A agonia da Europa

Imagem: Antonio Filigno
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SAMUEL KILSZTAJN*

Os europeus, quando desembarcaram nas Américas, África, Ásia e Oceania não portavam vistos de entrada

A verdade do europeu branco cristão sempre foi o seu dom de iludir, dominar militarmente o mundo enquanto catequizava os nativos de forma hipócrita e cínica. Europeu naturalmente inclui aquele que cruzou o Atlântico, principalmente em direção aos Estados Unidos, Argentina e Brasil. Com a Revolução industrial, os europeus, que já haviam “descoberto” as Américas e promovido a imigração compulsória de africanos, tornaram-se os donos do mundo.

Além de submeterem a Índia à Companhia Britânica, a China a partir das guerras do ópio e o Japão por iniciativa norte-americana, os europeus colonizaram o sudeste asiático e a Oceania e dividiram arbitrariamente a África e o Oriente Médio em países com o auxílio de réguas e esquadros. Esses 300 anos de hegemonia e o atual declínio crônico da Europa foram matéria do artigo de José Luís Fiori, publicado no site A Terra é Redonda.

Apenas o Império Russo, que se estendia até os confins da Ásia, por ter derrotado Napoleão, conseguiu manter-se intacto, sendo posteriormente substituído pela União Soviética – URSS. Com a iminência da dissolução do Pacto de Varsóvia, a OTAN e a URSS acordaram em manter neutros os membros do Pacto de Varsóvia. Entretanto, todos os antigos membros do Pacto de Varsóvia foram incorporados à OTAN porque, segundo a mesma, o acordo fora firmado com a URSS, dissolvida em 1991. Foi então acordado entre a OTAN e a Rússia que a Bielorrússia e a Ucrânia constituiriam a nova região neutra… e o embate segue na guerra da Ucrânia em curso.

Os europeus, quando desembarcaram nas Américas, África, Ásia e Oceania não portavam vistos de entrada. Muito pior do que isso, chegaram feito uns selvagens, sem respeitar as regras e a cultura local, para civilizar os nativos. Em nome de Deus, exterminaram e submeteram esses povos, catequizando-os para salvar a sua alma. Para entrarem nos países coloniais, contudo, estes nativos devem portar vistos de entrada, entram ilegalmente e se submetem à cultura europeia. E, diferentemente da legislação vigente nos países das Américas, nenhum país europeu confere cidadania automática a filhos de imigrantes nascidos em seu solo.

A Inglaterra deixou a União Europeia, mas continua membro da OTAN, ao lado dos Estados Unidos. A Alemanha pode governar o hemisfério esquerdo do cérebro da Europa Continental, mas a França certamente governa o hemisfério direito, a França é o coração da Europa. E a França ainda tem domínios em regiões tão longínquas como a Nova Caledônia.

Mas o coração latino dos franceses anda partido, com uma profusão de grupos de esquerda manifestando-se a favor dos imigrantes, como o Solidariedade Europa Sem Fronteiras e organizações de voluntários que metem as mãos na massa, como a Utopia 56, que enfrenta as autoridades e oferece apoio moral, legal e material aos imigrantes ilegais, inclusive barracas para o seu alojamento. Verdadeiras vilas de barracas margeiam o Sena na região central de Paris, reservada às camadas privilegiadas da população.

Em meio ao impasse sobre os rumos em direção a uma nova ordem mundial, os participantes deste jogo de interesses estão todos apreensivos com a aventura empreendida pelo estado de Israel na Palestina e seus possíveis e imprevisíveis desdobramentos.

Para a Europa branca cristã que efetivamente dominava o mundo, o judeu sempre foi o outro, essa meia-dúzia de Spinoza, Marx, Freud, Einstein e Rothschild que, na forma de projeção, a Europa queria acreditar ter um projeto para dominar o mundo. Agora, na Palestina, o judeu é o europeu em guerra contra o oriente, uma guerra que carece de estratégia, carece de tática, ou seja, uma aventura que unificou os israelenses e poupou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, mas que ninguém sabe como vai terminar. Haverá limites para a hipocrisia e o cinismo europeu frente ao massacre em curso do povo palestino?

*Samuel Kilsztajn é professor titular em economia política da PUC-SP. Autor, entre outros livros, de Returnees [https://amzn.to/44SsSjE].


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES