As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Primeiros anos de (des)governo

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VLADIMIR SAFATLE*

Prefácio do livro recém-lançado, organizado por Paulo Martins & Ricardo Musse

Esse livro é, inicialmente, a expressão da capacidade de intervenção e análise da Universidade brasileira diante de um dos momentos mais sombrios de nossa história. Nele, as leitoras e leitores encontrarão textos analíticos e de intervenção a respeito do processo de explicitação do colapso da democracia formal brasileira a partir da ascensão de Jair M. Bolsonaro.

Enquanto o Brasil confrontava-se com o fim do sistema de pactos da “Nova República”, com o retorno das matrizes do fascismo nacional, com a explicitação da guerra civil não declarada do estado policial contra as populações submetidas historicamente à pauperização e desaparecimento, a Universidade compreendeu que era tarefa sua intervir, alertar e mobilizar. Nesse sentido, ela lembrou daquilo que lhe define, a saber, ser o espaço de exercício da crítica implacável do existente, na crença de que tal exercício é condição fundamental para que a sociedade encontre forças para criar novas situações e se confronte com a verdade de sua condição, por mais dura que ela seja.

Quando o governo Bolsonaro subiu à cena política, um de seus alvos reiterados e preferenciais foi a Universidade brasileira. Contrariamente àqueles que afirmavam ser a Universidade brasileira espaço estéril, produtora de um saber que não teria contato com as fontes vivas da sociedade, esse governo entendeu muito bem a força do que se produz em nossos campi, assim como entendeu a transformação que está a se operar a partir da integração irreversível das camadas populares a nosso corpo discente e docente. Na Universidade, gesta-se novas potencialidades de configuração da sociedade brasileira. Por isso, para governos como esse, ela deve ser quebrada e calada.

Em sua luta contra a Universidade, o governo Bolsonaro não temeu mobilizar discursos e práticas que nos remetem aos mais dramáticos momentos do fascismo histórico. As acusações de “marxismo cultural”, as “denúncias” de “permissividade sexual” entre nós podem parecer dignas de anedotário, mas elas têm método. Elas ressoam as acusações de “bolchevismo cultural” e “bolchevismo sexual” que já foram ouvidas nos anos trinta do século passado. Pois elas indicam focos reais de luta.

Toda transformação social efetiva começa por mudar o lugar natural dos corpos, criar novas circulações e visibilidades de desejos. E a Universidade brasileira tem um papel importante nesse processo, ao forçar debates sobre as estruturas disciplinares da vida social e a maneira com que os corpos são sujeitados, classificados e construídos. Mas toda transformação social efetiva começa também por questionar as estruturas de reprodução material e seus circuitos de riquezas. Isto, a Universidade brasileira fez desde sua consolidação, através das mais diversas tradições e perspectivas.

A consciência de habitarmos uma sociedade cuja célula fundamental é o latifúndio escravagista primário-exportador, com suas divisões ontológicas entre dois tipos de sujeitos, a saber, aqueles reconhecidos como “pessoas” e aqueles postos na condição de “coisas” foi uma arma que a Universidade brasileira apontou contra aqueles que procuravam nos fazer acreditar que nossa sociedade saberia lidar com suas contradições em um ritmo tranquilo de conciliações.

Nesse sentido, há de se lembrar que as inúmeras conciliações que vimos nas últimas décadas foram incapazes de garantir transformações graduais e seguras. Sequer elas foram capazes de desarmar os setores militaristas e fascistas da sociedade brasileira. Nesse exato momento, o Brasil se debate com riscos concretos de derivas autoritárias ainda mais profundas. Em momentos como esses, as sociedades contam apenas com a plasticidade de sua revolta e a insistência na confiança em sua própria capacidade de criação.

São exatamente nesses momentos que as Universidades se tornam mais importantes, que seu trabalho deve se tornar mais inegociável e irreconciliado. Livros como esse demonstram como várias gerações de pesquisadores, vindos de várias regiões do país são capazes de mobilizar sua sensibilidade, seu sentido de urgência para colaborar e lutar ao lado dos mais vulneráveis e espoliados.

*Vladimir Safatle é professor titular de filosofia na USP. Autor, entre outros livros, de Maneiras de transformar mundos: Lacan, política e emancipação (Autêntica).

 

Referência


Paulo Martins & Ricardo Musse (orgs.). Primeiros anos de (des)governo. São Paulo, FFLCH, 2021, 448 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes Francisco Pereira de Farias Tadeu Valadares Boaventura de Sousa Santos Leonardo Avritzer Carla Teixeira Afrânio Catani Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Roberto Bueno Elias Jabbour Paulo Fernandes Silveira Ari Marcelo Solon José Micaelson Lacerda Morais Eleutério F. S. Prado Leonardo Sacramento Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen João Carlos Salles Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Raimundo Trindade Vanderlei Tenório Carlos Tautz Caio Bugiato Luiz Costa Lima Tarso Genro Chico Whitaker Paulo Martins Bernardo Ricupero João Lanari Bo Luiz Bernardo Pericás Luís Fernando Vitagliano Anselm Jappe Mariarosaria Fabris Fernão Pessoa Ramos Rodrigo de Faria Manchetômetro José Costa Júnior Marcos Aurélio da Silva Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Tales Ab'Sáber Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Silva Celso Favaretto Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Ricardo Abramovay Everaldo de Oliveira Andrade João Sette Whitaker Ferreira Flávio R. Kothe Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Priscila Figueiredo João Carlos Loebens Gilberto Maringoni Luiz Marques Samuel Kilsztajn Juarez Guimarães Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Costa Leonardo Boff Berenice Bento Henri Acselrad Daniel Afonso da Silva Michael Roberts Julian Rodrigues Atilio A. Boron Eduardo Borges Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Eleonora Albano Antonio Martins Anderson Alves Esteves Valerio Arcary Milton Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Vinício Carrilho Martinez Antônio Sales Rios Neto Marilena Chauí Ronald León Núñez Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Chico Alencar Luiz Roberto Alves Henry Burnett Luis Felipe Miguel Thomas Piketty André Singer José Dirceu Manuel Domingos Neto Osvaldo Coggiola Slavoj Žižek Francisco Fernandes Ladeira Valério Arcary Igor Felippe Santos Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha João Feres Júnior Gerson Almeida Sandra Bitencourt Leda Maria Paulani Mário Maestri Marcus Ianoni Daniel Brazil Érico Andrade Armando Boito Lincoln Secco José Geraldo Couto Airton Paschoa Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Musse Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Freitas Barbosa Yuri Martins-Fontes João Paulo Ayub Fonseca Francisco de Oliveira Barros Júnior Marjorie C. Marona Renato Dagnino Bento Prado Jr. Ricardo Fabbrini Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior Alexandre Aragão de Albuquerque Jorge Branco Flávio Aguiar Ladislau Dowbor Rubens Pinto Lyra Andrew Korybko Eugênio Bucci Dênis de Moraes Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt Alysson Leandro Mascaro Michael Löwy José Luís Fiori Eugênio Trivinho Jean Pierre Chauvin Dennis Oliveira Lorenzo Vitral Vladimir Safatle Celso Frederico Walnice Nogueira Galvão Roberto Noritomi Fábio Konder Comparato Eliziário Andrade Annateresa Fabris Luiz Renato Martins Bruno Machado Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Salem Nasser Gabriel Cohn Liszt Vieira Jean Marc Von Der Weid Claudio Katz

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada