O comunismo está chegando?

Imagem: Phil
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Segundo o Datafolha, metade dos brasileiros teme a chegada do comunismo. Mas, afinal, o que se entende por comunismo? O que essa metade entende por capitalismo e as implicações que ele tem em sua vida?

Metade dos brasileiros teme que o país vire comunista, diz o Instituto de pesquisas Datafolha.

Pesquisas de opinião precisam ser analisadas com precaução. Como Pierre Bourdieu demonstrou há meio século, elas tratam como convicções o que são meras respostas a perguntas que, na verdade, as pessoas nem fazem a si mesmas.

Ainda assim, é preciso perguntar: que cazzo seria o comunismo, para que metade dos nossos compatriotas achem que ele está para chegar?

Um sentido de “comunismo” remete a sociedades em que tudo é comum a todos. Em que não há “meu” e “teu”. Como em tantos povos não europeus, para os quais a primeira tarefa do colonizador foi ensinar o sentido de “propriedade privada”.

O Brasil de hoje está neste caminho? Difícil de acreditar.

Outro sentido de comunismo se refere à sociedade imaginada por Karl Marx. Nela, não existiria Estado, repressão ou desigualdade. A necessidade estaria abolida e todos seriam integralmente livres. A harmonia entre indivíduo e comunidade ocorreria naturalmente.

Estamos chegando lá? Não parece.

É mais razoável imaginar que, por “comunismo”, as pessoas indicam o tipo de governo autoritário que imperou na antiga União Soviética e que hoje permanece em países como China, Coreia do Norte e Cuba. Alguém realmente acredita que há, no Brasil, alguma força política relevante que planeja implantar esse modelo?

Há um quarto sentido de “comunismo”. É tudo o que não é a extrema direita delirante. Quem difundiu essa acepção foi o (hoje calado) Olavo de Carvalho, que dizia que o governo FHC estava comunizando o Brasil. Então “comunista” é a Rede Globo, o Gilmar Mendes, o Joe Biden, o Emmanuel Macron. Até Sérgio Moro teve sua fase comunista, no curto período de tempo em que ficou de mal com Jair Bolsonaro e tentou se fazer de “terceira via”.

Seria bacana se, em vez de alimentar o medo irracional de um bicho-papão criado pela desinformação da direita, o eleitor brasileiro fosse capaz de discutir o que realmente quer para o seu país. Se entendesse o que é o capitalismo e quais as implicações que ele tem em sua vida, o que é e o que pode ser o socialismo, como uma democracia efetiva deveria funcionar.

Para chegarmos lá, só tem um caminho: educação política. Cabe à esquerda promovê-la – porque, para a direita, a alienação e a desinformação são vantagens.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica).

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bernardo Ricupero Rafael R. Ioris Manuel Domingos Neto Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Everaldo de Oliveira Andrade Armando Boito Eleutério F. S. Prado Tarso Genro Ari Marcelo Solon Eliziário Andrade Otaviano Helene Lorenzo Vitral Milton Pinheiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronald León Núñez José Dirceu Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Denilson Cordeiro Alysson Leandro Mascaro João Sette Whitaker Ferreira Andrés del Río Kátia Gerab Baggio Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca Mariarosaria Fabris André Singer Anselm Jappe Carla Teixeira Paulo Capel Narvai Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Atilio A. Boron José Machado Moita Neto Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Valerio Arcary Antônio Sales Rios Neto Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Thomas Piketty Marilena Chauí Marjorie C. Marona Vanderlei Tenório Michael Löwy Eugênio Trivinho José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn Ronaldo Tadeu de Souza Anderson Alves Esteves Carlos Tautz Jean Marc Von Der Weid Afrânio Catani Vladimir Safatle Mário Maestri Andrew Korybko Sergio Amadeu da Silveira Marcos Silva Eduardo Borges Michael Roberts Slavoj Žižek Francisco Fernandes Ladeira Priscila Figueiredo José Raimundo Trindade Vinício Carrilho Martinez Fernando Nogueira da Costa João Adolfo Hansen Rodrigo de Faria José Costa Júnior Ricardo Abramovay Matheus Silveira de Souza Flávio Aguiar Renato Dagnino Caio Bugiato Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Eleonora Albano Luís Fernando Vitagliano Celso Favaretto Marcus Ianoni Gilberto Lopes Annateresa Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Salem Nasser Valerio Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Daniel Brazil Elias Jabbour Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Costa Ronald Rocha Gilberto Maringoni Luis Felipe Miguel Celso Frederico João Carlos Loebens Antonio Martins Juarez Guimarães Ladislau Dowbor Dênis de Moraes Paulo Fernandes Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Musse Marcelo Guimarães Lima Walnice Nogueira Galvão Luiz Werneck Vianna Lincoln Secco José Luís Fiori Osvaldo Coggiola Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Boff Eugênio Bucci Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra Maria Rita Kehl Heraldo Campos Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Renato Martins Paulo Nogueira Batista Jr João Feres Júnior Fábio Konder Comparato Tales Ab'Sáber André Márcio Neves Soares João Lanari Bo Michel Goulart da Silva Bruno Machado José Geraldo Couto Julian Rodrigues Francisco Pereira de Farias Jorge Branco Érico Andrade Luciano Nascimento João Carlos Salles Luiz Marques Marcelo Módolo Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares Yuri Martins-Fontes Flávio R. Kothe Marcos Aurélio da Silva Jean Pierre Chauvin Paulo Martins Sandra Bitencourt Berenice Bento Remy José Fontana Igor Felippe Santos Antonino Infranca Chico Whitaker Benicio Viero Schmidt Henry Burnett Tadeu Valadares Claudio Katz Leda Maria Paulani Leonardo Sacramento Liszt Vieira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada