As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A conduta de Sergio Moro

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS*

A conduta do ex-juiz e seus parceiros foi um fator decisivo do agravamento da corrupção endêmica no Brasil e tornou a luta contra ela imensamente mais difícil

Causa surpresa nos meios internacionais que o pré-candidato Sergio Moro esteja transformando a sua entrada na política eleitoral num manifesto de defesa da luta contra a corrupção. É demasiado evidente que o seu propósito é tentar lavar o seu infame legado nesta matéria. O fracasso da luta contra a corrupção no Brasil não começou com Moro, mas aprofundou-se de tal maneira com a conduta deste magistrado e dos seus acólitos de Curitiba que qualquer intento de o superar tem forçosamente de significar uma ruptura com tudo o que foi e significou a Lava Jato. À primeira vista, só por cegueira ou patética ignorância se pode imaginar que Moro queira centrar o seu crédito político na sua desastrosa e nefasta conduta.

Sendo a corrupção algo endêmico nas sociedades governadas por neoliberalismo radical, como é o caso do Brasil neste momento, a luta contra a corrupção deve ser uma bandeira importante de qualquer candidato que pretenda propor uma alternativa, mesmo moderada, ao neoliberalismo reinante. Mas para que tal proposta tenha a mínima credibilidade é essencial que ela signifique uma total ruptura com o desempenho lavajatista e uma crítica radical dos seus protagonistas. Aliás, tenho defendido que o lugar destes no atual momento, e depois de tudo o que se soube e provou, não devia ser na política, mas nas malhas da justiça criminal. Esta seria a única maneira de reestabelecer a credibilidade do sistema judicial brasileiro e uma contribuição importante para travar o deslize autoritário da democracia para o qual os prosélitos de Curitiba tão decisivamente contribuíram.

Por que então todo o afã do pré-candidato Moro em defender de modo tão incauto o indefensável? São várias as razões possíveis e talvez só o conjunto delas explique tamanho dislate. A primeira e mais óbvia é que Moro, ao reconstruir politicamente o seu legado, quer que ele passe a fazer parte do elenco da política brasileira e, se assim for, ele deixa de ser a perversão a evitar para se transformar no modelo a seguir. Esta será também a melhor maneira de eliminar da memória coletiva os ilícitos disciplinares e criminais que poderão ter sido cometidos por ele e pelos seus comparsas. A segunda razão é que Moro, enquanto figura política, é uma criação do intervencionismo dos EUA no continente e no mundo. Não tem, portanto, outro conteúdo político senão o da “luta contra a corrupção”. Sem esta luta, é um ser político vazio. Com ela, é um ser político útil aos interesses norte-americanos.

A terceira e talvez mais profunda razão (da qual ele nem sequer se aperceberá dado não parecer ser dado a exercícios de reflexão) reside em que, ao defender a sua conduta, Moro afirma uma certa política de corrupção que só pode prosperar se a corrupção na política continuar. A específica politização da luta contra a corrupção que ele protagonizou redundou no aprofundamento da corrupção na política, como revelam os dados recentes da CPI, atingindo, aliás, setores (forças armadas) que até agora se afirmavam imunes à corrupção. A mensagem subliminar do seu programa político é, pois, a de que, com ele, a corrupção na política poderá continuar sem grande sobressalto, uma vez que a luta contra ela será desenhada para fracassar nos seus objetivos.

Em face disto e pensando que o novo ciclo político brasileiro queira dar um combate efetivo à corrupção, alinho a seguir algumas lições da experiência comparada, que felizmente é diversificada. Só para dar alguns exemplos, aos fracassos da China, Rússia, Brasil ou Indonésia podem contrapor-se os êxitos de Singapura, Dinamarca e Finlândia. A primeira lição é que a luta contra a corrupção não pode ser política, no sentido de que tem de ser imparcial e não seletiva, não podendo de modo nenhum ser usada como arma contra opositores políticos. A segunda é que deve assentar em forte vontade política e num consenso ativo dos cidadãos. Só assim será possível canalizar fundos suficientes para lutar eficazmente. A luta eficaz, que não assente na vitimização fácil de supostos corruptos e no protagonismo insensato dos seus perseguidores, é uma luta muito cara e muito exigente (em pessoal e recursos). A terceira lição é que deve dirigir-se às causas e não aos sintomas da corrupção. As causas variam de país para país mas, em geral, os seguintes fatores tendem a estar presentes: um sistema político insuficientemente participativo e transparente para tornar a tentação corruptiva pouco atrativa; se à falta de participação e transparência se juntar a descentralização, o convite à corrupção torna-se irrecusável; um sistema criminal ineficiente que torna o cálculo do infractor num exercício de racionalidade pragmática: a recompensa com o ato corruptivo é muito superior ao risco de ser punido por ela; baixos salários dos funcionários públicos, sobretudo se combinado com a excessiva burocratização da ação administrativa do Estado; uma cooperação internacional enviesada que seleciona os alvos políticos e econômicos e invisibiliza os corruptores, sem os quais não há corrompidos. A “cooperação internacional” de que fala Moro é a guerra económica conduzida pelos EUA, através do Departamento de Justiça e da Foreign Corrupt Practices Act, contra empresas estrangeiras que concorram com as norte-americanas. A grande empresa francesa do sector energético Alstom não resistiu melhor ao ataque e à compra final pela GE norte-americana do que as empresas alvejadas pela Lava Jato no Brasil poderão resistir. E a procissão ainda vai no adro.

Esta enumeração parcial das causas mostra que a conduta de Sergio Moro e seus parceiros foi um fator decisivo do agravamento da corrupção endêmica no Brasil e tornou a luta contra ela imensamente mais difícil. Será que o pré-candidato pensa genuinamente que os brasileiros não se darão conta disto?

*Boaventura de Sousa Santos é professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Autor, entre outros livros, de O fim do império cognitivo (Autêntica).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro Andrew Korybko Daniel Afonso da Silva Ladislau Dowbor Eduardo Borges José Dirceu Paulo Capel Narvai Heraldo Campos Milton Pinheiro Caio Bugiato Roberto Bueno Eleutério F. S. Prado Flávio Aguiar Lorenzo Vitral Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Claudio Katz Marcos Aurélio da Silva Airton Paschoa Slavoj Žižek Afrânio Catani Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Salles Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Gilberto Maringoni Rodrigo de Faria Bruno Machado Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Antonino Infranca Denilson Cordeiro Luiz Marques Ricardo Fabbrini Chico Alencar Érico Andrade Luís Fernando Vitagliano Salem Nasser Manchetômetro Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Jean Marc Von Der Weid Atilio A. Boron Marcelo Módolo Luiz Eduardo Soares Igor Felippe Santos Gerson Almeida Eugênio Bucci Leonardo Sacramento Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Osvaldo Coggiola Celso Frederico Remy José Fontana Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Lopes Vanderlei Tenório Luiz Costa Lima Sergio Amadeu da Silveira Dênis de Moraes Marilena Chauí Marjorie C. Marona Marcos Silva Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Branco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carlos Tautz Gabriel Cohn José Geraldo Couto Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Mariarosaria Fabris Vinício Carrilho Martinez Sandra Bitencourt Priscila Figueiredo José Costa Júnior Yuri Martins-Fontes Henri Acselrad Ronald León Núñez Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Loebens Eliziário Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior André Márcio Neves Soares Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Eleonora Albano Ricardo Antunes Armando Boito Lincoln Secco Paulo Fernandes Silveira Thomas Piketty Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins Daniel Brazil Luis Felipe Miguel Paulo Martins Renato Dagnino Tarso Genro Carla Teixeira Otaviano Helene Fábio Konder Comparato Leonardo Avritzer Elias Jabbour Flávio R. Kothe Manuel Domingos Neto Eugênio Trivinho Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Ronald Rocha Juarez Guimarães Michael Roberts João Feres Júnior Anselm Jappe Francisco de Oliveira Barros Júnior Walnice Nogueira Galvão Valério Arcary Benicio Viero Schmidt Boaventura de Sousa Santos João Sette Whitaker Ferreira Roberto Noritomi Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos João Adolfo Hansen Bento Prado Jr. Celso Favaretto Maria Rita Kehl Michael Löwy Marcelo Guimarães Lima José Luís Fiori Chico Whitaker João Lanari Bo André Singer Henry Burnett Luiz Renato Martins Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira Mário Maestri Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Francisco Pereira de Farias José Raimundo Trindade Leonardo Boff Ari Marcelo Solon Luiz Roberto Alves Antônio Sales Rios Neto Vladimir Safatle Tales Ab'Sáber Rubens Pinto Lyra Ricardo Abramovay Liszt Vieira Marcus Ianoni José Machado Moita Neto Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Costa Ricardo Musse Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada