Arena ou sala de aula?

Imagem: Dóra Maurer
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

“Limitar uma mudança educacional radical às margens corretivas interesseiras do capital significa abandonar de uma só vez, conscientemente ou não, o objetivo de uma transformação social quantitativa”

(István Mészáros. A educação para além do capital).

 

A essa altura da história, seria esperado que os pais e os alunos-clientes, atendidos pelo estabelecimento de ensino, já tivessem aprendido a lição preliminar de quem examina a linguagem: não há discurso desinteressado e apolítico.

 

O professor que atua há algum tempo na sala de aula notará como o senso comum contamina a visão de mundo, o discurso e a postura de seus alunos. Pelo menos desde meados de 1980, as instituições de ensino no país passaram a se alinhar acriticamente às pautas neoliberais, gestadas na América do Norte e na Europa durante as décadas anteriores.

Levando em conta a agenda econômica em vigor no Brasil, é preciso situar o lugar ocupado pelo país no desconcerto internacional, especialmente quando se defende e professa o ensino libertário, ou seja, quando se recorre a um método que pressupõe o diálogo e favorece a formação de seres pensantes e sensíveis, razoáveis e solidários.

Dito isso, todo e qualquer tema pode ser matéria de estudo e reflexão na sala de aula. Somente um sujeito de má-fé (ou muito ingênuo) fingirá acreditar que o professor deve atuar como um robô mal remunerado, capaz de se ater estritamente aos conteúdos do livro didático ou da apostila de ensino. Essa caracterização do educador puramente técnico, apartidário, com discurso neutro e não-ideológico, não passa de quimera. A essa altura da história, seria esperado que os pais e os alunos-clientes, atendidos pelo estabelecimento de ensino, já tivessem aprendido a lição preliminar de quem examina a linguagem: não há discurso desinteressado e apolítico.

Por sinal, foi numa sala de aula, aos quinze anos, que aprendi a esse respeito com a professora Wanda Antunes: o discurso anti-filosófico tem matriz filosófica. Analogamente, pode-se afirmar o mesmo quanto ao suposto combate à ideologia: nada há de mais ideológico que negar a diversidade; ignorar as contradições; minorar as fraturas e desigualdades sociais, culturais e econômicas em que estamos inseridos. Aquele que se contrapõe ao ensino de filosofia inventa disciplinas absolutamente questionáveis, que equiparam “projeto de vida” à reflexão profunda, supondo que formar o aluno cidadão equivale a preparar o estudante para se submeter às violentas regras do mercado.

Como dizia, pode-se discutir de tudo em sala de aula. Num país oficialmente laico desde sua primeira constituição republicana (1891), deveria ser natural comparar as religiões e discutir as diferentes conformações de seus representantes. Isso não implica questionar a fé – que é questão de foro íntimo. Movimento análogo poderia ser reservado a outras instituições sociais, como a origem histórica do casamento e da família, como a conhecemos; situar a propriedade privada e a luta por terras, num país sabidamente desigual como este; conceituar os regimes de Estado e os sistemas de governo; refletir sobre a manutenção do Estado de direito, bem como o teor das leis, regimentos e normas que nos regem; defender a importância da ciência, o papel da internet etc.

Infelizmente, parece haver confusão entre tratar a entidade mercado como tema de aula e enxergar a sala de aula como apêndice mercadológico. A questão é relativamente simples. Se aceitarmos que a classe é fórum reservado ao estudo de teorias, fórmulas, mapas, organismos e astros; se é um dos raros ambientes propícios à análise crítica de discursos e ao exame de dados e situações que favorecem a reflexão sobre práticas antigas ou correntes, ela não pode ser convertida em arena em que alunos e professores aprendam a digladiar segundo as regras da livre-concorrência, em nome da competitividade “saudável”.

Considerando que nossos diálogos cotidianos se dividem basicamente entre Eros e Tanatos, não será razoável defender que a sala de aula seja um reduto que permita discutir contradições inerentes às relações sociais, profissões e empreendimentos? Quando o ambiente se reduz a uma arena do mundinho business, que lugar resta para acolher a formação do conhecimento e estimular a postura crítica – contemplados os variados pontos de vista de alunos e professores?

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete Falas: ensaios sobre tipologias discursivas.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES