As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Gerd Bornheim

Willem de Kooning, Litho # 2 (Waves # 2), 1960
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por OLGÁRIA MATOS*

Prefácio do livro recém-lançado “Interpretações de linguagens artísticas em Gerd Bornheim” de Gaspar Paz.

A obra Interpretações de linguagens artísticas em Gerd Bornheim compõe o pensamento do filósofo como uma cosmogonia, cujo eixo é o estatuto da arte no mundo contemporâneo. Generosa reconstrução do pensamento de um autor que encontrava nas criações espirituais a faculdade superior de atravessar fronteiras, Gaspar Paz identifica, nas reflexões de Gerd Bornheim, o teatro como “obra de arte total”. Bornheim realiza, nas reflexões de Paz, o ideal goethiano da Weltkultur.

Generoso também este livro, porque Gaspar Paz o completa com material inédito do filósofo que frequentou capitais europeias, entre elas Paris e Berlim, cidades que tantas filosofias e artes produziram e o formaram. Eis por que conferências, aulas, áudios, anotações formam um móbile de ideias, contestando o estilo moralizante dos sistemas, a começar pelo tratamento híbrido de questões, a um só tempo epistemológicas e literárias, políticas e estéticas.

Nas palavras de Paz: “O teatro lhe oferece ainda uma posição especial e diferenciada entre os escritores-filósofos que se preocupam e se dedicam em geral mais ao estudo da literatura ou das artes plásticas. É que, além disso, as interpretações sobre o teatro irão permitir que Bornheim aceda a outras atividades artísticas (poesia, música, artes plásticas, cinema etc.) de forma mais livre e sem os comprometimentos ideológicos que às vezes elegem determinadas manifestações artísticas como hegemônicas em relação às demais. Isso fará com que suas críticas assumam posicionamentos abertos. Por isso o jogo entre filosofia e teatro constitui um dos aspectos mais singulares de suas interpretações”.

Gaspar Paz compreende que, para Gerd Bornheim, a arte não é o Outro da filosofia, mas a maneira privilegiada e peculiar de elucidar, através de história e de experimentação, de afetos e paixões, questões intelectuais. Teatralizando a filosofia, Paz indica como Bornheim transita entre a música, o cinema, a literatura, sempre em “situação”, segundo a livre filiação do filósofo à fenomenologia e ao existencialismo de Sartre e Merleau-Ponty, ou à psicanálise de Freud e à imaginação de Bachelard. Gerd transforma assim o palco do teatro em uma cena mental.

Tragédia e filosofia, literatura e ciências, ideologia e mitologia questionam tanto mitos quanto a “ação racional” a partir da leitura derridiana de Bornheim: “O logocentrismo, para Derrida, valoriza a teoria da identidade do ‘outro’ ao ‘mesmo’. Colocada em xeque a identidade, o primeiro alvo será a dialética hegeliana. Constata-se a crise e exige-se a tomada de partido pela “desconstrução” da metafísica. Aqui Heidegger e Derrida coincidem, como disse Bornheim, na forma de pensar o limite da crise.

A saída de Heidegger nesse panorama está na volta a uma origem poética da linguagem. E Derrida radicaliza de certa maneira esse viés a partir da ‘lógica da margem’. Tal olhar para as margens, de acordo com Bornheim, seria aquele ‘apontar ao outro que não ela mesma’ […]. O significado então é encontrado nesse ‘dar margem’ a outras conotações. O desafio do escritor e do filósofo seria escavar essas significações sem se preocupar demasiadamente com a centralidade do texto, do texto acabado e imbuído de todas as suas prestezas comunicativas”.

Neste sentido, o romancista, o dramaturgo, o músico, o cineasta, o cientista e o filósofo ultrapassam um fechamento disciplinar, associados, no pensamento de Bornheim, a uma “pedagogia”, como em Brecht, ou ao “teatro do oprimido” em Boal, mas segundo um embaralhamento entre engajamento e distanciamento, com o que se subverte o universo moral do leitor e do espectador. A relação entre o espírito e a letra se expressa na recusa da boa consciência e do conforto moral, no desmascaramento da má-fé, visando uma moral da autenticidade, que não se apoie em ideologias.

Buscando no particular o universal, Bornheim aproxima, nos mostra Gaspar, o teatro no Brasil ao Brasil de Gilberto Freyre em suas reflexões sobre a preguiça como categoria crítica do trabalho forçado e martirizador, conformando o Brasil às exigências do moderno teatro global: “A riqueza do experimentalismo era um tema internacional, e de certa forma as preocupações de base eram as mesmas. Para Bornheim, algumas matrizes fundamentais são recorrentes, como por exemplo a relação entre palavra e corpo, a historicidade, os problemas sociais e a exploração dos caminhos da linguagem no pensamento de autores como Brecht, Antunes Filho, Zé Celso Martinez Corrêa, Augusto Boal, Ariano Suassuna, Nelson Rodrigues e Gerald Thomas. Embora apresente uma diversidade de posicionamentos, a preocupação com a temática é constante”.

A precedência da linguagem nas reflexões sobre as artes em Bornheim tem o sentido de crítica tanto da arte pela arte quanto do realismo sedentário que repete o status quo. Porque não há um sentido último das coisas, Beckett representa para Gerd um ultimatum artístico, como a guilhotina para Julien Sorel e sua meditação de prisioneiro em O vermelho e o negro, o arsênico para Madame Bovary, a epilepsia para o príncipe Muchkine no Idiota, a morte para o Estrangeiro de Camus. Por isso, Gaspar observa: “Foi a partir da constatação de uma atmosfera carente de sentido em diferentes domínios que emergiram as discussões sobre a historicidade e as ideologias; a totalidade e os absolutos; as diversas mudanças de enfoque e ênfase nas atividades artísticas e filosóficas; a avaliação da ruptura com o passado e as tradições; as vanguardas e a valorização das artes populares; as novas inspirações da criatividade artística contemporânea; o problema da normatividade e os rompimentos com as leis da beleza e com as verdades metafísicas; as articulações sociais, políticas e científicas que envolvem o panorama das artes e põem em tela discussões em torno da alteridade, diferença e desconstrução, enfoques que contribuíram para a visualização e o entendimento de um aspecto caro a toda uma geração: o tema da linguagem”.

Porque filosofia e artes se exigem eletivamente, porque encenam a linguagem em vez de apenas utilizá-la como instrumento, e porque cada obra, para existir, necessita do comentário que lhe garante perpetuar-se e durar, a linguagem, em Gerd Bornheim, nos mostra Gaspar Paz, cria um discurso que, ao modo de Barthes, não é epistemológico, mas dramático.

*Olgaria Matos é professora titular de filosofia na Unifesp. Autora, entre outros livros, de Palíndromos filosóficos: entre mito e história (Unifesp).

Referência


Gaspar Paz. Interpretações de linguagens artísticas em Gerd Bornheim. Vitória, Edufes, 2021.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valerio Arcary Mário Maestri Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Bruno Machado Luis Felipe Miguel Marcelo Módolo Eliziário Andrade José Geraldo Couto Carla Teixeira Samuel Kilsztajn Airton Paschoa Armando Boito Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald Rocha Daniel Afonso da Silva Chico Alencar Annateresa Fabris Sandra Bitencourt Francisco Fernandes Ladeira Berenice Bento Luiz Werneck Vianna Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro Ricardo Fabbrini Paulo Fernandes Silveira Anselm Jappe Liszt Vieira Lincoln Secco Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Valério Arcary Francisco de Oliveira Barros Júnior Lorenzo Vitral Marilena Chauí Chico Whitaker Daniel Costa João Carlos Salles Celso Favaretto Ricardo Musse Maria Rita Kehl Afrânio Catani Leonardo Sacramento Heraldo Campos Priscila Figueiredo Slavoj Žižek Luís Fernando Vitagliano Paulo Martins Marcus Ianoni Michael Roberts Luiz Bernardo Pericás Remy José Fontana Alexandre de Freitas Barbosa Jean Pierre Chauvin Antonio Martins Renato Dagnino Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Leonardo Boff Mariarosaria Fabris Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Lopes Igor Felippe Santos Julian Rodrigues Michael Löwy Everaldo de Oliveira Andrade Alysson Leandro Mascaro Walnice Nogueira Galvão Marilia Pacheco Fiorillo José Machado Moita Neto Francisco Pereira de Farias Rafael R. Ioris Henri Acselrad Marcelo Guimarães Lima José Costa Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Sergio Amadeu da Silveira Marjorie C. Marona Marcos Silva Bento Prado Jr. José Raimundo Trindade Fábio Konder Comparato Anderson Alves Esteves Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Henry Burnett João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori Juarez Guimarães Bernardo Ricupero Gilberto Maringoni André Singer Ronaldo Tadeu de Souza Osvaldo Coggiola Paulo Capel Narvai Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Lima Castro Tranjan Andrew Korybko Eduardo Borges Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Luciano Nascimento Roberto Noritomi Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais Thomas Piketty Ari Marcelo Solon Ricardo Abramovay Fernão Pessoa Ramos Atilio A. Boron Luiz Renato Martins João Lanari Bo Flávio Aguiar João Adolfo Hansen Caio Bugiato Jean Marc Von Der Weid Carlos Tautz Kátia Gerab Baggio João Paulo Ayub Fonseca Roberto Bueno Dennis Oliveira Luiz Marques Eleonora Albano Ricardo Antunes Luiz Costa Lima Vinício Carrilho Martinez Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório João Feres Júnior Leonardo Avritzer José Dirceu Vladimir Safatle Tales Ab'Sáber Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior André Márcio Neves Soares Boaventura de Sousa Santos Jorge Branco Ronald León Núñez Tarso Genro Eugênio Trivinho Manuel Domingos Neto Ladislau Dowbor Denilson Cordeiro Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Rodrigo de Faria Luiz Eduardo Soares João Carlos Loebens Salem Nasser Daniel Brazil Elias Jabbour Antonino Infranca Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada