As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O português brasileiro e o português europeu

Imagem: Mike
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO BRANDÃO-SILVA & MARCELO MÓDOLO*

O uso de palavras do vocabulário brasileiro em Portugal tem causado polêmica

“Gosto de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões / Gosto de ser e de estar / E quero me dedicar a criar confusões de prosódias / E uma profusão de paródias / Que encurtem dores / E furtem cores como camaleões […] O que quer
O que pode esta língua? […]” (Caetano Veloso, Língua)

O trecho da canção Língua, de Caetano Veloso, utilizado como epígrafe deste artigo, de certa forma traduz um pouco da polêmica ocorrida nas últimas semanas envolvendo o português brasileiro (PB) e o português europeu (PE), o dito “português de Portugal”. Em matéria publicada, no dia 10/11/2021, no jornal português on-line Diário de Notícias, pais e educadores manifestam preocupação pelo fato de que “há crianças portuguesas que só falam ‘brasileiro’”. Tal preocupação sugere a crença em uma suposta “língua brasileira”, que poderia “ameaçar” a integridade do português europeu. Aqui no Brasil, houve repercussão na mídia.

Segundo a publicação portuguesa, em função da pandemia causada pelo novo coronavírus, as crianças têm ficado muito tempo expostas a conteúdos produzidos por influenciadores digitais brasileiros e disponibilizados em plataformas on-line, na internet. Em virtude dessa exposição, passaram a empregar, frequentemente, palavras e expressões do léxico do PB: “Dizem grama em vez de relva, autocarro é ônibus, rebuçado é bala, riscas são listras e leite está na geladeira em vez de no frigorífico”. A questão divide opiniões de pais e de especialistas, uma vez que há os que veem o fato com preocupação e há também aqueles que acreditam que se trate apenas de uma fase. Como avalia Grolla, embora as crianças possam sofrer influência lexical, isso não acarretaria mudança na língua, efetivamente, pois essa mudança dependeria de questões mais profundas.

De qualquer forma, chama atenção o fato de que a utilização de palavras do nosso vocabulário brasileiro tenha causado tamanha polêmica. Na realidade, tal situação leva-nos a refletir sobre algumas questões importantes, como: a concepção de língua, a valoração atribuída às línguas, o temor de um movimento colonialista ao contrário por meio da língua, entre outras.

Na história das civilizações, a disputa por território e pelo poder levou muitos povos à guerra, como ocorreu, por exemplo, aos gregos e aos romanos. Uma vez conquistado um território, tanto esse território como sua população passavam ao domínio do povo vencedor, o qual impunha as suas leis e a sua cultura, incluída a sua língua. Nesse sentido, entende-se a língua como instrumento de poder e de dominação. Os gregos alexandrinos, temendo a “contaminação” da sua língua por influências dos falares dos povos subjugados, iniciaram um processo de normatização do grego, a partir dos textos clássicos da literatura vernácula, a fim de manter a própria hegemonia. Entre os romanos não foi diferente, haja vista que o latim se tornou idioma oficial de todas as colônias romanas.

Mais recentemente, durante o processo expansionista ultramarino empreendido pelos portugueses e pelos espanhóis, as línguas desses povos também foram impostas às suas colônias. Esse processo, inclusive, contribuiu para o desenvolvimento de um movimento normatizador do português e do espanhol, o qual fez que essas duas línguas fossem as primeiras a ter suas gramáticas sistematizadas. Aqui no Brasil, a definição da norma padrão, extraída da escrita portuguesa do século XIX, e sua propagação como modelo de correção linguística contribuíram para que se marcasse a prevalência de um grupo socialmente prestigiado sobre outro grupo, que, por não ter acesso aos bens culturais, ou por ter restrito acesso a eles, é estigmatizado.

Aqueles fatos históricos aqui evocados corroboram, portanto, que a língua não se restringe a ser um instrumento pelo qual interagimos uns com os outros e nos comunicamos. Há relações de poder e de dominação que se estabelecem por meio da língua, como bem demonstrou Pierre Bourdieu, em A economia das trocas linguísticas.

No episódio relativo ao PB e ao PE aqui retratado, é possível observar que há, primeiramente, uma visão distorcida do que seria a língua. A matéria cita o emprego de elementos do léxico do PB, que, de fato, apresenta diferenças em relação ao léxico do PE, o que se justifica pela própria formação dessas duas variedades. Não há, no entanto, qualquer menção ao emprego, pelas crianças portuguesas, de estruturas morfossintáticas que fossem distintas da variante europeia. Isso sugere que o que está sendo entendido como “língua brasileira”, ou “falar brasileiro”, são, tão somente, diferenças lexicais, que, por si, não são suficientes para caracterizar um idioma. Só poderíamos falar em línguas distintas se houvesse muitas diferenças em todos os níveis de descrição (no fonético-fonológico, no morfológico e principalmente no sintático), o que não é o caso do PB e do PE. Embora com variações, a estrutura gramatical das duas variedades linguísticas apresenta muito mais semelhanças do que diferenças.

Variação é característica natural das línguas, como definiu William Labov, na obra Padrões sociolinguísticos. A diversidade linguística advém em virtude dos diferentes usos, os quais são, todos, legítimos e linguisticamente possíveis. Ocorre que, por fatores não linguísticos, como a classe social dos falantes, uma variedade pode ser prestigiada ou estigmatizada.

Por fim, cabe acrescentar um ponto importante a esta discussão: a preocupação de que, de alguma forma, a variedade lexical do PB possa “corromper” a “pureza” do PE. No episódio aqui relatado, percebemos uma valoração bastante negativa do “falar brasileiro”, por parte de alguns. Da forma retratada, a influência lexical sofrida pelas crianças portuguesas é ameaçadora e prejudicial e, portanto, deve ser combatida, como se observa na fala de uma mãe, citada na reportagem: “Todo o discurso dele é como se fosse brasileiro. […] Neste momento estamos num processo de tratamento como se fosse um vício”. Avaliam-se como “ruins” usos linguísticos, pelo fato de serem do Brasil. Há nessa questão o temor de uma possível colonização às avessas.

Talvez, para alguns portugueses, o Brasil ainda seja colônia de Portugal. Nesse caso, seria demérito que “a língua da colônia”, de alguma forma, maculasse “a língua da metrópole”, assim como a tiririca (do tupi tiri’rika, segundo Antenor Nascentes, gerúndio de tiri’ri, “arrastar-se”) porque é planta rasteira que se alastra e deve ser combatida.

Em verdade, o léxico é epidérmico e jamais transfiguraria a estrutura de uma língua. Apenas a enriquece, ao contrário do que muitos possam pensar.

*Flávio Brandão-Silva é professor de linguística na Universidade Estadual de Maringá (UEM).

*Marcelo Módolo é professor de filologia na Universidade de São Paulo (USP).

Publicado originalmente no Jornal da USP.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Fabbrini João Paulo Ayub Fonseca Renato Dagnino Eliziário Andrade Michael Löwy Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Caio Bugiato Jorge Branco Marcos Aurélio da Silva Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Flávio R. Kothe Ricardo Musse Chico Alencar Sergio Amadeu da Silveira Bento Prado Jr. Eduardo Borges Walnice Nogueira Galvão Vanderlei Tenório Boaventura de Sousa Santos Airton Paschoa Benicio Viero Schmidt Igor Felippe Santos Luiz Marques Ricardo Antunes João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria Paulo Martins João Lanari Bo Fábio Konder Comparato Claudio Katz Berenice Bento João Carlos Salles Remy José Fontana José Costa Júnior Atilio A. Boron Tales Ab'Sáber José Raimundo Trindade Marjorie C. Marona José Machado Moita Neto Maria Rita Kehl Marcos Silva Celso Frederico Salem Nasser Luciano Nascimento Otaviano Helene Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Carla Teixeira Jean Pierre Chauvin Chico Whitaker Daniel Costa Luiz Costa Lima José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto Annateresa Fabris Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Fernando Nogueira da Costa Henri Acselrad Ricardo Abramovay Andrew Korybko André Márcio Neves Soares Denilson Cordeiro Mariarosaria Fabris Rubens Pinto Lyra Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Luiz Roberto Alves Paulo Capel Narvai Afrânio Catani Osvaldo Coggiola Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Gerson Almeida Eleonora Albano Ronald Rocha Manchetômetro Flávio Aguiar Elias Jabbour Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Fernandes Silveira Michael Roberts Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Paulo Nogueira Batista Jr Leda Maria Paulani Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Lincoln Secco Valério Arcary Tarso Genro Vladimir Safatle Ladislau Dowbor Slavoj Žižek José Dirceu Milton Pinheiro Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza Gabriel Cohn Valerio Arcary Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Roberto Noritomi Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Rafael R. Ioris Antonino Infranca Érico Andrade Heraldo Campos José Geraldo Couto Gilberto Maringoni Ronald León Núñez Priscila Figueiredo Luiz Renato Martins Henry Burnett Tadeu Valadares Juarez Guimarães Thomas Piketty João Adolfo Hansen Antonio Martins Francisco Pereira de Farias Anselm Jappe José Luís Fiori Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dennis Oliveira Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Sacramento Lucas Fiaschetti Estevez Antônio Sales Rios Neto Liszt Vieira Jean Marc Von Der Weid Manuel Domingos Neto João Feres Júnior Mário Maestri Luís Fernando Vitagliano Marilena Chauí André Singer Yuri Martins-Fontes Leonardo Avritzer Anderson Alves Esteves Bruno Machado Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Werneck Vianna Lorenzo Vitral Francisco Fernandes Ladeira Armando Boito João Carlos Loebens Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcus Ianoni Kátia Gerab Baggio

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada