A direita bem pensante do Brasil

Marcelo Guimarães Lima, Máscara, lápis e acrílico sobre papel, 21x29cm, 2021.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

Democráticas e patrióticas considerações sobre o país por um dos pensadores do capitalismo rastaquera brasileiro

Ser ficcionista no Brasil é parada dura, muito dura. A realidade supera constantemente a mais fértil imaginação! Entre nós, os produtos da imaginação tomam repetidas vezes o lugar da realidade, as coisas, os fatos, os conceitos trocam de lugar, sutilmente ou escancaradamente, mas sempre alegremente ou risonhamente, sem muitas reservas, sem angústias, ansiedade ou pudor. E tudo se confunde numa geleia geral onde identidades se volatizam, distinções lógicas se esvanecem, as ideias se mostram maleáveis em graus superlativos, ancoradas apenas na afabilidade de um olhar cordial e de um amável sorriso de reconhecimento em conversações entre intimidades que se espelham no lugar comum da cordialidade pública.

Somos, enfim, um país surreal mas, infelizmente, o nosso é um surrealismo empobrecido por automatismos paralisantes, infrutíferos, um surrealismo cujos delírios são facilmente decifráveis nas suas significações ralas, onde os sonhos não suplementam, expandem e revigoram o real, mas apenas espelham a mais que relativa miséria espiritual, a miséria moral cotidiana.

Um exemplo interessante é o recente artigo do sr. Delfim Netto na prestigiada Folha de S. Paulo, jornal que se pretende porta-voz da direita bem pensante do Brasil. No artigo, O sr. Delfim Netto, economista que foi (entre 1967 e 1974, nos informa a Folha) ministro todo-poderoso da ditadura militar tece suas muy democráticas e patrióticas considerações sobre o país, sobre a nossa democracia, sobre a necessidade de um projeto nacional na conjuntura das eleições que se aproximam e outras caridosas considerações.

Tudo isso numa linguagem, eu diria, quase paternal, própria seguramente de um vetusto cidadão de larga experiência de vida e de vida pública se dirigindo aos leitores num tom de excelsa benevolência e tranquilidade. A tranquilidade de quem tem confiança na própria sabedoria e sabe que, portanto, deve ser ouvido, ou, claro está, não teria seu espaço na já caracterizada prestigiosa publicação. A tranquilidade dos antigos servidores da ditadura empresarial militar, nunca responsabilizados.

No início do artigo do antigo “Czar da Economia” no regime militar (assim chamado pelos meios jornalísticos de então) o sr. Netto demonstra seu conhecimento da história moderna do país, história da qual foi um personagem muito importante na sua época. Houve um tempo, diz ele, que o Brasil foi, digamos assim, a “inveja das nações” (expressão nossa aqui, não do articulista, mas no espírito da proposição), por suas vigorosas taxas de crescimento acima da média mundial, entre as décadas de 50 e 70 do século passado. A partir dos anos 80 a coisa mudou, as dificuldades se acumularam e “mergulhamos numa dinâmica de empobrecimento relativo acelerado, a qual não tivemos sucesso em reverter.”, escreve ele.

Face ao impasse atual do regime golpista sob o qual vivemos, o sr. Netto escreve militantemente: “baixo crescimento não é destino” e pede encarecidamente a quem de direito, isto é, aos candidatos à presidência em 2022, um projeto de país que contemple de fato as enormes dificuldades atuais e ofereça guia seguro para o futuro.

É de se notar que o sr. Delfim Netto já esteve à frente, como ministro da economia de arrojadas iniciativas e ideias, de um projeto de país específico: o da ditadura militar. Os anos nos quais o sr Delfim Netto comandou a economia brasileira foram os anos do recrudescimento da ditadura militar iniciada com o golpe de 1964, anos de censura intensificada, arrocho salarial, intervenções em sindicatos, nas universidades, torturas e assassinatos de adversários do regime, regime cuja condição de implantação e sobrevivência foi precisamente a subversão da organização e institucionalidade política do país, a tortura e os crimes da repressão generalizada, a violência sem limites. De 1964 a 2016, de um regime golpista a outro, o sr Delfim Netto é um elo objetivo, que se expressa nesta ocasião como mediador na sua vasta experiência político-administrativa.

O mesmo podemos afirmar, no seu domínio específico de profissional da política, de Jair Bolsonaro, ex-militar formado na ideologia de extrema direita da ditadura empresarial militar, e que oferece ao país hoje, como projeto único de (des)governo, a anacrônica ideologia do “anticomunismo” genérico e providencial. Um verdadeiro “filhote da ditadura”, na expressão com a qual o combativo progressista Leonel Brizola, arqui-inimigo do poder militar, definiu o sr. Paulo Maluf nas lidas políticas de então.

A Folha de S. Paulo, abrigando as ideias do sr. Delfim Netto e tantos outros pensadores e ideólogos do capitalismo rastaquera brasileiro, dá expressão ao surrealismo nacional. De minha parte, expressando meus parcos dotes de profeta, vaticino que quando o ilustríssimo Jair Bolsonaro deixar a presidência, se aposentar da política, terá ele também seu espaço democrático escrevendo no afamado jornal paulista. Talvez mesmo uma democrática coluna semanal. Provavelmente escrita por Carlos Bolsonaro e sua assessoria de comunicação. Possivelmente após um período de largas férias da vida pública ao exemplo do Sr. Eduardo Cunha, agitador do golpe de 2016. Ou talvez não. Afinal, a nossa tradição e prática jurídica é seletivamente cristã e dada a perdoar os que podem ou merecem ser perdoados de acusações ou crimes notórios. No dizer do insigne Ministro do STF, Alexandre de Morais, a justiça brasileira é cega, mas não é tola.

*Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Nogueira Batista Jr João Sette Whitaker Ferreira Marilena Chauí Leonardo Boff Marjorie C. Marona Fernão Pessoa Ramos João Paulo Ayub Fonseca Jorge Branco Samuel Kilsztajn Matheus Silveira de Souza José Luís Fiori Alexandre de Freitas Barbosa Marcos Silva Tales Ab'Sáber Dennis Oliveira Slavoj Žižek Mariarosaria Fabris João Carlos Salles Tadeu Valadares Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Sergio Amadeu da Silveira Henry Burnett Gabriel Cohn Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Werneck Vianna Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero Otaviano Helene Alysson Leandro Mascaro Anselm Jappe Salem Nasser Anderson Alves Esteves Berenice Bento Rodrigo de Faria Leonardo Sacramento Marcelo Guimarães Lima Denilson Cordeiro Juarez Guimarães João Adolfo Hansen Marilia Pacheco Fiorillo Michael Löwy Marcos Aurélio da Silva Remy José Fontana Vinício Carrilho Martinez Leonardo Avritzer Ricardo Fabbrini Caio Bugiato Igor Felippe Santos Claudio Katz Marcelo Módolo Tarso Genro Valerio Arcary Gilberto Lopes Milton Pinheiro Francisco Pereira de Farias Lincoln Secco Boaventura de Sousa Santos Flávio Aguiar Celso Favaretto Ricardo Abramovay André Singer Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrés del Río Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Luís Fernando Vitagliano Chico Whitaker Celso Frederico Eleonora Albano Eduardo Borges Julian Rodrigues José Machado Moita Neto Eugênio Bucci Sandra Bitencourt Bento Prado Jr. Fernando Nogueira da Costa Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Carla Teixeira Heraldo Campos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcus Ianoni Ricardo Antunes Gerson Almeida Airton Paschoa Rafael R. Ioris Maria Rita Kehl Afrânio Catani José Costa Júnior Michel Goulart da Silva Dênis de Moraes Mário Maestri Vladimir Safatle Jorge Luiz Souto Maior André Márcio Neves Soares Renato Dagnino Armando Boito Eugênio Trivinho José Raimundo Trindade Chico Alencar Leda Maria Paulani Atilio A. Boron Ronaldo Tadeu de Souza Vanderlei Tenório João Carlos Loebens Luiz Marques Andrew Korybko Paulo Martins Carlos Tautz Luciano Nascimento Daniel Costa José Geraldo Couto Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás Elias Jabbour Michael Roberts Alexandre Aragão de Albuquerque Ladislau Dowbor Luiz Eduardo Soares João Lanari Bo Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Luiz Roberto Alves José Micaelson Lacerda Morais Jean Pierre Chauvin Eleutério F. S. Prado Ronald León Núñez Daniel Brazil Walnice Nogueira Galvão Valerio Arcary Manchetômetro Henri Acselrad João Feres Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira José Dirceu Paulo Fernandes Silveira Liszt Vieira Rubens Pinto Lyra Priscila Figueiredo Flávio R. Kothe Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Gilberto Maringoni Ronald Rocha Bruno Machado Lorenzo Vitral Daniel Afonso da Silva Érico Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada