As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A comunidade que vem

Arshile Gorky (1904-1948), Last Painting (The Black Monk), 1948.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RONALDO TADEU DE SOUZA*

Comentário sobre o livro de Giorgio Agamben.

Ruptura das identidades. Profanação das gramáticas estáticas. Desabamento das instituições. Crítica material-negativa da representação (política). Com efeito, o objetivo deste texto é apresentar uma brevíssima leitura – uma centelha apenas, que acende, busca despertar e se apaga – filológica do ensaio A comunidade que vem de Giorgio Agamben, filósofo italiano de presença marcante no âmbito das ciências humanas contemporâneas (com trabalhos na área de literatura, direito, política, teologia, artes e também filologia).

Minha apropriação toma este ensaio de Agamben como documento ou como expressão cultural-civilizacional de uma possível comunidade de iguais – de uma comunidade de liberdade contingente, não representativa. De seres humanos na sua igualdade pura. Farei uma tentativa, em particular, de interpretar a noção que estrutura o documento agambeniano de uma comunidade política que vem: a noção de qualquer. Assim, e partindo para a parte substancial do texto, a construção do qualquer ou o qualquer é fundamental no vislumbre de uma comunidade (política) de iguais – que quer se expressar como existência igual e não como dispositivos formais, normativos e substantivos de iguais.

Com efeito, a estrutura filológica do qualquer é a possibilidade contingente de que o ser que vem tenha como condição política – a sua não-forma política (e institucional), mas o co-pertencer político. Ou seja, que a política da igualdade se forje no pertencimento a uma linguagem que se abandone, se lance, na vivência de mediações ausentes. O que Agamben quer nos chamar a atenção em A comunidade que vem é para a circunstância de que ao imaginarmos uma forma de vida em uma suposta sociedade de iguais – e livres – devemos pretender que esta seja não uma sociedade enquanto tal, mas uma comunidade na qual a linguagem adquira o sentido do ter-lugar na imanência absoluta.

Pensar uma comunidade de iguais é pensar a língua como a materialidade que se toca; é como se na comunidade que vem superássemos a linguagem como um dispositivo sagrado que está abstraído dos seres por regras e normas de diferenciação, em direção a uma linguagem do pertencimento. Diante ao qual o falar irrompa como língua como. (Está é uma exigência da geração política atual…) Deste modo, na comunidade que vem (de iguais…) o qualquer agambeniano é destituído de singularidades. A filologia dos iguais, e agora em cito Agamben: “é a coisa com todas as suas propriedades, nenhuma das quais [porém a] constitui” (2013, p. 27).

É que a noção do qualquer como linguagem de iguais expressa o politicidade dos sem classe – ou da propriedade nenhuma. Aqui a filologia política de Agamben age como documento presentificado do Manifesto… de Marx. Em que as identidades construídas pela diferenciação-capitalista tornam inviável o ser-comum-da linguagem. Mas os sem classe agambeniano é a língua comum da (eu cito Agamben) “nova humanidade planetária […] que comunica apenas a si mesma” (Idem, p.64). Como Fanon: Agamben quer salvar o homem – as mulheres, as negras, os negros, os gays, os trans. É a vida que deve surgir no desvio insubmisso-profano das representações sociais.

Para terminar essas breves reflexões: exponho a noção do qualquer como figura do fora e como a hipótese Bloom (referência que Agamben retira do Ulysses de James Joyce) pensando a ação política como filologia política, e neste ponto eu encerro a comunicação. A figura do fora é a não-representação da linguagem. Se a singularidade impõe às sociedades humanas e civilizadas uma fala de diferenciação, e consequentemente, de desigualdade, isto ocorre porque aqui o “ser” está transitando dentro dos dispositivos em geral, dos dispositivos da língua limitada pelo conceito determinado, na qual o pertencimento revela-se um confinar da linguagem. Significa, portanto, que o fora na filologia agambeniano é a exterioridade do ser-tal, é o lançar-se do ser no co-partilhar, no co-pertencer de uma língua comum da política.

Citando Agamben, novamente; “O fora não é um outro espaço que jaz para além de um espaço determinado […] [ele] é a passagem, a exterioridade que […] da acesso […] a experiência do […] mesmo” (Idem, p. 64) da política comum. O qualquer como figura do fora é o acesso à capacidade de exteriorização pura do ser – por oposição e resistência aos dispositivos normatizados que constituem a singularidade limitada. Abre-se assim, a hipótese Bloom como possibilidade proposta pelo documento escrito por Agamben como filologia política que estruture a ação política na atualidade. Quer dizer a necessidade de sermos Bloom, ou seja, sermos um homem estrangeiro a si mesmo e sem resistência da sua condição diante da língua singular da dominação estatal, mercadológica e da sociedade do espetáculo, para no mesmo passo tornemo-nos Blooms quaisquer e negarmos as singularidades identitárias dos dispositivos e alcancemos o ser-na-linguagem comum como política da igualdade.

Como se na Comunidade que vem pudéssemos dizer como Bloom no Ulysses (antes não podemos deixar de lembrar o poeta Augusto de Campos que enunciou o “Bolchevismo literário”, extinção do “fascismo” – o passo da negatividade para a comunidade contingente e livre) “ao caminhar por e através de nós mesmos, conseguíssemos dizer “Eu. Ele. Velho. Jovem […] o homem [a mulher-gay-negro-branca-indígena-negra-o não idêntico], […] a língua do amor” (2004, pp. 279, 352, 357).

*Ronaldo Tadeu de Souza é pesquisador de Pós-Doutorado no Departamento de Ciência Política da USP.

Referência


Giorgio Agamben. A comunidade que vem. Belo Horizonte, Autêntica, 104 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henri Acselrad Luís Fernando Vitagliano Leda Maria Paulani Eliziário Andrade Juarez Guimarães Antônio Sales Rios Neto Berenice Bento Dennis Oliveira Vanderlei Tenório Yuri Martins-Fontes Ronald León Núñez Rafael R. Ioris Mário Maestri Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira Annateresa Fabris Tadeu Valadares Luiz Marques André Márcio Neves Soares Ronald Rocha Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Trivinho José Dirceu Érico Andrade Luiz Roberto Alves João Lanari Bo Ricardo Fabbrini Flávio R. Kothe Jean Pierre Chauvin Marcos Silva Lorenzo Vitral Jorge Branco Francisco Pereira de Farias Marcelo Guimarães Lima Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Thomas Piketty Vladimir Safatle Paulo Capel Narvai Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro Luiz Eduardo Soares André Singer Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Fernandes Silveira Samuel Kilsztajn Roberto Noritomi Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva José Luís Fiori Atilio A. Boron Remy José Fontana Mariarosaria Fabris Slavoj Žižek Priscila Figueiredo Michael Löwy Marilena Chauí Ari Marcelo Solon Gilberto Maringoni Liszt Vieira José Raimundo Trindade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Afonso da Silva Boaventura de Sousa Santos Luiz Werneck Vianna Salem Nasser Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos Rodrigo de Faria João Carlos Salles Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais José Geraldo Couto Manuel Domingos Neto Gerson Almeida Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Gilberto Lopes Airton Paschoa Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Anselm Jappe Fábio Konder Comparato Afrânio Catani Carlos Tautz Marcelo Módolo Claudio Katz Kátia Gerab Baggio Denilson Cordeiro Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Bucci José Costa Júnior Alysson Leandro Mascaro Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos João Paulo Ayub Fonseca Marjorie C. Marona Eleonora Albano Lincoln Secco Otaviano Helene Henry Burnett Marcus Ianoni Sergio Amadeu da Silveira Rubens Pinto Lyra Dênis de Moraes Antonio Martins Benicio Viero Schmidt Antonino Infranca Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Daniel Costa Bruno Machado Daniel Brazil Manchetômetro José Machado Moita Neto Valerio Arcary Vinício Carrilho Martinez Renato Dagnino Michael Roberts Plínio de Arruda Sampaio Jr. Osvaldo Coggiola João Carlos Loebens Heraldo Campos Luis Felipe Miguel Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Boff Walnice Nogueira Galvão Elias Jabbour Milton Pinheiro Anderson Alves Esteves Paulo Martins Luciano Nascimento Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Costa Lima Valério Arcary Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Alexandre de Lima Castro Tranjan Alexandre de Freitas Barbosa Maria Rita Kehl Ladislau Dowbor Caio Bugiato Roberto Bueno Luiz Renato Martins João Adolfo Hansen Andrew Korybko Ricardo Musse Ricardo Antunes Carla Teixeira Celso Favaretto Julian Rodrigues Gabriel Cohn Luiz Bernardo Pericás Leonardo Avritzer Paulo Nogueira Batista Jr Celso Frederico Leonardo Sacramento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada