A experiência chilena

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Fernando José Martins*

As manifestações recentes em países sul-americanos, em linha com os movimentos anti-sistêmicos, se inserem no embate contra o sistema sócio-metabólico do capital, em seu formato imediato: o neoliberalismo.

Uma breve passagem pelo Chile, para participar das VI Jornadas Internacionales de Problemas Latinoamericanos, na Universidade de Valparaiso, foi suficiente para perceber que se estabelece naquela realidade – e que se assemelha de outros espaços em nossa América – a prática de uma categoria importante para os estudos sobre os movimentos sociais: os anti-sistêmicos. Estudiosos como Immanuel Wallerstein refletiram que tais movimentos podem ser identificados na literatura especializada no corpo de distintas materialidades: movimentos antiglobalização, altermundistas, antineoliberais. E estudiosos brasileiros, como Emir Sader, aproximam a onda de governos progressistas latino-americanos no início dos anos 2000 aos movimentos antineoliberais.

A essência dessa categoria pode ser expressa nas manifestações que ocorrem nos dias atuais nos diversos países sul-americanos, como na Colômbia, Bolívia e no Chile, de onde são oriundas as observações das ruas que movem minha reflexão nesse artigo, em especial os registros efetuados na paisagem chilena, durante as manifestações. Penso que a realidade lá observada é suficiente para sustentar os apontamentos aqui ressaltados e as próprias manifestações reforçam a tese de um embate contra o sistema sócio-metabólico do capital, seu formato imediato calcado no neoliberalismo.

A premissa  que sustenta a resistência e que virou slogan nos muros chilenos é: “O neoliberalismo nasce morre no Chile”. Trata-se de uma frase que se repete nas ruas das diferentes cidades chilenas e está cheia de significados que, de forma certeira, concretizam a organização estrutural da realidade chilena (e que poderia ser ampliada para os demais países do bloco), enquanto nascedouro/laboratório das políticas neoliberais da América Latina,  mas também do modo como – no longo prazo – tal “laboratório de políticas neoliberais” tornou-se um palco da resistência que traz à tona o processo de convulsão social resultante de tal neoliberalismo.

Nasce/morre são, aparentemente, a contradição fundante da existência humana, mas ao metaforizar um processo econômico são ressignificados: a luta pela morte do sistema neoliberal é a morte da miserabilização da população, das práticas que empurram os velhos para a rua e para a fome. Paradoxalmente a morte é o nascimento de um conjunto de práticas relacionadas aos protestos, à resistência, que não cobram o governo chileno, apenas, mas cobram o capital e a forma como ele articula seus processos para manter a lógica mercantil funcionando.

Assim, na frase “Se paramos o país, o sistema cairá” a afirmação é também uma convocação que fazem os interessados na derrubada de um sistema torpe, de uma concentração imoral e nociva, que remete os idosos ao desalento e rouba toda a perspectiva da juventude que se põe corajosamente nas ruas de todo o país, fazendo barricadas com todos os instrumentos possíveis, inclusive com fogo, para de fato, parar o país. É possível constatar a prática da afirmação acima nas ruas, na vontade com a qual os manifestantes se colocam e buscam ações, que parecem difusas, mas são –de uma maneira estruturada ainda que informalmente – orgânicas em torno de um objetivo robustamente encharcado de intelectualidade e consciência política, histórica, econômica e sociológica.

No contexto dessa crítica, há uma forte contraposição à sociedade de mercado, à mercantilização da vida, ou seja, uma crítica ao sistema do capital. É expressa de formas simples, mas como já fora dito, encharcado de conteúdo: “O lar não é negócio” é uma dessas assertivas que significam muito além das palavras imediatas. Para nós brasileiros, é uma análise constitucional, que remete ao direito à moradia. Para o autor, pode ter sido uma afirmação filosófica, de como a lógica de mercado adentra aos recôncavos mais íntimos da humanidade e transforma-lhes em mercadoria.

Sim, mas as expressões também são coletivas e sistêmicas e nesse sentido, o “lar” também pode ser uma referência ao país como casa de todos, e, assim sendo, não poderia ser negociada. A máxima “Chile não se vende” se repete ao longo das ruas e é uma crítica do movimento anti-sistêmico, orgânico e coerente com análises gerais precisas, que veem na lógica capitalista barreiras intransponíveis para a emancipação.

A análise também vai para a organização estatal interna, como se pode ver na expressão: “Não mais governo de mercado.” Creio que aqui cabe uma ressalva também para análise popular que vai além do movimento oposição situacional, o governo de mercado estava também inserido na proposta de governos alinhados à esquerda, como o da presidenta Michelle Bachelet, o que denota a sabedoria do movimento atual, que não se restringe ao movimento político institucional, e sabe bem da raiz dos males imediatos e estruturais.

É necessário reconhecer nos protestos presentes nas ruas hoje, tomando como base os escritos chilenos, mas olhando também para os demais países citados, e, principalmente, aqueles que ainda estão por vir, o objetivo que é claro: “Morte ao neoliberal” (escrito em um banco), que pode parecer drástico ou até pessoalizado (para quem não fizer a leitura elíptica de “sistema” que o enunciado carrega), mas é um objetivo analítico muito necessário para a construção de um modelo societário no qual não caibam desigualdades e as mazelas delas oriundas. À consciência histórica do povo chileno, é importante somar as esperanças que vem das ruas, que postulam que é aquele povo e naquele espaço que: “Seremos o túmulo do neoliberalismo”.

Aqueles que se dizem realistas dirão que se trata de uma utopia. Não quero nem entrar no mérito de como a utopia pode significar um “inédito viável” como diria Paulo Freire, mas quero tomar a experiência desses significativos movimentos espalhados pelo mundo, hoje bem próximos de nossa realidade, que já circularam no centro do capital, como em Seatle, Gênova, Davos, são velhos conhecidos dos analistas e chaves para a compreensão de um sistema diametralmente oposto à lógica de humanidade, como sujeitos da construção de uma sociedade justa, livre, calcada na emancipação humana e social, que seja como a expressão poética e esperançosa: “Venceremos, e será lindo!”

*Fernando José Martins é professor e diretor-geral da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste – Campus de Foz do Iguaçu.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Otaviano Helene Eduardo Borges Caio Bugiato João Lanari Bo Thomas Piketty José Machado Moita Neto Francisco Pereira de Farias Antonino Infranca Slavoj Žižek Osvaldo Coggiola Igor Felippe Santos Marjorie C. Marona Marcelo Guimarães Lima Leonardo Boff Alysson Leandro Mascaro Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Alexandre de Freitas Barbosa Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Branco Ricardo Musse José Raimundo Trindade Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Trivinho Julian Rodrigues Daniel Afonso da Silva Afrânio Catani André Singer Marcos Aurélio da Silva Rodrigo de Faria Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Gabriel Cohn José Luís Fiori João Feres Júnior Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Denilson Cordeiro Atilio A. Boron Jean Marc Von Der Weid Eleonora Albano Chico Whitaker Gerson Almeida Anselm Jappe Paulo Sérgio Pinheiro Ladislau Dowbor Mariarosaria Fabris Manuel Domingos Neto Lincoln Secco Luiz Werneck Vianna Vladimir Safatle Eliziário Andrade Michel Goulart da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald Rocha Lorenzo Vitral José Costa Júnior Vinício Carrilho Martinez Dênis de Moraes Priscila Figueiredo Celso Favaretto Valerio Arcary Tadeu Valadares Gilberto Lopes Vanderlei Tenório Marilia Pacheco Fiorillo Salem Nasser Bruno Machado Airton Paschoa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Marcos Silva Berenice Bento Leonardo Sacramento Luiz Marques Samuel Kilsztajn Luiz Carlos Bresser-Pereira Manchetômetro Antônio Sales Rios Neto Dennis Oliveira Michael Löwy Fábio Konder Comparato Milton Pinheiro Andrew Korybko Bernardo Ricupero Luís Fernando Vitagliano Liszt Vieira João Carlos Salles Luiz Bernardo Pericás Francisco Fernandes Ladeira Michael Roberts Érico Andrade Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Ricardo Fabbrini Renato Dagnino Ricardo Abramovay Claudio Katz Marcelo Módolo Luis Felipe Miguel Alexandre de Lima Castro Tranjan Matheus Silveira de Souza Maria Rita Kehl João Sette Whitaker Ferreira Jorge Luiz Souto Maior Heraldo Campos Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Roberto Alves Mário Maestri Flávio R. Kothe Gilberto Maringoni Valerio Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henry Burnett Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Eduardo Soares Sandra Bitencourt Marcus Ianoni Paulo Martins Carlos Tautz Annateresa Fabris João Paulo Ayub Fonseca João Adolfo Hansen Tales Ab'Sáber Celso Frederico Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Avritzer Bento Prado Jr. Paulo Capel Narvai Paulo Nogueira Batista Jr Andrés del Río André Márcio Neves Soares Luiz Renato Martins Juarez Guimarães José Micaelson Lacerda Morais Ari Marcelo Solon José Geraldo Couto Daniel Brazil Paulo Fernandes Silveira Ronald León Núñez João Carlos Loebens Carla Teixeira Armando Boito Walnice Nogueira Galvão Chico Alencar Remy José Fontana Rubens Pinto Lyra Luciano Nascimento Leda Maria Paulani Everaldo de Oliveira Andrade Elias Jabbour Rafael R. Ioris Antonio Martins José Dirceu Tarso Genro Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes

NOVAS PUBLICAÇÕES