Finanças sustentáveis e pacote verde

Imagem: Catherine Sheila
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ MACHADO MOITA NETO*

Empresas se apropriam do sentido científico ou técnico para ressignificá-los de outro modo que atenda a suas conveniências de negócios

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) resolveu apontar para o Governo Federal os temas prioritários para os seus associados (cerca de 100 empresas). Trata-se do documento “Recomendações CEBDS para o Pacote Verde”. Este documento de 36 páginas lançado em 28/07/2023 está disponível para download na seção de publicações da entidade.[i]

Portanto, chega o momento da primeira confissão pública: Too Long, Didn’t Read (TLDR[ii]). Já é prática corrente entre entidades, que divulgam documentos extensos, criar uma versão reduzida com o essencial da mensagem que deseja transmitir. Trata-se do resumo executivo.[iii]

Quando se lê um documento qualquer, é necessário abrir mão de algumas certezas e conferir sempre se o significado científico ou técnico não foi apropriado e ressignificado de um outro modo. Portanto, chega o momento de minha segunda confissão: usei a inteligência artificial do Google (Bard) para esta finalidade e coloquei um link de acesso compartilhado como nota de rodapé nestas situações.

O anúncio de um “Plano de transição ecológica”[iv] não correspondia com os rudimentos de ecologia que aprendi. Contudo, com o adjutório da inteligência artificial, a expressão não merece crítica. Ela se inscreve no conjunto de discursos de ampla circulação que, ao cooptar termos científicos e técnicos, os ressignifica para atender objetivos distintos do que a imaginação comum pode conduzir. Esta ressignificação não é ingênua: o imaginário sobre a natureza é evocado pela palavra “ecológica” (parece algo bom), também quando uma situação não está boa é preciso mudar (transição) diante disso é necessário fazer um “Plano”.

O lugar de fala da CEBDS chega a ser intimidador: “Representamos os maiores grupos empresariais do país, com faturamento somado equivalente a 47% do PIB.” Ou seja, nós controlamos quase metade da economia brasileira. Tal afirmação não deveria ter peso para o governo pois não vivemos sobre a égide da constituição da mandioca e nem adotamos o voto censitário.[v]

Tal afirmação também não deveria ter efeito sobre a sociedade pois o indicador mais relevante da atividade econômica dessas empresas deveria ser a quantidade de empregos diretos gerados. Infelizmente não exercemos uma crítica adequada aos discursos ambientais correntes.

Ao apresentar o tópico de finanças sustentáveis visa, antes de tudo, garantir proteção e investimento do estado como condição para atuar nesta “transição ecológica”. O discurso tem uma lógica econômica impecável: assemelhasse a lógica de indenização que os donos de escravos receberam pelas perdas econômicas com abolição. Os temas são (a) Mercado regulado de carbono e a defesa do modelo cap-and-trade,[vi] (b) Taxonomia verde[vii] que prevê uso de recursos públicos em escala (em fica fora? quem se beneficia?) e c) Políticas públicas de incentivo que deveria ser baseadas em instrumentos econômicos.[viii]

Não sei se faço uma pergunta simples ou grito como o menino que disse “O rei tá nu”. Quem fará este “Plano” não corresponde exatamente a quem criou a situação para a qual se exige mudanças drásticas? O manual de Maquiavel é atualíssimo relativo as práticas corporativas ambientais: maldade no atacado e bondade no varejo. Os resultados da maldade (atacado) são pintados como realismo econômico para audiência embevecida dos acionistas. Os pequenos gestos de bondade (varejo) são largamente disseminados para toda a sociedade. A competência de ambos os discursos são apropriados pelos governos e transformados em visão estratégica de futuro, em ações do presente ou em memória do passado.

Resta uma pergunta sobre o meu próprio discurso: por que tanto pessimismo? A resposta não está numa inteligência artificial: “Vale” a pena conferir o histórico ambiental dessas empresas!

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da UFPI e pesquisador da UFDPar.

Notas


[i] https://cebds.org/publicacoes/

[ii] https://g.co/bard/share/38d1c4fcf2ef

[iii] https://g.co/bard/share/62cf5091605b

[iv] https://g.co/bard/share/e960e92450ca

[v] https://g.co/bard/share/fc91232715e0

[vi] https://g.co/bard/share/cbcfa80e1696

[vii] https://g.co/bard/share/1036d09d4e63

[viii] https://g.co/bard/share/d79aaa4ab5a5


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernando Nogueira da Costa João Carlos Salles Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Marques Ricardo Antunes Yuri Martins-Fontes Lincoln Secco Marcos Silva Antonino Infranca Tadeu Valadares Elias Jabbour Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eliziário Andrade Tarso Genro Milton Pinheiro Samuel Kilsztajn Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Brazil João Carlos Loebens Otaviano Helene Renato Dagnino Priscila Figueiredo Ronaldo Tadeu de Souza Michel Goulart da Silva Antonio Martins Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Dennis Oliveira Flávio Aguiar Lorenzo Vitral Heraldo Campos Julian Rodrigues Marcelo Guimarães Lima Luís Fernando Vitagliano Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin José Raimundo Trindade Armando Boito Jorge Luiz Souto Maior Rubens Pinto Lyra Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Roberto Alves André Singer Bento Prado Jr. João Lanari Bo Osvaldo Coggiola Marilena Chauí Chico Whitaker Eugênio Trivinho Eugênio Bucci Dênis de Moraes Anselm Jappe Vanderlei Tenório Luiz Eduardo Soares Paulo Fernandes Silveira José Micaelson Lacerda Morais Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Afrânio Catani Sergio Amadeu da Silveira Salem Nasser Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcus Ianoni Igor Felippe Santos Leonardo Sacramento Chico Alencar Ricardo Abramovay Claudio Katz Celso Favaretto Fernão Pessoa Ramos Luciano Nascimento Luiz Bernardo Pericás Thomas Piketty Leonardo Boff José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Andrés del Río Maria Rita Kehl Tales Ab'Sáber Gabriel Cohn Benicio Viero Schmidt Anderson Alves Esteves Denilson Cordeiro Leonardo Avritzer Gilberto Lopes José Costa Júnior Gilberto Maringoni Berenice Bento Vinício Carrilho Martinez Sandra Bitencourt Jorge Branco Michael Löwy Mariarosaria Fabris Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins Michael Roberts Gerson Almeida Flávio R. Kothe André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Atilio A. Boron João Paulo Ayub Fonseca Carla Teixeira José Dirceu Alexandre Aragão de Albuquerque Henry Burnett Marcos Aurélio da Silva João Feres Júnior Mário Maestri Celso Frederico Andrew Korybko Matheus Silveira de Souza Leda Maria Paulani Henri Acselrad Walnice Nogueira Galvão Daniel Costa Caio Bugiato Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria Luiz Carlos Bresser-Pereira Marjorie C. Marona Alysson Leandro Mascaro Remy José Fontana Paulo Martins Airton Paschoa Carlos Tautz Eleutério F. S. Prado Vladimir Safatle Ladislau Dowbor Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Ronald León Núñez Bernardo Ricupero Kátia Gerab Baggio Manchetômetro Ari Marcelo Solon Luiz Werneck Vianna Luis Felipe Miguel Érico Andrade Bruno Machado Eduardo Borges José Geraldo Couto Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Lima Castro Tranjan Juarez Guimarães Eleonora Albano João Adolfo Hansen

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada