A sina do economista

Imagem: Mike Bird
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ESTEVAM PEIXOTO*

A linguagem econômica é um contínuo processo de morte que mata primeiro seu hospedeiro e em seguida se alastra por onde encontra espaço

Decidi ser economista quando tinha ainda uns quatro anos, a partir de um acontecimento fulminante. Era uma tarde no início dos anos 2000, estávamos eu e minha mãe no carro, parados no sinal em alguma avenida belo-horizontina, quando observei, através da janela, o aparecimento de outra criança, mais ou menos da minha idade, “pedindo esmola”.

Achei aquilo engraçado. Curioso. E, como uma legítima criança, aluguei o adulto do recinto – minha mãe – com perguntas: “afinal, o que era ‘pedir esmola’? Algum tipo de brincadeira?”, ao que me foi explicado que não se tratava de brincadeira alguma, o que o menino queria era dinheiro porque era pobre; “mas então onde estavam o pai e a mãe dele? Ele estava sozinho na rua?”, de acordo com minha mãe, era possível que sim, porém também poderia haver outras crianças pedintes em sua companhia; “e como ele voltaria para casa?”, eis que Dona Rosana me revelou que talvez aquele menino dormisse na rua, por morar longe, ou que talvez nem casa tivesse!

Essa certamente foi a história de terror mais pesada da minha infância. Eu, que já me desesperava ao me perder de minha mãe no supermercado por instantes, descobria ali que havia crianças cujas vidas eram esse eterno e aflitivo desamparo. A essa altura do campeonato, já era tarde demais. A janela do carro e a proteção materna até podiam tentar separar o meu mundo e o da outra criança, mas essas divisórias não eram à prova de angústia. Não foram capazes de blindar a angústia profunda, o incômodo visceral, que me tomaram e que passaram a me constituir desde então.

É verdade que com quatro anos eu ainda não sabia o que era economia (muito menos economista), porém, à medida em que envelhecia, familiarizava-me com linguagens, termos e conceitos tais como desigualdade social, justiça, ética, filosofia e… economia, que davam conta, de alguma forma, dessa inquietude que se apoderara de mim. Assim, aos quatorze anos já me era claro que eu acabaria no curso de ciências econômicas, ciências sociais, filosofia ou história.

A impaciência desse meu desassossego, que em raros momentos dava trégua, me obrigou a escolher o curso de economia. O senso de urgência em buscar resolver essa angústia que, apesar de parecer minha, constituía todos os espaços em que havia gente (era objetivamente social), ansiava por explicações e soluções concretas, imediatas, de tal modo que ser admitido no mundo das nobres ciências econômicas me parecia a forma mais eficiente de desferir golpe fatal na causa originária de minha angústia, as condições que tornavam, não só possível, mas necessária, a existência de crianças pobres, ou melhor, a existência da própria pobreza.

Afinal, os economistas são poderosos, não são? Homens pomposos de terno, que conseguem entender os humores e vontades do deus Dinheiro, a única divindade a qual todos são fiéis, e, através dessa conexão transcendental, expressam seus mandamentos em língua indecifrável aos mortais. Gráficos bonitos, equações feias e uma autoridade política que daria inveja aos bispos medievais. Esse era o poder do economista que eu queria, para usar para o bem.

O que demorei um tempo para descobrir, no entanto, foi que, apesar de poderosos, os economistas detêm um poder maldito. A “ciência econômica” (é assim que ela gosta de ser chamada) é uma maldição. A linguagem econômica é um contínuo processo de morte que mata primeiro seu hospedeiro, o próprio economista, e em seguida se alastra por onde encontra espaço, de tal maneira que, em determinado momento, sem nos darmos conta, estamos todos falando e pensando em economês, pouco importando se entendemos de fato sobre “economia”.

Mergulhar no mundo da “ciência econômica” e buscar o domínio de sua linguagem foi, na verdade, o caminho mais angustiante possível. Aprendi que não dominamos a linguagem econômica, é ela que nos domina. Aprendi que, via de regra, não se estuda “ciência econômica” para encontrar a liberdade nesse mundo caótico e brutal, pelo contrário, estudamos para nos tornarmos seus servos mais bem comportados, para nos adaptarmos a essa brutalidade e enganarmos nós mesmos e os outros, tentando convencer que não há caos algum, há, no máximo, algumas peças fora do lugar. O economista é, no final das contas, um enganador profissional.

O jovem que entrou no curso de economia porque queria ser rico, o sujeito que entrou no curso porque queria sepultar (ou pelo menos civilizar) a miséria – o meu caso e o deslumbrado que escolheu o curso simplesmente porque se encantou pela eloquência dos engravatados “do mercado” que habitam a mídia, armados com seus gráficos e números mirabolantes, todos convergem pelo mesmo destino trágico, de uma vida cinza, infensa a tudo que é verdadeiramente vivo.

O que talvez sirva de consolo aos economistas é saber que a “ciência econômica” é cada dia mais bem sucedida na sua missão, de tal modo que é seguro afirmar que, hoje em dia, a sina do economista já não é só sua, é a sina de todos e todas nós, cidadãos do império do cinismo, onde crianças miseráveis vagando pelas ruas são tão naturais quanto a lei da oferta e demanda – ou a lei da inércia.

*Estevam Peixoto é graduando em economia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Lanari Bo Paulo Fernandes Silveira Renato Dagnino Eugênio Bucci Bernardo Ricupero Ari Marcelo Solon Marcos Aurélio da Silva Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Marc Von Der Weid Mariarosaria Fabris Bento Prado Jr. João Carlos Loebens Dênis de Moraes Daniel Brazil Armando Boito Fernando Nogueira da Costa Tales Ab'Sáber José Costa Júnior Carla Teixeira Marilia Pacheco Fiorillo Anderson Alves Esteves José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto Fernão Pessoa Ramos Daniel Costa Henri Acselrad Valerio Arcary Maria Rita Kehl Heraldo Campos Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Walnice Nogueira Galvão Chico Alencar Jorge Luiz Souto Maior Gilberto Lopes Marcelo Módolo Matheus Silveira de Souza Leonardo Avritzer Vladimir Safatle Leda Maria Paulani Eliziário Andrade Flávio Aguiar Ronaldo Tadeu de Souza Henry Burnett Gerson Almeida Tarso Genro Eduardo Borges Michael Roberts Gabriel Cohn Jean Pierre Chauvin Eleonora Albano Antonino Infranca Thomas Piketty Priscila Figueiredo João Adolfo Hansen Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Guimarães Lima Manuel Domingos Neto Mário Maestri Luiz Eduardo Soares Kátia Gerab Baggio Luiz Roberto Alves Flávio R. Kothe Rubens Pinto Lyra Antonio Martins Ronald Rocha Luiz Renato Martins Samuel Kilsztajn Michel Goulart da Silva Michael Löwy Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron Alysson Leandro Mascaro André Singer Leonardo Boff André Márcio Neves Soares Marcos Silva Berenice Bento Lucas Fiaschetti Estevez João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Leonardo Sacramento Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira Lorenzo Vitral Caio Bugiato Marjorie C. Marona Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Salem Nasser Igor Felippe Santos Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Fábio Konder Comparato João Carlos Salles Carlos Tautz Francisco Fernandes Ladeira Ladislau Dowbor Anselm Jappe Bruno Machado Milton Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Chico Whitaker Luís Fernando Vitagliano Osvaldo Coggiola Ricardo Antunes Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Slavoj Žižek Luiz Werneck Vianna Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Fabbrini Elias Jabbour José Raimundo Trindade Paulo Martins Vanderlei Tenório Marcus Ianoni Dennis Oliveira Jorge Branco Gilberto Maringoni Marilena Chauí José Micaelson Lacerda Morais Érico Andrade José Dirceu Francisco Pereira de Farias Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho Ricardo Musse Ricardo Abramovay Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos José Geraldo Couto Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Afonso da Silva Celso Frederico Afrânio Catani Paulo Capel Narvai Julian Rodrigues Tadeu Valadares Alexandre de Freitas Barbosa José Luís Fiori Airton Paschoa Luiz Marques Valerio Arcary Lincoln Secco Luciano Nascimento João Feres Júnior Andrés del Río Paulo Nogueira Batista Jr Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Denilson Cordeiro Manchetômetro Rafael R. Ioris Liszt Vieira Rodrigo de Faria

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada