O ovo da serpente

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Filipe Campello*

É ingênuo, enfim, querer acreditar que a política é feita com razão e argumentos. Não se pode continuar  caindo nessa armadilha, subestimando o que está sendo germinado no Brasil

Há um mantra no Brasil que reza que as instituições estão funcionando e que, por isso, não há riscos de uma escalada autoritária. Esse argumento de relação causal é, contudo, questionável.

Ainda que se reconheça que, desde a posse de Bolsonaro, o STF tem conseguido com relativo êxito mitigar várias apostas iliberais protagonizadas pelo executivo, isso não é motivo suficiente para se tranquilizar.

A opção pelo recorte metodológico em torno do funcionamento das instituições tem a vantagem do que se pode chamar de eficácia normativa: ela pode p. ex. contribuir para argumentarmos a favor de determinados arranjos institucionais ou analisar comparativamente a relações entre poderes. Por outro lado, essa opção corre o risco de subestimar o impacto de tudo aquilo que ocorre além das instituições.

No submundo das redes sociais, mas não só, o que vemos é um tecido altamente inflamável de mobilização de afetos. Uma faísca poderá catalisar um incêndio com proporções imprevisíveis. Não é difícil p. ex. imaginar que um eventual impeachment possa deflagrar reações bem diferentes das de pessoas se reunindo para entoar “fora Temer”. O comburente que se está respirando não é o de sentimentos de justiça, mas de ódio e desprezo pela pluralidade democrática.

Não por acaso, o discurso adotado pelo presidente é estrategicamente ambíguo. A promessa que se mostra cada vez mais cínica de fidelidade às instituições é continuamente contraposta com um discurso dirigido ao seu séquito. É neste grupo que crescem exponencialmente e sem mais qualquer pudor os brados pela volta do AI-5 e fechamento do Congresso e do STF. Junte-se a isso os ecos típicos de qualquer retórica populista: “Somos nós, o povo, que decidimos”.

Diante de qualquer reação que contrarie o presidente, a reação bolsonarista é a de que não se pode mais tolerar que o Brasil, imagine só, tenha virado uma ditadura (leia-se: “como é possível continuar aceitando que, nesse regime autoritário que vivemos, o presidente continue se submetendo à constituição e ao congresso?”)

Já não adianta – aliás, nunca adiantou – tentar explicar como funciona a democracia. Tampouco adianta querer mostrar que não existe nada parecido com “o povo”, senão um conflito permanente entre opiniões divergentes. Nada disso faz sentido quando o que está em jogo é justamente solapar as instituições democráticas e abominar quem pensa diferente.

É ingênuo, enfim, querer acreditar que a política é feita com razão e argumentos. Não se pode continuar  caindo nessa armadilha, subestimando o que está sendo germinado no Brasil – ou melhor, o que nunca foi enterrado.

Mais do que nunca, a aposta nas instituições requer delas um pulso firme: elas precisam funcionar para dar um basta em quem quer destruí-las. Mas só é possível ter um diagnóstico mais preciso do que está em jogo hoje no Brasil se formos além das instituições e da crença na racionalidade.

*Filipe Campello é professor de filosofia da Universidade Federal de Pernambuco. Foi pesquisador visitante na New School for Social Research (Nova York).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Dennis Oliveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Milton Pinheiro Andrés del Río Celso Frederico Airton Paschoa Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Branco Daniel Costa João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Guimarães Lima José Dirceu Bernardo Ricupero Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro José Costa Júnior João Lanari Bo Marjorie C. Marona Elias Jabbour Paulo Capel Narvai Fernão Pessoa Ramos Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Lopes Heraldo Campos Marcelo Módolo Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Carlos Tautz Armando Boito José Raimundo Trindade Luis Felipe Miguel Paulo Sérgio Pinheiro Salem Nasser Julian Rodrigues Vladimir Safatle Walnice Nogueira Galvão Carla Teixeira Ronald León Núñez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luís Fernando Vitagliano André Márcio Neves Soares Daniel Brazil Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira José Micaelson Lacerda Morais Paulo Martins José Machado Moita Neto Luiz Renato Martins André Singer Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Luiz Eduardo Soares Otaviano Helene Leonardo Boff Luiz Bernardo Pericás Celso Favaretto Alexandre de Freitas Barbosa Chico Whitaker Afrânio Catani Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Marilena Chauí Henry Burnett Marcus Ianoni Andrew Korybko Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral João Feres Júnior Gilberto Maringoni Luiz Marques Denilson Cordeiro Ari Marcelo Solon Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Gerson Almeida Luiz Werneck Vianna Anselm Jappe Jean Pierre Chauvin Francisco Pereira de Farias Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Fábio Konder Comparato Mário Maestri Tadeu Valadares Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Samuel Kilsztajn Juarez Guimarães Ricardo Antunes Antonio Martins Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Eduardo Borges João Carlos Loebens Francisco Fernandes Ladeira Matheus Silveira de Souza Tarso Genro Manchetômetro Bruno Machado Luiz Roberto Alves Flávio R. Kothe Michael Löwy Vanderlei Tenório Marcos Aurélio da Silva Michael Roberts Jean Marc Von Der Weid João Carlos Salles Daniel Afonso da Silva Boaventura de Sousa Santos Érico Andrade Rafael R. Ioris Maria Rita Kehl Ronald Rocha Antonino Infranca Marilia Pacheco Fiorillo Flávio Aguiar Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Annateresa Fabris Eugênio Bucci Atilio A. Boron Priscila Figueiredo José Luís Fiori Kátia Gerab Baggio Michel Goulart da Silva Rubens Pinto Lyra Leonardo Avritzer Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado Gabriel Cohn Ladislau Dowbor Eugênio Trivinho Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Thomas Piketty João Adolfo Hansen Manuel Domingos Neto Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Chico Alencar Liszt Vieira Ricardo Fabbrini Claudio Katz Rodrigo de Faria Eliziário Andrade Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Mariarosaria Fabris Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Musse Berenice Bento Luciano Nascimento

NOVAS PUBLICAÇÕES