Merecemos ainda continuar sobre a Terra?

Di Cavalcanti, Criação do Planeta Terra
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

A cultura do capital nos fez individualistas, consumidores e nunca próximos e cidadãos com direitos

Reparando a situação da humanidade, da Terra viva, de seus ecossitemas, das relações entre as nações se guerreando militar ou economicamente, na África tribos se matando, cortando braços ou pernas, uma superpotência como a Rússia massacrando todo um povo parente, florestas sendo devastadas como na Amazônia e no Congo… Quando acompanho os relatórios científicos de climatólogos dizendo que já passamos o ponto crítico do aquecimento e que não haverá mais retorno e que nem a ciência a tecnologia não nos poderão mais salvar, apenas nos prevenir e finalmente dizem radicalizamos o anntropoceno (o ser humano é a grande ameaça à vida, estamos na sexta extinção de vidas), passamos pelo necroceno (morte em massa de organismos vivos) e chegamos agora ao piroceno (a era do fogo na Terra), talvez a fase mais perigosa para a nossa sobrevivência.

Os solos perderam sua umidade, as pedras se superaqueceram e folhas secas e gravetos começam a deslanchar incêndios pavorosos como ocorreu em 2022 em toda a Europa, até na úmida Sibéria, na Austrália, na Califórnia e especialmente na Amazônia. E mais ainda, quando vejo que os chefes de Estado e os dirigentes das grandes empresas (CEOs) ocultam tais dados ou não lhes dão importância para não prejudicar os negócios, estão cavando a sua própria sepultura.

Pior ainda quando a OXFAM e outros organismos nos mostram que apenas 1% da população mundial controla praticamente todo o fluxo das finanças e que possuem mais riqueza que mais da metade da população mundial (4,7 bilhões) e que no Brasil, segundo a revista Forbes, 318 bilionários possuem grande parte da riqueza em fábricas, terras, investimentos, em holdings, em bancos etc. num país no qual 33 milhões passam fome e 110 milhões se encontram em insuficiência alimentar (comem hoje e não sabem o que comerão amanhã ou depois) e milhões de desempregados ou na pura informalidade, nos vem logo a irrefreável interrogação: nós humanos, somos ainda humanos, ou vivemos na pré-história de nós mesmos, sem termos nos descoberto como co-iguais, habitantes na mesma Casa Comum.

Com todas estas desgraças das quais ele, em grande parte, se fez responsável, merece ainda viver sobre este planeta? Ou a Terra mesma, possui sua estratégia interna, como o coronavírus revelou: quando uma espécie ameaça demasiadamente todas as outras, ela dá um jeito de diminuir o seu furor ou mesmo eliminá-la para que as outras possam continuar a se desenvolver sobre o solo terrestre.

É nesse contexto que lembro a frase de um dos maiores brasileiros de nossa história, o Betinho que muitas vezes em conferências dizia: o problema maior não é econômico, não é político, não é ideológico, não é religioso. O problema maior é a falta de sensibilidade do ser humano com para com seu semelhante que está a seu lado. Perdemos a capacidade de termos com-paixão para com quem sofre, de estender a mão a quem pede um pedaço de pão ou um lugar para dormir em época de chuva torrencial.

A cultura do capital nos fez individualistas, consumidores e nunca próximos e cidadãos com direitos, muito menos nos concede sentir que somos irmãos e irmãs de fato por termos os mesmos componentes físico-químicos iguais em todos os seres vivos, também nos humanos.

Houve alguém que há mais de dois mil anos passou entre nós nos ensinando a viver o amor, a solidariedade, a compaixão, o respeito e a reverência face à Suprema Realidade, feita de misericórdia e perdão, e, por causa destas verdades radicalmente humanas foi considerado um inimigo das tradições religiosas, um subversivo da ordem ética do tempo e acabou assassinado e levantado no alto da cruz, fora da cidade que era símbolo de maldição e do abandono de Deus. Ele suportou tudo isso em solidariedade para com seus irmãos e irmãs.

Até hoje sua mensagem permanece, embora, em grande parte foi traída ou espiritualizada para desvitalizar seu caráter transformador e manter o mundo assim como está com seus poderes e infernais desigualdades. Mas outros, poucos, seguiram e seguem seus exemplos, sua prática e seu amor incondicional. Muitos desses por causa disso conhecem o mesmo destino dele: a calúnia, o desprezo e a eliminação física. Mas é por causa desses poucos, creio eu, que Deus ainda se segura e não nos faz desaparecer.

Mesmo com essa crença, diante deste quadro sombrio me vem à mente as palavras do livro do Gênesis: “O Senhor viu o quanto havia crescido a maldade dos seres humanos na terra e como todos os projetos de seus corações tendiam unicamente para o mal. Então o Senhor se arrependeu de ter criado os seres humanos na terra e ficou com o coração magoado. Então o Senhor disse: vou exterminar da face da terra o ser humano que criei e com ele os animais, os répteis e até as aves do céu, pois estou arrependido de tê-los feito” (Gn 6,5-7).

Estas palavras, escritas há mais de 3-4 mil anos atrás, parecem descrever a nossa realidade. Colocados no jardim do Éden (a Terra viva) para guardá-lo e cuidá-lo, o ser humano se fez sua maior ameaça. Não bastava ser homicida como Caim, nem etnocida com a exterminação de povos inteiros nas Américas e na África. Fez-se ecocida, devastando e desertificando inteiros ecossistemas. E agora irrompe como biocidas, pondo em risco a vida da biosfera e da própria vida humana.

Aqui cabe citar os relatórios científicos de uma grande jornalista norte-americana Elzabeth Kolbert. Após escrever o premiado livro A sexta extinção em massa: uma história não natural, acaba de publicar O céu branco: a natureza do futuro (ambos pela Intrínseca). Nele descreve as tentativas desesperadas dos cientistas para evitar o desastre total como efeito do aquecimento global, pois cresce dia a dia; só em 2021 foram lançadas na atmosfera 40 bilhões de toneladas de CO2. Estes cientistas propõem com a geoengenharia bloquear em grande parte o sol para que deixe de aquecer o planeta. O céu ficará branco. Quais seriam tais consequências, especialmente para a biosfera, para a fotosíntese e de tudo o que depende do sol? Por isso essa tecnologia é questionada. Criaria amais problemas do que aquele que quer solucionar.

Termino com a observação de um dos maiores naturalistas Théodore Jacob que escreveu um livro inteiro exatamente com esse título: E se a aventura humana vier a falhar. A base de sua suposição é a terrificante capacidade destrutiva dos seres humanos, pois “eles são capazes de uma conduta insensata e demente; pode-se a partir de agora temer tudo, tudo mesmo, inclusive a aniquilação da raça humana”.

Sou um pessimista esperançado. Pessimista face à realidade perversa sob a qual vivemos e sofremos. Esperançado porque creio que o ser humano pode mudar a partir de uma nova consciência e no Criador que desta crise e eventualmente de uma ruína pode construir ou tipo de seres humanos, mais fraternos entre si e respeitosos da Casa Comum.

*Leonardo Boff é filósofo e eco-teólogo. Autor, entre outros livros, de Habitar a Terra (Vozes).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Lopes Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Remy José Fontana Ronald León Núñez Anselm Jappe Eliziário Andrade Alysson Leandro Mascaro Sandra Bitencourt Tales Ab'Sáber Tarso Genro Henri Acselrad Bento Prado Jr. Eduardo Borges Bruno Fabricio Alcebino da Silva Igor Felippe Santos Slavoj Žižek Fernão Pessoa Ramos Luiz Roberto Alves Marcelo Guimarães Lima Michael Löwy João Lanari Bo Maria Rita Kehl Berenice Bento Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Chico Alencar Everaldo de Oliveira Andrade Jean Pierre Chauvin Chico Whitaker Bernardo Ricupero Leonardo Avritzer Henry Burnett Rubens Pinto Lyra Érico Andrade Paulo Martins Marjorie C. Marona Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon Eleonora Albano Milton Pinheiro Ricardo Musse Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Juarez Guimarães Rodrigo de Faria José Luís Fiori Bruno Machado Leonardo Boff Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Salles Eugênio Bucci Renato Dagnino Carla Teixeira Flávio R. Kothe Luiz Eduardo Soares João Carlos Loebens Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Tadeu Valadares Michel Goulart da Silva Kátia Gerab Baggio Leonardo Sacramento João Paulo Ayub Fonseca Julian Rodrigues Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Trivinho João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Caio Bugiato Thomas Piketty Samuel Kilsztajn Claudio Katz Otaviano Helene Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Celso Favaretto Liszt Vieira Heraldo Campos Armando Boito Marilena Chauí Afrânio Catani Andrés del Río André Singer José Costa Júnior Flávio Aguiar Luis Felipe Miguel Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni Yuri Martins-Fontes Ricardo Fabbrini Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carlos Tautz Andrew Korybko Vanderlei Tenório Gabriel Cohn Rafael R. Ioris Osvaldo Coggiola Daniel Costa Francisco Pereira de Farias João Adolfo Hansen Ricardo Abramovay Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Ronaldo Tadeu de Souza Priscila Figueiredo Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Antonino Infranca Valerio Arcary Lincoln Secco Daniel Brazil Antonio Martins Alexandre de Freitas Barbosa Valerio Arcary Marcos Silva Mariarosaria Fabris Luciano Nascimento Vladimir Safatle Leda Maria Paulani José Geraldo Couto José Machado Moita Neto Atilio A. Boron Ladislau Dowbor José Micaelson Lacerda Morais Eleutério F. S. Prado André Márcio Neves Soares Michael Roberts Paulo Capel Narvai Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Airton Paschoa Gerson Almeida Matheus Silveira de Souza Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Fábio Konder Comparato Walnice Nogueira Galvão Marcus Ianoni Luiz Renato Martins Luiz Werneck Vianna Sergio Amadeu da Silveira Lorenzo Vitral Ronald Rocha Jorge Branco Vinício Carrilho Martinez Salem Nasser Ricardo Antunes José Dirceu Manuel Domingos Neto Boaventura de Sousa Santos Manchetômetro Benicio Viero Schmidt João Sette Whitaker Ferreira Mário Maestri Celso Frederico Francisco de Oliveira Barros Júnior Luís Fernando Vitagliano Daniel Afonso da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES