As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

12 de dezembro

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

A confirmação da vitória de Lula só poderá ocorrer o peso da lei penal cair por inteiro sobre os fascistas, os milicianos e os seus dirigentes políticos

No dia 12 de dezembro de 2022, enquanto o presidente Lula era diplomado numa histórica sessão do Tribunal Superior Eleitoral, ouvindo um épico discurso do ministro Alexandre de Moraes, milicianos bolsonaristas atacaram a sede da Polícia Federal e incendiaram alguns veículos em Brasília. Era a nossa Cervejaria de Munich, um “putsch” para um golpe que faliu e um protesto pela sua derrota nas eleições presidenciais, onde toda sujeira que nela emergiu veio das suas estrebarias de “fake news”, dos órgãos de Estado aparelhados, das ações ilegais da Polícia Rodoviária Federal e dos escaninhos bandidos do orçamento secreto. Estas ações da direita bolsonarista mostram que a vitória de Lula e da democracia ainda pendem de um forte processo político de afastamento dos restos da tragédia ancorados no porto da nossa história recente.

Votado pela base do governo num gesto escandaloso que se tornou uma vergonha planetária da nossa decadência democrática, que se orgulhava do seu isolamento internacional, do negacionismo genocida e dos ataques sistemáticos às instituições da Constituição de 1988, este “orçamento” só poderia ser composto por uma aliança marginal das religiões do dinheiro com o que tem de pior no fisiologismo das elites empresariais do país. Foi a unidade da barbárie contra a democracia, do fisiologismo com o espírito miliciano, de grande parte das classes médias com as instituições “sacras” do espírito-santo monetarizado na corrupção política.

Assim ele foi votado, para arrasar a paridade de armas nas eleições, em que o surpreendente foi a vitória de um homem supostamente aniquilado por uma conspiração midiático-judicial, que voltou com coragem e energia moral para reerguer um país dilacerado pelo ódio, obra de arte do fascismo que já percorreu no mínimo dois séculos da história ocidental. Aqui ele assumiu abertamente – com Jair Bolsonaro – a paixão necrófila do negacionismo e a naturalização da dor alheia pelo deboche planejado. Milicianismo e grupos políticos, milicianos e religiões do dinheiro: armas e gestos, assassinatos e naturalização da morte, do racismo e da misoginia, compuseram o dicionário da enciclopédia fascista nacional que quase nos levou ao suicídio.

O fascismo e o nazismo são siameses, ora acolhidos pela maioria das classes dominantes e das classes populares manipuladas pela política da extrema direita. Ambos são anti-sistema, propõe revoluções “pelo alto e “por baixo”, que reconhecem na barbárie uma substância permanente contida no Humano: “não um acidente infeliz da história” (…), como disse Simone Weil, mas “o bárbaro lamaçal da alma”, “um caráter permanente e universal da natureza humana”, esperando as oportunidades críticas para se manifestarem pela violência e pela negação da solidariedade e da justiça. (A barbárie interior, Jean-François Mattei, Unesp).

O livro Casta – as origens do nosso mal-estar, de Isabel Wilkerson (Zahar), lança luzes potentes sobre a formação da sociedade americana e sobre a sua estrutura de poder institucionalizada a partir do século XIX. As castas organicamente montadas em torno das “plantations” e a criação da identidade “negra” – como coisa – em contraposição à identidade branca dos colonos europeus, liberaram uma épica forma de exploração do trabalho. Ali se formavam as novas bases de acumulação – material e cultural – especificidades de um novo sistema capitalista em expansão, cujas tendências hegemônicas em escala global já eram visíveis.

Modernização e barbárie, ciência e técnica, política e ideologia, assim estão harmonizadas: moldam o império que se torna – ao mesmo tempo – exemplo do liberalismo político e também exemplo de convívio das suas liberdades com a barbárie. O Século XX condensa e integra, promove cisões e repulsas, na nação em crescimento, que são vividas tanto nos “partidos” da barbárie como entre os “partidos” da democracia moderna, moderadores da violência, cuja tendência seria adjudicar ao Estado normas mínimas de civilidade, que realizadas bloqueariam os excessos impeditivos de formação da nação.

O impulso da democracia americana, todavia, permanece atado ao sistema de castas, já orgânicas nas classes sociais em renovação, cuja política – a partir do Estado – promoveu tanto a democracia como o martírio de milhões, para a glória da civilização ocidental. Este conflito entre barbárie e civilidade democrática está expresso, também, nas lutas de resistência – vitoriosas ou derrotadas – contra o nazismo e o fascismo. E na luta entre as ditaduras e os defensores das bases constitucionais das democracias na América Latina, hoje uniformemente assediadas pelo fascismo, que retorna com diversos modelos formais em escala planetária

Não é muito divulgado na historiografia do racismo e do “apartheid” americano, que os intelectuais e cientistas “sociais” do Partido Nazista estudaram com muito interesse as estratégias de purificação social e racial nos EUA, tais como as zonas proibidas para a comunidade negra – tanto no espaço social como geográfico – bem como a proibição dos casamentos entre brancos e negros, nas origens da formação democrática americana. A eleição do presidente Joe Biden, que é o oposto de Donald Trump e da Klan nesta matéria, permite uma reflexão mais ampla e profunda sobre este tema vital do futuro das Américas.

Na verdade, a afirmação do modelo americano dentro do sistema de poder mundial foi um gigantesco laboratório de conciliação entre barbárie e humanismo moderno, no qual a força da barbárie que está viva e forte, foi recentemente testada na tentativa de golpe do presidente Donald Trump no assalto ao Capitólio. A escolha do local ocupado pelos milicianos bem remunerados não foi gratuita, pois ali estava o símbolo da democracia liberal que incorporou, processualmente, a vasta comunidade negra do país nas proteções do Estado de direito que foram formalizadas nas leis, como ideia que a nação queria fazer de si mesma.

Comparar a situação de ascensão do fascismo, na Itália, com os episódios políticos nacionais que foram gradativamente dando forma política legítima ao bolsonarismo (protofascismo), que vai lentamente se unificando com estratos relevantes do capital financeiro e com os setores mais marginais da burguesia mais “aventureira”, faz sentido: trata-se de compreender o processo de sucessão, entre as suas “elites”, que refletirá tanto na estratégia política dos setores populares, como nas mudanças necessárias para adaptação do capitalismo a um novo ciclo de acumulação.

Antonio Gramsci no cárcere em 1926, quase dois anos depois de eleito deputado  escreveu em plena era fascista que “os elementos da nova cultura e do novo modo de vida (…) são apenas as primeiras tentativas (…) iniciativa superficial e simiesca”, para interferir no que hoje “seria chamado de americanismo”: é crítica preventiva dos “velhos estratos que serão descartados” (…) “e que já estão tomados por uma onda de pânico social, reação inconsciente de quem é impotente” (Americanismo e fordismo”, Hedra), para alavancar – nos processos de mudança do sistema do capital – os aspectos que lhe interessam. O fascismo seria, assim, uma vitória reacionária com aparência de revolução.

A grande síntese histórica deste complicado processo político de formação do Estado americano, dentro dos parâmetros da modernidade liberal democrática – um Estado imperial e de ocupações militares no seu exterior “vital” – está refletida em dois fatos históricos exemplares na atualidade, que dizem respeito ao que ocorre em nosso país: de um lado, o Exército americano negando-se, formalmente, a participar de um golpe contra as instituições da democracia liberal; e de outra, seu ex-presidente tentando descaradamente este golpe, manipulando suas marionetes fascistas no Brasil, para comporem um arco de alianças na extrema direita dos EUA, que vitoriosa refletiria seu poder fascista e racista em toda a América Latina.

A diplomação do presidente Lula foi a vitória de uma ampla frente democrática, que tem demandas diferentes sobre o Estado e diversas pretensões de futuro. Ela encerra um ciclo heroico de resistência e ofensiva democrática, pautada pela unidade em torno do Estado de Direito. E ela não foi somente civil, pois a falta de apoio majoritário ao golpismo de Jair Bolsonaro dentro das nossas instituições armadas, pode estar indicando um novo ciclo virtuoso da nossa história republicana.

Sua confirmação só poderá ocorrer, todavia, se o peso da lei penal – dentro dos rituais democráticos do Estado de Direito – cair por inteiro sobre os fascistas, os milicianos e os seus dirigentes políticos, que ainda no dia de ontem mostraram que o terror e a barbárie são suas armas principais contra a República e a democracia. Quem viver verá: vivemos e veremos!

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Roberto Noritomi Gabriel Cohn Leonardo Avritzer Fernão Pessoa Ramos Fernando Nogueira da Costa Gilberto Lopes Luiz Bernardo Pericás Paulo Sérgio Pinheiro José Raimundo Trindade Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl Luiz Marques Ricardo Abramovay Salem Nasser João Carlos Salles Otaviano Helene Jean Marc Von Der Weid Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Branco Mariarosaria Fabris Airton Paschoa Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa José Dirceu Manuel Domingos Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Flávio Aguiar Lorenzo Vitral Chico Whitaker Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Antunes Mário Maestri Marilia Pacheco Fiorillo Eleonora Albano João Lanari Bo Manchetômetro Paulo Martins Luis Felipe Miguel Milton Pinheiro Érico Andrade Thomas Piketty João Sette Whitaker Ferreira Luiz Eduardo Soares Boaventura de Sousa Santos Rafael R. Ioris Michael Roberts Eugênio Trivinho Vladimir Safatle Jean Pierre Chauvin Armando Boito Marcos Silva Gilberto Maringoni Ricardo Musse Tarso Genro Luiz Werneck Vianna João Feres Júnior Igor Felippe Santos Dênis de Moraes Elias Jabbour Roberto Bueno Luís Fernando Vitagliano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Leonardo Boff Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Bruno Machado Henri Acselrad Marilena Chauí Julian Rodrigues Francisco Pereira de Farias José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Ladislau Dowbor Ronald Rocha Bernardo Ricupero Atilio A. Boron Valério Arcary Afrânio Catani Luiz Carlos Bresser-Pereira Bento Prado Jr. André Singer Eliziário Andrade Eduardo Borges Luciano Nascimento José Micaelson Lacerda Morais Antonio Martins Valerio Arcary Priscila Figueiredo Andrew Korybko Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Renato Dagnino Vanderlei Tenório Luiz Renato Martins Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Fabbrini Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Antônio Sales Rios Neto Remy José Fontana José Geraldo Couto Marjorie C. Marona Dennis Oliveira Carlos Tautz Carla Teixeira Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai José Costa Júnior Sergio Amadeu da Silveira Annateresa Fabris João Carlos Loebens Leda Maria Paulani Jorge Luiz Souto Maior Henry Burnett Eugênio Bucci Berenice Bento Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Daniel Costa João Paulo Ayub Fonseca Caio Bugiato Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Walnice Nogueira Galvão Heraldo Campos Lincoln Secco Celso Frederico Anderson Alves Esteves Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Slavoj Žižek Everaldo de Oliveira Andrade André Márcio Neves Soares Fábio Konder Comparato Antonino Infranca Yuri Martins-Fontes Vinício Carrilho Martinez Eleutério F. S. Prado Marcelo Módolo Marcus Ianoni Ronaldo Tadeu de Souza Juarez Guimarães Daniel Brazil Anselm Jappe Daniel Afonso da Silva Rodrigo de Faria Michael Löwy Luiz Costa Lima Flávio R. Kothe Osvaldo Coggiola João Adolfo Hansen Sandra Bitencourt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada