O golpe na Bolívia: cinco lições

Imagem Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Uma nova figura sociopolítica: golpismo militar “por omissão”

Por Atilio A. Boron*

A tragédia boliviana ensina com eloquência várias lições que nossos povos e as forças sociais e políticas populares devem aprender e gravar em suas consciências para sempre.

Aqui, uma breve enumeração, no momento dos acontecimentos, e como prelúdio a um tratamento mais detalhado no futuro.

Primeiro: por mais que se administre de modo exemplar a economia como fez o governo de Evo, se garanta crescimento, redistribuição, fluxo de inversões e se melhorem todos os indicadores macro e microeconômicos, a direita e o imperialismo jamais vão aceitar um governo que não se coloque a serviço de seus interesses.

Segundo: há que estudar os manuais publicados por diversas agências dos EUA e seus porta-vozes disfarçados de acadêmicos ou jornalistas para poder perceber a tempo os sinais da ofensiva. Estes escritos invariavelmente ressaltam a necessidade de destroçar a reputação do líder popular, o que no jargão especializado se chama “assassinato de reputação”, qualificando-o como ladrão, corrupto, ditador ou ignorante.

Esta é a tarefa confiada a comunicadores sociais, autoproclamados “jornalistas independentes”, que, em favor de seu controle quase monopólico dos meios, perfuram o cérebro da população com tais difamações, acompanhadas, no caso que nos ocupa, por mensagens de ódio dirigidas contra os povos originários e os pobres em geral.

Terceiro: cumprido o anterior, chega a hora da direção política e elites econômicas, exigindo “uma mudança”, cobrando a derrubada da “ditadura” de Evo que, como escrevera há poucos dias o inapresentável Vargas Llosa, é um “demagogo que quer eternizar-se no poder”.

Suponho que estará brindando com champanhe em Madri ao ver as imagens das hordas fascistas saqueando, incendiando, acorrentando jornalistas a um poste, raspando a cabeça de uma prefeita e pintando-a de vermelho e destruindo as atas da última eleição para cumprir a ordem de Don Mario e libertar a Bolívia de um maligno demagogo.

Menciono seu caso porque foi e é o porta-estandarte imoral deste ataque vil, desta traição sem limites que crucifica lideranças populares, destrói uma democracia e instala o reino do terror a cargo de bandos de traficantes contratados para castigar um povo digno que teve a ousadia de querer ser livre.

Quarto: entrem em cena as “forças de segurança”. Neste caso estamos falando de instituições controladas por numerosas agências, militares e civis, do governo dos Estados Unidos. Estas as treinam, armam, fazem exercícios conjuntos e as educam politicamente.

Tive ocasião de comprová-lo quando, a convite de Evo, inaugurei um curso sobre “Anti-imperialismo” para oficiais superiores das três armas. Nessa oportunidade, fiquei envergonhado pelo grau de penetração dos mais reacionários bordões norte-americanas herdados da época da Guerra Fria e pela franca irritação causada pelo fato de um indígena ser presidente de seu país.

O que fizeram essas “forças de segurança” foi retirar-se da cena e deixar o campo livre para a descontrolada atuação das hordas fascistas – como as que atuaram na Ucrânia, Líbia, Iraque e Síria para derrocar, ou tratar de fazê-lo neste último caso, líderes incômodos para o império – e, desse modo, intimidar a população, a militância e as próprias figuras do governo. Ou seja, uma nova figura sociopolítica: golpismo militar “por omissão”, deixando que as quadrilhas reacionárias, recrutadas e financiadas pela direita, imponham sua lei. Uma vez que reina o terror e ante a ausência de defesa do governo, o desenlace era inevitável.

Quinto: a segurança e a ordem pública não deveriam jamais terem sido confiadas na Bolívia a instituições como a polícia e o exército, colonizadas pelo imperialismo e seus lacaios da direita autóctone. Quando se lançou a ofensiva contra Evo, optou-se por uma política de apaziguamento e de não responder às provocações dos fascistas. Isto serviu para encorajá-los e dobrarem a aposta: primeiro, exigir o pleito; depois, fraude e novas eleições; em seguida, eleições, mas sem Evo (como no Brasil, sem Lula); mais tarde, a renúncia de Evo; finalmente, ante sua relutância em aceitar a chantagem, semear o terror com a cumplicidade de policiais e militares e forçar Evo a renunciar. De manual, tudo de manual. Aprenderemos estas lições?

*Atilio Boron é professor de ciência política na Universidade de Buenos Aires.

Tradução:Fernando Lima das Neves

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tales Ab'Sáber Manuel Domingos Neto João Feres Júnior Matheus Silveira de Souza Ricardo Musse Celso Frederico Rafael R. Ioris Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva Gilberto Lopes Ricardo Fabbrini Yuri Martins-Fontes Armando Boito Vinício Carrilho Martinez Jorge Luiz Souto Maior Michael Löwy Paulo Sérgio Pinheiro Eliziário Andrade Jorge Branco Luis Felipe Miguel Andrés del Río Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Vanderlei Tenório Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl Eugênio Trivinho Leonardo Boff Andrew Korybko Ricardo Abramovay Sandra Bitencourt Michel Goulart da Silva João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Heraldo Campos Remy José Fontana Bernardo Ricupero Francisco Pereira de Farias Daniel Afonso da Silva Flávio Aguiar Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Lucas Fiaschetti Estevez Priscila Figueiredo Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Eduardo Soares Jean Pierre Chauvin Dennis Oliveira Ricardo Antunes Luiz Roberto Alves Atilio A. Boron Slavoj Žižek Luiz Marques Eduardo Borges Salem Nasser José Costa Júnior Francisco Fernandes Ladeira Eleonora Albano José Raimundo Trindade Antonino Infranca Daniel Costa Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Leonardo Avritzer Celso Favaretto Chico Alencar Eugênio Bucci Elias Jabbour Marcelo Módolo Bento Prado Jr. Denilson Cordeiro Dênis de Moraes Carlos Tautz André Singer Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins Paulo Martins Claudio Katz Henry Burnett Afrânio Catani Vladimir Safatle Ronaldo Tadeu de Souza Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Renato Martins Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Marc Von Der Weid Ronald León Núñez Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira Érico Andrade Liszt Vieira Gilberto Maringoni Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles Everaldo de Oliveira Andrade José Luís Fiori Alexandre Aragão de Albuquerque Alysson Leandro Mascaro Bruno Machado Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Leonardo Sacramento Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira Antônio Sales Rios Neto João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Osvaldo Coggiola José Micaelson Lacerda Morais Milton Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Ari Marcelo Solon Marilena Chauí Anselm Jappe João Paulo Ayub Fonseca Marcus Ianoni Marcos Silva Paulo Nogueira Batista Jr Tarso Genro Rodrigo de Faria José Dirceu Renato Dagnino Kátia Gerab Baggio Michael Roberts Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Manchetômetro Chico Whitaker Gabriel Cohn Fernão Pessoa Ramos Fernando Nogueira da Costa Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Werneck Vianna Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Caio Bugiato Otaviano Helene André Márcio Neves Soares Samuel Kilsztajn João Lanari Bo Flávio R. Kothe Lorenzo Vitral Eleutério F. S. Prado José Machado Moita Neto Daniel Brazil Valerio Arcary Ladislau Dowbor Gerson Almeida Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Valerio Arcary Airton Paschoa Mário Maestri

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada