A ‘revolução passiva’ neoliberal

Imagem: Ryanniel Masucol
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

O sequestro pelo neoliberalismo da noção de “revolução” permitiu à extrema direita assumir uma posição antissistêmica

O neoliberalismo sequestrou a noção de “revolução”. Assim, uma fração hegemônica da classe dominante pôde apresentar-se com o discurso desabonador ao estado de coisas. O deslocamento do campo revolucionário permitiu à extrema direita assumir uma posição antissistêmica e, num giro de 180°, acusar de reacionários aqueles que expunham os ardis das reformas para a reconfiguração das relações entre capital e trabalho. A avalanche do pensamento único desceu o Mont Pèlerin, com tal violência, que a dama de ferro britânica virou uma espécie de porta-bandeira no quadro A liberdade guiando o povo (1830), de Eugène Delacroix. Os carbonários agora vestiam verde e amarelo.

Apoiados em entidades patronais com a promessa de limpar as entranhas corrompidas do Brasil, Jair Bolsonaro e o Chicago boy usufruíram da disponibilidade ao sacrifício por parte da população que padeceu as políticas antissociais. As dores do parto libertador eram compensadas pela esperança mágica no futuro, vencida a “herança maldita do esquerdismo”. A precarização da existência com o aumento do custo de vida, a disparada no preço dos combustíveis e o desemprego estrutural foram atirados nas costas de terceiros, ora no conflito da Ucrânia, ora no Congresso Nacional ou no STF. Apostou-se no neoliberalismo duro para desatravancar o crescimento e, por um efeito mimético, modernizar a nação. Nas ruas, a legião bolsonarista bradava com ódio uma recusa à ordem oficial.

Em depoimentos feitos à Polícia Civil/DF sobre o putsch frustrado de 8 de janeiro, e repassados à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos de vandalismo em Brasília, os militontos declararam: “o golpe evitaria o comunismo, a escravidão sexual e traria a salvação espiritual”. Faltou acrescentar que buscavam a reprimarização do território brasileiro aos moldes do agronegócio, às expensas do Estado de direito democrático. A instrumentalização do medo ocupa espaço proeminente na epopeia da humanidade, cuja potência foi explorada pelo colonialismo e o patriarcado. Na Europa e nos Estados Unidos, o temor dos ultranacionalistas cristãos (xenófobos), brancos (racistas) e héteros (sexistas) é estimulado pelo aceno à “guerra cultural” representada por imigrantes, o black lives matter, o movimento feminista e os grupos LGBT. Muitos surfam na onda.

A Rede Globo e a Lava Jato orquestraram o assalto do novo fascismo aos corações e às mentes dos comuns. Na telinha, canalhas eram glorificados e escolhidos para o papel de heróis, tão hipócritas quanto medíocres; fora da tela, revelavam-se desprezíveis traidores da pátria. A mise-en-scène envolvia a mistificação da “técnica”. Os especialistas encarnam os profetas bíblicos, no sentido do Primeiro Testamento, ao propor alternativas para a redenção. Os laços subterrâneos com os bancos, investidores e acionistas não saem nos noticiários. A fabricação reiterada de falsas notícias promove as narrativas dissimuladoras das ideologias e dos interesses de classe, com a aparência de um saber imparcial, apolítico, neutro como sabonete de glicerina. Está em disputa a consciência plebeia.

Vide a cobertura midiática do boicote à reindustrialização do país pelo Banco Central (Bacen). Os juros extorsivos são anunciados por decisão de uma tecnocracia no Comitê de Política Monetária (Copom), “preocupada com a elevação inflacionária que tanto mal causa às famílias”. Evoca-se a memória de três décadas atrás a fim de ocultar os lucros com títulos da dívida pública, maximizada pela taxa Selic para atender os abutres milionários das finanças privadas, que ganham com os juros absurdos. Obriga-se o Estado a pagar somas superdimensionadas pelo Bacen de Roberto Campos Neto. Eis a Caixa de Pandora fechada a sete chaves. A quem serve o cavalo troiano, nas reuniões?

A oficialização da metamorfose neoliberal por meio de dispositivos legais abriu uma clareira para os bacanas locupletarem-se no banquete e, em simultâneo, posarem de bons samaritanos para os segmentos vulneráveis. A inflação é um pretexto para espoliar os contribuintes. Os cães de guarda encarregam-se de escrever a fábula da empatia de ricos para com a sorte dos pobres. A pantomima acoberta o dreno para repassar bilhões de reais às “elites”. Mina-se a crença nas regras do jogo, o princípio da soberania popular, a democracia nos trópicos. Coroa-se o preconceito antipolítica.

 

Estatismo neoliberal

Herbert Marcuse explica a sobrevida do “sistema” pela capacidade de absorver “críticas”, inclusive as ácidas, e converter os protestos em mercadoria. Nos anos 1960, as mobilizações estudantis nos EUA contra a invasão do Vietnã ensejaram a comercialização de jaquetas militares, com manchas de sangue, na presunção de pertencerem a soldados norte-americanos mortos. Idêntico sucedeu com o corte grunge de cabelo dos anarquistassurgidos na Inglaterra, no final de 1970. Em uma semana, as escolas de cabeleireiros ensinavam a contra-estética punk na periferia de New York e São Paulo.

Já o neoliberalismo ensinou os poderosos a não temerem as denúncias à gramática capitalista e utilizarem a força das investidas ao status quo para abater os inimigos. Começou na desautorização da pastoral coletiva da Teologia da Libertação. O estopim foi dado por um livro – Igreja carisma e poder, do frei Leonardo Boff. Convocado a comparecer na Congregação para a Doutrina da Fé, em meados de 1980, o religioso foi condenado pelo Cardeal Ratzinger e o Papa João Paulo II à pena de “silêncio obsequioso”. Por injunções do Vaticano, Boff deixou a direção da revista Vozes. O flanco aberto na base da pirâmide social, para a pregação fundamentalista e hiperindividualista da teologia da prosperidade, facilitou a desconstrução da correia de transmissão progressista nas comunidades.

O conservadorismo maquiou-se com um perfil diferente para alavancar o extermínio de direitos, comandado pela lógica férrea de acumulação numa forma distinta de dominação e, a exemplo do liberalismo clássico, em oposição à soberania do Estado. “É preciso mudar em todos os domínios” tornou-se o slogan predileto dos apóstolos dos dez mandamentos do Consenso de Washington. Havia o desejo de ir adiante, com a bússola da ganância para desembarcar os sonhos na distopia.

Não obstante, as aventuras foram menos óbvias, não derivavam de uma “revolução em ativação”. O impulso à modernização veio dos países avançados e foi incorporado por intelectuais locais. Entre eles, Fernando Henrique Cardoso, ao pisar no acelerador das privatizações. O projeto não se ligava a uma demanda intrínseca das forças produtivas da economia nacional. Eram ideias fora do lugar que geraram desigualdades e sofrimentos protagonizados pelo Estado, os quais ainda perduram.

Não se confunda o antiestatismo da revolução sem ativação com as lições bakuninianas sobre o anarquismo. Dissociado do Estado e do monopólio da violência simbólica, nenhum programa anti-humanista impingiria uma racionalidade econômica à vida social, in totum. Com decretos oficiais, leis no Parlamento, respaldo no Judiciário, relatórios amigos no Tribunal de Contas e mensageiros na mídia, a necropolítica fez do retrocesso civilizacional um reino encantado e, da gente famélica, mero coadjuvante para satisfazer a gula do rentismo financeiro. Na empreitada, as garantias para o sucesso foram fornecidas pelo Leviatã alinhado ao extremismo direitista em ascensão, no patamar internacional. A direita moderada, de início, não percebeu a armadilha preparada pela conjuntura.

O estatismo neoliberal é um construtor de mercados. Despojar do aparelho estatal a regulação e o intervencionismo, relegando a economia para o crivo das empresas ao revés da sociedade, era e é fundamental para universalizar o paradigma empresarial da rentabilidade e desempenho na gestão da res publica e na formatação da subjetividade dos indivíduos, no espírito do capitalismo. Se o neoliberalismo governa o povo com olhos no amanhã é, não para preservar o constitucionalismo, senão gerir as tragédias e danos inerentes à concentração da riqueza e à destruição da natureza.

 

Humanismo socialista

Pierre Bourdieu, em A miséria do mundo (cem mil cópias vendidas, em formato convencional), diagnostica a doença privatista como uma “demolição dos serviços públicos”: fator estratégico para a perpetuação das torturas sociais. Na adversidade, a rebeldia recupera raisons d’agir para manter as conquistas ameaçadas. Enganam-se os que supõem uma defesa ingênua das balizas institucionais existentes. Os “anjos tortos” resguardam direitos adquiridos dos ataques do laissez-faire. Na análise concreta da realidade concreta inverteu-se a fórmula leninista para dois passos atrás, um à frente.

Erra também quem avalia que, de modo reativo, vingou a célere contrarrevolução conservacionista ou restauradora. As políticas neoliberais acenam intenções de inovação e ruptura. Trata-se de uma ação ofensiva para suspender a sociabilidade republicana e instituir o totalitarismo dos mercados, via o consenso no “andar de cima”. Num cenário de refluxo, o imaginário de mudanças obedeceu a dinâmica subversiva, em nome da liberdade do capital. Porém, não pretendeu subverter o arcabouço sistêmico; e sim, compromissos sociais impostos em dissídio pela organização dos trabalhadores.

Para Antonio Gramsci, a consolidação da concepção de mundo da bourgeoisie principiada em 1789, no caso da França, foi um trajeto de longa duração arrematado em 1871 com a derrota da Comuna de Paris para o “homem burguês”. Vinte mil cidadãos foram mortos e quinze mil presos, durante a semana sangrenta de maio do primeiro autogoverno proletário e popular da história. O genial marxista identificou na convulsão estrepitosa o batismo de covardia do regime argentário. Classes proprietárias antes iluministas e voltarianas viram na alienação e no emburrecimento das massas o expediente, doravante, para a própria manutenção no poder. A maturidade social e econômica na infraestrutura da sociedade não caminha, pari passu, com a maturidade política na superestrutura.

Nos Cadernos do cárcere (editados por Carlos Nelson Coutinho, volume 1, p. 280 e seguintes), o pensador sardo usa o conceito de “revolução passiva” para denotar a persistente pujança da burguesia nos reordenamentos sociopolíticos que lhe asseguram o poder, a iniciativa e a hegemonia. Daí o valor gnoseológico e político para entender, conceitualmente, a permanência da cosmovisão histórico-moral burguesa, mesmo não sendo a classe revolucionária. O fascismo europeu em 1920-30 e o neoliberalismo contemporâneo, no Brasil, integram a categoria de revolução passiva. Idem, a Revolução de 1930 e, na versão militar, a Revolução de 1964. Parafraseando T. S. Eliot: “Assim expira o mundo / Não com uma explosão, mas com um suspiro”. Expira e renasce, pelo alto.

A tese da repaginação do liberalismo por Friedrich Hayek, Ludwig von Mises, Milton Friedman et caterva impôs uma reatualização ao abecedário cognitivo para a compreensão do passado-presente. A fórceps, quando necessário for ao culto do deus-mercado. A antítese para frear tamanha inflexão autoritária acha-se em uma autonomização das classes subalternas, pela práxis político-ideológica. A cimentação de uma contra-hegemonia é fruto de lutas cevadas com paciência e teimosia. Não por determinismo ou por destino, mas para materializar uma possibilidade, dentre outras. O processo exige a unificação dos lutadores sociais e políticos em torno de vetores programáticos nítidos.

Hoje, o método contrafogo do governo Lula no combate à infelicidade pública provocada pelo incêndio da desrazão egóica das finanças efetua-se com: (a) investimento social; (b) desenvolvimento sustentável e; (c) participação cidadã. Nesta perspectiva, o caráter “passivo” da revolução neoliberal tem a chance então de ceder ao caráter “radical” (que vai à raiz), condição incontornável para a esquerda se reapropriar da bandeira da revolução emancipadora, estampada no quadro de Eugène Delacroix. A igualdade, a liberdade e a solidariedade indicam o rumo para o humanismo socialista.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Machado João Carlos Loebens Elias Jabbour Chico Alencar Antônio Sales Rios Neto Jorge Branco Carlos Tautz Tarso Genro João Paulo Ayub Fonseca Denilson Cordeiro José Luís Fiori Leonardo Boff Milton Pinheiro Gilberto Lopes João Feres Júnior Walnice Nogueira Galvão Michael Löwy Ari Marcelo Solon Valerio Arcary Marcos Aurélio da Silva Manuel Domingos Neto Thomas Piketty Ronald Rocha Caio Bugiato Maria Rita Kehl Paulo Sérgio Pinheiro Dênis de Moraes Andrew Korybko Leda Maria Paulani Paulo Martins Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Luiz Marques Daniel Costa Chico Whitaker Manchetômetro José Raimundo Trindade Daniel Afonso da Silva Remy José Fontana Afrânio Catani José Machado Moita Neto Tadeu Valadares Carla Teixeira Eliziário Andrade Ricardo Musse Everaldo de Oliveira Andrade Ladislau Dowbor André Singer Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Andrés del Río Matheus Silveira de Souza Juarez Guimarães Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Kátia Gerab Baggio Ronaldo Tadeu de Souza José Micaelson Lacerda Morais Annateresa Fabris Ricardo Antunes Luiz Werneck Vianna Luís Fernando Vitagliano Tales Ab'Sáber Paulo Fernandes Silveira Bernardo Ricupero Valerio Arcary Celso Favaretto Berenice Bento Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Francisco Pereira de Farias Alexandre Aragão de Albuquerque André Márcio Neves Soares Fernão Pessoa Ramos Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Bento Prado Jr. Jean Marc Von Der Weid Paulo Nogueira Batista Jr Sandra Bitencourt Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Lorenzo Vitral Antonio Martins João Adolfo Hansen Luiz Eduardo Soares Luiz Roberto Alves Rodrigo de Faria Eleonora Albano Henri Acselrad Marcelo Módolo Gerson Almeida Liszt Vieira Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini Celso Frederico Eleutério F. S. Prado Lucas Fiaschetti Estevez Eduardo Borges Mário Maestri Dennis Oliveira Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Claudio Katz Eugênio Bucci João Lanari Bo Gilberto Maringoni Heraldo Campos Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Armando Boito Leonardo Avritzer Atilio A. Boron Michael Roberts Priscila Figueiredo Antonino Infranca Luciano Nascimento Renato Dagnino Flávio Aguiar Luis Felipe Miguel Anselm Jappe José Dirceu Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Silva Osvaldo Coggiola Henry Burnett Vinício Carrilho Martinez José Costa Júnior Sergio Amadeu da Silveira Michel Goulart da Silva Vanderlei Tenório Luiz Renato Martins Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Salem Nasser Fernando Nogueira da Costa Yuri Martins-Fontes Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilia Pacheco Fiorillo Julian Rodrigues Otaviano Helene Flávio R. Kothe Paulo Capel Narvai Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Alexandre de Freitas Barbosa João Sette Whitaker Ferreira Érico Andrade Airton Paschoa Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald León Núñez Francisco Fernandes Ladeira Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás Anderson Alves Esteves Marilena Chauí

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada