As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Urna eletrônica

Imagem: Matheus Natan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEANDRO SEAWRIGHT*

Bolsonaro quer colocar suas mãos no conceito de urna eletrônica, de escrutínio secreto, seguro e reconhecido em todo o mundo

Carlos Velloso, ex-ministro do STF, disse certa vez que o objetivo da informatização do escrutínio era de “afastar a mão humana da apuração”, ao garantir uma votação segura. Desde 1996 tem sido assim: sufrágio com escrutínio secreto, mas efetivado de forma eletrônica. Se a mão humana deveria ser afastada da apuração, que dirá a mão do messias?

Mas, a condição de messias – acima de tudo e todos – pressupõe a (re)eleição do iluminado nos termos de Émile Leónard.

Como isso não pode ser feito de forma teocrática com voz supraconstitucional, acima do regime democrático ou por uma intervenção verde-oliva como durante a Guerra Fria, quer-se aproximar a mão humana da apuração novamente sob o argumento não comprovado de que existe fraude reiterada no sistema eleitoral brasileiro. O mesmo sistema que elegeu o Messias, antes escolhido algumas vezes por meio da mesma urna eletrônica.

A rejeição ao mito, a tímida revitalização do logos (de alguma racionalidade científica) e as recentes pesquisas de intenção de votos demonstraram que o Messias pode não ser reeleito. É que a Pandemia de Covid-19, que não precedeu o desarranjo econômico, social e institucional proporcionado pela institucionalização do bolsonarismo, impregnou o ambiente com cheiro de eventuais crimes e de duras agressões ao catálogo dos direitos fundamentais. Agora, o Messias, e também o Carlos Lupi, querem fazer valer o voto impresso descendo goela abaixo dos brasileiros.

Fosse somente o tom conspiracionista da PEC 135/19 da deputada federal Bia Kicis (PSL), que caracteriza o TSE como sendo órgão com “totalitarismo concentrado”, apenas se refutaria a proposta. É mais grave do que isso. Por isso mesmo, diversos líderes partidários rejeitaram a PEC bolsonarista e aglutinaram forças para combatê-la. Trata-se, é claro, de um ardil, de uma sutileza escancarada: ora, se a proposta não passar nas casas legislativas nos termos do art. 60 da CF/88, o discurso de fraude imporá, nos melhores sonhos dos conspiradores, o não reconhecimento das eleições por parte de golpistas de plantão. Deslegitimando-se o processo eleitoral, abre-se, portanto, caminho para o golpismo de difícil (mas não impossível!) consubstanciação.

Resta saber se o Estado foi aparelhado o suficiente para tanto, se a filhocracia terá vez e se os aventureiros de antes (ferozes combatentes da corrupção!), querem renovar sua imagem já manchada o suficiente quando considerada a história do Brasil Republicano.

Líderes partidários e magistrados sensatos veem com preocupação a tramitação da PEC; ao mesmo tempo se pode lembrar que o STF rejeitou em caráter definitivo o retrocesso do voto impresso ao declarar a inconstitucionalidade do art. 59-A e o parágrafo único da Lei nº 9.504/1997 (redação dada pela Lei nº 13.165/2015). Nesses termos, o ministro Gilmar Mendes rechaçou a possibilidade de se ferir a liberdade e, sobretudo, o sigilo do voto; ele votou, então, em favor da inconstitucionalidade da medida (ADI 5.889/DF, rel. Min. Gilmar Mendes, j. 15-9-2020). Falar em voto impresso num país que jamais conseguiu erradicar a compra de votos é como querer naturalizar ainda mais a prática delituosa.

No entanto, desde que foi empossado – após forte apelo anti-sistêmico com direito a batismo no Rio Jordão e flashback narrativo anticomunista, o Messias Bolsonaro finca suas raízes no solo partido da jovem democracia brasileira. Ele gosta do poder.

Como não bastasse o lavajatismo com fortes cenas de lawfare, o cercadinho narrativo do qual ressoa retórica de agressão à democracia e a mobilização do imaginário de setores contra espectros malignos, o Messias agora confessa sua estratégia: “eu aceito qualquer um que se eleja ano que vem, entrego a faixa presidencial numa boa, mas em eleições limpas”.

Messias que é messias, iluminado, santo, e, é claro, incorruptível (?), não aceitaria outro resultado que não a manutenção do rebanho, tendo por certo sua reeleição que certamente fragilizaria ainda mais a tênue linha que separa a democracia da barbaridade: suas raízes, como se sabem, remontam a ideologia de Silvio Frota, a indisciplina militar, a ruptura com a sensatez, ao patrimonialismo e a tudo que há de contrário no desenvolvimento do país. Nesse sentido, a democracia está em xeque desde que não fizemos a lição de casa: justiça de transição capaz de romper com os elos da ditadura e a democracia. Como fake news e anticomunismo não bastam, o Messias planeja seu triunfo ou, de outro modo, uma justificativa para sua retirada gloriosa. Veremos se conseguirá colocar suas mãos no conceito de urna eletrônica, de escrutínio secreto, seguro e reconhecido em todo o mundo.

*Leandro Seawright é professor da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alysson Leandro Mascaro Claudio Katz Maria Rita Kehl Celso Favaretto Slavoj Žižek Manuel Domingos Neto Osvaldo Coggiola Jean Pierre Chauvin Heraldo Campos Lincoln Secco Ricardo Musse Yuri Martins-Fontes Mário Maestri Rafael R. Ioris Renato Dagnino Luiz Werneck Vianna Gerson Almeida Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Antônio Sales Rios Neto Sandra Bitencourt Marilena Chauí Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris Milton Pinheiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Vladimir Safatle Paulo Sérgio Pinheiro Airton Paschoa Vanderlei Tenório Flávio R. Kothe Eleonora Albano Leonardo Sacramento Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Salem Nasser Luiz Carlos Bresser-Pereira Chico Alencar Bruno Machado Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade José Luís Fiori Afrânio Catani Eugênio Bucci Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Leda Maria Paulani Luiz Costa Lima João Carlos Salles Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Francisco Fernandes Ladeira Henri Acselrad José Machado Moita Neto Henry Burnett Paulo Capel Narvai Luiz Roberto Alves José Costa Júnior Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Berenice Bento Mariarosaria Fabris José Dirceu Caio Bugiato Julian Rodrigues Valério Arcary Michael Roberts Gabriel Cohn Luiz Eduardo Soares Andrew Korybko Denilson Cordeiro Gilberto Maringoni Roberto Noritomi Fernão Pessoa Ramos Paulo Nogueira Batista Jr Dênis de Moraes Luís Fernando Vitagliano Ladislau Dowbor Valerio Arcary Roberto Bueno Luciano Nascimento Boaventura de Sousa Santos Rubens Pinto Lyra Vinício Carrilho Martinez Antonio Martins Daniel Brazil André Singer Walnice Nogueira Galvão Gilberto Lopes Bernardo Ricupero Benicio Viero Schmidt Rodrigo de Faria Daniel Afonso da Silva Tales Ab'Sáber Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Chico Whitaker João Sette Whitaker Ferreira Sergio Amadeu da Silveira João Feres Júnior Paulo Fernandes Silveira Eugênio Trivinho Daniel Costa Ronald León Núñez Armando Boito Atilio A. Boron João Lanari Bo Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Leonardo Boff Anderson Alves Esteves Marcos Silva Anselm Jappe Luiz Renato Martins Eliziário Andrade Marcus Ianoni André Márcio Neves Soares Marcos Aurélio da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Carlos Tautz Remy José Fontana Érico Andrade Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima João Carlos Loebens Priscila Figueiredo Jorge Branco Paulo Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico Fábio Konder Comparato Dennis Oliveira Luiz Marques Tarso Genro Marcelo Módolo Ronald Rocha Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Abramovay Juarez Guimarães Lucas Fiaschetti Estevez Bento Prado Jr. Antonino Infranca Igor Felippe Santos Michael Löwy Elias Jabbour José Micaelson Lacerda Morais Ari Marcelo Solon Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Pereira de Farias Thomas Piketty Ricardo Antunes Eduardo Borges Ricardo Fabbrini

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada