Sette Whitaker Ferreira Antonio Martins Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Paulo Martins Flávio R. Kothe Chico Whitaker Antônio Sales Rios Neto Celso Frederico Ricardo Antunes José Costa Júnior Atilio A. Boron Jean Marc Von Der Weid Tarso Genro Marcelo Módolo Berenice Bento Érico Andrade Denilson Cordeiro Afrânio Catani Carlos Tautz Boaventura de Sousa Santos Lucas Fiaschetti Estevez José Raimundo Trindade Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Walnice Nogueira Galvão Gilberto Maringoni Paulo Capel Narvai Ronald Rocha Thomas Piketty

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada