As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Mídias & Finanças

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

O jornalismo de economia apenas mostra que a divulgação de notícias sempre esteve ligada à demanda de informações mercadológicas por parte das empresas de corretagem e das casas de comércio

Atuando na revista Exame entre março de 2018 e fevereiro de 2021 e, na plataforma Inteligência Financeira, administrada pelo Itaú Unibanco, entre julho de 2021 e fevereiro de 2023, Denyse Godoy escreveu uma rara reportagem sobre as investidas agressivas das finanças no jornalismo de economia no Brasil: “Está tudo dominado” (Piauí, outubro 2023). Com experiência na área, a profissional em tela traz à tona a influência dos executivos da rede bancária, inclusive, na escolha da capa das publicações. Adeus, autonomia jornalística.

Os sócios da holding do BTG Pactual ironizam. “Da mesma forma que acompanhamos o dia a dia da Exame, os controladores do Itaú acompanham a Piauí”, que rejeita a carapuça e afiança que “não tem patrão, nem controlador” desde 2021. Com pragmatismo e sem entrar no mérito do assunto, Carlos Eduardo Lins da Silva pondera o emprego de dezenas de jornalistas com boas matérias e a concessão aos interesses patronais. “O que é melhor para a sociedade? Deixar a Exame morrer ou ser comprada pelo BTG e, eventualmente, publicar matérias de interesse do banco?” Difícil é achar no magazine algo que, de fato, contrarie os novos donos.

Já o InfoMoney, com 33,9 milhões de visitas mensais, pertence a uma das poderosas corretoras de valores, a XP Investimentos, com participação minoritária do Itaú. A XP, com 4 milhões de clientes, gestão de hum trilhão de reais e valor de mercado em 11,5 bilhões de dólares, discute os planos para produtos na presença dos funcionários, seleciona os convidados para os vídeos e as gestoras que pagam comissão na venda de seus fundos, subsumindo os repórteres. O fenômeno do florescimento do mercado financeiro ocorre com a crise da mídia convencional. A internet afetou a sua principal fonte de renda, os anunciantes. Imitando a professora de Nova York, Jodi Dean, a imprensa reclama à webesfera, com irritação – “You are not my comrade!

Fundos de investimentos adquirem veículos impressos em dificuldades, no mundo inteiro. Segundo o Financial Times, metade dos 7 mil periódicos britânicos está nas mãos de companhias financeiras. A Alden Global Capital que comprou o Chicago Tribune, fundado em 1847, controla 1200 jornais estadunidenses. Periodistas que cobrem a economia rezam na bíblia do neoliberalismo – o Consenso de Washington. O pensamento único da hegemonia totalitária, objeto de denúncias pelo Le Monde Diplomatique, não era uma metáfora, mas um movimento de colonização dos difusores midiáticos. O periodismo cedeu às ricas propagandas do rentismo.

Poder das finanças

“O avanço de bancos e corretoras sobre o segmento de informação econômica é parte da batalha desses gigantes pelo bolso dos clientes que, há pouco tempo, passaram a compreender que existem outras maneiras de colocar o dinheiro para trabalhar, além da poupança tradicional”, avisa Denyse Godoy. Ou o capital financeiro controla diretamente o noticiário, ou controla indiretamente por intermédio do patrocínio a programas informativos. O Jornal Nacional abria com a música Summer of 68’, do Pink Floyd, na esquete publicitária do Banco Nacional na década de 1970. Na atualidade, o JN é patrocinado pelo Nubank que detém a plataforma InvestNews. Como naquela fábula, corta-se as orelhas do cão para o Lobo não pegar o que morder.

Alain de Botton, em Notícias: manual do usuário, atribui o problema ao linguajar do economês. Incompreensível à maioria das pessoas, desperta o sentimento de impotência para mudar as peças no tabuleiro infraestrutural. Coisa que sufoca a esperança em outra realidade socioeconômica, e conduz a uma apatia política. “Acordados à noite na cama, por exemplo, alguns de nós podem se perguntar de maneira inarticulada, mas sincera, por que o mundo construído pelo capitalismo não é (o sentimentalismo é intencional) mais bonzinho. O noticiário é culpado da indignação incoerente. As análises econômicas sufocam habilmente considerações ambiciosas sobre as possibilidades de um mundo mais justo”. Let it be, cantam os Beatles.

A divulgação de notícias sempre esteve ligada à demanda de informações mercadológicas por parte das empresas de corretagem e das casas de comércio. Os cabos transoceânicos lançados entre o Reino Unido e os Estados Unidos, em meados do século XIX, foram financiados em conjunto por financistas e empresas de notícias (a Reuter). O noticiário para investidor não chega a ser novidade. A Bolsa de Valores, com certeza, reflete a melhora ou piora da situação real de centenas de milhares de corporações. Com efeito, impacta no custo de vida. A queixa comum recai nos setoristas, que não injetam emoção ao divulgar os números. A questão troca de sinal quando se mostra evidente uma prestidigitação das agências financeiras. A regulamentação da Comissão de Valores Mobiliários (CVC), amiúde, aparenta estar só enxugando o gelo.

Os proprietários de ficções publicizadas, beneficiados pela ausência da vigilância de terceiros na difusão dos informes, manipulam a opinião pública. O anti-intervencionismo é um discurso cínico e hipócrita na boca dos arautos do livre mercado. Arguir que não é sua vocação resolver as charadas dos economistas ou dos senhores das armas, é tergiversar o assalto à luz do sol sob a pontaria dos algoritmos. Não espanta a descredibilização dos meios de comunicação de massa. Dados recentes do Instituto Gallup, nos EUA, dizem que 39% dos norte-americanos não acreditam em nada da imprensa, 29% não creem muito e 32% creem o suficiente. Os índices despencaram. O trumpismo ajudou na erosão; o bolsonarismo, por igual, entre nós.

Poder das mídias

O modelo transmissor-receptor, que condiciona os meios e a mensagem, beira a inocência diante do arcabouço materialista que transformou a cosmovisão neoliberal em uma nova razão do mundo, há quarenta anos. É ingenuidade restringir a objeção ao formato da cobertura econômica ou à falta de linguagem acessível e atraente. Cobrir informações e estatísticas com a aura da cientificidade busca turbinar a credibilidade do que é veiculado nos boletins técnicos. “A precisão falsamente erudita e ridícula que reveste a opinião pública não interdita os usos ideológicos tradicionais”, aponta Patrick Champagne, em Formar a opinião: o novo jogo político.

O procedimento enquadra-se no que Pedrinho Guareschi, em Os construtores da informação: meios de comunicação, ideologia e ética, chama de “modos e estratégias de operação da ideologia” para, em simultâneo, legitimar e dissimular os seus interesses e cifrões. Por uma opção dos governos e pressão dos mercados, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil não participam da iniciativa. Quanto mais familiar fica a gramática do mercado de capitais para a cidadania, menos se recorre a subterfúgios para ocultar o mecanismo das engrenagens. A etapa política em curso é de subjetivação do modo de racionalizar a sintaxe da Bolsa de Valores. A conversão profunda dos indivíduos em empreendedores de si próprios é o horizonte da distopia.

É fácil entender o alinhamento dos mass media ao ideário neoliberal, às privatizações e ao apetite dos investidores. É natural o apoio para narrativas avessas à política, e favoráveis às governanças tuteladas por tecnocratas. A equipe majoritária de leais e valorosos sanguessugas do Comitê de Política Monetária (Copom), no Banco Central, emergiu na esteira do golpe de 2016. Aos acionistas que parasitam empresas públicas, qual a Petrobrás, o que leva um brilho ao olhar é a transferência de dividendos extraordinários, superiores à praxe das empresas estrangeiras. Locupletam-se, ao revés de investir no desenvolvimento de refinarias da petrolífera brasileira. Em nome da sagrada acumulação capitalista, cometem vilanias e crimes.

Crises institucionais, na acepção de John B. Thompson, no livro O escândalo político: poder e visibilidade na era da mídia, jamais têm as raízes expostas pelos órgãos de imprensa. Na teoria social, o escândalo político é o campo de “lutas pelo poder simbólico, em que reputação e confiança estão em jogo”. É errado subestimar o poder de destruição da simbiose midiático-financeira, cujo combate pretende esvaziar o estoque de reputação e confiança de partidos progressistas, com ênfase no PT e em Luiz Inácio Lula da Silva, junto ao povo.

Contra-hegemonia

Também é um erro considerar que as conjunturas polarizadoras entre a democracia e o neofascismo ensejam as condições para a aliança das classes proletárias com o capital financeiro. Banqueiros e rentistas não estão voltados às necessidades das pessoas ou à redução das desigualdades, senão que ligados às porcentagens oferecidas em investimentos a curto, médio e longo prazos. As viagens do presidente Lula agem como antídotos, empoderando o circuito político internacional para uma resiliência à hegemonia do dinheiro. Trata-se de construir um imaginário político-cultural entre nações, em prol dos direitos do planeta e da humanidade.

A indicação de Belém (PA) para sediar a 30° Conferência da ONU sobre as Mudanças Climáticas (COP-30); a agenda com Joe Biden sobre o trabalho e a ascensão da extrema direita nos dois hemisférios; a proposta de negociação para a paz entre a Ucrânia e a Rússia; a pronta articulação

transnacional para o estabelecimento de um corredor humanitário e um cessar fogo entre Israel e o Hamas, na Faixa de Gaza; as reuniões multilaterais para a formação do acordo entre o Mercosul e a União Europeia; a entrada da Argentina no Brics; o reatamento de relações diplomáticas com a Venezuela e Cuba; são passos decisivos para compor o mosaico geopolítico de nações capazes de cimentar a contra-hegemonia pós-neoliberal no mundo.

No país, com habilidade no espaço institucional, o mandatário-mor negocia no solo histórico do possível. Com relativa maioria congressual, o Executivo aprova projetos que reforçam os laços de solidariedade com os trabalhadores e os vulneráveis. A isenção de imposto de renda, que estava em R$ 1.903,98 desde 2015, pulou para R$ 2.640,00 no ano corrente. A política assistencial do Bolsa Família acelera a reinclusão social. Cresce o otimismo.

O binômio mídias & finanças têm as digitais em fake news e juros altos, desindustrialização e ajuste fiscal, desnacionalização e lawfare, individualismo e pobreza, startup summit e empreendedorismo, infocracia e necropolítica, precarização do trabalho e big techs. Em suas pegadas, encontram-se as táticas de guerrilha contra a felicidade pública e a via de extensão dos predicados sociais, bem como da liberdade pública e a participação nos processos políticos de superação da opressão e exploração, na sociedade. Contudo, o Brasil está vencendo a viralatice.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Roberto Bueno Tales Ab'Sáber Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Musse Anderson Alves Esteves Flávio Aguiar Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Avritzer Valério Arcary Bento Prado Jr. Paulo Fernandes Silveira André Márcio Neves Soares Ricardo Abramovay Vladimir Safatle Manuel Domingos Neto Gerson Almeida Luís Fernando Vitagliano Marcelo Módolo José Raimundo Trindade Antonio Martins Bernardo Ricupero Lorenzo Vitral Paulo Capel Narvai Dennis Oliveira Vinício Carrilho Martinez Leda Maria Paulani Luis Felipe Miguel Eduardo Borges Michael Löwy Jean Marc Von Der Weid Caio Bugiato Gabriel Cohn Fernão Pessoa Ramos Alysson Leandro Mascaro Flávio R. Kothe Tadeu Valadares João Adolfo Hansen Remy José Fontana Luiz Eduardo Soares Celso Favaretto Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff Tarso Genro Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek José Dirceu Eleutério F. S. Prado José Luís Fiori Sandra Bitencourt Antonino Infranca Fernando Nogueira da Costa Renato Dagnino André Singer Ari Marcelo Solon Valerio Arcary Claudio Katz Heraldo Campos Lincoln Secco Armando Boito Atilio A. Boron Henry Burnett Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Denilson Cordeiro Luciano Nascimento Antônio Sales Rios Neto Roberto Noritomi Chico Whitaker Alexandre Aragão de Albuquerque Érico Andrade Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Walnice Nogueira Galvão Marilena Chauí Eugênio Trivinho Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Branco Osvaldo Coggiola Ronaldo Tadeu de Souza Priscila Figueiredo Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Marcos Silva João Carlos Salles Benicio Viero Schmidt Otaviano Helene Carlos Tautz Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Carla Teixeira José Costa Júnior Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa Chico Alencar Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Gilberto Lopes Thomas Piketty Henri Acselrad Juarez Guimarães Luiz Marques João Sette Whitaker Ferreira Gilberto Maringoni Annateresa Fabris José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás Luiz Renato Martins Samuel Kilsztajn Paulo Martins Francisco Fernandes Ladeira Ladislau Dowbor Salem Nasser Michael Roberts Eliziário Andrade Rodrigo de Faria Celso Frederico Afrânio Catani Vanderlei Tenório Ronald León Núñez Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Francisco Pereira de Farias Boaventura de Sousa Santos Maria Rita Kehl Elias Jabbour Alexandre de Lima Castro Tranjan José Geraldo Couto Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais Anselm Jappe Andrew Korybko Ronald Rocha Eugênio Bucci Bruno Fabricio Alcebino da Silva Kátia Gerab Baggio Leonardo Sacramento Bruno Machado Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcos Aurélio da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Freitas Barbosa Marjorie C. Marona Jorge Luiz Souto Maior Milton Pinheiro Berenice Bento Julian Rodrigues Daniel Brazil Daniel Costa Ricardo Antunes Ricardo Fabbrini João Carlos Loebens Lucas Fiaschetti Estevez João Feres Júnior João Lanari Bo Marcus Ianoni Jean Pierre Chauvin Dênis de Moraes Manchetômetro Luiz Costa Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada