As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Ninguém disse que seria fácil

Carlos Cruz-Diez, Physichromie 1, 1959
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Considerações sobre o livro récem-lançado de Valério Arcary

“Nossos companheiros são também nossos amigos? Qual a relação entre compromisso militante e felicidade? Devemos confiar nas direções? A militância é uma cruzada moral? Não é necessário discutir a dimensão subjetiva da vida, o sofrimento psíquico?”

Forma é desde sempre conteúdo. E vice-versa. Marx e Engels fizeram o Manifesto Comunista mirando no objetivo de que o panfleto viesse a ser lido e compreendido pela massa dos trabalhadores. Algo, que, a rigor, ainda faz sentido – testemunho pessoal: 142 anos depois, aos 16 anos, ensino médio incompleto, morando no interior de Minas Gerais, estudante de escola pública, eu não só li e entendi, mas também fiz do Manifesto uma referência para toda a vida.

Ao decidir coletar e organizar dezenas de reflexões – aparentemente despretensiosas – antes publicadas em sua página do Facebook e transformá-las em capítulos de livro, Valério Arcary bateu de frente com a lógica do senhor de todas as coisas – o jovem Mark Zuckerberg. Perenizar o pensamento. Registrá-lo e formatá-lo – valorizar a fabulação, o processo intelectual. Evitar que elaborações acabassem na forma de descartável link – fadado a desaparecer nas redes sociais.

O livro tem 42 curtos capítulos (ex-posts). Podem ser lidos de frente para trás, de trás pra frente, do meio pro final, do fim para o início, etc.

A propósito, tópico recorrente, e atualíssimo: ao tratar de religiosidade, o autor enfatiza que ser socialista não tem nada a ver com aderir a uma organização de ateus/ agnósticos.

O programa socialista constitui-se na separação absoluta entre Estado e Igrejas. Não interfere na dimensão da vida privada. A fé (ou a ausência dela) é experiência individual. Entretanto, a luta política contra igrejas reacionárias é legítima e necessária.

Valério Arcary trata de muitos espinhosos temas para qualquer organização de esquerda. Generosamente – preservando sua costumeira elegância coloca o dedo e até mesmo futuca um tantão de feridas. Como os militantes devem se relacionar com as direções de seus coletivos? Como trabalhar em equipe? Quais limites separam vida privada da atuação pública ou apartam a paixão do fanatismo?

A linha geral do autor é: nem credulidade nem idealização. Nem suspeição crônica nem ingenuidade – a militância socialista é um compromisso de vida.

Vida e obra

Dirigente histórico da esquerda brasileira, Valério Arcary conta ter decidido se tornar revolucionário profissional (marxista e trotskista) aos 21 anos.

Nascido no Rio de Janeiro, estudou em Portugal e na França. Vivia em Lisboa na hora mágica na qual explodiu a Revolução dos Cravos. Ainda hoje carrega em seu falar forte acento português, chiando mais que um típico carioca – característica que somada à sua caudalosa oratória, sempre lhe conferiram destaque, um certo charme quase exótico.

De volta ao Brasil em 1978, Arcary integrou-se à Convergência Socialista, organização que ajudou a dirigir por muitos anos. Foi também, por muito tempo, sua principal figura pública.

Corrente trotskista referenciada no pensamento do argentino Nahuel Moreno a Convergência Socialista desempenhou um papel muito importante na criação do PT e da CUT. Tinha implantação significativa no Movimento estudantil e sindical desde meados dos anos 1970 até início dos 1990, formando gerações de militantes.

Em 1992, a Convergência Socialista rompeu com o PT, criando o PSTU. Giro sectário inicial, que acabou por desaguar nas posições atuais do partido, um agrupamento cada vez menor e menos relevante. São anti-Maduro, contra Evo, Cuba, Lula. O nível de sectarismo é tão agudo que se torna dificílimo classificá-los. Disputam com o PCO a posição de seita trosca mais exótica do país.

Muitos setores e quadros deixaram a velha Convergência Socialista ao longo dos anos. Alguns deles permaneceram por muito tempo no PT e depois dedicaram-se a construir o PSOL (como a CST de Babá ou o MES de Luciana Genro, por exemplo).

Valério Arcary, professor de história da rede pública paulista, ajudou a dirigir e foi um respeitado orador que vocalizou as posições da Convergência/PSTU anos a fio.

Em 2016 surgiu no interior do PSTU, o MAIS (movimento por uma alternativa independente socialista), inicialmente tendência interna que liderava forte dissidência e acabou saindo do Partido. Transcorrido alguns meses da ruptura com PSTU, o MAIS deliberou por entrar no PSOL. Valério Arcary, liderança desse agrupamento foi um dos dirigentes principais que operaram o racha (doloroso, imagino) com o PSTU e a relocalização política do coletivo rumo ao PSOL.

Desde sempre respeitado pelos dirigentes dos variados grupos da esquerda (mesmo quando tinha que reverberar atenuando ao máximo os delírios sectários do PSTU), Valério Arcary foi um dos principais impulsionadores do “Lula livre”. Na sequência, torna-se protagonista na construção da aliança PSOL-PT.

Um livro vermelho

Além dos capítulos diminutos, o autor opta também muitas vezes por frases curtinhas. Dicção formatada quase que via aforismos. Por exemplo:

“Nem todo mundo é legal. A tolerância não pode prevalecer com gente desonesta e torta”.

“As correntes políticas de esquerda não estão blindadas contra o perigo burocrático. Mas não é verdade que lideranças individuais são mais confiáveis que coletivos ou tendências”.

“Não precisamos de heróis. Tudo na vida é imperfeito. Confiança ou desconfiança absoluta é uma infantilização. A idealização política é a antessala da desilusão. Lideranças não nascem prontas, são educadas”.

“Não é possível ser socialista sem adquirir hábitos de disciplina para o estudo (..) decisão que exige compromisso permanente com a nossa autoeducação”.

Editado com o usual capricho pela Boitempo, Ninguém disse que será fácil, além de ser leitura prática, deve agradar simultaneamente tanto os ranzinzas velhos comunistas quanto entusiasmados jovens militantes.

Por óbvio ninguém disse que seria fácil. O título é pura provocação. Nos lembra Valério Arcary que a revolução nem é tão difícil assim – ainda menos impossível. O capitalismo segue sendo – dia após dia – máquina cruel e opressora. Talvez Valério Arcary queria mesmo é dizer: todas ferramentas são precárias, lideranças são bem mais ou menos e o programa nunca saberemos exatamente qual é.

O certo mesmo é que contra tudo, contra todos e contra a maioria de nós mesmos, haveremos de vencer. A propósito: quem ousou dizer que seria fácil?

*Julian Rodrigues, jornalista e professor, é ativista de Direitos Humanos e LGBTI.

Referência


Valério Arcary. Ninguém disse que seria fácil. São Paulo, Boitempo, 2022, 160 págs (https://amzn.to/3OWSRAc).

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Werneck Vianna Sandra Bitencourt Antonino Infranca André Singer Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Samuel Kilsztajn Paulo Nogueira Batista Jr Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Michael Roberts Carla Teixeira Celso Favaretto Fernão Pessoa Ramos Érico Andrade Antônio Sales Rios Neto Berenice Bento Elias Jabbour Armando Boito João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Musse Gerson Almeida Henri Acselrad Luiz Marques Roberto Noritomi Roberto Bueno Leonardo Boff Ronald León Núñez Michael Löwy Luís Fernando Vitagliano Slavoj Žižek Daniel Brazil Leda Maria Paulani José Dirceu Ladislau Dowbor Walnice Nogueira Galvão Denilson Cordeiro Igor Felippe Santos Celso Frederico José Machado Moita Neto Tadeu Valadares Paulo Capel Narvai Sergio Amadeu da Silveira Eliziário Andrade Ricardo Antunes Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris Francisco Fernandes Ladeira Caio Bugiato Benicio Viero Schmidt Fábio Konder Comparato Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Eduardo Borges Rubens Pinto Lyra Remy José Fontana Francisco Pereira de Farias Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais Tales Ab'Sáber Luciano Nascimento Luiz Renato Martins Vanderlei Tenório Atilio A. Boron Milton Pinheiro João Carlos Loebens Priscila Figueiredo Eugênio Bucci Alysson Leandro Mascaro José Raimundo Trindade Gilberto Lopes Eleutério F. S. Prado Juarez Guimarães Rafael R. Ioris Gilberto Maringoni Thomas Piketty Bruno Machado Valério Arcary Marcelo Guimarães Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Chico Whitaker Leonardo Sacramento Maria Rita Kehl Mariarosaria Fabris Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria Yuri Martins-Fontes Anselm Jappe André Márcio Neves Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Gabriel Cohn Flávio R. Kothe Alexandre de Freitas Barbosa Renato Dagnino João Carlos Salles Tarso Genro Heraldo Campos Antonio Martins Marcos Aurélio da Silva Jorge Branco Osvaldo Coggiola Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Marcos Silva Ricardo Abramovay João Adolfo Hansen Carlos Tautz José Luís Fiori Liszt Vieira João Lanari Bo Airton Paschoa Daniel Afonso da Silva Luiz Costa Lima Manuel Domingos Neto Vinício Carrilho Martinez Luiz Roberto Alves Marcelo Módolo Claudio Katz Bento Prado Jr. Eugênio Trivinho Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Paulo Sérgio Pinheiro Eleonora Albano Jean Marc Von Der Weid Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Leonardo Avritzer Otaviano Helene Ronaldo Tadeu de Souza José Geraldo Couto Dênis de Moraes Paulo Martins Bernardo Ricupero Daniel Costa Andrew Korybko Fernando Nogueira da Costa Lorenzo Vitral Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Carlos Bresser-Pereira Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares João Paulo Ayub Fonseca Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Afrânio Catani Ronald Rocha Ari Marcelo Solon Luis Felipe Miguel Lincoln Secco Vladimir Safatle Jean Pierre Chauvin Julian Rodrigues João Feres Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada