Os ventos do Chile

Dora Longo Bahia, Black Bloc, 2015 Serigrafia sobre fibrocimento 50 x 79 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOANA SALÉM VASCONCELOS*

Breve análise das eleições para a Convenção Constitucional.

Desde outubro de 2019, o Chile vive uma grande erupção social e uma crise de hegemonia política. As elites chilenas assistem, atordoadas, ao transbordamento da luta popular por direitos, gratuidade, bem-estar e dignidade. Apesar dos entraves impostos pelo Acordo Pela Paz Social de 15 de novembro de 2019, que definiram um quórum conservador de 2/3 para a mudança constitucional; apesar da regulamentação restritiva da Convenção Constituinte, enquadrada nos marcos da geopolítica neoliberal; e claro, apesar da pandemia, as organizações populares seguiram sua construção política autônoma de outubro de 2019 até hoje, preparando-se para o confronto contra o maior entulho autoritário da ditadura: a Constituição de 1980.

Os governos democráticos de 1990 a 2021 se curvaram ao chamado “modelo chileno” e o tornaram ainda mais sofisticado, ampliando o mal-estar social. Mas o modelo da Constituição de 1980 se mostrou corroído e esgotado. Enquadrado em uma sociedade sem direitos desde o golpe de 1973, os chilenos foram lançados ao desamparo da sociedade neoliberal, ao individualismo de mercado e à guerra de todos contra todos.

O Estado Subsidiário, arquitetado por Jaime Guzmán e os Chicago Boys na ditadura, mercantilizou todas as esferas da vida e impôs à sociedade chilena os arbítrios das privatizações generalizadas em nome da liberdade das grandes corporações. A espoliação privada da terra, da água, dos recursos minerais e agrícolas, a perversa capitalização das aposentadorias, a mercantilização da educação e da saúde, foram promovendo um processo irreversível de desgaste do tecido social.

A campanha publicitária pela democracia, que disse “No” à Pinochet em 1988, tinha como slogan “la alegría ya viene”, mas a preservação do arranjo constitucional da ditadura impediu que a democracia entregasse sua promessa. O “pinochetismo sem Pinochet” comandou os últimos 30 anos de democracia no país.

Mas agora o “modelo chileno” está mais combalido do que nunca. Nas eleições de 15 e 16 de maio passado, os chilenos indicaram que a Convenção Constituinte será um evento democrático de grandes proporções, com força para refundar as relações entre Estado e sociedade em bases populares e verdadeiramente democráticas.

Os resultados eleitorais não se parecem com nada que eu já tenha visto. Os deputados independentes eleitos são 32% dos 155 membros da Convenção. Os deputados indígenas são 11%. Os três grandes blocos partidários somam 57%. Os independentes tiveram orçamentos pequenos e quase nenhum tempo de TV, mas obtiveram um terço dos votos, mostrando a corrosão do sistema partidário convencional. Entre os candidatos indígenas, os direitistas foram derrotados e os indígenas à esquerda venceram.

Até semana passada, muitos amigos me disseram que a pulverização das candidaturas poderia corroer a força eleitoral da esquerda. Era um reflexo da descentralização da revolta de 2019, um elemento positivo que poderia, na matemática eleitoral, se tornar negativo. Mas ocorreu o oposto: a força dos independentes desequilibrou o resultado em favor da esquerda.

Entre os blocos partidários, a direita teve 24% (Vamos por Chile – RN/UDI); o centro ficou com 16% (Lista de Apruebo – ex Concertación); e as esquerdas com 18% dos deputados (Apruebo Dignidad – PC/FA).

Entre os independentes, a Lista del Pueblo, de esquerda, teve 15%. A Lista Nueva Constitución, de centro-esquerda, teve 7%. Ainda há 8% dos independentes eleitos sem lista, com candidaturas de perfil local cuja posição ideológica ainda precisa ser mapeada.

Em resumo, temos:
Direita (Vamos por Chile): 24%
Centro-Esquerda (Apruebo + Nueva Constitución-ind): 23%
Esquerda (Apruebo Dignidad + Lista del Pueblo-ind): 34%
Indígenas (nenhum da direita): 11%
Independentes sem lista: 8%

A direita foi posta no canto do ringue. A arquitetura constitucional de Jaime Guzmán está prestes a ser desarmada.

*Joana Salém Vasconcelos é doutora em história pela USP. Autora de História agrária da revolução cubana: dilemas do socialismo na periferia (Alameda).

Publicado originalmente em Portal Contrapoder.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Bernardo Pericás Leda Maria Paulani Gabriel Cohn Flávio R. Kothe Celso Favaretto Matheus Silveira de Souza Daniel Brazil Antonino Infranca Vladimir Safatle Remy José Fontana Otaviano Helene Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Carlos Tautz Lorenzo Vitral Thomas Piketty Gerson Almeida Marcelo Módolo Annateresa Fabris Bento Prado Jr. Benicio Viero Schmidt Ronald León Núñez Eugênio Bucci Heraldo Campos Vanderlei Tenório Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Pereira de Farias Marilena Chauí Mariarosaria Fabris Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber Érico Andrade Liszt Vieira Renato Dagnino João Lanari Bo Berenice Bento João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva Fernão Pessoa Ramos Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Marcus Ianoni Bruno Machado Dênis de Moraes Luiz Carlos Bresser-Pereira Antônio Sales Rios Neto Michael Löwy Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Antonio Martins Henry Burnett Gilberto Maringoni Maria Rita Kehl João Carlos Loebens Jorge Branco José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Antunes Henri Acselrad Caio Bugiato José Dirceu Marjorie C. Marona Flávio Aguiar João Feres Júnior Andrew Korybko Francisco de Oliveira Barros Júnior André Márcio Neves Soares Rafael R. Ioris José Costa Júnior Manchetômetro Denilson Cordeiro Michel Goulart da Silva Chico Whitaker André Singer Vinício Carrilho Martinez Leonardo Boff Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Martins Boaventura de Sousa Santos João Carlos Salles Paulo Capel Narvai José Machado Moita Neto Eliziário Andrade Luiz Eduardo Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carla Teixeira Eleutério F. S. Prado Luiz Roberto Alves Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Yuri Martins-Fontes João Adolfo Hansen Fernando Nogueira da Costa Juarez Guimarães Julian Rodrigues Airton Paschoa Celso Frederico Fábio Konder Comparato Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Sacramento José Raimundo Trindade Tarso Genro Luis Felipe Miguel Atilio A. Boron Eleonora Albano Michael Roberts Milton Pinheiro Jean Pierre Chauvin Daniel Afonso da Silva Ricardo Musse Afrânio Catani Paulo Fernandes Silveira Dennis Oliveira Osvaldo Coggiola Alysson Leandro Mascaro Leonardo Avritzer Priscila Figueiredo João Paulo Ayub Fonseca Rubens Pinto Lyra Ricardo Fabbrini Chico Alencar Luciano Nascimento Manuel Domingos Neto Lucas Fiaschetti Estevez Elias Jabbour José Luís Fiori Everaldo de Oliveira Andrade José Geraldo Couto Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Eduardo Borges Ronald Rocha Luiz Werneck Vianna Samuel Kilsztajn Anselm Jappe Rodrigo de Faria Eugênio Trivinho Valerio Arcary Tadeu Valadares Andrés del Río Marcos Aurélio da Silva Lincoln Secco Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Claudio Katz Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Costa Salem Nasser Alexandre de Freitas Barbosa Mário Maestri Jean Marc Von Der Weid Slavoj Žižek

NOVAS PUBLICAÇÕES