As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A África desperta

Imagem: Lara Jameson
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EDUARDO J. VIOR*

Agindo juntos, os países do “continente do futuro” estão aproveitando a luta global por recursos energéticos e minerais para afirmar seu protagonismo

O golpe que na quarta-feira, 26 de julho, derrubou o presidente pró-ocidental do Níger põe fim ao domínio francês em mais um país do Sahel. Em dois anos, houve golpes no Mali e em Burkina Faso, que expulsaram as tropas francesas e clamaram pelo apoio da Rússia. Ao mesmo tempo, em São Petersburgo, antiga Leningrado, se realizava a Cúpula entre a Rússia e a União Africana, confirmando a rapidez com que a África está se afastando do Ocidente. Agindo juntos, os países do “continente do futuro” estão aproveitando a luta global por recursos energéticos e minerais para afirmar seu protagonismo.

Na noite de quinta-feira, várias centenas de manifestantes se reuniram na Place de la Concertation, no coração de Niamey, capital do Níger, para celebrar a “sua” vitória, a do exército no poder, e dar vivas à Rússia e à Companhia Wagner. Na manhã anterior, um grupo de soldados uniformizados havia anunciado, em rede nacional, a derrubada do presidente eleito em 2021, Mohamed Bazoum.

O coronel sênior Amadou Abdramane, chefe do Estado-Maior e porta-voz dos golpistas, anunciou então o fechamento das fronteiras e o estabelecimento do toque de recolher. Ademais, em comunicado divulgado quinta-feira ao meio-dia, este comandante informou que as Forças Armadas do país haviam se unido à revolta, visando “preservar a integridade física do presidente” e evitar “derramamento de sangue” entre possíveis facções militares diferentes.

Por seu lado, na sexta-feira, 28 de julho, o general Abdourahman Tchiani, chefe da guarda presidencial, que mantém detido na sua residência o presidente Mohamed Bazoum, apresentou-se na televisão pública, na qualidade de presidente do Conselho Nacional de Segurança Pública (CNSP), para prestar contas dos motivos das suas ações.

Não obstante, a situação do presidente Mohamed Bazoum, que até o momento ainda não renunciou, continua sendo confusa e incerta. Uma delegação da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), liderada pelo presidente do Benin, Patrice Talon, viajou a Niamey na quinta-feira para exercer uma mediação, mas, da parte dos golpistas, parece haver pouca disposição para a busca de um entendimento.

O golpe foi imediatamente condenado no Ocidente. O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, declarou que a parceria com o Níger dependeria da continuidade da “governança democrática”. Por sua parte, a Rússia pediu que o conflito fosse resolvido pacificamente.

Durante seus dois anos e meio de governo, Mohamed Bazoum reforçou a aliança estratégica do Níger com os países ocidentais. País de trânsito de emigrantes para o Mediterrâneo, sua colaboração para contê-los foi elogiada pelos dirigentes europeus. Atualmente, o país abriga vários acampamentos de migrantes retornados da vizinha e anarquizada Líbia. Também foi um parceiro militar confiável, que deu abrigo a 1.500 soldados franceses expulsos do Mali em 2022, como também a uma base norte-americana de drones avaliada em 100 milhões de dólares. Com efeito, os golpes nos vizinhos Mali (2021) e Burkina Faso (2022) levaram ao poder juntas militares que se voltaram para a Rússia e expulsaram as tropas ocidentais. Daí que a perda do Níger seja uma catástrofe para o antigo predomínio da OTAN no Sahel.

Como seus vizinhos, o Níger, com 26 milhões de habitantes e um dos países mais pobres do mundo, enfrenta a ameaça jihadista criada pela CIA. Na região de Diffa, fronteira oriental com o Chade, são frequentes as incursões e ataques do Estado Islâmico da África Ocidental (EIAO), enquanto que a oeste a ameaça vem do Estado Islâmico do Sahel (ISIS). A incapacidade ou mesmo má vontade das forças do Ocidente para derrotar o terrorismo, além da falta de equipamento e treinamento dos soldados locais, que morrem às centenas, estão na origem da instabilidade política em que vive toda a região. Agora a paciência acabou, e a eficiência da Wagner Private Military Company (CMP) russa desperta mais confiança.

O Níger é um importante exportador de minério de urânio para a indústria nuclear francesa. A república africana ocupa o oitavo lugar na produção mundial do mineral, pouco menos que a Rússia. A França produz 70% de sua eletricidade por meio de usinas nucleares, o que significa que detém a maior proporção mundial de energia nuclear na conta da produção de eletricidade. Isso se dá por meio de 56 reatores que, ao mesmo tempo, lhe permitem ser o maior exportador de eletricidade do mundo. Por conta da energia nuclear de produção barata, a indústria francesa acaba levando uma considerável vantagem competitiva. Tais êxitos só foram possíveis porque a nação controla a produção de urânio do Níger.

Em 1957, pouco antes de o país africano conquistar sua independência, geólogos descobriram ali ricas jazidas de urânio. Apesar de ser um dos países mais pobres do mundo, o Níger possui a quinta maior reserva mundial de urânio em exploração. Ao mesmo tempo, como grande parte do seu território faz parte do deserto do Saara, o país luta constantemente contra a desertificação e as secas. Além disso, desde que a intervenção anglo-francesa derrubou Muammar Kadafi na Líbia, esse país norte-africano tornou-se refém das máfias de todo tipo de tráfico — inclusive humano (até mesmo de escravos) —, com o terrorismo islâmico espalhando-se por todo o Saara e o Sahel (a vasta faixa semidesértica que se estende da Mauritânia ao Sudão), graças à mui suspeita incapacidade da França e de seus aliados ocidentais em combatê-lo.

Durante 60 anos, a França conduziu uma política neocolonial que controla suas ex-colônias por meio do franco africano (muitas ex-possessões francesas usam o chamado franco CFA, antes lastreado no franco francês, e agora no euro), pelo francês como língua franca e por suas forças expedicionárias. Isso lhe permitiu reduzir significativamente o custo de operação das jazidas de urânio no Níger. Ainda que este país produza apenas 5% do urânio mundial, sua participação nas importações francesas do mineral oscila entre 30% e 45%, dependendo do ano. Sem esse suprimento, Paris estaria em uma perigosa emergência. Em outras palavras, sem o Níger, a soberania energética da França está seriamente ameaçada.

Não é casualidade que o golpe tenha ocorrido na mesma ocasião da cúpula Rússia-África, realizada nos dias 27 e 28 deste mês em São Petersburgo. Participaram da conferência 49 delegações de 53 países africanos. Já antes da reunião, o presidente russo Vladimir Putin havia anunciado que se firmaria uma declaração global e um Plano de Ação do Fórum de Parceria Rússia-África com vigência até 2026.

Em declarações ao serviço de teledifusão russo para o exterior (a RT ‒ Russia Today), Madaraka Nyerere, filho do lendário ativista anticolonial e primeiro presidente da Tanzânia, Julius Nyerere, defendeu que a única forma realista da África se desenvolver é a de unir-se, e o caminho para tal cooperação passa pela incorporação de mais nações africanas ao BRICS+. Os países africanos não foram a São Petersburgo a título individual, mas como membros de uma organização já consolidada, a União Africana.

Por todo o continente, observam-se disputas intensas entre a China e a Rússia, de um lado, e o Ocidente coletivo, por outro. O recente golpe no Níger não é mais que parte desse processo. Os africanos tiveram más experiências com o colonialismo e o neocolonialismo europeus, e buscam agora livrar-se de toda dependência externa. Aproveitam então o conflito mundial para ganhar espaço, e atuam concertadamente para aumentar seu poder de barganha.

A África está se unindo, sacudindo a poeira do neocolonialismo ocidental, desenvolvendo sua conectividade, atuando em conjunto nos fóruns internacionais e reivindicando um lugar na nova governança mundial. Enquanto isso, a América Latina tem sido incapaz de adotar posições comuns em muitas questões relevantes. Sequer cogitou participar em conjunto na próxima Cúpula do BRICS a realizar-se África do Sul. Nem mesmo a Argentina, especialmente convidada pelo Brasil, participará do encontro. Enquanto a África acorda rugindo, a América Latina dorme.

*Eduardo J. Vior, sociólogo e jornalista, é professor do Departamento de Filosofia da Universidade de Buenos Aires (UBA).

Tradução: Ricardo Cavalcanti-Schiel.

Publicado originalmente na Agencia Télam


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Roberto Noritomi Eliziário Andrade Tarso Genro João Feres Júnior Anselm Jappe Francisco de Oliveira Barros Júnior Dennis Oliveira Flávio R. Kothe Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira José Luís Fiori Osvaldo Coggiola Milton Pinheiro Leda Maria Paulani José Raimundo Trindade Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt Eleonora Albano Bruno Machado Ronald Rocha Atilio A. Boron Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Eleutério F. S. Prado Ricardo Musse Walnice Nogueira Galvão José Machado Moita Neto João Paulo Ayub Fonseca Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Kátia Gerab Baggio Manchetômetro Andrew Korybko André Singer Igor Felippe Santos Gabriel Cohn Antonino Infranca Alysson Leandro Mascaro Vanderlei Tenório Ronaldo Tadeu de Souza José Geraldo Couto Chico Whitaker Eduardo Borges Michael Roberts Ronald León Núñez Rubens Pinto Lyra Leonardo Sacramento José Costa Júnior Sergio Amadeu da Silveira Jorge Luiz Souto Maior Alexandre de Freitas Barbosa Salem Nasser Maria Rita Kehl Marilena Chauí Juarez Guimarães Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Antonio Martins Leonardo Avritzer Jean Marc Von Der Weid Lincoln Secco Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Manuel Domingos Neto Berenice Bento Mariarosaria Fabris Roberto Bueno Fábio Konder Comparato Sandra Bitencourt José Dirceu Luiz Roberto Alves Henry Burnett Samuel Kilsztajn Mário Maestri Eugênio Bucci Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues André Márcio Neves Soares Afrânio Catani Chico Alencar Gilberto Maringoni Luiz Costa Lima Remy José Fontana Daniel Brazil Elias Jabbour Boaventura de Sousa Santos Michael Löwy Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares João Sette Whitaker Ferreira Ladislau Dowbor Paulo Fernandes Silveira Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Capel Narvai Fernando Nogueira da Costa Marcos Silva Rafael R. Ioris Renato Dagnino Flávio Aguiar Vladimir Safatle Henri Acselrad Tadeu Valadares Ari Marcelo Solon Valério Arcary Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Valerio Arcary João Lanari Bo Bernardo Ricupero Lorenzo Vitral Celso Frederico Carlos Tautz Anderson Alves Esteves Luís Fernando Vitagliano Vinício Carrilho Martinez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Salles Luiz Bernardo Pericás Leonardo Boff Annateresa Fabris Daniel Costa Rodrigo de Faria Luiz Marques Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco Fernandes Ladeira Paulo Sérgio Pinheiro Celso Favaretto Jorge Branco Marcelo Módolo Liszt Vieira João Carlos Loebens Eugênio Trivinho Denilson Cordeiro Gerson Almeida Ricardo Antunes Priscila Figueiredo Luiz Werneck Vianna Claudio Katz Marjorie C. Marona Marcus Ianoni Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Airton Paschoa Jean Pierre Chauvin Daniel Afonso da Silva Armando Boito Fernão Pessoa Ramos Dênis de Moraes Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento Marcelo Guimarães Lima José Micaelson Lacerda Morais Gilberto Lopes João Adolfo Hansen Heraldo Campos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada