O Rei(no) da Pirraça

Clara Figueiredo, Mercato Domenicale Porta Portese, Balilla_ um por 15,00, três por 30,00 euros, Roma, 2019
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

Ainda presidente, o messias dos cínicos, entreguistas e tolos não aprendeu nada com o cargo que ocupou

No ressentimento, o tempo da vingança nunca chega
(Maria Rita Kehl. Ressentimento, 2004, p. 11)

            Em 2018, metade dos eleitores “úteis” coroou o lawfare, encampou as fake News e botou no poder máximo um sujeito que passou os quatro anos de seu mandato (inútil) a combater a coisa pública. No leme da nau dos loucos, ia o capitão desgovernante; seu primeiro-imediato era um Chicago Boy que não percebia conflito de interesses em ser alto especulador da bolsa e ministro da economia. Para além das histriônicas aberrações que ocupavam as pastas ministeriais, o segundo imediato era um ex-juiz com ralo conhecimento de sua área de atuação e que, em nome da suposta “luta anticorrupção”, topou o acordo escandaloso de intercambiar a prometida (mas não cumprida) chefia do STF pela prisão (com “convicção”, mas sem qualquer prova material) do candidato à presidência que fazia frente a ala mais lunática, cínica e sádica da política nacional.

Como era de se esperar, em quatro anos o atual presidente da república nada fez pelo povo, inclusa a fatia expressiva de seu eleitorado mitômano. Do contrário, esbanjou dinheiro público (embora se dissesse “contra a máquina”). Mentiu milhares de vezes: reivindicou como coisa sua as obras iniciadas no governo Dilma; fingiu que o pix seria sua criação pessoal; protegeu milicianos, madeireiros e grileiros; blindou os filhos e amigos contra numerosas investigações. Escorado em Paulo Guedes, retirou direitos trabalhistas; contou lorotas absurdas na ONU sobre o suposto combate à pandemia, sem pudor algum. Zombou dos pacientes com falta de ar contaminados pelo vírus da Covid-19 (que nunca levou a sério); fingiu ler artigos científicos (sem citar autores ou periódicos onde teriam sido publicados). E, claro, alegou combater o comunismo… Derrotado no primeiro turno, comprou milhões de votos, país afora, recorrendo aos correligionários que ocupavam as prefeituras mais remotas e reacionárias; ameaçou os eleitores, alegando que o Brasil corria o risco de tomar um caminho perigoso, a exemplo de alguns países vizinhos.

Os últimos atos do santo do pau oco (corte de verbas, corte de verbas, corte de verbas), entre novembro e dezembro de 2022, tiveram alvos certos: educação, saúde, defesa civil e… água. Sim, corte da água de quem? De habitantes do árido, na região Nordeste. Derrotado nas urnas pela segunda vez, no dia 30 de outubro, o mitômano passou setenta e duras horas em silêncio, talvez para chamar atenção, mas também com a expectativa de que os pseudopatriotas respaldassem uma tentativa de autogolpe. Enquanto a turma de delinquentes (sob os olhos brandos da força pública) tomava chuva, vento e raio, clamando por “intervenção federal” (com mensagens endereçadas aos EUA e aos alienígenas), um dos filhos do presidente foi flagrado a festejar jogos da Copa no Catar in loco.

Esse misto de ressentimento, delírio e desfaçatez está entranhado em nossa história pelo menos desde a década de 1910. Uma das contradições mais eloquentes da República está na coexistência do discurso modernizador, em nome do progresso, com a sanha reacionária e conservadora. Progresso para quem? Modernização de que maneira? Conservação do quê? Nos últimos meses, circulou nas redes sociais a máxima de que “o brasileiro não precisa ser estudado; precisa estudar”. Em verdade, ambas as operações são necessárias, pois complementares. Entre as décadas de 1930 e 1960, parte da intelligentsia nacional pintou a colonização portuguesa com as cores da suposta harmonia racial; na sequência, supuseram que as emoções prejudicavam a racionalidade do brasileiro e traduziam o conflito que cimentava o homem cordial; depois, sustentaram que haveria um éthos nacional.

A pretensão de explicar de onde viemos, por que somos e como agimos persiste. Mas, pelo menos desde a década de 1970, desconfia-se que aquelas tentativas são pretensiosas porque totalizantes e eufemísticas: alguém será capaz de entender as contradições do país onde vive enquanto não reconhecer as incoerências pessoais?  Sem pretensão alguma, talvez seja mais produtivo destacar certos traços que orientam o comportamento dos poderosos e seus opositores, no país, a começar pelo autoritarismo generalizado, que “fundamenta” a postura do macho-alfa contra as mulheres (que eles dizem prover); dos militares contra os civis (que os fardados alegam proteger); dos políticos contra o povo (que os diplomados fingem representar); de incertos religiosos contra os fiéis (que fingem glorificar em nome de deus).

Ao lado da mania de mandar está a sanha conservadora, que grassou em meio à destruição do país, em benefício das potências militares e econômicas, sempre dispostas a nos tutelar, em nome da “liberdade” e da “democracia”. Afora o verniz cultural, mais lustroso entre os reacionários dos anos de 1930, efetivamente não há grande distância entre o integralismo e o bolsonarismo. Noventa anos de golpes dentro e fora do parlamento, especulação financeira e rentismo foram incapazes de despertar consciência de classe e qualquer forma de solidariedade – afora aquelas protagonizadas por pessoas-exceções.

Ainda presidente, o messias dos cínicos, entreguistas e tolos não aprendeu nada com o cargo que ocupou. Permaneceu no reino da fantasia, deslumbrado com o poder de dizer “quem manda sou eu”. Feito criança perversa, criticou e demitiu quem protagonizasse maior importância ou popularidade que ele. Pirracento, ressentido, tirânico, usou e abusou de chantagens em rede nacional, convertendo questões públicas em ofensas pessoais. Chegou a criar listas de inimigos da república, o que certamente implicava reconhecer que os seiscentos nomes tinham razão em criticar os arbítrios praticados em seu governo – pautado pelo capachismo frente aos EUA; o reaparelhamento escandaloso das forças armadas; o incentivo ao desmatamento e à cultura do agrotóxico; e, antes de tudo, a cumplicidade, para não dizer protagonismo, frente às práticas genocidas.

O rei da pirraça não foi eleito e mantido em seu canto da bagunça, ou no cercadinho, graças aos desígnios de deus; mas, sim, devido à desfaçatez e ao sadismo dos homens e mulheres que o elegeram e financiaram. Ele é produto, mas também reproduz, parte da escrotidão da subespécie que conduz os negócios mais escusos do país. O ainda presidente pareceu confundir amor-próprio com dignidade, para benefício dos seus e malefício de todos os outros. A falta de um projeto de nação, combinada à megalomania, manteve-o na estratosfera chucra, excludente e elitista.

Ora, diferentemente de um sexagenário egoísta e sem escrúpulos, as crianças saudáveis logo compreendem que de nada adianta reter a bola, o carrinho ou a boneca: é muito mais vantajoso dividir o brinquedo com as outras, para criar um mundinho melhor.

*Jean Pierre Chauvin é professor na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de Mil, uma distopia (Luva Editora).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Remy José Fontana João Feres Júnior Ladislau Dowbor Fernando Nogueira da Costa Bento Prado Jr. Valerio Arcary Eliziário Andrade Eugênio Bucci Tales Ab'Sáber Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior Renato Dagnino Julian Rodrigues Vladimir Safatle Otaviano Helene Marjorie C. Marona Bruno Machado Lincoln Secco Rafael R. Ioris Leda Maria Paulani Paulo Fernandes Silveira Anderson Alves Esteves Luis Felipe Miguel Igor Felippe Santos Ricardo Antunes Paulo Martins Claudio Katz Chico Whitaker Vinício Carrilho Martinez Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Musse Leonardo Boff Carla Teixeira Marcus Ianoni Mário Maestri Luiz Marques Ronald Rocha Armando Boito Caio Bugiato Paulo Capel Narvai Matheus Silveira de Souza João Carlos Salles Daniel Afonso da Silva Gerson Almeida Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Salem Nasser Henri Acselrad Denilson Cordeiro André Singer Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Módolo José Micaelson Lacerda Morais Sandra Bitencourt Berenice Bento Flávio R. Kothe Jorge Branco Dennis Oliveira José Dirceu Alexandre de Lima Castro Tranjan Jorge Luiz Souto Maior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Manchetômetro Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Luiz Renato Martins Antonino Infranca João Carlos Loebens Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini José Luís Fiori Michael Löwy Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges Andrés del Río José Raimundo Trindade Slavoj Žižek Luiz Roberto Alves Paulo Sérgio Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade João Sette Whitaker Ferreira Vanderlei Tenório Luiz Werneck Vianna Michel Goulart da Silva Daniel Brazil Dênis de Moraes João Lanari Bo Eleutério F. S. Prado Juarez Guimarães Annateresa Fabris Bernardo Ricupero Rodrigo de Faria Chico Alencar Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares Luís Fernando Vitagliano Benicio Viero Schmidt Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Daniel Costa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro Gilberto Lopes Heraldo Campos Eugênio Trivinho Antonio Martins Antônio Sales Rios Neto Marcos Silva Boaventura de Sousa Santos José Costa Júnior Leonardo Sacramento Kátia Gerab Baggio Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Samuel Kilsztajn Celso Favaretto João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Abramovay José Geraldo Couto Gabriel Cohn Valerio Arcary Jean Pierre Chauvin Fernão Pessoa Ramos Henry Burnett Francisco Pereira de Farias Andrew Korybko Liszt Vieira Leonardo Avritzer Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Gilberto Maringoni Érico Andrade Fábio Konder Comparato Sergio Amadeu da Silveira Celso Frederico Airton Paschoa Ronald León Núñez Lucas Fiaschetti Estevez José Machado Moita Neto Eleonora Albano Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Tarso Genro Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Osvaldo Coggiola Atilio A. Boron Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Luciano Nascimento Carlos Tautz Michael Roberts Luiz Eduardo Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada