Governo Lula – a oportunidade de um bloco histórico

Imagem: Rodrigo Souza
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GERSON ALMEIDA*

O avanço da concentração da riqueza deixa cada vez mais claro que os verdadeiros beneficiários da ordem social atual são basicamente os muito ricos

Uma singela proposta do governo para começar a taxar fundos exclusivos (criados para um único investidor) e os fundos offshore e trusts, mesmo que atinja apenas 2.500 pessoas (0,001% da população), acionou um acalorado debate nos meios de comunicação. Mais intenso que o aquecimento global e o aumento acelerado de eventos climáticos no planeta, que dizem respeito a toda a humanidade. Por que isso acontece?

É que esse pequeno grupo de pessoas acumula, segundo o Ministério da Fazenda, um patrimônio de R$ 820 bilhões, uma concentração de riqueza escandalosa que lhes confere o poder de decidir as coisas que serão discutidas e, também, as que serão omitidas. Ao longo da história, as classes beneficiárias de riqueza e de poder, sempre tentaram transformar os seus interesses particulares em “interesse da sociedade”, ou “interesse nacional”.

Os muito-ricos no Brasil são um pequeno grupo de pessoas, mas são donos e/ou investidores importantes nas empresas que mais dinheiro destinam à publicidade nos meios de comunicação de massas (rádios, jornais, televisões, internet, etc.) e, ainda, estão muito bem assentadas na maioria das instâncias de decisão, dentro e fora do Estado. Situação que os coloca em uma posição privilegiada para diuturnamente tentar moldar a formação da opinião na sociedade, assim como construir um arcabouço legal que seja amplamente adequado à defesa e reprodução dos seus interesses.

Um bom exemplo do poder de construir normas em seu favor, nos é apresentado pelo Sindicado dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco) ao revelar a diminuição da alíquota média de imposto de renda cobrada dos muito-ricos, entre os anos de 2019 e 2021. Eles detém uma renda anual declarada, maior do que R$ 4,2 milhões e pagaram uma alíquota de 5,4%, em 2021; menor do que a alíquota de 6% que haviam pago, em 2019.

O sistema tributário brasileiro é extremamente gentil com o andar de cima e permite que eles tenham muitas “rotas de fuga” do pagamento de impostos, como a permissão de transformar a parte mais relevante da sua renda em lucros e dividendos pagos pelas suas próprias empresas e isentar esses ganhos de qualquer tributação. Apenas no ano de 2021, o montante dos valores pagos em lucros e dividendos pelas empresas alcançou a casa dos R$ 555 bilhões… limpinhos de impostos. Enquanto isso, há uma super-tributação sobre os baixos salários, ao ponto de quem ganha entre R$ 1.903 e R$ 2.826, pagar uma alíquota de 7,5%; e para aqueles que ganham até R$ 4.664,00, a alíquota é de 22,5%.

Mesmo com essa escancarada desigualdade, sobram “especialistas” que desaconselham qualquer tributação das grandes fortunas, mas omitem a super-tributação existente sobre os baixos salários. Os pregadores da seita neoliberal não param de cultuar o estado-mínimo, com limitações rígidas ao gasto público e precarização dos serviços para a sociedade; ao mesmo tempo em que defendem um estado-forte o suficiente para proteger as obscenas riquezas dos muito-ricos e o emaranhado de leis e normas em seu favor.

Sempre em que as lutas sociais ameaçam romper o consenso em favor dos poderosos na sociedade, eles sabem que podem contar com governos e forças policiais decididas a fazer de tudo para impedir qualquer risco aos seus privilégios. E quando algum governo não mostra essa disposição para defendê-los, eles não economizam esforços para desestabilizar e/ou apoiar golpes, como vimos recentemente com o governo de Dilma Rousseff.

A luta pela hegemonia na sociedade

Foi exatamente para explicar a capacidade de tornar os interesses particulares de uma classe em “interesse geral”, que Antonio Gramsci cunhou a expressão hegemonia e a definiu como o processo de “naturalização da dominação dos valores e interesses de uma classe sobre o conjunto da sociedade”. Como os verdadeiros beneficiários são numericamente pequenos, esse grupo só pode exercer a hegemonia se atrair ouros setores sociais para formar o que Antonio Gramsci chamou de “bloco hegemônico”, cuja função é justificar a ordem injusta e os arranjos que a sustentam e legitimam.

O ápice desta dominação é transformar os argumentos das elites e a lógica de funcionamento da sociedade sobre a qual o seu poder está assentado, em senso-comum a “concepção de mundo absorvida acriticamente pelos vários ambientes sociais e culturais nas quais se desenvolvem a individualidade moral”.

É por isso que propostas ainda muito modestas, como a taxar fundos nos quais apenas os super-ricos, 2.500 pessoas investem, produzem tanta resistência e obriga os funcionários da ordem existente a fazerem todo o tipo de malabarismo para desacreditá-las.

Os privilégios precisam ser expostos

Os momentos em que esse tipo de discussão aparece no debate público são uma grande oportunidade de expor o conjunto dos privilégios que beneficiam os muito-ricos e demonstrar o quanto essas imensas desigualdades nunca foram um desígnio da natureza, mas resultado de um arranjo de poder que serve, sobretudo, aos interesses de 1% da população, os super-ricos. A sua média de renda é de 372 mil euros (quase R$ 1,2 milhão), em paridade de poder de compra e detém mais de um quarto (26,6%) dos ganhos nacionais, segundo o Laboratório das Desigualdades Mundiais.

Se o parâmetro for patrimônio, a desigualdade no Brasil é ainda maior do que a de renda. Em 2021, os 50% mais pobres tinham apenas 0,4% da riqueza brasileira (ativos financeiros e não financeiros, como propriedades imobiliárias), enquanto o 1% mais rico detinha 48,9% da riqueza nacional. É isso mesmo, a metade mais pobre da população brasileira divide apenas 10% do total da renda nacional, ainda de acordo com o Laboratório das Desigualdades Mundiais, dirigido pelo economista francês Thomas Piketty. Se considerarmos apenas as crianças de até 6 anos de idade – considerada a primeira infância, período fundamental para o desenvolvimento das funções cognitivas e motoras –, quase a metade (44,7%) delas estão em situação de pobreza, o que significa que o Brasil conta com 7,8 milhões de crianças em situação de pobreza, e 2,2 em situação de pobreza extrema, de acordo com dados do Data Social de PUCRS. Esse é o futuro sombrio que a permanência do atual modelo nos reserva.

Precisamos desconstruir o bloco hegemônico

A hegemonia neoliberal aprofundou a concentração de riqueza de forma agressiva e mesmo que haja muitas disparidades dentro desse 1% da população e essas diferenças sejam, ainda maiores, se considerarmos o grupo formado pelos demais 99%, a verdade é que a concentração de renda e patrimônio no topo mais elevado da pirâmide (1%) não para de crescer. Para combater essa dinâmica de hiper-concentração da riqueza nas mãos de tão poucas pessoas é preciso que sejamos capazes de imaginar um projeto político democrático que desconstrua o atual bloco hegemônico, incapaz de oferecer algo que não seja ampliar ainda mais as desigualdades.

Um caminho é encontrar identidades que possam unir os interesses dos 99% da população, mesmo que haja uma imensa diversidade entre os diferentes grupos sociais que compõem essa imensa. O avanço da concentração da riqueza, no entanto, deixa cada vez mais claro que os verdadeiros beneficiários da ordem social atual são basicamente os muito-ricos (1%).

Esses, ao se apropriarem de forma exponencial da riqueza e do poder, acabam se distanciando das expectativas e interesse da esmagadora maioria da sociedade, mesmo daqueles setores que ainda reconhecem e se submetem à sua hegemonia. A adesão dos muito-ricos ao bolsonarismo e aos arranjos golpistas para defender os seus interesses, é expressão do declínio do consenso neoliberal e da perda da sua capacidade continuar a ser o portador das expectativas da sociedade.

E nesta brecha que a esquerda e o campo democrático podem articular um projeto que possa incorporar os interesses de todos os grupos socias que estão fadados a perder com a continuidade da atual distopia social. Nas lutas para a construção desse novo bloco histórico, o ponto de unidade é dar uma nova direção à sociedade e transformar as expectativas culturais e materiais da nossa época para tirar a humanidade do beco-sem-saída neoliberal.

*Gerson Almeida, sociólogo, ex-vereador e ex-secretário do meio-ambiente de Porto Alegre.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Fernandes Silveira Eliziário Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn Osvaldo Coggiola Airton Paschoa Paulo Nogueira Batista Jr João Carlos Salles Priscila Figueiredo Afrânio Catani Manchetômetro Heraldo Campos Lincoln Secco Tadeu Valadares Eleutério F. S. Prado Sandra Bitencourt Gilberto Lopes Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto João Paulo Ayub Fonseca Luiz Marques Berenice Bento Ricardo Fabbrini Luís Fernando Vitagliano Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Sacramento Valerio Arcary Luiz Renato Martins Gilberto Maringoni José Costa Júnior Marcelo Guimarães Lima Ronald León Núñez Érico Andrade Henry Burnett Celso Frederico Leonardo Avritzer Paulo Capel Narvai Anselm Jappe Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Michel Goulart da Silva Alysson Leandro Mascaro Andrew Korybko Vladimir Safatle Antonio Martins Carla Teixeira Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Paulo Sérgio Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Lorenzo Vitral Leonardo Boff Matheus Silveira de Souza João Lanari Bo Luiz Eduardo Soares Carlos Tautz Sergio Amadeu da Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald Rocha Mariarosaria Fabris Vinício Carrilho Martinez José Machado Moita Neto Mário Maestri Dênis de Moraes Ricardo Abramovay Yuri Martins-Fontes Eugênio Bucci Renato Dagnino Denilson Cordeiro Eugênio Trivinho Remy José Fontana Bruno Machado Claudio Katz Liszt Vieira Marjorie C. Marona Luiz Bernardo Pericás Maria Rita Kehl Juarez Guimarães Antonino Infranca Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Bernardo Ricupero Francisco Pereira de Farias Luiz Roberto Alves Andrés del Río Daniel Brazil João Carlos Loebens Paulo Martins João Adolfo Hansen Elias Jabbour Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Jean Pierre Chauvin Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Módolo Caio Bugiato Salem Nasser Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Annateresa Fabris Benicio Viero Schmidt Rafael R. Ioris João Feres Júnior Julian Rodrigues Michael Löwy Ricardo Antunes Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Tarso Genro Dennis Oliveira Marilia Pacheco Fiorillo Flávio R. Kothe José Dirceu Leda Maria Paulani Fábio Konder Comparato Francisco Fernandes Ladeira André Márcio Neves Soares André Singer Fernando Nogueira da Costa João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Musse Flávio Aguiar José Raimundo Trindade Henri Acselrad Jorge Branco Eduardo Borges Chico Whitaker Gerson Almeida Marilena Chauí Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Luciano Nascimento Otaviano Helene Bento Prado Jr. Antônio Sales Rios Neto Anderson Alves Esteves Rodrigo de Faria José Geraldo Couto Celso Favaretto Ari Marcelo Solon Gabriel Cohn José Luís Fiori Atilio A. Boron Valerio Arcary Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rubens Pinto Lyra Daniel Afonso da Silva Kátia Gerab Baggio Chico Alencar Marcos Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada