A democracia sócio-ecológica

Imagem: Tom D'Arby
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Se quisermos sobreviver juntos, esta democracia se caracterizará por ser uma cosmocracia, uma geocracia, uma biocracia, uma sociocracia

Estamos todos empenhados em salvaguardar uma democracia mínima diante de um presidente desvairado que continuamente a ameaça. Como vivemos uma crise geral, paradigmática e irremissível, convém já agora sonhar com outro tipo de democracia.

Parto de um pressuposto, segundo dados de cientistas sérios, de que enfrentaremos dentro de poucos anos, devido ao acelerado e irrefreável aquecimento climático, grave risco de sobrevivência da espécie humana. A Terra será outra. Se quisermos continuar sobre este planeta temos que, por primeiro, minorar os efeitos danosos, com ciência e técnica e por fim, elaborarmos um outro paradigma civilizatório, amigável à vida e sentindo-nos irmãos e irmãs de todos os demais seres vivos. Pois possuímos com eles o mesmo código genético de base. Dizem-me: “você é pessimista”! Respondo com José Saramago: “não sou pessimista; a realidade é que é péssima”.

Já em 1962 a bióloga estadunidense Rachel Carson em seu famoso livro A primavera silenciosa (Silent Spring) advertia sobre a crise ecológica já em curso e concluía: “A questão consiste em saber se alguma civilização pode levar adiante uma guerra sem tréguas contra a vida sem destruir a si mesma e sem perder o direito de ser chamada de civilização”. A grande maioria não tem consciência da real situação ecológica da Terra. Por isso, temos de ser incômodos e falar da urgência destas coisas para suscitar a consciência para acolher as mudanças imprescindíveis, caso queiramos continuar sobre o planeta Terra.

Dentro deste contexto realista proponho a atualidade de um outro tipo de democracia: a sócio-ecológica. Ela representaria a culminância do ideal democrático. É uma utopia? Sim, mas necessária. Subjacente a ela vigora também ideia originária de toda a democracia: tudo o que interessa a todos e a todas deve ser pensado e decidido por todos e por todas. Isso se fará de várias modalidades.

Há uma “democracia direta” em pequenas comunidades. Quando maiores, projetou-se a “democracia representativa”. Como, geralmente, os poderosos a controlam, propôs-se uma “democracia participativa e popular” na qual os do andar de baixo podem participar na formulação e acompanhamento das políticas sociais. Avançou-se mais e descobrimos a “democracia comunitária”, vivida pelos povos andinos, na qual todos participam de tudo dentro de uma grande harmonia ser humano-natureza, o famoso “bien vivir”. Viu-se que a democracia é um valor universal (Norberto Bobbio) a ser vivida cotidianamente, uma democracia sem fim (Boaventura de Souza Santos). Face ao risco do colapso da espécie humana, todos, para se salvarem, se uniriam ao redor da superdemocracia planetária (Jacques Attali).

Mais ou menos nesta linha, penso numa democracia socio-ecológica. Os sobreviventes das mutações da Terra, que estabilizaria seu clima médio por volta de 38-40 graus Celsius, estes, como forma de sobrevivência, forçosamente, terão que se relacionar em harmonia com a natureza e com a Mãe Terra. Daí se proporiam constituir uma democracia sócio-ecológica. Social por envolver a toda a sociedade. Ecológica porque o ecológico será o eixo estruturador de tudo.

Não como uma técnica para garantir a sustentabilidade do modo de vida humana e natural, mas como uma arte, um novo modo de convivência terna e fraterna com a natureza. Não obrigarão mais a natureza a se adaptar aos propósitos humanos. Estes se adequarão aos ritmos da natureza, cuidando dela, dando-lhe repouso para se regenerar. Sentir-se-ão não apenas parte da natureza mas a própria natureza, de sorte que cuidando dela, estão cuidando de si mesmos, coisa que os indígenas já sabiam desde sempre.

Esse tipo de democracia sócio-ecológica possui um base cosmológica. Sabemos pela nova cosmogênese, pelas ciências do universo, da Terra e da vida que todos os seres são interdependentes. Tudo no universo é relação e nada existe fora da relação A constante básica que sustenta e mantém o universo ainda em expansão é constituída pela sinergia, pela simbiose e pela inter-retro-relacionalidade de todos com todos. Mesmo a compreensão de Darwin da sobrevivência dos mais adaptados se inscreve dentro desta constante universal. Por isso cada ser possui o seu lugar dentro do Todo. Até o mais débil pelo jogo das interrelações tem sua chance de sobreviver.

A singularidade do ser humano e isso foi comprovado pelos neurólogos, geneticistas, bioantropólogos e cosmólogos, é comparecer como um ser, nó-de-relações, de amorosidade, de cooperação, de solidariedade e de compaixão. Tal singularidade aparece melhor quando a comparamos com os símios superiores dos quais nos diferimos em apenas com 1,6% de carga genética. Eles possuem também uma vida societária. Mas se orientam pela lógica da dominação e hierarquização. Mas nós nos diferenciamos deles pelo surgimento da cooperação e da solidariedade. Concretamente, quando nossos ancestrais humanoides saiam para buscar seus alimentos, não os comiam individualmente. Traziam-nos para o grupo e viviam a comensalidade solidária. Esta os fez humanos, seres de amor, de cuidado e de cooperação.

A ONU já admitiu que tanto a natureza quanto a Terra são sujeitos de direitos. São os novos cidadãos com quais devemos conviver amigavelmente. A Terra é uma entidade biogeofísica, Gaia, que articula todos os elementos para continuar viva e produzir todo tipo de vida. Num momento avançado de sua evolução e complexidade, ela começou a sentir, a pensar, a amar e a cuidar. Surgiu, então, o ser humano, homem e mulher que são a Terra pensante e amante.

Ela se organizou em sociedades, também democráticas, das mais diferentes formas. Mas hoje porque soou o alarme ecológico planetário devemos, com sabedoria, forjar uma democracia diferente, a sócio-ecológica nos termos referidos acima.

Se quisermos sobreviver juntos, esta democracia se caracterizará por ser uma cosmocracia, uma geocracia, uma biocracia, uma sociocracia, enfim, uma democracia ecológico-social ou sócio-ecoógica. O tempo urge. Devemos gerar uma nova consciência e nos preparamos para as mudanças e adaptações que não tardarão em chegar.

*Leonardo Boff é teólogo e filósofo. Autor, entre outros livros, de Habitar a Terra: qual é o caminho para a fraternidade universal? (Vozes).

 

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber João Lanari Bo Gilberto Lopes Andrés del Río Caio Bugiato Paulo Sérgio Pinheiro Annateresa Fabris Vladimir Safatle Marilena Chauí Ricardo Antunes Igor Felippe Santos Lorenzo Vitral Luiz Eduardo Soares Fábio Konder Comparato Paulo Capel Narvai Michael Roberts Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque Afrânio Catani João Paulo Ayub Fonseca André Singer Fernando Nogueira da Costa Luciano Nascimento Leda Maria Paulani Gerson Almeida Luiz Werneck Vianna Denilson Cordeiro Armando Boito Ladislau Dowbor Dennis Oliveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Marques Luiz Renato Martins Eleutério F. S. Prado Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Jean Pierre Chauvin Antonino Infranca João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon Luiz Bernardo Pericás José Dirceu Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Sandra Bitencourt Gilberto Maringoni Michael Löwy Paulo Martins Valerio Arcary Flávio Aguiar Vinício Carrilho Martinez Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe Daniel Brazil Bernardo Ricupero Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luís Fernando Vitagliano Carla Teixeira Chico Whitaker Marcelo Módolo José Costa Júnior Renato Dagnino Carlos Tautz João Feres Júnior Anselm Jappe Samuel Kilsztajn Berenice Bento Ricardo Fabbrini José Raimundo Trindade Celso Favaretto Thomas Piketty Anderson Alves Esteves Marjorie C. Marona Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary Otaviano Helene Eliziário Andrade Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Paulo Nogueira Batista Jr Alysson Leandro Mascaro Kátia Gerab Baggio Luiz Roberto Alves Milton Pinheiro Ronald Rocha Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Marcos Aurélio da Silva Tarso Genro Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho Henri Acselrad Bruno Machado Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Abramovay Manchetômetro Airton Paschoa Marilia Pacheco Fiorillo Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Manuel Domingos Neto Daniel Costa Marcus Ianoni Andrew Korybko Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Eleonora Albano Leonardo Boff Priscila Figueiredo Chico Alencar Remy José Fontana Érico Andrade Julian Rodrigues José Luís Fiori Osvaldo Coggiola Rodrigo de Faria Walnice Nogueira Galvão Gabriel Cohn Ricardo Musse Boaventura de Sousa Santos João Sette Whitaker Ferreira Francisco Pereira de Farias Daniel Afonso da Silva Paulo Fernandes Silveira Michel Goulart da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid José Machado Moita Neto Marcos Silva Alexandre de Freitas Barbosa Jorge Branco Sergio Amadeu da Silveira Fernão Pessoa Ramos Matheus Silveira de Souza Celso Frederico Rafael R. Ioris Henry Burnett Ronald León Núñez Claudio Katz João Adolfo Hansen Vanderlei Tenório Benicio Viero Schmidt João Carlos Salles Mariarosaria Fabris Tadeu Valadares Salem Nasser José Geraldo Couto Elias Jabbour Everaldo de Oliveira Andrade Mário Maestri Eduardo Borges

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada