As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Henrique de Souza Filho, o Henfil

Imagem: Hamilton Grimaldi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ITALO JARDIM*

Uma mente criativa de esquerda antirregime que não deixava passar nada

Em tempos de retomada do autoritarismo, de governo civil-militar, de um renovado e sofisticado sentimento “cucaracho”, a saudade dos combativos e rebeldes vem em forma de nostalgia. Apesar dos tempos difíceis vividos no Brasil da censura e da falta de liberdade (1964-1985), a resistência através das artes e da comunicação era um mecanismo criativo e salutar que atenuava os desgostos de viver sob um regime de exceção. Neste contexto, se destacou o cartunista Henfil.

Henrique de Souza Filho, o Henfil, nasceu em 5 de fevereiro de 1944, em Ribeirão das Neves (MG) e faleceu em 4 de janeiro de 1988, no Rio de Janeiro, aos 43 anos. Iniciou sua carreira como cartunista e foi colaborador de O Pasquim (1969). Um multiartista e criador de personagens icônicos do cartoon brasileiro, era uma espécie de reflexo catalizador do interesse das massas. Respondia à realidade com a irreverência do artista, a habilidade do jornalista e a sagacidade de um ativista antirregime.

Através do jornal dos esportes, conseguiu colocar as torcidas dos times de futebol do Rio de Janeiro no lugar de destaque de suas tirinhas. Flamenguista-roxo, são atribuídos a ele os episódios nos quais a torcida do flamengo levava urubus aos estádios. Já na política, foi a alma de esquerda de um dos principais tabloides da imprensa alternativa que lutava por democracia no Brasil, O Pasquim.

O Brasil nunca foi para amadores e Henfil, em uma carta ao amigo de Pasquim, relata que sua vida pessoal não existia. Seus projetos de férias incluíam terminar livros e editar filmes. Não era somente competente e irreverente, ele adorava o trabalho. Henfil era um gênio em decodificar o poder atrás das informações. Um sujeito popular que compreendia bem a cultura, as formas de linguagem e a comunicação do seu povo.

Era a alma do jornal Pasquim e empurrava para a esquerda e para o confronto a redação e o povo ao mesmo tempo.  Com um humor ácido, desabusado e o sadismo característico travestido em desenho, fazia a história se mover passando um pouco por sua ótica jornalística e política. Sempre criando desafetos e fãs, uma mente de esquerda antirregime que não deixava passar nada. Perdoar, nem pensar. Com seu irmão Betinho, ameaçado pela ditadura, travava lutas permanentemente. Alguns dizem que a hemofilia não o deixava ficar parado. Foi ele que cunhou a expressão “Diretas Já!”, ao final de uma célebre entrevista com Teotônio Vilela. Tratou de inventar o final dela adicionando a pergunta e a resposta: “Diretas quando? Diretas já!”, criando assim a palavra de ordem mais conhecida na luta pela abertura do regime e por eleições diretas no Brasil.

Onde estaria “Os fradim”, “a Graúna”, “O Bode Orelana” e “Zéferino”, personagens infalíveis que outrora deram cara à luta pela democracia? Certamente serviriam ao povo, ajudando a exorcizar os fantasmas que rondam o assassinato brutal de Marielle Franco; desnudando as tentativas torpes de derrubar a frágil, recente e insuficiente democracia brasileira; transformando, ao menos no quadrinho, a revolta da perda de Moa do Katendê, dos mais de mil mortos diariamente em virtude da negligência com a pandemia da COVID19 e outros em ativismo e luta por dias melhores.

Imaginar “Ubaldo” paranoico se mijando de medo tentando sair do país no episódio onde o presidente Bolsonaro, ainda em campanha, ameaça à esquerda com a cruel escolha “cadeia ou exílio”. Ver ressurgir o bode “Olerana” como intelectual que come os livros e hoje debocharia das falas ignorantes de um despreparado no poder. Ao lado de Olerana, o que comeria o Mito? Zéferino enaltecendo a cultura política “a culpa não foi do Nordeste”, se referindo ao pleito de 2018, quando a região demonstrou seu repúdio às posições retrógradas do capitão conservador.

Seria libertador assistir os “Fradins” ironizando o azul e rosa de Damares, na afirmação hipócrita que relaciona gêneros a cores. Aliás, Cumprido e baixinho, eram a personalidade de seu criador. O conflito entre o tabu religioso e a demanda por liberdade, encarnados no sadismo dos personagens davam o tom do humor que colocava o dedo na ferida e cutucava o sistema.

Um de seus personagens mais intrigantes, Cabôco Mamadô, de O Pasquim, enterrava no “Cemitério dos Mortos-Vivos” os desafetos do autor que de alguma forma colaboravam com a ditadura. Num desses velórios, Elis Regina quando viu seu nome no cemitério dos mortos-vivos do Henfil, ficou vesga.  Esculhambou o cartunista. Esse desabafo não teve o efeito esperado por ela: em outro cartoon, Elis reencarnava como o francês Maurice Chevalier, que, em 1945, cantara na Alemanha a convite de Hitler, de acordo com Arthur de Faria, em Elis – uma biografia musical.

Corajosa a atitude de Henfil de enterrar, pelo menos nos jornais, figuras como Roberto Carlos, Pelé e Marília Pêra, sem contar Elis Regina, que depois viraria sua amiga. Afinal, a história tratou de explicar a pressão sofrida por ela para cantar nas olimpíadas militares. E, além da cantora, Henfil só se arrependeu de enterrar no cemitério dos mortos-vivos uma outra pessoa: Clarice Lispector.

Hoje, inevitavelmente assistiríamos o enterro de Silvio Santos, Anitta com uma pá de cal e Ronaldinho Gaúcho, como mais um camisa 10, no cemitério dos mortos-vivos do Caboco Mamadô. Sem contar que o próprio Henfil, com uma língua ferina, não deixaria de comentar que o apresentador do principal programa de domingo teve que vir a público tirar a carapuça que o povo vestiu no presidente, quando ele mencionou a palavra imbecil, durante fala contundente. O imaginário popular ligou os pontos rapidamente e só faltou o Henfil para debochar. Um prato cheio!

Supostos laranjas, vendedores de açaí, Jesus em um pé de goiaba, 15 milhões em leite condensado e 3 bilhões para comprar deputados no meio de uma pandemia. Assunto não falta.

O sentimento Cucaracho, tão bem diagnosticado na própria vivência do Henfil, refletia a sociedade brasileira já em 70, com o “complexo de vira-lata”, expressão sinônima cunhada por Nelson Rodrigues. No Brasil de hoje, ninguém melhor que ele, com seu humor ácido e talento inconfundível dos quadrinhos, para decodificar as fake news que nos levaram a mais uma página sombria de nossa história. Seria inevitável seu deboche peculiar ao atual sentimento de subalternidade visto na continência prestada pelo presidente brasileiro à bandeira dos EUA.

Vítima da aids, Henfil faleceu no Rio de Janeiro em 4 de janeiro de 1988. O cartunista contraiu o HIV em uma das transfusões que realizava com frequência, já que era hemofílico assim como seus irmãos, o sociólogo Betinho e o músico Chico Mário.

Hoje são 259271 mil mortos da pandemia da COVID19 no Brasil, aqui, as vítimas são do despreparo, do negacionismo e da necropolitica que dá continuidade a seu recorte, sendo cruel e implacável com os mais pobres e vulneráveis. A falta do traço rebelde de nosso artista é ainda mais perturbadora quando o tema é a perda precoce e a negligência do Estado.

Precisamos também do retorno da resistência lúdica e das mensagens que ignoram os limites do bom mocismo. A esquerda perdeu e colecionará derrotas se não compreender que precisa recriar a linguagem de comunicação com o povo, e nisso o Henfil era o melhor.

Acostumado a lidar com a ditadura strictu sensu, certamente não hesitaria em dizer que a compra do planalto é um ato ditatorial que dispensa a necessidade das armas para atacar o povo com vestimentas republicanas. Por outro lado, também não perdoaria a esquerda e os progressistas que não tiveram sequer a habilidade para unificar forças contra o neofascismo brasileiro. Mas, isso são hipóteses tolas. A comunicação de Henfil via o que muitos não conseguiam enxergar, sua autenticidade não permite sequer imaginar sua criação. Fiquemos então com a elucubração daquilo que nunca saberemos, mas só de lembrar já traz esperança de que é possível resistir e mudar o estado de coisas que estão aí.

Cabôco Mamadô, traz o irmão Henfil de volta por favor!

*Italo Jardim é historiador, mestre em Relações Étnicoraciais, professor do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato José Micaelson Lacerda Morais Armando Boito Gabriel Cohn João Lanari Bo Andrew Korybko Rodrigo de Faria Everaldo de Oliveira Andrade Celso Favaretto Flávio R. Kothe Luiz Bernardo Pericás José Raimundo Trindade Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Sacramento Daniel Afonso da Silva Valerio Arcary Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa José Costa Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Eleutério F. S. Prado Mário Maestri Luís Fernando Vitagliano Antonino Infranca Eliziário Andrade João Carlos Salles Vladimir Safatle Atilio A. Boron Bento Prado Jr. Lincoln Secco Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira João Feres Júnior Carlos Tautz Anderson Alves Esteves Ronald León Núñez Luiz Eduardo Soares Ricardo Fabbrini Henri Acselrad Michael Löwy Henry Burnett Denilson Cordeiro Vanderlei Tenório Gilberto Lopes Valério Arcary Chico Whitaker Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Michael Roberts Marcelo Módolo Luiz Werneck Vianna André Márcio Neves Soares Caio Bugiato Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Ricardo Antunes Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Bruno Machado Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Paulo Fernandes Silveira João Paulo Ayub Fonseca Paulo Capel Narvai Boaventura de Sousa Santos Gilberto Maringoni Jean Marc Von Der Weid Luiz Costa Lima Marcos Silva Dennis Oliveira João Adolfo Hansen Leonardo Avritzer Airton Paschoa Eugênio Bucci Osvaldo Coggiola Alexandre de Lima Castro Tranjan Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Anselm Jappe Roberto Bueno Leda Maria Paulani Tarso Genro Heraldo Campos José Machado Moita Neto Eduardo Borges Igor Felippe Santos Eleonora Albano Leonardo Boff Tales Ab'Sáber Ronald Rocha Slavoj Žižek Priscila Figueiredo Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Fernandes Ladeira Bernardo Ricupero Francisco Pereira de Farias Dênis de Moraes Vinício Carrilho Martinez Luiz Roberto Alves Marcus Ianoni Paulo Sérgio Pinheiro Renato Dagnino Paulo Martins Marcos Aurélio da Silva Berenice Bento Alysson Leandro Mascaro Jorge Branco Ari Marcelo Solon Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Sergio Amadeu da Silveira Annateresa Fabris Liszt Vieira Manchetômetro Antônio Sales Rios Neto Eugênio Trivinho Sandra Bitencourt Fernando Nogueira da Costa Luis Felipe Miguel João Sette Whitaker Ferreira Roberto Noritomi Daniel Costa Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima Chico Alencar Daniel Brazil Ricardo Abramovay Rafael R. Ioris Gerson Almeida Jorge Luiz Souto Maior Samuel Kilsztajn Antonio Martins João Carlos Loebens Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio Aguiar Luiz Marques André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour Luiz Renato Martins Rubens Pinto Lyra Ladislau Dowbor Thomas Piketty Tadeu Valadares Maria Rita Kehl Bruno Fabricio Alcebino da Silva Benicio Viero Schmidt Paulo Nogueira Batista Jr Claudio Katz Remy José Fontana Ricardo Musse Marjorie C. Marona Celso Frederico Salem Nasser José Dirceu

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada